Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Pesquisa Qualitativa (parte II)

No description
by

Igor Johansen

on 23 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Pesquisa Qualitativa (parte II)

Pesquisa Qualitativa (parte II)
Aula 11
Igor Cavallini Johansen (igor@nepo.unicamp.br)
PED-B - Metodologia e Técnicas de Pesquisa (HZ431-B)
Profa. Joice Melo Vieira - IFCH/UNICAMP
10/11/2014

QUIVY e CHAMPENHOUDT (1992)
1) Grupos focais (continuação da aula passada)
Estrutura da aula
1) Grupos focais (continuação da aula passada);

2) Dados visuais - fotografia, filme e vídeo;

3) Utilização de documentos como dados;

4) Pesquisa qualitativa
online
: a utilização da internet;

5) Discussão do exercício entregue na aula passada.
Referências
BANKS, M.
Dados visuais para pesquisa qualitativa
. Porto Alegre, RS: Artmed, 2009. 176 p., il. (Pesquisa qualitativa). ISBN 9788536320564 (broch.).

BARBOUR, R. Introdução aos grupos focais; Usos e abusos dos grupos focais; Fundamentos da pesquisa com grupos focais. In. ______.
Grupos Focais
. Porto Alegre, RS: Artmed, 2009.

FLICK, U.
Introdução à pesquisa qualitativa.
Porto Alegre: Artmed, 2009. 405 p.

FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A.
Métodos de pesquisa para Internet
. Porto Alegre, RS: Sulina, 2011. 239 p., il. (Cibercultura). ISBN 9788520505946 (broch.).

JOHNSON, A. 'It's good to talk': the focus group and the sociological imagination.
Sociological Review
, 44 (3): 27-33, 1996.

PATTON, M. Q.; COCHRAN, M.
A Guide to Using:
Qualitative Research Methodology. Medicins Sans Frontieres, UK, 2002.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS (UNICAMP).
DISSERTAÇÕES E TESES:
normalização do documento impresso e eletrônico. Sistema de Bibliotecas da Unicamp, Intituto de Estudos da Linguagem, 2009.
BABOUR (2009)
Preparação de um grupo focal
* Composição do grupo: garantir afinidade entre participantes e, a partir daí, suscitar a discussão;

* Necessário elaborar roteiro (guia de tópicos) e selecionar materiais de estímulo;

* Garantir que os participantes conversem entre si (não apenas com o "moderador").
Origem dos grupos focais
* Anos 1940: EUA
=> Avaliação de reações a propagandas e transmissões de rádio durante a Seg. Guerra Mundial;

* Pós-Seg. Guerra: Utilização dos grupos focais em pesquisas de marketing e opinião pública;

* A princípio: grupos focais negligenciados pela pesquisa acadêmica.
Atenção...
Johnson (1996) [...] que publicou um artigo sobre grupos focais intitulado "É bom falar" considera que grupos focais podem estimular mudanças significativas e levar participantes a redefinirem seus problemas de uma forma mais politizada. Entretanto, um pouco de cautela é apropriado, já que o contexto em que esse "fortalecimento" está sendo buscado é de importância crucial. (BABOUR, 2009, p. 31)
Usos e abusos
dos grupos focais
Importante:
=> Custos e oportunidades: Mito de que grupos focais são a técnica mais rápida e barata. Considerar ligações, deslocamento, aluguel de sala, transcrição, etc.

=> Estudos com grupos focais:
PATTON e COCHRAN (2002)
Todos esses estudos são caracterizados por um foco na importância do entendimento leigo e têm como ponto de partida a noção de que práticas e crenças aparentemente ilógicas, uma vez vistas das perspectivas das pessoas envolvidas, têm boas chances de revelar lógicas coerentes e possivemente muito sofisticadas. Isso, entretanto, só se torna aparente quando os participantes dos grupos focais recebem abertura para justificar e expandir suas visões em um ambiente livre de julgamentos. (BABOUR, 2009, p. 47 e 48)
Exemplos de utilização:
Quando NÃO utilizar:

* Quando o objetivo é obter narrativas individuais (não é o mais indicado);

* Avaliar atitudes (mas sim intenções, tendências, inclinações);

* Fazer generalizações estatísticas.
* Grupos focais preliminares -> desenvolver itens específicos para inclusão em questionários;
* Dar base a explicações sobre achados anômalos ou associações estatísticas surpreendentes;
* Em bancas de especialistas - desenvolver protocolos e orientações consensuais;
* Acessar indivíduos "relutantes";
* Estudar normas de grupo, significados e processos grupais;
* Acessar respostas a eventos enquanto estes se desenrolam;
* Abordar questões do tipo "por que não";
* Estudar o impacto do grupo na formação de atitudes;
* Podem fornecer não apenas descrições como também explicações; etc.
2) Dados visuais - fotografia, filme e vídeo
FLICK (2009)
As fotografias como instrumento e objeto de pesquisa
Formas de uso da fotografia na pesquisa social:
I - O pesquisador pode mostrar fotos (como demonstrador) para pessoas em estudo (como espectadores), questionando-os quanto ao material;
II - O operador (que tira a fotografia) pode utilizar o indivíduo pesquisado como modelo;
III - Os pesquisadores (como espectadores) podem pedir que o sujeito mostre fotografias sobre um determinado tópico ou período (como demonstrador);
IV - O pesquisador (como espectador) pode observar os sujeitos (como operadores) enquanto tiram uma fotografia.
Questões metodológicas:
* Suposições teóricas determinam o que é fotografado e quando;

* As fotografias também transformam o mundo (1. mudam o "objeto" e 2. divulgação e sensibilização social);

* Até que ponto as fotos estão também marcadas pela interpretação e pela atribuição daqueles que as tiram e observam? (seleção do enquadramento, montagem e retoque).
Olhar "seletivo"
Análise de filmes como instrumento de pesquisa
Modelo geral para a análise de filmes:

1. "Assistir e sentir";

2. Formulam-se perguntas que devem ser buscadas no material;

3. Produção de "microanálises estruturadas";

4. A busca de padrões no filme inteiro para responder à questão de pesquisa.
Sebastião Salgado
Sebastião Salgado
Sebastião Salgado
Desafios na condução do método:

* Problemas de seleção (quais filmes, quais cenas analisar?);

* Problemas de interpretação (a que se deve prestar atenção);

* Codificação/categorização e interpretação: diretamente sobre o material visual ou primeiro fazer transcrições?
O uso do vídeo na pesquisa qualitativa
Gravação em vídeo de aspectos de uma esfera específica da vida.

Utilização de uma câmera de vídeo em lugar de gravador.

Potencialidade:
Inclui partes não verbais da interação. Muito útil quando combinada com outras técnicas.

Desafios:
* Como limitar a presença técnica do equipamento?;
* Seleção do foco da câmera;
* Quando iniciar e quando parar a gravação?;
* Câmeras de segurança (sem permissão dos atores
para a realização da pesquisa).

4) Pesquisa qualitativa
online
: a utilização da internet
3) Utilização de documentos como dados
* Ao longo de nossas vidas, todas as atividades institucionais produzem
registros
(nascimento, casamento, óbito, etc.);

* Ao mesmo tempo: produzimos
documentos pessoais
em nossas vidas cotidianas (como diários e fotografias).

=> Esses documentos são informações que podem ser utilizados para
pesquisa
.

- Podem ser analisados de uma forma quantitativa, mas também, o que é mais comum, de forma qualitativa.

=> Documentos podem ser classificados conforme:
* A autoria (quem produziu o documento)
* O acesso (fechado, restrito, aberto para apenas um
documento e publicação aberta)

=>
Critérios
para seleção dos documentos: autenticidade,
credibilidade, representatividade e significação.
Entrevista online
* Pode ser organizada de forma
síncrona
(pesquisador e pesquisado
online
ao mesmo tempo) ou
assíncrona
(pesquisador envia perguntas ao entrevistado, que elabora respostas e encaminha posteriormente);
* Preparar instruções por escrito;
* Porção maior de
anonimato
para participantes;
* MAS: Questões sobre a confiança da informação sociodemográfica: podem levar a problemas de
contextualização
;
* Difícil de aplicar estratégias de
amostragem
;
* Permite maior reflexão que entrevista "cara a cara".
* Técnica limitada a quem usa
computador.
Etnografia virtual
* A presença sustentada do etnógrafo no campo e o entrosamento intensivo com a vida diária de seus "habitantes" é também na etnografia virtual uma exigência para a elaboração do conhecimento etnográfico;

* Ciberespaço e vida real inter-relacionados. Internet = cultura e produto cultural;

* Amostragem intencional e análise flexível;

Limitação:
dificuldade de encontrar o caminho entre a vida virtual e suas atividades no mundo real.
*** As pessoas devem saber que
um pesquisador registra suas
conversas.
Grupos focais online
Dois tipos:

1) Grupos síncronos - todos os participantes
online
ao mesmo tempo [nº de participantes limitado]
2) Grupos assíncronos - as intervenções de cada participante são dirigidas a um site e todos os demais têm acesso [nº maior de participantes]

Problemas:
* Com o anonimato, dificulta-se para o pesquisador a contextualização = problemas de amostragem caso o objetivo seja a construção de grupos homogêneos, por exemplo.
FLICK (2009)
* Internet:
objeto
de pesquisa e também
ferramenta
para pesquisa.

=> Pesquisa qualitativa
online
: pesquisador deve ter experiência com computadores, com acesso à internet, e gostar de trabalhar
online
(e-mail, bate-papo, listas de e-mail, blog, redes sociais, etc.).

- Ter domínio das
técnicas de pesquisa qualitativa
antes de transferi-los para a internet.

=> Utilização geralmente de amostra intencional (ver Fragoso et al., 2011)
FLICK (2009)
5) Discussão do exercício entregue
na aula passada
Hitórico
A sociologia e a antropologia se desenvolveram (em sua forma profissional) e chegaram à maturidade com a ascensão de técnicas fotomecâmicas de produção de imagem - primeiro a fotografia fixa e depois a cinematografia. A fotografia fixa, com sua aparente verossimilhança, foi rapidamente aliada a vários projetos sociológicos e governamentais destinados a objetificar e, algumas vezes, quantificar diferenças entre pessoas isoladas e entre grupos de pessoas. Na antropologia temos a ascensão da fotografia antropométrica no século XIX; em psicologia, mais ou menos na mesma época, [...] temos os primeiros experimentos para capturar estados mentais; na sociologia, o uso disciplinar da fotografia não é visto até meados do século XX [...]. (BANKS, 2009, p. 38 e 39)
Cesare Lombroso
(1835-1909) - médico e criminologista italiano
Determinar se certas características faciais estavam associadas a certos tipos de atividade criminosa. Origens da antropologia criminal.
A mulher delinquente
Revolucionários e criminosos políticos
Orelhas
Como citar (normas da ABNT):
Unicamp (2009)
Filme Cinematográfico, Gravação de Vídeo e Som (videocassete, DVD, etc).
Pintura, Gravura, Ilustração, Fotografia, Desenho Técnico, Diapositivo, Diafilme,
Material Estereográfico, Transparência, Cartaz, etc.
Disco, CD, Fita Cassete, Fita Magnética, etc.
Exemplo:

Demografia histórica: construção de banco de dados a partir de registros paroquiais.
Recapitulando...
Grupos focais (continuação da aula passada);

Dados visuais - fotografia, filme e vídeo;

Utilização de documentos como dados;

Pesquisa qualitativa online: a utilização da internet.
Importante 1:
escolher a técnica conforme o objeto de estudos e o aporte teórico selecionado.
Importante 2:
É plenamente possível utilizar mais de uma técnica da análise qualitativa para o aprofundamento em determinado tema.
Importante 3:
SEMPRE considerar, e deixar explícito, que as técnicas escolhidas em seu trabalho têm seus alcances, mas também limites. Superá-los com a conjugação de métodos distintos.
Full transcript