Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A teoria sociológica de Peter Berger e seus viés religioso

No description
by

Bruno Raphael Dobicz

on 25 April 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A teoria sociológica de Peter Berger e seus viés religioso

Peter Berger
Pressupostos para o entendimento da teoria de Berger
Religião e Sociedade
Críticas à teoria sociológica de Peter Berger
Dialética bergueriana
1. Externelização;

2. Objetivação;

3. Iternelização.
A teoria sociológica de Peter Berger e seus viés religioso
Pontifícia Universidade Católica do Paraná - Câmpus Londrina
Sociologia da Religião


Bruno Raphael da Cunha Dobicz
Humberto Lisboa

João Paulo Penco
Rafael de Silva Francisco

Nasceu em Viena em 1929. Emigrou para os Estados Unidos no final da Segunda Guerra Mundial, depois de um período de formação na Inglaterra.
Suas importantes reflexões da natureza da realidade social bem como as incursões no campo da sociologia da religião foram gestadas nos anos 1963 e 1970.
Principais obras de Peter Berger:
A construção social da realidade (1966 – escrito com Thomas Luckmann);

O dossel sagrado (1969);

O imperativo herético (1979);

Rumor dos anjos (1969);

Uma glória remota (1992).
Segundo Berger, foi a própria religião ocidental judeu-cristã, e especialmente a protestante, um dos elementos responsáveis pela modernidade
Sua teoria oferece um aparato conceitual capaz de integrar a análise de problemas no nível micro da psicologia social com os do nível macro das ideologias e mudança cultural em geral.
Questiona o mito da superioridade cognitiva da ciência moderna e reabilita a religião.
Sua teoria acerca da realidade social tem origem em suas reflexões sobre a religião.
Influência de pensadores: Marx (concepção dialética da realidade – os homens fazem a história); faz uma abordagem compreensiva de Weber com a fenomenologia social; Durkheim e a Hegel (encontra neste a origem de toda a teoria fenomenologista)
EXTERNALIZAÇÃO é o momento em que o homem define padrões de comportamento, valores, regras e leis.
OBJETIVAÇÃO é o processo pelo qual as regras, valores adquirem uma aparência real e objetiva e se confrontam com os seres humanos, como sendo algo exterior a eles: Alienação.
INTERNALIZAÇÃO, etapa da dialética de construção da realidade, ou seja, a internalização pelos homens das regras, valores e conhecimentos com os quais se confrontaram como realidades externas e autônomas.
O SOCIAL É BASTANTE FRÁGIL
“Situações marginais;

Legitimação e conversação;

Manutenção do “nomos”.

Religião
Fator importante para a sociedade
Alienante e desalienante
Aspectos positivos:

1. Cria “heróis”;

2. Dá significação em experiências pessoais.

Fonte de desalienação:

Judaísmo e Cristianismo

Alienante
Desalienante
Judaísmo
1. Rompe com o natural;

2. Dá origem a modernidade;

3. Estabelece processo racionalizante.

Cristianismo
Rompe com razão judaica;

Mantém elementos:

1. Visão histórica;

2. Igreja.

Virada antropológica (Reforma Protestante)
Secularização

Pluralismo
Privatização

Religião e Modernidade
Crítica
Berger é criticado por não ser um autor original visto suas teses e argumentos já terem sido apresentadas por outros teóricos da sociologia.

Defesa
Porém nesta crítica o que ponderamos é que sua contribuição foi integrar as ideias de vários teóricos da sociologia tais como Weber, Marx, Durkheim dentre outros.

Crítica
Berger é criticado por ser um autor superficial.

Defesa
Aqueles que criticam Berger como superficial estão confundindo a profundidade do seu pensamento por terem dificuldades de compreendê-lo.

Crítica
Por se autoproclamar conservador, Berger foi duramente criticado por se posicionar antimarxista e se opor ao movimento da contracultura.

Defesa
O marxismo tenta conciliar um mundo moderno científico e tecnológico com uma comunidade fraterna, porém uma sociedade tecnológica tende à diversidade ameaçando a homogeneidade e a solidariedade que o modelo socialista propõe.

Crítica
Atualmente o modelo bergeriano é tido como inadequado para explicar a situação religiosa de reencantamento no mundo atual.

Defesa
Embora elaborada há mais de duas décadas , a análise da secularização feita por Berger foi capaz de levantar questões fundamentais que já previam a atual crise utópica e a busca por novas formas de religiosidade e fundamentalismos religiosos.

CONCLUSÃO
A sociologia de Berger se caracteriza por um ecletismo criativo que incorpora as ideias dos mais diversos teóricos, porém se observa que ele recebeu uma influência maior do sociólogo Max Weber.
Para Berger o objetivo das ciências sociais é questionar e relativizar o mundo que se aceita como natural.
Em sua opinião, se a sociologia conseguir fazer um fanático duvidar de suas crenças, já teria feito algum bem à humanidade, pois, para ele, muitas guerras e mortes teriam sido evitadas se as pessoas tivessem aprendido a duvidar de suas próprias convicções.
Ele acredita na possibilidade de combinar modernidade e transcendência, Pois no bom humor de seus textos aponta para essa transcendência e apresenta uma concepção plausível da religião.


Full transcript