Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of Iracema

No description
by

Gabriella Facco

on 30 September 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of Iracema

Seminário de Literatura

ALunos: Beatriz Bonfim
Daniel Utiamada
Gabriella Facco
Talyssa Paiva

Iracema, a virgem dos lábios de mel
Iracema
Iracema

Um romance indianista de
José de Alencar
Sobre o Autor
Sobre o Autor
Consolidou o romance brasileiro, ao escrever movido por sentimento de missão patriótica. O regionalismo presente em suas obras, abriu caminho para outros sertanistas, preocupados em mostrar o Brasil rural.

Capas
Capas
Personagens
Martim
: português que se encontra com Iracema na mata, que acaba se apaixonando por ela.
“Tem nas faces o branco das areias que bordam o mar; nos olhos o azul triste das águas profundas.”
“Meu nome é Martim, que na tua língua diz como filho de guerreiro; meu sangue, o do grande povo que primeiro viu as terras de tua pátria.”

Iracema
: em guarani, “lábios de mel”.
“Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que seu talhe de palmeira. O favo da jati não era doce como seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado.”
Personagens
Araquém
: pai de Iracema, Pajé da tribo tabajara.
“O ancião fumava à porta, sentado na esteira de carnaúba, meditando os sagrados ritos de Tupã. O tênue sopro da brisa carmeava, como frocos de algodão, os compridos e raros cabelos brancos. De imóvel que estava, sumia a vida nos olhos cavos e nas rugas profundas.”

Caubi
: irmão de Iracema, valente guerreiro tabajara.
“O irmão de Iracema tem o ouvido sutil que pressente a boicininga entre os rumores da mata; e o olhar do oitibó que vê melhor na treva.”
“O guerreiro Caubi é um grande caçador de montes e florestas.”
Personagens
Poti
: guerreiro destemido, irmão do chefe dos pitiguaras. Prudente, valente, audaz, livre, ligeiro e muito vivo. Tinha uma grande amizade por Martim a quem considerava irmão e de quem era aliado.


Jacaúna
: o grande Jacaúna, o chefe dos pitiguaras, senhor das praias do mar. O seu colar de guerra, com os dentes dos inimigos vencidos, era um brasão e troféu de valentia. Era corajoso, exímio guerreiro, forte. Seu nome tem o significado de "jacarandá-preto".

Batuireté
: avô de Poti, maior chefe. Tinha a cabeça nua de cabelos, cheio de rugas, Morava numa cabana na Serra do Maranguab. Batuireté significa "valente nadador".

Jatobá
: pai de Poti. Conduziu os pitiguaras a muitas vitórias. Robusto e valente.
No fim do livro, quando Iracema está morrendo, diz a Martim:
"— Enterra o corpo de tua esposa ao pé do coqueiro que tu amavas. Quando o vento do mar soprar nas folhas, Iracema pensará que é tua voz que fala entre seus cabelos."

"O camucim, que recebeu o corpo de Iracema, embebido de resinas odoríferas, foi enterrado ao pé do coqueiro, à borda do rio. Martim quebrou um ramo de murta, a folha da tristeza, e deitou-o no jazigo de sua esposa.
A jandaia pousada no olho da palmeira repetia tristemente:
— Iracema!
Desde então os guerreiros pitiguaras, que passavam perto da cabana abandonada e ouviam ressoar a voz plangente da ave amiga, afastavam-se, com a alma cheia de tristeza, do coqueiro onde cantava a jandaia.
E foi assim que um dia veio a chamar-se Ceará o rio onde crescia o coqueiro, e os campos onde serpeja o rio."
Tempo
Contexto Histórico
Se passa no século XVII, durante o descobrimento do Brasil, trazendo Martim como personagem realístico, Martim Soares Moreno foi o primeiro colonizador português do Ceará. Além disso, o autor tenta mostrar a realidade brasileira como a disputa entre os índios tabajaras e potiguaras pela região onde se passa o romance.
" A virgem dos lábios de mel"
Foco Narrativo
O foco narrativo em terceira pessoa.
Narrador observador
“ Iracema passou entre as árvores, silencioosa como uma sombra..."
"A filha de Araquém foi buscar à cabana as iguarias do festim e os vinhos de jenipapo e mandioca"
"Muitas vezes ia sentar-se naquelas doces areias, para cismar e acalentar no peito a agra saudade"

Em alguns trechos, é possível localizarmos o envolvimento e a admiração que o autor tem com a Lenda que conta:
“O sentimento que ele pôs nos olhos e no rosto, não o sei eu”.

O uso da primeira pessoa é justificado quando o autor cita logo no início do romance que contará uma história que lhe foi contada.

Uma história que me contaram nas lindas várzeas onde nasci (…)”.
Tempo cronológico é marcado pelos ritmos da natureza, de acordo com a posição do Sol, sendo muito utilizado o nascer e por do sol como marco da passagem de um dia.

“Quando o sol descambava sobre a crista dos montes”
“O dia enegreceu, era noite já”.

Irapuã:
de ira - mel, e apuã - redondo; é o nome dado a uma abelha brava, com a colmeia de forma arredondada. Este, é o célebre Mel Redondo, chefe dos tabajaras da serra de Ibiapaba.
"O maior chefe da nação tabajara, Irapuã, descera do alto da serra Ibipaba, para levar as tribos do sertão contra o inimigo pitiguara."

Andira
: irmão de Araquém, velho guerreiro. Irapuã o trata com desprezo usando a palavra “Morcego”.
“Andira, o velho Andira, bebeu mais sangue na guerra do que já beberam cauim nas festas de Tupã (...). Ele viu mais combates em sua vida, do que luas lhe despiram a fronte”
José Martiniano de Alencar nasceu em Mecejana, Ceará, no ano de 1829. Formou-se na Faculdade de Direito em Recife. Com o falecimento do pai, Alencar ingressa na vida política como deputado do Ceará. Mais tarde, é eleito Ministro da Justiça, mas é rejeitado pelo Imperador D. Pedro II. Com isso, Alencar decide deixar a vida política e se dedica à literatura. Portador da tuberculose, resolve ir à Europa para um tratamento. Sem nenhum resultado, regressa ao Rio de Janeiro onde vem a falecer no ano de 1877.

Personagens
Personagens
Moacir:
filho de Iracema e Martim, seu nome significa "filho do sofrimento". "Tu és Moacir, o nascido do meu sofrimento"

A união entre um português (Martim) e uma índia (Iracema), dá origem a Moacir, que vem a ver o primeiro cearense.
"O primeiro cearense, ainda no berço, emigrava da terra da pátria. Havia aí a predestinação de uma raça?"
Características do Romantismo Indianista
O Indianismo resgata o ideal do “bom selvagem”, que segundo Rosseau a sociedade corrompe o homem. Sua perfeição seria índio que não tinha contato com a sociedade corrompida, Rousseau via no homem primitivo o modelo de ser humano.
Sentimentalismo
: O sentimentalismo está presente em toda a obra de José de Alencar.

Sofreu mais d’alma que da ferida”
Nacionalismo
: a imagem de um indígena, valorização do território, fauna e flora do Brasil.
"Como trota o guará pela orla da mata..."

Obras
Cinco Minutos, 1856
A viuvinha, 1857
O guarani, 1857
Lucíola, 1862
Diva, 1864
Iracema, 1865
A pata da gazela, 1870
O tronco do ipê, 1871
Guerra dos mascates - 1º vol., 1871
Til, 1871
Sonhos d'ouro, 1872
Alfarrábios, 1873
Guerra dos mascates - 2º vol., 1873
Ubirajara, 1874
O sertanejo, 1875
Senhora, 1875
Encarnação, 1877
Espaço
Logo no início do livro, já é possível identificarmos o espaço.

Verdes mares bravios de minha terra natal...
” José de Alencar era cearense.
“...
onde canta a jandaia nas frondes da carnaúba
” segundo a tradição, Ceará significa na língua indígena “canto de jandaia”.
Espaço
Curiosidade
Full transcript