Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Introdução à Psicanálise

Conceitos Fundamentais
by

ROBERVAL IGNACIO

on 14 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Introdução à Psicanálise

And one more thing...
is here
Subject 1
Subject 2
Diversos Conceitos Psicanalíticos
Inconsciente - para a Psicanálise
é um lugar desconhecido pela
consciência: seria uma outra cena.
O inconsciente é um conceito abstrato. Trata de
uma descoberta empírica, ou seja, baseada apenas
na observação de fatos visíveis e não em investigações
científicas concretas. Conforme Freud postulou,
existe uma aparência de caos, não obedecendo às
leis de nossa lógica, não existindo uma noção linear de
espaço, de tempo, de contradições, etc. Já Lacan, nos
mostra que o inconsciente obedece a uma certa lógica:
"o inconsciente é estruturado como uma linguagem", onde
as manifestações do inconsciente no consciente aparecem nos sonhos,
nos sintomas, nos atos falhos, lapsos, chistes e na involuntária compul-
são à repetição.
Pulsão -
empregado por Freud a partir de 1905,
tornando-se um grande conceito da doutrina
psicanalítica, definido como a carga energética
que se encontra na origem da atividade motora
do organismo e do funcionamento psíquico
inconsciente do homem.
Também conhecida como: 'instinto'; 'impulso' e 'impulso instintivo'. Inerente ao ID, designa as necessidades biológicas (fome, sede, proteção contra o frio, etc), agora, em relação às representações psicológicas temos: a necessidade de amor; amparo, paz; etc.
As pulsões estão simultaneamente sempre presentes no psiquismo de todas as pessoas, elas estão em oposição permanente, e fundidas entre si, de modo que em algumas pessoas prepondera a pulsão de vida e em outras, a de morte, princípio este que é essencial na determinação da qualidade de vida do sujeito.
Princípio do determinismo psíquico - Freud postulou que não existe uma causa única na determinação de sintomas ou na formação do carater; pelo contrário, multiplas e variadas causas produzem diversos efeitos no psiquismo.
O que é Pulsão de Vida - Eros e
Pulsão de Morte - Tânatos ???
Freud

postulou que em todo e qualquer ser humano existe uma dualidade de inatas pulsões instintivas: por um lado existe o amor, a preservação da própria vida, o erotismo, e por outro lado, de forma concomitante e fusionada, também agem pulsões de autodestruição, de ódio, de morte como destino inevitável. A essa polaridade instintiva, Freud deu o nome inspirado em duas figuras da mitologia grega: no mito, EROS significa amor, paixão amorosa, desejo ardente e, às vezes, violento, e a sua manifestação está consubstanciada no "princípio do Nirvana", enquanto o mitológico TÂNATOS é a personificação da morte, cuja evidência mais clara é o ato suicida. A coexistência, mais ou menos bem harmônica entre Eros e Tânatos, e a predominância de uma desssas pulsões sobre a outra, significa uma extraordinária importância na formação da personalidade de todas as pessoas.
Desejo - Essa idéia é empregada no contexto de uma teoria do inconsciente para designar um anseio, uma necessidade ou a realização de uma cobiça inconsciente. Nesta perspectiva, a consciência tenta conhecer o OBJETO, a apreensão deste não se faz por um conhecimento, mas por um RE-CONHECIMENTO. Em outras palavras, a consciência, reconhece o Outro na medida em que se reencontra nele. A relação com o Outro passa, pelo desejo: a consciência só se reconhece num Outro, isto é, num objeto imaginário, na medida em que, através desse reconhecimento, instaura esse Outro como Objeto de desejo. A consciência só pode dizer "eu" em relação a um Outro que lhe serve de apoio: eu me reconheço no Outro na medida em que o nego como Outro.
Enfim, a questão do desejo para a Psicanálise é: que no sonho reside a definição freudiana do desejo - o sonho é a realização de um desejo recalcado e a fantasia é a realização alucinatória do desejo em si.
Em momento algum, Freud indentificou a noção de DESEJO com a necessidade Biológica do ser humano.
A noção de desejo está ligada a traços mnêmicos, a lembranças.
Traumatofilia - o que é??
Esta palavra é derivada das raízes gregas trauma (ferida) + philos (amigo de) e designa um fenômeno bastante frequente em pessoas que, de forma compulsivamente repetitiva, acidentam-se (daí o termo - acidentofilia). Podem ser incluídos os sujeitos que de forma inconsciente forçam a repetição de cirurgias, às vezes desnecessárias e, algumas, chegam a ser mutiladoras de certas zonas corporais. A traumatofilia guarda uma relação íntima com sentimentos sadomasoquistas e lembra a, muito conhecida, situação de crianças que sofrem pequenos acidentes quando os pais se afastam por um tempo mais prolongado.
Teoria do Trauma - o significado psicanalítico da palavra "trauma" refere-se a 'um fato' - realmente acontecido - de que tenha tido alguma importante repercussão no psiquismo do sujeito. Freud enfatizava que tais 'fatos' depositados no inconsciente retornavam ao consciente sob a forma de sintomas. Daí ele postulou que - "os neuróticos sofrem de reminiscências" e que a cura consistiria em "lembrar o que estava esquecido".
Full transcript