Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

JORNALISMO ESPECIALIZADO OU ESPECIALIZAÇÃO DO JORNALISTA?

No description
by

Marcelo Marques

on 4 February 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of JORNALISMO ESPECIALIZADO OU ESPECIALIZAÇÃO DO JORNALISTA?

Prof. Dr. Marcelo Marques Araújo
JORNALISMO ESPECIALIZADO OU ESPECIALIZAÇÃO DO JORNALISTA?
JORNALISMO ESPECIALIZADO
“la actual heterogeneidad de las actividades sociales, sumada a la creciente especialización científica y laboral, hacen precisar al público de una información completa y exacta de sus núcleos de interés” (QUESADA PÉREZ, 1998, p. 26).
TUDO TEM DOIS LADOS
Quanto maior o conhecimento específico (leitura) menor as chances de erros de informação.
É correto afirmar que o interesse de mercado tem substituído o interesse de uma chamada opinião pública?
Acompanhar de perto o assunto ao qual você se dedica.
Ninguém sabe absolutamente tudo sobre nenhum assunto. Paulo Francis
“la especialización periodística es fruto, en gran medida, de las exigencias de la audiencia, cada vez más diversa, que demanda contenidos específicos – como lo son sus intereses – y que éstos se aborden en profundidad y rigor. En definitiva, con calidad informativa” (BERGANZA CONDE, 2005, p. 39).
Como o jornalismo deve se comportar diante de uma sociedade que exige cada vez mais a “individualização do consumo”, o que gera audiências fragmentadas, favorecendo a pluralidade e a profundidade de informações?

Qual é o papel do jornalismo especializado nessa segmentação de mercado que valoriza o consumo individualizado e personalizado de conteúdos informativos?
Vejam isto:
Quem não gostaria de ser visto como uma referência em determinado assunto?
“a fórmula correta para a boa informação jornalística deveria ser a especialização dos jornalistas e não especialistas praticando jornalismo” (ROSSI, 1986, p. 75)
“a fórmula correta para a boa informação jornalística deveria ser a especialização dos jornalistas e não especialistas praticando jornalismo” (ROSSI, 1986, p. 75)
Não são os meios que se especializam mas sim os conteúdos. (FONTCUBERTA, 1993, p. 53)
Ser consultado até pelos próprios colegas de profissão?
Respeito profissional, confiança e credibilidade, quem nao quer?
Estar presente em entrevistas coletivas, fazer contatos e cultivar fontes.
Respirar 24 horas por dia a especialidade que te interessa.
Jornalistas especializados mantém uma agenda com nomes e telefones muito mais rica que a de um profissional não especializado.
Três matrizes normativas do JE:
1) a do Jornalismo Investigativo – defendida principalmente por Quesada Pérez (1998, 2004), Atala (2005) e lembrada por Berganza Conde (2005)
2) a do Jornalismo Interpretativo (BELTRÃO, 1976; ERBOLATO, 2002) e de explicação (CASASÚS, 1988; BERGANZA CONDE, 2005)
3) a do Jornalismo de Precisão, cuja fundação está associada ao pesquisador norte-americano Philip Meyer e encontra-se aplicada ao jornalismo especializado por Fernández del Moral (1993 – 1994).
A reportagem acompanha a especialização determinada por um veículo ou seção (de jornal, revista, programa televisivo etc), mas ultrapassa discursivamente o caráter “puramente noticioso” (no sentido de uma informação rápida e datada), podendo cumprir e exercer um papel de aprofundamento sobre as especialidades de que trata. Nela, seria possível a “execução” de um jornalismo “mais profundo”, “mais completo”, tal qual aquele pensado como “jornalismo explicativo”.
Refinamento Estrutural?
A especialização jornalística é a estrutura que analisa a realidade, dando aos leitores uma interpretação do mundo como mais refinada possível, ajustando a língua para um nível que é determinado pelo meio, de modo a aprofundar os interesses e necessidades do público. (ORIVE; FAGOAGA, 1974, p. 69)
Critérios de Noticiabilidade no JE:
1) Relevância
2) Novidade
3) Proximidade
4) Periodicidade
5) Instantaneidade
6) Objetividade

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Ediçoes 70, 2009.
Categorias de Produção no JE:
Conforme Marques Araújo (2012), um jornalista especializado ancora seu texto em algumas categorias prototípicas de produção: pesquisa, profundidade, informação, precisão, especialização, domínio terminológico, dialogicidade, discursividade, heterogeneidade, entre outros.
Homogeneização dos padrões culturais
. (ABIAHY,

p. 3, ensaio O jornalismo especializado na sociedade da informação). P. 3
Cada vez mais difícil definir o Consumidor Padrão. P. 3
"Não é tanto a produção em massa que conta, mas a fabricação de produtos especializados a serem consumidos por mercados exigentes e segmentados". (ORTIZ, 1996: 148-9)
Grandes corporações se unem para utilizarem todos os meios disponíveis e, assim, oferecerem uma multiplicidade de conteúdos.
Exemplo:

Carlos Slim

- Telmex
- Net
- Claro
- Philip Morris
- Apple Computer
- Microsoft
Era da Convergência de Mídias. P. 4
O desejo (Lacaniano) pela identificação
"(...) as publicações passam a dedicar-se mais a informação personalizada, portanto o jornalismo especializado tende a se desenvolver cada vez mais." P. 5
Papel do Jornalismo Especializado:
O papel do jornalismo especializado seria o de orientar o indivíduo que se encontra perdido em meio à proliferação de informações das mais variadas fontes? Ou seria ele próprio um exemplo, justamente um reflexo desta proliferação?
JORNALISMO ESPECIALIZADO =
AGREGAR INDIVÍDUOS DE ACORDO COM SUAS AFINIDADES = GRUPOS DE DIFERENTES PERFIS E COMPORTAMENTOS
Ritmo da Compressão (MARCONDES FILHO, 1993:97). P. 10
A televisão irradiada sobrevive, porém a concorrência do cabo é indiscutivel-mente muito concreta. Teme-se que o cabo venha a criar audiências especia-lizadas como ocorre com as revistas de hoje. Antes da televisão, havia numerosas grandes revistas diversificadas que atraíam vastos segmentos da população. Praticamente todas elas não mais estão
sendo publicadas. Em seu lugar surgiram revistas especializadas destinadas a atrair segmentos do público que compartilham um mesmo interesse ou gosto comum. (BALL-ROKEACH e DE-FLEUR,1997:134). P. 11
PARADOXAL:

Os fatos internacionais cada vez ganham menos destaque na imprensa. P. 13
INFORMAÇÕES DE INTERESSE PESSOAL

Multiplicidade para a Especificidade. P. 15
Google Now, Mailchimp, Flipboard, Glogster, Aplicativos da Época, Exame, Globo News, etc.
Jornalismo Religioso. P. 15
Jornalismo Especializado: tanto a abordagem de um assunto específico quanto a abordagem para um público específico sobre determinado tema serão considerados uma forma de se encontrar a especialização da informação jornalística. P. 17
O jornalismo político muda completamente de perfil dependendo de quem o aborda e onde é abordado. P. 22
E tem mais....
MARQUES ARAUJO, M. Comunicação, Especialidade e Discurso. Uberlândia: Ed. Cortez, 2012 (prelo).
PRA PENSAR...

No Brasil temos mais liberdade de empresa do que de imprensa. (Chico Alencar - para Caros Amigos)

Há um oligopólio no setor comunicacional, controlado por não mais que dez grupos empresariais. Na América Latina, o Brasil é um dos países em que menos avançou a questão da informação educativa, democrática e plena.
CONCLUSÃO:

Mais diversidade no estilo e no tratamento do material informativo pode contribuir para uma originalidade cada vez maior nas publicações. P. 25

Existe uma convivência entre a democratização de alternativas, na perspectiva do receptor, e o projeto de monopolização, na visão do emissor.
PROFUNDIDADE E ORIGINALIDADE: EXISTEM?
O lugar das produções independentes. P. 25
É nesse aspecto que reside a importância do jornalismo especializado, enquanto oportunidade de trabalhar um linguagem que não possui o caráter homogêneo que tenta se adaptar a um padrão médio. É isto que percebemos nas produções segmentadas, cada veículo constrói uma linguagem e busca uma intimidade com seu público investindo em suatemática específica
Full transcript