Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Apresentação Pré Banca TCCII

No description
by

Marilia Ferrari

on 13 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Apresentação Pré Banca TCCII

2.

o advento da perspectiva
a paisagem
“Pois essa "forma simbólica" estabelecida pela perspectiva não se limita ao domínio da arte; ela envolve de tal modo o conjunto de nossas construções mentais que só conseguiríamos ver através de seu prisma. Por isso que ela é chamada simbólica: liga, num mesmo dispositivo, todas as atividades humanas, a fala, a sensibilidade, os atos.”
(CAUQUELIN, 2007, p. 37.)
“Então, é essa perspectiva, invenção histórica datada, que ocupa o lugar de fundação da realidade sensível. Ela instaura uma ordem cultural na qual se instala imperativamente a percepção.”
(CAUQUELIN, 2007, p. 114.)
3.

enquadramento | moldura
“Não há duvida de que temos aqui uma condição sine qua non: a janela e a moldura são “passagens” para os vedute, para ver paisagem ali onde, sem elas, havia apenas.... Natureza.”
(CAUQUELIN, 2007, p. 137.)
1.

subjetividade
instaura uma nova
percepção

de mundo;
surgem os pintores de paisagem;
autonomia

da paisagem diretamente ligada a questão da pintura.
“porque a moldura corta e recorta, vence sozinha o infinito do mundo natural, faz recuar o excedente, a diversidade. O limite que ela impõe é indispensável à constituição de uma paisagem como tal.”
(CAUQUELIN, 2007, p. 137)
orientação do

olhar

e, consequentemente, da

percepção
;
torna

visível,
revela paisagens.
transmitidas por
doadores
;
ligada a muitas

emoções

e

memórias;
são constutuídas essencialmente pela forma com que se lançam os

olhares
;
Cada cidadão tem vastas associações com alguma parte de sua cidade, e a imagem de cada um está impregnada de lembranças e significados.”
(LYNCH, 1997, p. 1).
"A natureza como paisagem se dá pelo olhar dos outros, quando a doadora, só com um movimento de mão, faz o gesto de desvelamento e inaugura aquilo que por um longo tempo será para nós o "real"."
(CAUQUELIN, 2007: 196.)
o olhar
"Não vês que o olho abraça a beleza do mundo inteiro? [...] É a janela do corpo humano, por onde a alma especula e frui a beleza do mundo [...] Quem acreditaria que um ponto tão reduzido seria capaz de absorver as imagens do universo? Leonardo da Vinci
a compreensão do mundo

se dá pelo olhar;
de que forma capturar a paisagem?
“...se chama concupiscência dos olhos à total experiência que nos vem pelos sentidos. Apesar de o ofício da vista pertencer primariamente aos olhos, contudo os restantes sentidos usurpam-no por analogia, quando procuram um conhecimento qualquer.”
Santo Agostinho.( CHAUI, 1998, p. 39.)
Trazer o corpo e seus sentidos à cena;
Descortinar as paisagens cotidianas;
Tocar a beleza nas coisas banais;
Restaurar a simplicidade do mundo;
Restaurar o jogo do homem com a paisagem;
Reviver as memórias e os símbolos.
O que procuram os olhos?
jogo
O elemento lúdico representa a característica inata ao homem do impulso, do automovimento.
Em toda obra há um espaço para o jogo que deve ser preenchido, há uma necessidade de resposta do jogador, esse jogar com a obra é a

identificação (interação) do jogador com a obra
.
símbolo
festa
anima mundi
Qual o conceito de beleza na atualidade?
o belo
“Resumindo, por baixo da crise ecológica está a crise mais profunda do amor: que o nosso amor tenha abandonado o mundo, que o mundo esteja desamado, é o resultado direto da repressão da beleza, de sua beleza e de nossa sensibilidade por ela. Para que o amor retorne ao mundo é preciso, primeiramente, que a beleza retorne, ou estaremos amando o mundo só como uma obrigação moral.”
(HILLMAN, 1993: 131.)

“... a alma do indivíduo nunca pode alcançar além da alma do mundo, porque elas são inseparáveis, uma sempre implica a outra. Qualquer alteração na psique humana ressoa como uma alteração na psique do mundo.”
(HILLMAN, 1993: 21.)

"A alma que não for cuidada - quer seja na vida pessoal, quer na vida da comunidade - torna-se uma criança raivosa. Ela assalta a cidade que a despersonalizou com uma raiva despersonalizada."
(HILLMAN, 1993: 42.)
Que elementos revelariam uma

Reflexão e contemplação
Estimular a reflexão individual, a contemplação como pensamento e como olhar.
Profundidade
Interiorização, estabelecer níveis, tanto do solo em altura como em alargamentos e estreitamentos, iluminação, texturas e materiais contrastantes.


Memória emotiva
Valorização e conexão com o passado, com os patrimônios, com os vestígios valiosos da história e do presente.
Imagens | Símbolos
Orientação e reconhecimento dos lugares, do corpo na cidade.
Relações humanas
Lugares de encontro;
Espaços para o corpo, da intimidade dentro da cidade.
"De forma que uma cidade necessita de lugares para esses contatos humanos do olhar. Lugares de encontro. Parar sempre que possível para um momento de toque de olhar."
(HILMANN, 1993, p. 41)
Lugares de pausa, de encontro, que possibilitem essas relações.
Gadamer - três conceitos base para a experiência estética contemporânea:
" Existe sempre um "jogar com" mesmo quem esta apenas observando existe uma participação interior nesse movimento que se repete." (GADAMER, 1997 ,p. 69)
Algo com o qual se reconhece a um antigo conhecido.
Reconhecer-se na obra.
Tempo de celebração, de encontro.
Não há uma meta final a ser atingida, é a vivência de um evento.
" Não se trata somente de estar junto com ao outro como tal, mas da intenção que une a todos." (GADAMER, 1997 ,p. 101)
Miramar (1928 - 1974)
“Visão, caminho do conhecimento além do conhecimento, o olho é a janela pela qual compreendo as coisas.“
(CAUQUELIN, 2007: 85.)
Relevar o invisível, o que está oculto atrás do inexistente, do ausente, do que foi perdido.
"Inaugurado em setembro de 1928, o Bar e Restaurante Miramar foi um dos principais pontos de encontro da elite econômica e cultural florianopolitana entre as décadas de 20 e 60 do século XX. Ao longo desses quase 50 anos, o Miramar reuniu boêmios, artistas, músicos, jornalistas, políticos, foliões no Carnaval, que na época acontecia nos arredores da praça XV, e espectadores das regatas de remo. A construção fez parte de uma seqüência de obras com o objetivo de modernização urbanística da cidade.
É por tudo isso que a demolição, ocorrida em 24 de outubro de 1974, em decorrência da construção do aterro da Baía Sul, seja ainda hoje lamentada. O Miramar nasceu como reflexo dessa onda de modernização que tomou conta de Florianópolis na década de 1920. A sua morte foi obra do progresso. Em 2001 uma réplica de suas colunas foi erguida longe do mar, mas no lugar exato de seu repouso. "

(Revista Revista Santa Catarina em História - Artigo Final da década de 1920 em Florianópolis: a construção do Miramar e a urbanização da cidade.)
Miramar e as areias do futuro aterro.
Intenções específicas:
Afirmar a sua importância perante a sociedade atual, visto que foi o coração das vivências florianopolitanas durante quase 50 anos;
Voltar a ser um lugar de permanência e não de passagem, um lugar de pausa na cidade;
Reestabeler o contato com o mar.
ensaio 02
Rua Cristóvão Nunes Pires
Classificada pelo Plano Diretor de Florianópolis de 1997 como uma via panorâmica, que são "aquelas que tem a função de turismo e lazer, devido a visibilidade que propiciam do mar, às lagoas, aos mangues, às dunas ou a outros elementos marcantes na paisagem natural ou construída da região." Para essa categoria existem afastamentos, gabaritos e vedações específicos que visam não impedir a percepção visual da paisagem.
Intenções específicas:
Devolver o direto à paisagem, o direito do olhar, a população;
Possibilitar que as determinações para uma via panorâmica sejam, em partes, cumpridas.
obrigada!
Louis I. Kahn. Conversa com estudantes – Louis Kahn, 2002

A invenção da Paisagem – Anne Cauquelin
Tradução: Marcos Marcionilo. – São Paulo: Martins, 2007.

A Imagem da Cidade – Kevin Lynch
Tradução: Jefferson Luiz Camargo – São Paulo: Martins, 2006.

Cidade & Alma – James Hillman
Tradução: Gustavo Barcellos e Lúcia Rosenberg – São Paulo: Studio Novbel, 1993.

A representação da cidade de Florianópolis na visão dos artistas plásticos
Sandra Makowiecky – Florianópolis: DIOESC, 2012.

As cidades Invisíveis – Ítalo Calvino
Tradução: Diogo Mainardi – São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

La Actualidad de lo Bello - Hans-Georg Gadamer, 1997.

Textos:
A Escultura no Campo Expandido – Rosalind Krauss
Bibliografia
trabalho de conclusão de curso II | 2013-01
ufsc | arquitetura e urbanismo
marilia ferrari
orientador: rodrigo almeida bastos
ensaio 01
LEGENDA

01 – Caminho luminoso e de enquadramento do Miramnar
02 - Caminho luminoso|sonoro
03 – Chafarizes interativos
04 – Eixos de circualçao principais
05 – Mobiliário
06 - Painéis - quadro negro
07 – Balanços luminosos | sonoros
08 - Chafarizes
09 – Painéis para os doadores de memórias | paisagens
10 – Exibição estrutura original
Referências

LEGENDA

01 – Acesso à praça elevada
02 - Praça elevada para contemplação e lazer
03 – Acesso a Galeria
04 – Praça térrea
05 – Elemento de transposição entre a praça térrea e a elevada
06 - Acesso à praça elevada

o retorno da alma ao mundo
Museu MUMOK - Viena
BordeauxPlace de la Bource, Bordeaux - Michel Corajoud

21 balançoires, Montreal - Daily tous les jours

Apesar de todas as formas e deformidades do mundo, o olhar busca e tenta encontrar as formas que trazem prazer estético e espiritual. Assim o olhar procura "a formosura, a forma e a figura do belo, tanto física quanto espiritual..."
“Por experiência própria, todos sabemos que visitar um museu, por exemplo, ou ouvir um concerto, são tarefas de intensíssima atividade espiritual. [...] Depois de visitar um museu, não se sai dele com o mesmo sentimento vital com que se entrou: se houve realmente a experiência de arte, o mundo se tornará mais leve e luminoso.”
(GADAMER, 1997, p. 72).
“Nada afeta tanto a alma, transporta-a tanto, como os momentos de beleza.”
(HILLMAN, 1993, p. 129.).
cidade animada?
Full transcript