Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O Homem como sujeito bio-sócio-ecológico

No description
by

Cristina Pereira

on 17 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O Homem como sujeito bio-sócio-ecológico

1. Introdução
O Homem como sujeito bio-sócio-ecológico
O presente trabalho aborda o assunto do
Homem como sujeito bio-sócio-ecológico
, e sua relação inerente entre a Natureza, problematizando-se a sustentabilidade presente e futura da mesma.

Dito isto, coube-nos selecionar estudos de caso relativos a desastres ambientais conduzidos pelo Homem, entres eles Cratera de Darvaza,
Nevoeiro Assassino de Londres, Love Canal, e Mar de Aral. Optamos por estes temas, dado que já partilhavamos conhecimentos destes e quisemos então reforçá-los.

Tendo este tema-problema em conta, atingiu-se facilmente o nosso objetivo, que baseou-se em atingir formas de compreensão ciêntificas dos fenómenos ambientais, e simultâneamente, enfatizar a influência do Homem face ao meio onde coabita.

Para além do suporte digital, realizou-se de igual modo, uma galeria de exposição de fotos denominada de «Natomem», com o intuito de sensibilizar a restante turma com os temas abordados, de uma maneira mais dinâmica.

Por fim, a metodologia utilizada foi a pesquisa na internet, enriquecida com depoimentos e pesquisas de outrem.
. . .
TPCQA 2013/2014
Disciplina: Área De Integração

Módulo 2: Homem - Natureza:
Uma relação sustentável; desequilíbrios regionais; os fins e os meios; que é para a vida humana?

As formandas: Carina Farias, Cristina Pereira, Olívia Taveira, Tatiana Teves
O formador: Pedro Trindade
2.3 Contaminação em Love Canal
2.1. A Cratera de Darvaza
1.50€
Segunda feira, 17 de Março de 2014
Vol XCIII, No. 311
2.4 O caso do Mar de Aral

2. Estudos de Caso: Desastres Ambientais
2.2. O nevoeiro assassino de Londres
6. Conclusão
. . .
Com a necessidade de aumentar a produção de alimentos, acelarou-se a construção de canais de irrigação que captavam as suas águas. Fazendo-se consequentemente perder 75% da água existente.
Consequências

- Redução do volume da água e aumento da salinidade da mesma matou a maior parte da fauna da flora;
- Falência da indústria pesqueira, desemprego e dificuldades económicas;
- Poluição das águas derivado a pesticidas e fertilizantes;

Na Ásia, entre o Cazaquistão e o Uzbequistão,
o mar de Aral, é um dos desastres ambientais mais chocantes do mundo.

Antes da década de 1960, tinha 62.000 km2 de extensão. Hoje, já perdeu dois terços da sua área de superfície, sofrendo de um avançado processo de desrtificação.
Do que se trata?
Quais as suas causas?
Cazaquistão - Mar de Aral
Do que se tratou
De 5 a 9 de dezembro de 1952, Londres passou por uma etapa, à primeira vista, apenas desagradável, uma vez que a cidade já estava acostumada ao
fog
desde a Revolução Industrial, mas a longo prazo a etapa tornou-se trágica, registando por volta de 8 mil mortes.

- Uma
frente fria
que, por sua vez impulsionou o excessivo uso de carvão;
-
Inversão térmica
, ou seja, trata-se do aumento
da temperatura durante o dia, e em condições de grande arrefecimento noturno.

No decorrer do tempo, o nevoeiro adquiriu um odor característico, resultante da formação de dióxido de enxofre acompanhado de tons esverdeados.

No dia 9 de dezembro, chegaram a Londres ventos que colocaram fim à inversão térmica, permitindo a dispersão do smog.

Consequências

-
Asfixia, bronquite, problemas respiratórios
e
cardíacos,
e
infeção pulmonar aguda
;

-
Chuvas ácidas
, resultantes da
libertação de dióxido de enxofre
e de
óxido de azoto
(provenientes de fábricas e automóveis) para a atmosfera, posteriormente originando nuvens de ácido sulfúrico;

Chuvas ácidas causam:
- Irritações visuais e queimaduras cutâneas;
-
Destruição de edifícios
,
contaminação da água
e
vegetação.

Inglaterra - Nevoeiro
Assassino de Londres (1952)


Causas do Nevoeiro
Destruição de um monumento através das chuvas ácidas
Navios encalhados no mar de Aral
1977
1989
2006
O "encolhimento" do Mar de Aral
Estado da cidade nos primeiros dias do nevoeiro
A Cratera de Darvaza
Do que se trata?
A Cratera de Darvaza é uma cratera de gás natural com 60 metros de diâmetro por 20 de profundidade situado no deserto de Karakum,
no Turcomenistão.
Tornou-se conhecida por arder continuadamente desde 1971.
A conhecida "porta do inferno" não é obra da natureza, mas sim o resultado de uma desastrada prospeção soviética em busca de
petróleo e gás, em 1970.

Ao encontrar-se essa cavidade subterrânea, esta provocou um sugamento de uma equipa de escavação.
No entanto, os geólogos tiveram a brilhante ideia de atea fogo a fim de que os gases tóxicos dispersassem-se.
Continuação
Não se sabe por quanto tempo o gás continuará a arder na "porta do inferno".

Embora localize-se numa região de difícil acesso, muitas pessoas vão até ao local para observar esta fascinante combinação entre o Homem e a natureza!
Turquemenistão - Cratera de Darvaza
A história e as causas
Love Canal
Continuação
Em 1953, a preencheu-se todo o canal com lixo tóxico e cobriu-se com terra, vendendo-a a um preço
de 1 dólar.

Mais tarde, a área começou a ser ocupada com moradias e uma escola primária foi aberta precisamente em cima de onde havia sido o canal.

Começando a perceber os casos concentrados de doenças, incluindo em crianças, surgiu uma associação com cerca de 500 famílias, fazendo manifestações de modo a evacuar-se a área.

Consequências
- Abortos espontâneos e nascimento de crianças defeituosas em grande número;

- Crianças apareciam com graves queimaduras;

- Vegetação e jardins começaram a morrer;

- Asma, problemas renais, colapsos
nervosos, tentativas de suicídio, hiperatividade infantil.





Do que se tratou
Love Canal é um dos casos mais graves na história dos Estados Unidos no que se refere a desastres ambientais causados pelo Homem.

Este canal foi concebido por um empresário chamado William Love, para fornecer energia barata às industrias da região de Niagara Falls.

Em 1920, transformou-se num aterro industrial para produtos químicos.


Fotos marcantes de algumas manisfestações
Nova Iorque - Love Canal
1________________________Introdução
2_______________________Estudos de Caso
2.1______________________Cratera de Darvaza
2.2__________________Nevoeiro Assassino de Londres
2.3__________________A contaminação de Love Canal
2.4______________________A situação do Mar de Aral
4__________Qual a relação do Homem com a Natureza?
5__________O modelo de desenvolvimento económico
6________________________Conclusão
7________________________Netgrafia

Enquadramento
7. Netgrafia
Cratera de Darvaza:

Metamorfose Digital, (2010). Consultado a 26 de Fevereiro de 2014. Disponível em: http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=11080

RIBEIRO, Luís, (2013). Consultado a 26 de Fevereiro de 2014.
Disponível em: http://casavogue.globo.com/Curiosidades/noticia/2012/08/porta-do-inferno-atrai-turistas-na-asia.html

SEIXAS, Maria (et. al). Consultado a 27 de Fevereiro de 2014.
Disponível em:
http://www.hierophant.com.br/arcano/posts/view/Science/2159


7. Netgrafia
O nevoeiro assassino de Londres:

Poluição e consequências ecológicas, (2010). Consultado a 25 de Fevereiro de 2014.
Disponível em: http://poluicaoeconsequencias.blogspot.pt/2010/04/poluicao-atmosferica.html

Mundo Tentacular, (2013). Consultado a 24 de Fevereiro de 2014.
Disponível: http://mundotentacular.blogspot.pt/2013/01/cidade-das-nevoas-o-grande-fog-de.html

ROSERBERG, Jennifer, (2013). Consultado a 25 de Fevereiro de 2014.
Disponível em: http://history1900s.about.com/od/1950s/qt/greatsmog.htm

7. Netgrafia
A contaminação do Love Canal:

Monitor de Aterros, (2010). Consultado a 26 de Fevereiro de 2014.
Disponível em:
http://monitordeaterros.blogspot.pt/2010/10/caso-o-canal-do-amor-eua-sera-que.html

MARTINS, Luana, et.al (2012). Consultado a 26 de Fevereiro de 2014.
Disponível em: http://sintomascausas.blogspot.pt/2012/09/doencas-ambientais.html

CARVALHO, Juliana (2013). Consultado a 26 de Fevereiro de 2014. Disponível em: http://www.toxipedia.org/display/toxipedia/Love+Canal+Disaster
Dado por concluido o nosso trabalho, estudamos então que o homem é biológico porque é um ser vivo, cultural pela própria maneira de pensar, sentir e agir para com o meio social.
O Homem ao ser ecológico, sofre com as consequências, e atua sobre estas, estabelecendo uma frequente relação com a natureza, tendo como exemplos, o Mar Aral, Nevoeiro Assassino de Londres, Cratera de Darvaza e o Love Canal, distribuídos conforme os 4 elementos da terra.
Concluímos que o Homem é um sujeito bio-sócio-ecológico, e é diretamente condicionado pelas variantes geográficas, biológicas, sociais, históricas e culturais.
7. Netgrafia
FREITAS, Eduardo, (s.d). Consultado a 26 de Fevereiro de 2014. Disponível em: http://www.brasilescola.com/geografia/mar-aral.htm

Grupo Porto Editora, (2014). Consultado a 26 de Fevereiro de 2014. Disponível em: http://www.infopedia.pt/$mar-de-aral

KUMAR, Rama, (s.d). Consultado a 26 de Fevereiro de 2014. Disponivel em: http://resistir.info/asia/mar_de_aral.html

A situação do Mar de Aral
Olívia Taveira
Carina Farias
Cristina Pereira
Tatiana Teves
4. Qual a relação do Homem com a natureza?
HOMEM




Age, pensa e sente
Condicionantes geográficas
Condicionantes Biológicas
Condicionantes Sociais
Condicionantes Históricas
Condicionantes Culturais
6. O modelo de desenvolvimento atual
Maior poder de compra
Aumento do emprego
Maior procura de bens e serviços
+
6. Homem x Natureza
A ação continuado do Homem na Natureza leva ao desiquilíbrio do ecossistema. Assim, entrando a Ecologia para o equilíbrio de ambos.
Full transcript