Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O Renascimento em Portugal

No description
by

Mariana Lourenço

on 29 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O Renascimento em Portugal

Trabalho realizado por:
Mariana Lourenco 11-034 O Renascimento em Portugal Índice 1-Introdução....................................................................................................................pág.3
2-Contexto em que surge o Renascimento em Portugal...............pág.4
3-Caracterização da Arquitetura Renascentista em Portugal.....pág.6
4-A Escultura Renascentista em Portugal...............................................pág.9
5-A Pintura Renascentista em Portugal..................................................pág.12
6-Principais Artistas e Obras..........................................................................pág.13
7-Jorge Afonso, Artista português............................................................pág.19
8-Obras de Jorge Afonso...................................................................................pág.20
9-Webgrafia...................................................................................................................pág.23
10-Conclusão...............................................................................................................pág.24 Introdução Neste trabalho iremos explorar e apresentar o Renascimento em Portugal, também vamos descobrir as suas características, os séculos em que teve lugar, as personagens mais importantes, a arte e a religião.
Foi durante o Renascimento que se criaram as mais belas pinturas, as melhores esculturas, os melhores contos. Foi também neste período que o Homem não deixou de sonhar e teve coragem para dizer que o Mundo e a vida humana não giravam em torno de Deus, mas sim em torno do Homem, ser este que tem capacidade de pensar por si próprio, de descobrir e encontrar as suas próprias explicações, não deixando de acreditar em Deus.
Espero assim conseguir transmitir o que foi pedido. Contexto em que surge o Renascimento em Portugal O Renascimento em Portugal desenvolveu-se em meados do séc.XV a finais do séc.XVI, sendo ele tardio. O movimento assinalou o final da Idade Média e o início da Idade Moderna.
O contacto com o Renascimento chegou através da influ|ência de ricos mercados italianos e flamengos que investiam no comércio marítimo, sendo a atenção voltada para as grandes obras da antiguidade clássica grego-romana. Artistas italianos eram convidados para trabalhar em Portugal como Francisco Holanda (1517-1584). Mosteiro dos Jerónimos Caracterização da Arquitetura Renascentista em Portugal Era habitual o uso da planta centrada, a horizontalidade das linhas dos edifícios, o uso de cúpulas e do arco de volta perfeita, etc. Atingiu a sua melhor expressão nas obras de João de Castilho (1480-1552) e de Diogo de Arruda (1500-1566). Janela de grandes dimensões, contendo decoração com motivos náuticos, motivos vegetalistas e emblemas, assenta sobre uma figura barbada, esculpida rudemente na pedra, sendo esta obra dita como o auto-retrato do arquitecto Diogo de Arruda. A Escultura Renascentista em Portugal Foi mais praticada por portugueses educados no estrangeiro. Os mestres, atraídos pelo cosmopolitismo que lhes oferecia Lisboa, deslocavam-se para Portugal e eram requisitados quer por reis, bispos e outros mecenas. Era usado grande naturalismo, uma crescente capacidade e domínio técnico e a libertação da escultura em relação à arquitetura.
Neste estilo destacam-se Nicolau Chanterenne (act.1516-1551), João Ruão (act.1528-1580) e Filipe Hodart (act. 1529-1536). João de Ruão foi o autor da obra "Deposição de Cristo no Túmulo", sendo ele umdos artistas mais influentes do seu tempo. Pintura Renascentista em Portugal Foi a arte que refletiu, em primeiro lugar, o novo movimento, já que nos quadros manuelinos, quase sempre as figuras são do gótico-tardio, de origem flamenga, enquanto os espaços em que elas se situam são renascentistas. O realismo encontra-se nestas obras, expressavam também naturalismo e dinamismo e eram cheias de movimento, era utilizado também a técnica do claro-escuro e do "sfumato". Principais Artistas e Obras Webgrafia http://pt.wikipedia.org/wiki/Renascimento_em_Portugal#Influ.C3.AAncia_al.C3.A9m_fronteiras
http://www.slideshare.net/carlosvieira/renascimento-em-portugal-435871
http://pt.wikipedia.org/wiki/Jorge_Afonso
http://old.enciclopedia.com.pt/articles.php?article_id=1780
http://memoriasimagens.blogspot.pt/2008/11/anunciao-corresponde-figurao-do-momento.html
http://dotempodaoutrasenhora.blogspot.pt/2010_12_26_archive.html
http://orenascimentoculturalecientfico.blogspot.pt/2009/09/principais-artistas-do-renascimento-e.html
http://noticias.universia.com.br/tempo-livre/noticia/2012/08/09/957432/conheca-beijo-judas-giotto-di-bondone.html
http://www.casthalia.com.br/a_mansao/obras/nojogo/michelangelo_juizo_nojogo.htm
http://www.fraternidaderosacruz.org/rc_rafaelsanzio.htm


Jorge Afonso, artista português Jorge Afonso (c.1470 - c.1540) morou na Igreja de S. Domingos, em Lisboa, tendo o mesmo casado com sua sobrinha.
Em 1508 D. Manuel nomeia-o seu pintor, com o encargo de examinar todas as obras de pintura, submetidas a seu exame e avaliação.
Em 1518 Bartolomeu Fernandes fez um contrato para a pintura do coro de Santo António, Jorge Afonso passou por debaixo desse contrato um atestado, em que certificava estar concluída a obra.
Em 1519 foi feito um contrato entre Afonso Monteiro e Afonso Gonçalves, carpinteiro, para fazer os poiais e grade para o retábulo da Conceição, que Jorge Afonso havia de pintar. A ele é atribuída a execução dos grandes painéis de pintura sobre madeira da Charola do Convento de Cristo, em Tomar e o retábulo da igreja do Convento da Madre de Deus, em Lisboa. Sabe-se que foi pintor régio e examinador de todas as obras de pintura do reino, para D. Manuel I e seu filho D. João III, e que dirigiu um atelier de pintura em Lisboa. Faleceu em 1540. Bibliografia Obras A representação da Anunciação é muitas vezes carregada de símbolos, sobretudo na pintura nórdica, ou na portuguesa de influência flamenga. O anjo Gabriel é o mensageiro do Senhor. A pomba figura o Espírito Santo que descerá sobre Maria. Esta está a ler a Bíblia. As flores de Lis, muitas vezes presentes, são sinal de pureza, assim como a veste branca de Gabriel. As colunas simbolizam a árvore da vida, a relação entre o céu e a terra, a vitória e a imortalidade, a presença de Deus. A concha que se vê sobre Maria indica a atenção à palavra, mas também, pela ligação à água, a gestação e a fertilidade. Pintura de Jorge Afonso, Anunciação (c. 1510, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa). -Giotto di Bondone (1266-1337) - pintor e arquiteto italiano. Um dos percursores do Renascimento. Obras principais: "O Beijo de Judas" (1ª imagem)

- Michelangelo Buonorroti (1475-1564)- destacou-se em arquitetura, pintura e escultura. Obras principais: Juízo Final.

- Rafael Sanzio (1483-1520) - pintou várias madonas (representações da Virgem Maria com o menino Jesus).

- Leonardo da Vinci (1452-1519)- pintor, escultor, cientista, engenheiro, físico, escritor, etc. Obras principais: Mona Lisa, Última Ceia.

- Sandro Botticelli - (1445-1510)- pintor italiano, abordou temas mitológicos e religiosos. Obras principais: O nascimento de Vênus e Primavera. Conclusão Aprendemos então que o Renascimento em Portugal foi uma época de grande esplendor, de investimento estético e artístico, de grande profusão de talentos artísticos.
Também surgiu assim um novo conceito de beleza, levando o Renascimento a herdar uma desconfiança fundamental do corpo, da sua natureza efémera, dos seus apetites perigosos e das suas inúmeras fraquezas. A Europa do século XVI viria a caracterizar-se tanto por uma vaga de puritanismo e de vergonha em relação ao corpo, à sua aparência e à sexualidade, como viria a celebrar-se pelo seu culto da beleza e pela redescoberta do nu.
Full transcript