Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Estudos sobre as Religiões

No description
by

Walter G. Lippold

on 18 August 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Estudos sobre as Religiões

Ciências Humanas e Religião

Críticas necessárias
Questões iniciais:
Etimologia
Religio romana = respeito, reverência.
A visão de Cícero: relegere = reler
A visão de Lactâncio e Tertuliano: religare
A visão de Agostinho: religere = re-eleger
Alguns nomes...
"[...]O renomado geneticista Richar Dawkins publicou um livro sobre o 'delírio' da crença no sobrenatural, obtendo extraordinário sucesso (Dawkins, Richard, Deus, um delírio.São Paulo: Cia das Letras,2007. ). Seus argumentos não parecem ter avançado muito desde os tempos do zoólogo Ernst Haeckel (1834-1919). À fé cega de alguns, opõe-se uma fé igualmente cega nas possibilidades da ciência e da razão. Ainda assim, os argumentos de Dawkins são considerados convincentes por setores da opinião pública - não obstante se mantenham alheios a praticamente tudo o que o estudo sistemático das religiões produziu nos últimos cem anos."
Sérgio da Mata em História e religiões, p. 16
Do futuro de uma ilusão = desemparo infantil
Deus Logos e a crença no triunfo da ciência
Weltanschauung da religião:
1) saciar a sede humana por conhecimento;
2) consolar os seres humanos diante de tanto sofrimento e dissabor;
3) controle das relações entre os humanos, proibições, tabus.
Passagem para a crítica da civilização, cultura e ciência = O Mal-Estar na Cultura (na civilização)
A visão analítica da religião em Móises e o Monoteísmo.

Marx...
“A angústia religiosa é ao mesmo tempo a expressão da dor real e o protesto contra ela. A religião é o suspiro da criatura oprimida, o coração de um mundo sem coração, tal como o é o espírito de uma situação sem espírito. É o ópio do povo”
Karl Marx em Sobre a Crítica da Filosofia do Direito de Hegel (1844)
FEUERBACH...
“A consciência de Deus é autoconsciência, conhecimento de Deus é autoconhecimento. A religião é o solene desvelar dos tesouros ocultos do homem, a revelação dos seus pensamentos íntimos, a confissão aberta dos seus segredos de amor.”
Eurocentrismo e Religião:
Primitivo : evolucionismo e eurocentrismo.
O leito de Procusto do animismo.
O fetichismo como conceito errôneo.
Hierofanias, Cratofanias
Teofanias, Epifanias:
o sagrado e o profano.
Os Estudos sobre a Religião
Religião

sf (lat religione) 1 Serviço ou culto a Deus, ou a uma divindade qualquer, expresso por meio de ritos, preces e observância do que se considera mandamento divino. 2 Sentimento consciente de dependência ou submissão que liga a criatura humana ao Criador. 3 Culto externo ou interno prestado à divindade. 4 Crença ou doutrina religiosa; sistema dogmático e moral. 5 Veneração às coisas sagradas; crença, devoção, fé, piedade. 6 Prática dos preceitos divinos ou revelados. 7 Temor de Deus. 8 Tudo que é considerado obrigação moral ou dever sagrado e indeclinável. 9 Ordem ou congregação religiosa. 10 Ordem de cavalaria. 11 Caráter sagrado ou virtude especial que se atribui a alguém ou a alguma coisa e pelo qual se lhe presta reverência. 12 Conjunto de ritos e cerimônias, sacrificais ou não, ordenados para a manifestação do culto à divindade; cerimonial litúrgico. 13 Filos Reconhecimento prático de nossa dependência de Deus.
14 Filos Instituição social com crenças e ritos. 15 Filos Respeito a uma regra. 16 Sociol Instituição social criada em torno da ideia de um ou vários seres sobrenaturais e de sua relação com os homens. 17 Mística ou ascese. R. do caboclo, Reg (Rio de Janeiro): prática feiticista negra a que se misturam entidades da mística ameríndia. R. do Estado: a professada oficialmente por um Estado sem que, com isso, seja proibida ou impedida a prática das outras.
Ciência das religiões
: estudo das religiões como fenômeno humano universal; pode-se considerar seu aspecto histórico (história das religiões), psíquico (psicologia da religião) e social (sociologia da religião). Filosofia da religião: tratado das questões relativas à sua essência e verdade.
Apesar de todo discurso cientificista do século XIX, que profetizava o fim das religiões em um futuro próximo, este fenômeno cresce e se configura em novas/velhas formas em pleno século XXI. Por quê?
É possível ao pesquisador compreender a experiência religiosa sem tê-la vivido pessoalmente?
O sentimento religioso é inato ao ser humano?
R. natural: a que se baseia somente nas inspirações do coração e da razão, sem dogmas revelados; a religião dos povos primitivos. R. naturalista: veneração ou adoração religiosa da natureza nos animais, nos astros etc.; panteísmo. R. reformada: o mesmo que igreja reformada. R. revelada: a que, como o cristianismo, se baseia numa revelação divina conservada pelas Escrituras Sagradas e pela tradição.
Maquiavel e a verdade efetiva.
Feuerbach e o sujeito e predicado.
Durkheim e as formas elementares da religião.
Marx e o ópio do povo.
Freud aufklärer e Freud Mestre da Suspeita.
Weber e a ética protestante.
Rosa, o socialismo e as igrejas.
Mircea Eliade e as hierofanias.
Um pouco mais de FREUD
A visão iluminista (anticlerical) e a visão neo- hegeliana feuerbachiana (essência estranhada/alienada) que influenciou Marx.
Protestantismo e capitalismo em O Capital e nos Grundrisse.
"Quando for escrita a história da ciência das religiões e da etnografia, será surpreendente o papel indevido e fortuito que uma noção do gênero dessa de fetiche representou nos trabalhos teóricos e descritivos. Ela corresponde somente a um imenso mal-entendido entre duas civilizações, a africana e a europeia; ela não tem outro fundamento além de uma obediência cega à convenção colonial, às línguas francas faladas pelos europeus na costa ocidental (Mauss 1995:244-245).
Para Mauss, a noção de fetiche deve "desaparecer definitivamente da ciência e ser substituída pela de mana", ou por uma comparável a ela retirada da própria África, como a de nkisi (Mauss 1995:244-246). "

PIRES, Rogério B. Pequena história da ideia de fetiche religioso: de sua emergência a meados do século XX.
PRIMITIVAS: Animismo, Politeísmo, Xamanismo, Totemismo
SAPIENCIAIS: Hinduísmo, Budismo...
PROFÉTICAS: Judaísmo, Cristianismo, Islamismo
ESPIRITUALISTAS: Espiritismo, Cultos Afro Brasileiros e Umbanda

Um exemplo infeliz...
Full transcript