Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Castro Alves

No description
by

Guilherme Volpato

on 23 March 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Castro Alves

Castro
Alves Trabalho de Literatura Davi Girardi
Eric Junkes
Guilherme Volpato
Matheus Selene
Leopoldo Alves Nascimento Baiano Filho de
Antonio José Alves
Clélia da Silva Castro Era médico Morreu quando ele
tinha 12 anos 1847 - 1853 Salvador 1853 - 1862 (6 anos) (9 anos) Estudou no colégio de Abílio César Borges. Com Rui Barbosa Recife 1862 - 1868 (6 anos) Cursou a Faculdade de Direito após duas reprovações;
Seu pai faleceu;
Conheceu Eugênia Câmara (grande inspiração para sua poesia). Com Lima Barreto São Paulo 1868 - 1869 (1 ano) Época de grande inspiração:
Poesias Sociais
Drama "Gonzaga"
Cursou o 3° ano da Faculdade de Direito;
Rompeu com Eugênia Câmara. Com Rui Barbosa Muritiba Bahia 1869 - 1871 Voltou para a cidade de seu nascimento devido à tuberculose;
Continuou escrevendo até a sua morte, muitas poesias
inspiradas por seu amor platônico pela cantora Agnese Murri. Castro
Alves Lírica Produção Literária Social Lírica Concepção
Romântica Agnese
Murri Eugênia
Câmara Trecho do poema "Mocidade e Morte"
(Espumas Flutuantes - 1870 ): E porto avisto o porto
Imermo, nebuloso, o sempre noite
Cahmado—Eternidade. —
Laurindo.

Lasciate ogni speranza, voi ch'entrate.

Dante.
Oh! Eu quero viver, beber perfumes
Na flor silvestre, que embalsama os ares;
Ver minh'alma adejar pelo infinito,
Qual branca vela n'amplidão dos mares.
No seio da mulher há tanto aroma...
Nos seus beijos de fogo há tanta vida...
Árabe errante, vou dormir à tarde
A sombra fresca da palmeira erguida (...) Poeta Abolicionista Grande marco de Castro Alves
Rendeu-lhe o nome de "Poeta dos Escravos" Trecho do poema "O Navio Negreiro"
IV Era um sonho dantesco... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar de açoite...
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...

Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!

E ri-se a orquestra irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais ...
Se o velho arqueja, se no chão resvala,
Ouvem-se gritos... o chicote estala.
E voam mais e mais... Exemplos de obras Espumas Flutuantes, 1870
A Cachoeira de Paulo Afonso, 1876
Os Escravos, 1883
Hinos do Equador, em edição de suas Obras Completas (1921)
Tragédia no Mar
O Navio Negreiro, 1869 Poesia Teatro Gonzaga ou a Revolução de Minas, 1875 Declamação O Navio negreiro I - III A Volta da Primavera Referências www.projetomemoria.art.br www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=828&sid=124 Acessado dia 25/04/2013 Acessado dia 24/04/2013 Castro
Alves
Full transcript