Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Processos de relação entre indivíduos e grupos - Psicologia 12ºAno

No description
by

Joana Salvador

on 18 February 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Processos de relação entre indivíduos e grupos - Psicologia 12ºAno

«Pensar mal dos outros sem fundamento suficiente.» Processos de relação entre indivíduos e grupos Atração, agressão e intimidade (Continuação)
Estereótipos, preconceitos e discriminação Trabalho realizado por:
Joana Salvador, nº14
João Barbosa, nº17
Pedro Mendes, nº21
Vítor Hugo, nº29 «Enquanto a cor da pele for mais
importante que o brilho dos olhos, haverá guerra.»
Bob Marley F i m Kelley Modelos de amor Passional Pragmático Altruista Necessidade
do outro Confiança
e tolerância Procupação e cuidado Sternberg Teoria
Triangular do Amor Intimidade Paixão Decisão/
Compromisso Sentimento
de proximidade,
de vinculação ao outro Impulsos
relacionados com o ‘’romance’’, a atração física e a sexualidade Curto prazo:
consciência de
que se ama o outro
Longo prazo:
aceitação da continuidade da relação Amor e Sexualidade O desejo sexual é uma das componentes principais das relações passionais, não se considerando a conjugação amor/sexo de origem exclusivamente biológica e vinculação social.
Como quaisquer outras, as condutas sexuais não são uma manifestação instintiva direta, mas uma construção elaborada. Gagnon e Simon introduzem o termo “script sexual” para traduzir o caráter socialmente construído destas condutas. O que são scripts? Scripts são sistemas que permitem conceptualizar comportamentos sociais e, neste caso sexuais. Tal como as representações sociais, referem-se a um conhecimento prático socialmente partilhado, com dupla função de interpretação e de orientação dos modos de agir.
Foram feitas investigações sobre o script sexual com base nos dados recolhidos em inquéritos aplicados a cerca de seiscentos estudantes universitários. Esses estudos vieram a revelar o seguinte: O script do sexo com afeto é partilhado por ambos os sexos.
Indivíduos de ambos os sexos concordam quanto à sexualidade ante matrimonial, duradoura e orientada pelo prazer.
O script do sexo é quase exclusivamente masculino.
A taxa de virgindade feminina é mais elevada do que a masculina.
A primeira relação sexual masculina precede mais ou menos em um ano a feminina.
Os homens têm mais parceiros sexuais do que as mulheres.
Os homens têm mais aventuras de uma só noite do que as mulheres e desejam relacionar-se sexualmente com um maior número de parceiros.
Os homens pensam mais em sexo do que as mulheres. Os homens são mais permissivos do que as mulheres e admitem com mais facilidade o sexo ocasional e o sexo sem compromisso.
As mulheres revelam maior conhecimento da eficácia dos métodos contraceptivos do que os homens.
As mulheres apresentam maior sensibilidade para a educação sexual e para o planeamento familiar.Na primeira relação sexual os homens são menos apaixonados do que as mulheres.
Na inventariação para ter relações sexuais. Os homens são superiores às mulheres.
Na inventariação de argumentos para não ter relações sexuais, as mulheres são superiores aos homens.
O uso de preservativo corresponde apenas a um terço das relações sexuais relatadas; outro terço faz uso da pílula e os restantes não recorrem a práticas contracetivas ou servem-se de métodos ineficazes. Estereótipos Preconceitos Discriminação A visão estereotipada do mundo ESTEREÓTIPOS | Crenças rígidas e simplificadoras acerca de pessoas, grupos e instituições, que resultam de uma generalização abusiva. Características dos estereótipos São fundamentalmente de natureza cognitiva. A este respeito, apresentam-se como noções, representações ou ideias seguras para orientar as relações sociais. Configuram realidades sociais exteriores ao sujeito, como sejam pessoas, grupos e instituições.

São visões rígidas e simplistas dos objetos em que incidem, referindo apenas os seus aspetos parcelares e caricaturais, isolados dos contextos complexos de que fazem parte.

São esquemas unificadores dos seres de uma classe ou categoria que, apresentando os aspetos mais salientes, ignoram diferenças e cambiantes por vezes significativos. Preconceito Atitudes negativas Resultante de um juízo desfavorável Infundadamente constituído As pessoas com preconceitos Raciais Étnicos Sexistas Comportam-se de acordo com o que sentem em relação aos grupos e suas características. Generalização Permite pensar
e gerar categorias Discriminação Anos 60 Atualmente
Full transcript