Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Evolução da População Europeia.

No description
by

Vinícius Lima

on 30 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Evolução da População Europeia.

Economia europeia no sec. XVIII
Com o plano Marshall, a necessidade de mão de obra fez com que os europeus estimulassem a imigração para a Europa. Os imigrantes faziam os trabalhos que o povo europeu não se prestava a fazer (trabalho braçais e considerados humilhantes para os europeus) e recebiam baixos salários.
Com um mundo globalizado e informatizado, a Europa prefere comprar de outros países produtos de menor tecnologia, sendo assim, com a menor necessidade de mão de obra, o trabalhador estrangeiro é tido como um concorrente com os trabalhadores europeus no mercado de trabalho da Europa. Gerando assim, uma espécie de xenofobia (aversão aos estrangeiros imigrantes).
A partir da década de 1950, na Europa, inicio-se um processo de migração interna, onde os habitantes de países mais pobres migram para outros mais ricos. Antes de crise do sistema socialista no leste europeu, essa região era alvo de imigrações vindas do terceiro mundo. Porém, depois da crise socialista e da desfragmentação da união soviética (1991) fugiram para países da Europa ocidental (França, Bélgica, reino unido, etc.). em 1993, a União européia foi implantada e facilitou a circulação de mão de obra nos países europeus e dificultou ainda mais o ingresso de não europeus.

Divisão da população europeia
– GERMÂNICOS: ocupam principalmente a parte central e norte da Europa. Entre eles estão os alemães, austríacos, holandeses, suecos, noruegueses, britânicos.
– ESLAVOS: habitam predominantemente a Europa oriental (leste). São os russos, poloneses, ucranianos, eslovacos, sérvios.
– LATINOS: habitam predominantemente a Europa mediterrânea. São os portugueses espanhóis, italianos, franceses, e romenos, que não são sulistas, mas são latinos.

Influências da Revolução Industrial
Com a revolução industrial, no século XVIII, a população européia aumentou, pois, a urbanização, a melhoria das condições de higiene, o avanço da medicina fizeram com que as taxas de mortalidade baixassem, o que fez com que houvesse um crescimento populacional. Com o neocolonialismo, um grande número de pessoas emigrou para as colônias. A natalidade baixou, devido aos avanços e a informação. O que iniciou a chamada transição demográfica, ou seja diminuição do crescimento populacional, que hoje causa outro problema para a população européia, o envelhecimento da população. No século XX o acesso a informação, métodos anticoncepcionais, mulher no mercado de trabalho, educação fizeram com que as taxas de natalidade baixassem ainda mais.

Depois da primeira guerra mundial, quase todos os países europeus desenvolveram uma política anti-natalista, com a propagação das idéias de Thomas Robert Malthus, que pregava que o aumento populacional seria inferior ao crescimento da produção de alimentos, o que geraria uma crise mundial, porém o que ocorreu em 1929, foi uma crise de abundância.

ÁREAS MENOS POVOADAS OU DESPOVOADAS:
Norte da Noruega (muito frio)
Leste, nas vizinhanças do mar negro (aridez)
Altas montanhas ex: Urais (altitude, temperatura, neve)
A população européia é predominantemente urbana, em decorrência do histórico e amplo desenvolvimento industrial e comercial (principalmente a partir da revolução industrial). A indústria concentra população devido a necessidade de mão de obra.
A Bélgica é o país com maior porcentagem de população urbana da Europa.
Outros como Portugal e Albânia são rurais, esses tem respectivamente 34 e 39% de população urbana.
Com o neocolonialismo, muitas pessoas saíram da Europa, em direção as áreas colonizadas. A emigração aumentou com a devastação nas duas guerras. Após a segunda guerra, a Europa passou a ser um espaço de imigração (chegada de pessoas), atraídas pelas boas condições de vida.

Introdução
Neste trabalho apresentaremos a evolução da população europeia ao longo dos anos, desde a aspectos sociais como a aspectos econômicos. Mostraremos também o forte impacto que a economia tem na natalidade e na mortalidade, assim como sua distribuição geográfica e sua influência sobretudo em aspectos climáticos e os impactos resultantes da revolução industrial como a entrada da mulher no mercado de trabalho e muito mais!

Evolução da População Europeia.
Pirâmide Etária
Envelhecimento da população europeia
Com o declínio populacional, a Europa vive um novo problema, o envelhecimento da população, e a diminuição da população economicamente ativa (PEA). Uma outra tendência é o alto custo de um idoso para a sociedade, em termos de saúde, higiene e cuidados. Esse problema está sendo revertido com o incentivo a imigração providos ex-países socialistas do leste europeu, o que muitas vezes causa conflitos sociais e étnicos.
Os europeus afirmam que os países subdesenvolvidos devem controlar a natalidade. Eles temem que com uma explosão demográfica, os subdesenvolvidos possam invadir o território desenvolvido.
Hoje, a população européia jovem tende a seguir os padrões de educação, conhecimento e qualificação que hoje existe, fazendo da Europa o grande centro mundial.
Muitos países para controlar o déficit na previdência, adotam medidas de aumentar a idade mínima para a aposentadoria.



Densidade Demográfica
OS NÚMEROS POPULACIONAIS
POPULAÇÃO ABSOLUTA: 739,2 milhões de habitantes (menor apenas do que a Ásia)

POPULAÇÃO RELATIVA: 69 habitantes por quilômetro quadrado

MAIORES DENSIDADES DEMOGRÁFICAS: Mônaco (15.370 h/km2) – Malta (1.176 h/km2)
Economia europeia atual
-Europa Ocidental: Entre os países da Europa ocidental destacam-se a Espanha, França e o Reino Unido. Estes que possuem uma população de cerca de 196 milhões de habitantes, ou seja, trata-se de uma região muito populosa e povoada.Bélgica, Holanda e Luxemburgo compõem uma das regiões mais industrializadas do mundo, junto com esses países destaca-se Benelux. Nessa região além da indústria destacam-se a produção de energia, a extração de minerais, o cultivo de cereais e a atividade turística, com destaque para Mônaco.
-Europa Oriental: A Europa Oriental tem também sua economia baseada na indústria, produção de energia e de minerais. Sendo que alguns países estão enfraquecidos por estarem passando por uma fase de transição entre o socialismo e o capitalismo.Os destaques da indústria oriental são a de Moscou e São Petersburgo.Na agricultura a maior parte de seu espaço é ocupado por cereais, principalmente o trigo.Dentro da área agrícola destaca-se a criação de rebanhos bovinos, suínos e ovinos.

Mulher no mercado europeu
É particularmente notória a diferença que existe entre homens e mulheres no que respeita aos lugares de topo das empresas.Dados publicados pela Comissão Europeia confirmam que as mulheres representam apenas 12 % dos membros dos conselhos de administração das maiores empresas cotadas em bolsa na União Europeia e só 3% delas são presidentes (CEO) dessas instituições. Acresce ainda que na UE, uma mulher tem de trabalhar, em média, mais 54 dias por ano do que um homem para ganhar o mesmo, estando a disparidade salarial entre os sexos a rondar os 17,5.
A mulher entro definitivamente no mercado no período da Primeira Grande Guerra ao substituírem os homens que se tornaram soldados nas indústrias

Aparentemente não podemos desprezar o fato da produtividade da mulher ser condicionada pela ausência do emprego em caso de licença de maternidade ou em caso de doença dos filhos, um papel que está ainda majoritariamente associado ao sexo feminino. Estes fatos trazem mais dificuldades à mulher para conquistar salários mais elevados (que numa economia de mercado está associado à produtividade marginal) e alcançar lugares de topo nas empresas. Apesar disto, acredito seriamente que persiste discriminação no que toca à contratação de mulheres, visto que muitas empresas não estão dispostas a suportar encargos associados por exemplo à licença de maternidade e é provávl que também exista receio em colocar a mulher em postos de chefia por uma questão de autoridade. O sector empresarial é claramente ainda um mundo de homens, visto que as mulheres representam apenas 33% dos empresárieos europeus.cos e empresários mais poderosos do mundo, também se destacou pela reduzida presença femi
O recente Fórum Econômico Mundial (FEM) em Davos, que reúne os polítinina.Com o objetivo de aumentar a paridade de gêneros em termos de participação no FEM, a organização ambiciona impor uma quota às empresas representadas. Será exigido aos diversos parceiros do FEM que incluem uma mulher por cada cinco delegados presentes no evento. Para além de promover a igualdade, esta medida procura também diversificar o debate. O objetivo desta medida é claramente positivo, no entanto na segunda década do século XXI é preocupante que este tipo de medidas ainda tenham de ser tomadas.

Problemas Sociomográficos
Conclusão
Neste trabalho concluímos que a evolução da população europeia está relacionada a uma série de fatores, tanto econômicos quanto geográficos. Depois da revolução industrial e da primeira grande guerra a mulher adentrou ao mercado de trabalho que com os avanços tecnológicos fez diminuir a natalidade, tornando a população mais madura e que povoa a em maior número as regiões central e ocidental devido a melhores condições de povoamento.

Componentes
Bianca Cardoso;
Giulia Arges;
Júlia Isabela;
Isadora Alice
Júlia Medalha;
Larissa Gonzaga;
Maria Clara &
Vinícius Fabiano.

Full transcript