Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Pesquisa Qualitativa - Aula 3 - Final

Doutorado UFPR - 2015
by

Eduardo Villar

on 31 March 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Pesquisa Qualitativa - Aula 3 - Final

.
.
Justificativas para a Mudança de Paradigma
Pesquisa - prática social humana concreta histórica e cultural - linguagem não é neutra;

Pesquisa Qualitativa
Um panorama da Pesquisa Qualitativa
Eduardo G. Villar
Isadora Dickie
Variações Metodológicas Disponíveis
O que é pesquisa?
Fundamentos da Pesquisa Qualitativa
Debate Ontológico/Epistemológico
O positivismo (= ciência)
Definição de Pesquisa Qualitativa
Atividade situada que localiza o observador no mundo, estuda coisas em suas condições naturais, procurando dar sentido ou interpretar um fenômeno nos termos de significado que as pessoas dão a ele;
(DENZIN; LINCOLN, 2005).


A prática científica é parte de um acontecer onde o pesquisador e o sujeito de pesquisa encontram-se situados em práticas, concretas onde compartilham significados historicamente construídos;

Fundamental relevância e responsabilidade ética refletir: sua ontologia; sua epistemologia; métodos e técnicas = a realidade complexa do objeto;

Perspectivas Epistemológicas
Interacionismo Simbólico
Blumer (1969):

Obras revisadas
BERTERO, C. O. Área Qualitativa em Ciências Sociais e Estudos Organizacionais. In: TAKAHASHI, A. R. W. Pesquisa Qualitativa em Administração: Fundamentos, métodos e usos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2013.
BULGACOV, Y. L. M. Debate epistemológico, ontológico e metodológico. In: TAKAHASHI, A. R. W. Pesquisa Qualitativa em Administração: Fundamentos, métodos e usos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2013.
GODOY, A. S. Fundamentos da pesquisa qualitativa. In: TAKAHASHI, A. R. W. Pesquisa Qualitativa em Administração: Fundamentos, métodos e usos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2013.
YIN, R. K. What is a qualitative research: and why might you consider doing such research? In: YIN, R. K. Qualitative Research from Start to Finish. New York: Guilford Press, 2011
MERRIAM, S. B. What is Qualitative Research? MERRIAM, S. B. Qualitative Research: a guide to design and implementation. Jossey-Bass, 2009.
MERRIAM, S. B. Types of Qualitative Research. Qualitative Research: a guide to design and implementation. Jossey-Bass, 2009.
As origens da Ciência
Empirismo: nada está no intelecto que não tenha antes passado pelos sentidos.

A física aristotélica é o mais longevo paradigma que já existiu em qualquer campo científico;
Galileo é considerado o iniciador da ciência moderna, ou do conhecimento de tipo científico (Revolução Copernicana);
O conhecimento científico busca o conhecimento da natureza a fim de entendê-la e, conhecendo suas leis e princípios, controlá-la (BACON, 1863);
O modelo de ciência aristotélico passou ao mundo da escolástica ocidental, que ainda continuava sendo ensinada, especialmente nos países que permaneceram católicos;
O surgimento das Ciências Sociais
Séculos XVIII e XIX, transformações na Europa;

Mediações Filosóficas
Duas formas de organização da experiência de conhecer:

Paradigmático ou lógico-científico: tenta preencher o ideal de um sistema formal matemático de descrição e explicação do fenômeno empírico;

(BERTERO, 2013).

(BERTERO, 2013).

Forma e método: qualidade (ciências humanas) e quantidade (ciências da natureza).
Debate central: rumos epistemológicos e metodológicos = Ciências da Natureza (nomotéticas) versus Ciências do Espírito (ideográficas);
As ciências da natureza já contavam com três séculos de existência e um bom cabedal de conhecimento acumulado;
Ciências sociais = explicar a sociedade + contribuir para que ela fosse organizada;
Nova ordem: conhecer para também transformar;
Modo narrativo: Sua expressão depende de sua verossimilhança com a vida; construída sobre a preocupação com a condição histórica humana, da consciência onde os envolvidos na ação sabem, pensam ou sentem, ou não sabem, não pensam ou não sentem.
O pesquisador elege temas, teorias e métodos para desenvolver sua atividade de pesquisa. De sua opção refletem concepções de mundo, concepções de ciência e de sociedade e não uma mera ação de aplicação de técnicas de pesquisa disponíveis;


Alertar o pesquisador sobre a importância do desenvolvimento de maior consciência sobre seu fazer científico: Nenhuma ação é neutra. Nenhum método é ingênuo.


Processo de construção de significados: Não é mecanismo neutro, mas sim, de forças estimuladoras externas + processo formativo com uma dinâmica interna própria;
Interacionismo Simbólico
(Implicações)
O pesquisador deve examinar a conduta humana do ponto de vista daqueles que ele está estudando (Construção pelo outro);
Os significados são controlados e modificados por um processo interpretativo utilizado pela pessoa ao tratar com as coisas com as quais ela mantém contato no mundo empírico;
Os significados que os seres humanos atribuem às coisas provêm das interações sociais que eles mantêm com seus semelhantes;
Os seres humanos agem em direção às coisas a partir dos significados que tais coisas têm para eles;
Duas formas básicas de interação social: a simbólica e a não simbólica.

Interacionismo Simbólico
Os seres humanos, ao interagirem,
têm que levar em conta as ações dos outros;

Os significados atribuídos aos objetos mudam em função do indivíduo ou grupo que os observa;

Através da socialização, o indivíduo aprende uma série de significados e valores, o que lhe permite agir, comunicando tais símbolos com outros e consigo mesmo;
O interacionismo simbólico destaca a coexistência das diferenças de origem, background, trajetória e experiência social.

O pesquisador deve, simultaneamente, unir os símbolos e concepções manifestos pelos sujeitos individualmente;
O pesquisador deve buscar entender tais aspectos a partir da maneira como eles se formaram e se organizaram (Realidade Construída).

Interacionismo Simbólico
(Implicações)
Os métodos de pesquisa devem ser capazes de captar tanto as formas de comportamento estáticas e estáveis, quanto aquelas que estão em processo de mudança (Dinâmica social);

O engajamento do pesquisador representa um processo de interação simbólica (Sujeito socialmente situado).
Implicações Éticas da Prática Científica

Há uma ética implícita já na ontologia, onde se define o que é o real, considerando que em toda realidade humana há uma ética;

Ética é uma postura crítica (HABERMAS, 1989);




A questão da ética não se reduz a procedimentos operacionais;
DESAFIO, colocar a cultura científica em estado de mobilização permanente (BACHELARD, 1996).
É um conhecimento hipotético que busca leis gerais para entender o fenômeno (CUPANI, s/d);
É o único tipo de conhecimento válido (CUPANI, s/d);
Taylor (Os Princípios da Administração Científica), Métodos empíricos para métodos científicos.
É um conhecimento metódico (CUPANI, s/d);
É um conhecimento preciso com suas linguagens da Lógica e da Matemática (CUPANI, s/d);
Ciências Sociais = Positivas
Mimetismo das Ciências da Natureza para as Ciências Sociais;
Contexto norte americano: mistura de culturas (imigrantes); mobilidade social, pragmatismo;

A legitimação das ciências sociais como ciência positiva (cientificamente mais rigorosa);

A psicologia norte-americana: linha experimental;

Economia: modelo estritamente matemático (Ciência ideal);
Não há unanimidade sobre o caráter positivo da ciência social.

Críticas ao Positivismo
A ciência, ao separar fato e valor, elimina o sujeito do conhecimento científico / sua competência ética (objetividade) (MORIN, 2000, p. 120);

Santos (1999): ciência moderna interioriza o sujeito as custas da exteriorização do objeto, tornando-os estanques e incomunicáveis;


Lenta e gradativa substituição para uma filosofia da ciência onde o pesquisador é concebido como um sujeito a partir de sua experiência de significado.



(apud BULGACOV, 2013).

(BERTERO, 2013).





(apud BULGACOV, 2013).
(apud BULGACOV, 2013).
(BULGACOV, 2013).

(BULGACOV, 2013).

(BULGACOV, 2013).

(MERRIAM, 2009).

(GODOY, 2013).

(GODOY, 2013).

(GODOY, 2013).

(GODOY, 2013).

As ciências sociais
A mudança de paradigma
Processo de conhecer
: pesquisador engajar-se em práticas interpretativas;

O sujeito é compreendido a partir de suas experiências (moldado/moldando por seus atos) inserido em sistemas simbólicos da cultura (BRUNER, 1997);



Uma corrente antipositivista assentada na tradição filosófica fenomenológica (moderadas - extremistas) (SANTOS, 1999).




(apud BULGACOV, 2013).

Linguagens históricas da ciência são mediações fundamentais para tomar consciência, analisar seus impactos sociais;
Postura ética como instância crítica, inacabada e propositiva de nossas relações e organizações;
Dar voz ao pesquisador e ao sujeito da pesquisa em sua respectiva comunidade em seu momento histórico é uma questão ética.

Uma teoria só ganha vida com pleno emprego da atividade mental do sujeito. É a intervenção do sujeito que dá ao termo método seu papel indispensável (MORIN, 2000, p. 335);

Nenhuma linguagem diz tudo o que há por ser dito, e consequentemente, toda teoria semântica é incompleta”;

Práticas podem apenas ser reproduzidas pelas nossas ações ou podem, ao criar novas linguagens, ajudar a modificar o presente” (VIGOTSKY, 1990).


(apud BULGACOV, 2013).
Todas as definições de pesquisa tem em comum a noção de inquirir e investigar de um modo sistemático.

Pesquisa Básica ou Pura

Pesquisa Aplicada


Pesquisa Ação



Pesquisa Avaliação



Interesse intelectual num fenômeno e objetiva a extensão do conhecimento
Contribuir para a base de conhecimento de um campo
Melhorar a qualidade de uma prática em uma disciplina particular

Tratar de um problema particular e localizado


Avaliar o valor de um programa,
process
ou
technique
.



(MERRIAM, 2009).



(MERRIAM, 2009).



1900
1950
1970
1086
Momento tradicional
(1900 a 1950)
Positivista
Interpretações válidas, confiáveis e objetivas);

Escola de Chicago
Estudos desenvolvidos utilizando-se de métodos de investigação considerados pouco convencionais;

Fase modernista ou era dourada
(de 1950 a 1970)
Pós-positivista

Momento de estilos “obscuros”
(de 1970 a 1986)
Bricolagem
Olhar criticamente a realidade empírica a partir de múltiplas teorias).
1990
1995
2000
...
Momento de crise da representação (de 1986 a 1990)
Textos reflexivos e diálogo entre leitor/pesquisador.

Momento pós-moderno
(de 1990 a 1995)
Novas formas de realizar estudos etnográficos; problematização dos critérios tradicionais de pesquisa.
Investigação pós-experimental
(de 1995 a 2000)
Critérios embasados sob aspectos éticos, morais e críticos.
Conversas críticas
(Início dos anos 2000)
Questões emergentes (raça, gênero, classe social).
Um conjunto de trabalhos de pesquisa sociológica elaborados entre 1915 e 1940 por professores e estudantes da Universidade de Chicago;
Influências
Pragmatismo de Dewey (1936)
Interacionismo simbólico de Mead (1934) e Blumer (1969).
Interacionismo simbólico, fenomenologia.
Não há, devido as influências filosóficas, históricas e temáticas da pesquisa qualitativa, um conceito comum;

Diferentes termos: qualitativa, naturalista, interpretativa.



(apud MERRIAM, 2009).

Como um guarda-chuva que abarca técnica interpretativas que procuram descrever, decodificar, traduzir. Se preocupa com o significado, não com a frequência. Fenômenos considerados no mundo social;
(VAN MAANEN, 1979).



(apud MERRIAM, 2009).

Pesquisadores qualitativos estão interessados em entender o significado do que as pessoas têm construído (MERRIAM, 2009);




Multiparadigmática em sua essência com abordagem multimétodo. Perspectiva naturalística e compreensão interpretativa da experiência humana (GODOY, 2013).

(MERRIAM, 2009).

(GODOY, 2013).

Envolve a coleta de uma variedade de materiais empíricos obtidos a partir de observações, entrevistas, relatos de experiências pessoais, histórias de vida, artefatos, produções culturais, textos históricos e visuais, os quais descrevem momentos significativos (rotineiros e problemáticos) da vida dos indivíduos.




Emprega uma ampla variedade de métodos e estratégias de pesquisa objetivando obter uma compreensão, em profundidade, dos temas estudados (DENZIN; LINCOLN, 1994, DENZIN; LINCOLN, 2000);





O campo é permeado por múltiplas questões políticas e éticas (DENZIN; LINCOLN, 2005 apud GODOY, 2013);





(GODOY, 2013).
Pesquisa Qualitativa
Características da pesquisa qualitativa
Uma vantagem da pesquisa qualitativa é permitir a realização de estudos aprofundados sobre uma ampla gama de tópicos, incluindo (seus) favoritos, em termos simples e cotidianos.


Vantagens da Pesquisa Qualitativa

Oferece maior latitude na seleção de temas de interesse ;
Porque outros métodos são restringidos por:

a indisponibilidade de séries de dados ou falta de cobertura de variáveis suficientes suficiente;

(YIN, 2011).



(YIN, 2011).



1) Foco no processo, no significado e no entendimento;



(YIN, 2011).

O pesquisador é o principal instrumento para a coleta e análise de dados;



(MERRIAM, 2009).

Os pesquisadores não podem evitar suas próprias lentes de investigação na interpretação da realidade;





O pesquisador tem sua personalidade e, não é um gravador ambulante ou um robô sem identidade.
(MERRIAM, 2009).

Abrangendo as condições contextuais dentro do qual as pessoas vivem
Competências Desejáveis
Espírito questionador;






(YIN, 2011).
Vantagens da pesquisa qualitativa
a incapacidade de estabelecer as condições necessárias de investigação;
outras limitações, como estudar os acontecimentos passados.
a dificuldade em desenhar uma amostra adequada dos entrevistados;
Vantagens da Pesquisa Qualitativa

Tem se tornado uma forma aceitável, se não
mainstream
, de pesquisas em diversas áreas acadêmicas e profissionais diferentes;

Representa uma atrativa e fértil maneira de se pesquisar;


Dentro de sua própria disciplina específica ou profissão (áreas do conhecimento), cada termo conota um grande campo de pesquisa, abrangendo uma variedade de métodos altamente contrastantes;
Interessado em como as pessoas interpretam suas experiências, como constroem seus mundos, qual sentido eles atribuem a suas experiências;

A questão chave é entender o fenômeno de interesse do ponto de vista do pesquisado, e não do pesquisador

(MERRIAM, 2009).
Desejo de capturar o significado de eventos do mundo real a partir da perspectiva de um estudo participante;


Duas abordagens complementares:
Emic (significado de uma visão interna);
Etic (perspectiva externa);


As diferenças nos sistemas de valores permeiam os processos mentais.



(YIN, 2011).




Seletividade também pode surgir por causa das categorias pré-concebidas de um investigador para atribuir significado a eventos e suas características;



Eventos humanos - inteiramente únicos ou de propriedades potencialmente relevantes e aplicáveis a outras situações;




Fiel às experiências vividas, especialmente porque pode ser descrita por palavras dos próprios participantes.




(YIN, 2011).




Aspectos da pesquisa qualitativa
Possibilitando o uso de múltiplas fontes de evidência, em vez de depender de uma única fonte apenas .
Estudando o significado da vida das pessoas, sob as condições do mundo real
Representando os pontos de vista e perspectivas das pessoas (participantes), em um estudo
Contribuindo para com conceitos existentes ou emergentes que podem ajudar a explicar o comportamento social humano ; e
Características da pesquisa qualitativa
2) Pesquisador como o principal instrumento;



Subjetividade virtuosa busca a combinação única das qualidades do pesquisador com os dados que se quer coletar (objetivo);

Instrumento humano: adaptativo, expansível, subjetivo (viés);

(YIN, 2011).

Conforto com a escrita.

Pensar indutivamente;
Fazer boas perguntas;
Ser um observador cuidadoso;
Alta tolerância para ambiguidades;
Características da pesquisa qualitativa
3) Processo indutivo



Coleta de dados para construir conceitos, hipóteses e teorias;



Não significa pressupor que pesquisadores qualitativos tem um quadro mental em branco antes dos primeiros pensamentos sobre o fenômeno em estudo;

Dados advindos da coleta são combinados e ordenados em temas maiores como se o pesquisador partisse do particular para o geral (Categorização);
Características da pesquisa qualitativa
4) Alta descrição




Palavras e imagens (figuras) são usadas para transmitir o que o pesquisador aprendeu sobre o fenômeno (MERRIAM, 2009);
O apelo para a criação de "descrição densa" é uma forma de tentar revelar ou, pelo menos, aumentar a sua consciência da seletividade e das categorias pré-concebidas (GODOY, 2013; YIN, 2011).
(MERRIAM, 2009).
(MERRIAM, 2009).
Outras Características
Amostra não randômica, proposital e pequena (nem sempre);

A possibilidade de utilizar projetos de pesquisa flexíveis, em detrimento de modelos fixos.

Normalmente com análise de dados não numéricos (com tecnologias de apoio);
(YIN, 2011).
Grande número de metodologias formalmente reconhecidos no âmbito da investigação qualitativa;



Distinções importantes começam com a definição: singular ou múltiplas realidades, singularidade ou generalização potencial dos acontecimentos humanos, e necessidade de seguir uma variação metodológica particular de pesquisa qualitativa ou não.
(MERRIAM, 2009)
Pesquisa Qualitativa Básica
Fenomenologia
Etnografia
Grounded Theory
Análise da Narrativa
Pesquisa Crítica
Estudo de Caso
O tipo mais comum de pesquisa qualitativa é a básica de estudo interpretativo;

Os indivíduos constroem a realidade integrados com seus mundos sociais (Não há descoberta e sim construção

Interesses
1) como as pessoas interpretam suas experiências;

3) que significado eles atribuem a suas experiências.

2) como elas constróem seus mundos;
(MERRIAM, 2009).
Dados coletados por entrevistas, observação ou análise documental

As questões, o objeto de observação e os tipos de documentos irão depender da perspectiva teórica utilizada;

A análise dos dados envolve a identificação de padrões recorrentes que caracterizam os dados;


(MERRIAM, 2009).
As descobertas são os "padrões recorrentes ou categorias" que derivaram da análise.


(MERRIAM, 2009).
A interpetação será o entendimento dos pesquisadores sobre o entendimento dos participantes sobre o fenômeno em questão;



Estuda um fenômeno (o "caso") em seu contexto no mundo real (YIN, 2011).

Único, múltiplos ou comparativos (YIN, 2011).

Análise em profundidade de um sistema limitado (MERRIAM, 2009).

Em função da filosofia fenomenológica estar alinhada a pesquisa qualitativa, alguns assumem que todas as pesquisas qualitativas são fenomenológicas (e certamente o são em algum sentido);


Fenomenologistas não estão interessados no esforço da ciência moderna de categorização, simplificação e redução do fenômeno para leis abstratas;

Fenomenologia é o estudo do cotidiano e da ação social das pessoas;


realizada, via de regra, por entrevistar aqueles que tiveram a experiência diretamente;


Coleta de Dados:


Esses preconceitos e pressupostos são agrupados e postos de lado momentaneamente.



O pesquisador verifica seus próprios preconceitos, pontos de vista e pressupostos, num processo chamado
epoche.

{EPOCHE} Tornou-se comum que pesquisadores examinarem seus vieses e suposições sobre o fenômeno de interesse antes de iniciar o estudo;



Redução Fenomenológica (isolamento);
(MERRIAM, 2009).
(MERRIAM, 2009).
(MERRIAM, 2009).
Produto Essencial (estrutura invariável).
Variação imaginativa (várias perspectivas):
Horizontalização (igualitário);
(MERRIAM, 2009).
Indicada para pesquisas que lidam com temas de cunho afetivo, emocional e intensa participação humana.

É o tipo de pesquisa mais familiar entre os pesquisadores (Antropologia);



É tanto um processo quanto um produto;
(MERRIAM, 2009).
Multiplas formas de se fazer etnografia;


Foco: Sociedade humana e na cultura (compartilhado por membros de um grupo);
Cultura precisa ser usada para entender o fenômeno.

(MERRIAM, 2009).
Imersão no ambiente de pesquisa como observador (participante) é o principal meio de coleta.



Precisa ser densamente descrito.

(MERRIAM, 2009).
Organização dos resultados


Emic: esquemas derivados de dentro da cultura;
Etic: esquemas derivados do pesquisador ou de fora;

Coleta de dados:
Além de entrevistas, análise documental, gravações, artefatos, diário de campo, sentimentos pessoais, ideias, impressões, insights.
Pesquisador = primeiro instrumento de coleta e estabelece-se uma análise indutiva dos dados, de onde emerge uma teoria substantiva;


Uma descrição rica é também importante, mas o foco principal é construir teorias.


(MERRIAM, 2009).
Desafia:


5) pressupostos que pesquisas qualitativas podem apenas descrever estudos de caso e não desenvolver teorias.


1) divisão arbitrária entre teoria e pesquisa;
2) entender a pesquisa qualitativa apenas como um precursor para uma pesquisa quantitativa mais rigorosa;
3) a questão do rigor da pesquisa qualitativa como sendo ilegítima;
4) crenças de que métodos qualitativos são não sistemáticos;
Coleta de dados: entrevistas, observações e ampla variedade de documentos;
Tem seus próprios jargões e procedimentos para coletar os dados.

Procedimentos:


Amostragem teórica;

Identificação de uma categoria central;
Método comparativo constante;
A mais antiga e natural forma de produção de sentido são estórias e narrativas;



Histórias em primeira pessoa;
Uso de histórias como dados;
Os dados são analisados por meio do significado que a história tem para o próprio autor dela;

Histórias com começo, meio e fim (ex: biografia, histórias de vida, história oral, auto-etnografia e auto-biografia);



Abordagem biográfica
:
História analisada em termos de importância e influência de gênero e raça, família de origem, eventos de vida, pontos decisivos de vida;
Análise da Narrativa


História de Vida




A ocorrência natural do comportamento social, em contextos do mundo real é melhor analisada pela derivação de categorias e conceitos emergentes (bottom up).

(MERRIAM, 2009).
(MERRIAM, 2009).
(YIN, 2011).
Constrói uma versão narrativa das conclusões de um ambiente do mundo real e dos participantes, para acentuar a sensação de "estar lá".
Análise da Narrativa

Como as histórias são construídas, quais ferramentas de linguagem são utilizadas e o contexto cultural da história.

Abordagem psicológica
:
Concentra-se no aspecto pessoal, incluindo pensamentos e motivações;
Abordagem linguística
:
Análise de discurso – foca na linguagem da história, na entonação, compasso e pausas.

(MERRIAM, 2009).
Objetivo: criticar e mudar, transformar e empoderar (não busca somente entender a sociedade, mas criticar e transformar a sociedade);

Dinâmicas de poder: quem tem o poder? Como é negociado? Quais estruturas da sociedade reforçam a distribuição de poder?



Poder em combinação como hegemonia social resulta em marginalização e opressão daqueles que não têm poder;


(MERRIAM, 2009).
(MERRIAM, 2009).
Frequentemente envolve pesquisa participante;




A pesquisa crítica pode ser combinada com outros metodologias de pesquisa qualitativa.


Coleta de dados:
Foco mais no contexto do que no indivíduo;

Dilema Quali vs. Quanti
Estudos Organizacionais têm resistido sempre à adoção de uma metodologia predominantemente quantitativa (Origem estudos de caso);

As ciências sociais até o momento não se consolidaram como ciências de tipo apenas positivo, como aconteceu com as ciências da natureza (física, química, biologia, geociências etc.), e parte substancial do que se desenvolveu em todas elas ainda são qualitativamente desenvolvidas e apresentadas.



As ciências sociais, e consequentemente os Estudos Organizacionais, não podem prescindir de metodologias quantitativas e qualitativas sob pena de não lograrem atingir plenamente a realidade organizacional.

(BERTERO, 2013).
(BERTERO, 2013).
(MERRIAM, 2009).
Finalizando...
Mediando estratégias
Reconhecer as escolhas metodológicas e, em seguida, indicar suas oportunidades, restrições e fundamentos filosóficos;

Citar outros estudos que fizeram escolhas semelhantes e tinham manifestado as precauções adequadas;


Assumir que todos os tipos de investigação, na medida em que o objetivo é chegar a conclusões que se possa acreditar, possuem uma semelhança subjacente.



(YIN, 2011).
Construindo confiabilidade e credibilidade
Construindo confiabilidade e credibilidade
Construindo confiabilidade e credibilidade
Transparência

Descrever e documentar os seus procedimentos para que outras pessoas possam revisar e tentar compreendê-los;

Metodicidade


Trazer uma sensação de completude de um esforço de pesquisa.
Seguir algum conjunto ordenado de procedimentos de pesquisa;
Inclui evitar viés inexplicável ou distorção deliberada na realização de pesquisas;
Adesão ao Evidente



As palavras não podem ser literalmente aceitas, e necessitam ainda serem confirmadas.

Objetivo final - baseie-se em um conjunto explícito de provas;
Registrar e explicitar provas da coleta (linguagem real) e o contexto;
Participantes = auto-relatos;
(YIN, 2011).
(YIN, 2011).
(YIN, 2011).
Muito obrigado.
(BULGACOV, 2013).
Mediações Sociológicas nas Práticas de Pesquisa
A análise do contexto e das estruturas de nossas investigações (sentido e a validez) remete a uma teoria de sociedade (HABERMAS, 1982);


Toda a teoria organizacional tem uma teoria implícita de sociedade (BURRELL; MORGAN, 1979).



(apud BULGACOV, 2013).

(MERRIAM, 2009; YIN 2011).
(MERRIAM, 2009).
(MERRIAM, 2009).
Full transcript