Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Teoria da Adaptação de Callista Roy

No description
by

Rita Vieira

on 14 January 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Teoria da Adaptação de Callista Roy

Descrever o Modelo de Adaptação de Roy (MAR);
Registar os pressupostos científicos e filosóficos;
Integrar o modelo na Escola dos Efeitos Desejados e no Paradigma da Integração;
Estabelecer a relacão entre os metaparadgimas de Roy e da OE;
Identificar a importância do MAR para o ensino de Enfermagem;
Objetivos
Príncipios pressupostos
Biografia
Nome: Callista Roy

Data de Nascimento: 14 de Outubro de 1939 em Los Angels

Teoria da Adaptação de Callista Roy
Unidade Curricular de História e Epistemologia da Enfermagem

Regente da UC: Isabel Ferraz

Docente Orientador: Helga Rafael

Janeiro 2016

Ana Catarina Couto nº. 6797
Ana Rita Brito nº.7171
Marta Mendes nº. 6865
Micaela Santos nº. 6955
Rita Vieira nº. 7209

Teoria dos Sistemas
Teoria da Adaptação
Holismo
Interdependência
Processo de controlo
Informação de resposta
Complexidade dos sistemas vivos


Pressupostos científicos
Capacidade da pessoa de responder positivamente a uma situação
Niveís de adaptação dinâmicos e individuais
Metaparadigmas
Segundo Roy
Enfermagem
-Centra-se nos processos de vida;

-Enfatiza a promoção de saúde para os individuais, grupos e sociedade como um todo;
Pessoa
Ambiente
-Todas as condições e influências que afetam o desenvolvimento e comportamento da pessoa;

-É o ambiente que estimula a pessoa a dar respostas de adaptação;
Saúde
- Estado ou processo de ser e de se tornar integrado e uma pessoa completa;

-É um reflexo da adaptação, isto é, da interação da pessoa e do ambiente;
-Prática que expande capacidades de adaptação;

-Roy diferencia a enfermagem enquanto ciência da enfermagem enquanto disciplina prática;
Valores e Crenças
Modos de Adaptação
Modo de Adaptação fisico-fisiologico
Relacionado à forma como os humanos interagem com o ambiente através de processos fisiológicos para satisfazer as necessidades básicas tais como oxigenação, nutrição, eliminação, actividade, repouso e protecção.
Modo de Identidade de Auto-Conceito de Grupo
Relacionado com a necessidade de saber quem se é e como agir em sociedade.
Modo de Desempenho de Papel
Descreve os papéis primários, secundários e terciários que um individuo desempenha na sociedade.
Modo de Interdependência
Lida com as interações das pessoas na sociedade, sendo a sua principal função: as pessoas darem e receberem amor, respeito e valor.
Processo de Enfermagem
Avaliação do Comportamento
Avaliação do Estimulo
Diagnostico de Enfermagem
Estabelecimento do objetivo
Avaliação
Intervenção
Paradigma da Integração
Escola dos Efeitos Desejados
Aceitação do modelo de Roy pela comunidade de enfermagem
Prática
Investigação
Ensino
Conclusão
Bibliografia
Tem origem nos Estado Unidos da América, nos anos 50, após a segunda guerra mundial.

Orienta os cuidados de enfermagem essencialmente para a pessoa com vista à resolução dos seus problemas e necessidades. O objetivo da Enfermagem é a manutenção da saúde da pessoa na sua globalidade, encarando-a como um ser holístico.

''Agir com''
em detrimento do paradigma anterior que propunha ''fazer pela pessoa''.


As narrativas nesta escola surgem associadas à escola das necessidades, como complemento da satisfação das necessidades afectadas.

Aos olhos desta escola os cuidados de enfermagem baseiam-se na promoção da adaptação, a partir de respostas de adaptação eficazes face a cada estímu-lo.


Objetivo
Equilibrio
A pessoa é um ser bio-psico-social;
Em constante interação com o meio;
Capacidade de resposta aos estímulos;
Possui necessidades que pretende satisfazer;
Integra sentido de responsabilidade e respeito;
Modelo de Adaptação de Roy
A adaptação refere-se ao “processo e resultado através do qual as pessoas pensantes e sensíveis enquanto indivíduos ou em grupos, utilizam a consciência e a escolha para criar a integração humana e ambiental.”

O modelo de adaptação de Roy (MAR) considera a pessoa um ser biopsicosocial em permanente interação com o meio ambiente. De acordo com o meio, a pessoa responde adequadamente ou ineficazmente.

Deste modo, o objetivo da Enfermagem é promover a adaptação da pessoa de forma a alcançar integração, bem-estar e conforto.
1970
1978
1987
1982
1966
1963
Apresentação do Modelo de Adaptação
Membro da American Academy of Nursing
Responsavel pelo departamento de enfermagem
no Mount Saint Mary's College
Inicio do cargo de enfermeira teorica
no Boston College School of Nursing
Forma-se em
enfermagem pelo
Mount Saint
Mary's College

Mestrado em
Enfermagem
Pediatrica pela
UCLA

1999
Publicou o
The Roy
Adaptation Model

Pressupostos filosóficos
Humanismo
Veracidade
Poder criativo
Age com um objetivo
Holismo
Processo Interpessoal
Objetivo para a sua existência
Unidade da Humanidade
Atividade, criatividade
Valor e significado da vida
Callista Roy in Teoria de Enfermagem,O Modelo de Adaptação de Roy (1999)
Estimulos do Nivel de Adaptação
Feedback
Respostas
Mecanismos de Resistência
Estimulo Focal
Estimulo Contextual
Estimulo Residual
Regulador
Cognator
Adaptáveis
Ineficazes
Comportamento da pessoa
Nivel de Adaptação
- Como um sistema de adaptação holística;
- A pessoa é o enfoque central da enfermagem sendo aquele que recebe os cuidados;
- Podem ser pessoas como individuos ou grupos (familia,amigos,comunidade);
Roy, C. & A. Andrews, H. (2001).Teoria da Enfermagem: O Modelo da Adaptação de Roy. Lisboa:Instituto Piaget. (The Roy Adaptation Mode, 198l)
Ordem dos Enfermeiros (2001). Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem. Conselho de Enfermagem
Tomey,A. & Alligood,M,2002.Teóricas de Enfermagem e a sua obra (Modelos e Teorias de Enfermagem). Cabociência. Lisboa
https://www.google.pt/search?q=callista+roy&biw=1366&bih=623&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjvqbOF5J_KAhVGtBoKHX6KDt0Q_AUIBigB#imgrc=Bm7c9J__K3BvFM%3A
consultado a 10 de Janeiro de 2016 as 17h38
https://www.google.pt/search?q=livro+callista+roy&espv=2&biw=1366&bih=623&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwibubfM5J_KAhUCyRoKHXffAl0Q_AUIBigB#imgrc=zT_uEZjPKHGSkM%3A
consultado a 10 de Janeiro as 17h39
Imagens:
Discussão
Estudo de Caso

Nome: J.M.
Idade: 32 anos
Sexo: Masculino
Sofreu acidente tendo ficado paraplégico

Full transcript