Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Saúde Mental e Sociedade

Apresentação para o Encontro Regional dos Estudantes de Medicina - EREM 2013
by

Edson Detregiachi

on 17 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Saúde Mental e Sociedade

E SOCIEDADE Saúde Mental A Locura ao Longo da História Como o objeto da loucura é concebido em diferentes momentos históricos, dadas as relações sociais de produção e seu grau de desenvolvimento. IDADE MÉDIA Paradigma Religioso
Função Estatal assumida pela Igreja
Relação de produção servil
Santificação da Pobreza e da Miséria
Resignação à vontade divina Grau de Desenvolvimento das Forças de Produção "Na paisagem imaginária da Renascença, a Nau dos Loucos ocupava um espaço fundamental. Ela transportava tipos sociais que embarcavam em uma grande viagem simbólica em busca de fortuna e da revelação dos seus destinos e de suas verdades. Esses barcos faziam parte do cotidiano dos loucos, que eram expulsos das cidades e transportados para territórios distantes. Foucault vê nessa circulação dos loucos mais do que uma simples utilidade social, visando a segurança dos cidadãos e evitando que os loucos ficassem vagando dentro da cidade. Todo esse desejo de embarcar os loucos em um navio simbolizava uma inquietude em relação à loucura no final da Idade Média. A partir do século XV, ela passa a assombrar a imaginação do homem ocidental e a exercer atração e fascínio sobre ele." (Vieira, 2007) "Aqui, portanto, a loucura não diz respeito à verdade do mundo, mas ao homem e à verdade que ele distingue de si mesmo." (Foucault, 1997) Verdade a qual representa a ideologia hegemônica da sociedade que concebe a loucura, em seu momento histórico. Classicismo Inserção do Capitalismo nas Relações Sociais
Consolidação do ESTADO na Superestrutura
Paradigma Religioso cede espaço ao Científico
Nova MORAL pautada pelo Racionalismo
Criminalização da Pobreza e da Miséria
Higienização Urbana "A miséria não possui mais a positividade mística que estava presente na Idade Média, mas é encerrada em uma culpabilidade. Agora, num mundo no qual os Estados substituem a Igreja nas tarefas de assistência, a miséria se tornará um obstáculo contra a boa marcha do Estado, passando de uma experiência religiosa que a santifica para uma concepção moral que a condena." (Vieira, 2007) '"Para Foucault, duas questões são fundamentais para entender a experiência da loucura no Classicismo. Primeiramente, a loucura passa a ser considerada e entendida somente em relação à razão, pois, num movimento de referência recíproca, se por um lado elas se recusam, de outro uma fundamenta a outra. Em segundo lugar, a loucura só passa a ter sentido no próprio campo da razão, tornando-se uma de suas formas. A razão, dessa maneira, designa a loucura como um momento essencial de sua própria natureza, já que agora “a verdade da loucura é ser interior à razão, ser uma de suas figuras, uma força e como que uma necessidade momentânea a fim de melhor certificar-se de si mesma”.(Foucault, 1997: 36).'" (Vieira, 2007)
Full transcript