Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

POETAS BYRONISTAS: Mal do Século

No description
by

Willber Kellvin

on 26 September 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of POETAS BYRONISTAS: Mal do Século

George Gordon Byron,
6º Barão Byron
(1788- 1824)
Período de 1815 à 1850: transição 2ª à 3ª Geração
Dominio do Imperio Burguês Conservador
Caráter Individualista
Expressão artística Caracterizada pelo Grotesco
Byron foi poeta-símbolo
Poesia Lírica de fundo filosófico e pessimista: Morte e Amor Infeliz
Poetas preferiam os lugares escuros, sombrios, úmidos;
"Poesia de Hospital": Palavras do Goethe.
LORD BYRON
Vida / Contexto
Por Que Mal do Século?
Geração Ultrarromântica
Evasão da Realidade: Não acontece como na 1ª Geração; Ganha contornos trágicos;
Morte: Solução dos problemas dos Hérois românticos;
Constante conflito: Indivíduo x Sociedade (Desajustado)
Comportamentos Típicos: Isolamento, Pessimismo, Dor Existencial, Sofrimento;
Leva o Subjetivismo às últimas consequências;
Características
POETAS BYRONISTAS
OBRIGADO
Jéssica Fernanda
Liliane Gomes
Mayra Cinthia
Thamyres Nunes
Willber Kellvin
Mal do Século
Pai: John Byron
Mãe: Catherine de Gight
Um dos Maiores Poetas Europeus;
Elemento de Rebeldia e Insatisfação: Incompreensão e desencanto para com o Mundo;
Vida Extravagante;
Conquistou amigos de forma surpreendente;
Apaixonou-se por Literatura ao primeiro contato;
Decide, em Londres, ser poeta;
Primeiro Livro: Horas Ociosas; Influenciado por Elizabeth; Começaram as Críticas;
Viaja pela Europa;
Novo Livro: Childe Harold (Novo Fenômeno Literário); Torna-se um Coxo irresistível;
Augusta vai morar com Byron; Engravida a Irmã;
Anjo da Morte
Tela representando a atração dos Românticos pela morte também na Pintura
Profundo subjetivismo
Sentimentalismo exacerbado
Pessimismo e melancolia
Egocentrismo e individualismo
Fuga da realidade/Escapismo
Saudosismo
Álvares De Azevedo
Cazuza
"Poema"
Raul Seixas
"Canto Para Minha Morte"
Patrono da Cadeira n. 2 da Academia Brasileira de Letras
Ingressa na Faculdade: Fundou a revista da Sociedade Ensaio Filosófico Paulistano; traduziu a obra Parisina, de Byron e o quinto ato de Otelo, de Shakespeare;
Toda sua obra poética foi escrita durante os quatro anos que cursou a faculdade;
Abandona a faculdade: Doente, é operado mas não resiste.
No mês anterior escrevera a última poesia: “Se eu morresse amanhã”;
Depois da sua morte surgiram as Poesias (1853 e 1855);
"O poeta da dúvida";
A experiência mais dramática do Romantismo brasileiro: Uma adolescência conflitante e dilacerada;
Poeta mais influenciado por Byron;
Casimiro de Abreu
Patrono da Cadeira n. 6 da Academia Brasileira de Letras;
Recebeu apenas instrução primária, estudando dos 11 aos 13 anos no
Instituto Freeze
;
Viajou para Portugal: Em Lisboa, iniciou a atividade literária;
Com dezessete anos já colaborava na imprensa portuguesa:
Jornal
O Progresso
imprimiu o folhetim
"
Carolina
"
(1856);
Na revista
Ilustração Luso-Brasileira
saíram os primeiros capítulos de
"
Camila
"
(recriação ficcional de visita ao Minho, terra de seu pai)
Colaborou em:
A Marmota
,
O Espelho
,
Revista Popular
e no jornal
Correio Mercantil
.
Nesse jornal, trabalhavam o jornalista
Manuel Antônio de Almeida
e o revisor
Machado de Assis
;
Temas prediletos:
a nostalgia da infância, a saudade da terra natal, o gosto da natureza, a religiosidade ingênua, o pressentimento da morte, a exaltação da juventude, a devoção pela pátria e a idealização da mulher amada;
Tuberculose: faleceu seis meses depois do pai, faltando três meses para completar vinte e dois anos.
Junqueira Freire
Patrono da cadeira nº 25 da Academia Brasileira de Letras.
Ingressa no Mosteiro de São Bento, em 1850, com apenas 18 anos.
Em 1852 já lecionava.
Obra conservadora:
Temas: horror; desejo reprimido; sentimento de pecado; revolta; remorso; obsessão de morte.
Temas religiosos.
Abandona o mosteiro (1853): Escreve sua autobiografia "Inspirações do Claustro" (1855).
Morre jovem. Dia 24 de junho de 1855, com 22 anos.
Fagundes Varela
Patrono da Cadeira n. 11 na Academia Brasileira deLetras;
Em 1861, publicara o primeiro livro de poesias,
Noturnas
;
"Cânticos do Calvario":
Em memória do Filho Falecido
Publicou
"Vozes da América"
e "
Cantos e fantasias"
;
Faleceu a mulher;
Épigono: apresentava em sua obra, características da terceira geração romântica
Evidenciam-se outros aspectos importantes:
Patriótico, em “
O estandarte auriverde
” (1863) e “
Vozes da América
” (1864);
Amoroso, na fase lírica, dos poemas ligados à natureza;
Místico e religioso.
O poeta não deixa de lado, também, os problemas sociais, como o abolicionismo.
Full transcript