Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of Fisiologia Renal

No description
by

Isabelle Sena

on 1 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of Fisiologia Renal

Fisiologia Renal
Excreção de produtos de degradação do metabolismo e de
Regulação da osmolalidade e das concentrações de eletrólitos
Fisiologia Renal
Secreção, metabolismo e excreção de hormônios;
Regulação da pressão arterial;
Regulação do equilíbrio ácido-básico;
Gliconeogênese.
Regulação do equilíbrio hidroeletrolítico.
dos líquidos corporais;
substâncias químicas estranhas;
PRINCIPAIS DOENÇAS QUE ACOMENTEM OS RINS:
DRC (Doença Renal Crônica)
Hipertensão arterial;
Diabetes;
Glomerulonefrite:
Insuficiência renal aguda
Causas
Infecção urinária
Cálculo renal
Primária
,
Secundária.
Insuficiência renal aguda


Choque séptico,
Hipovolemia,
Insuficiência cardíaca.




Insuficiência renal aguda
Pré-renal:
Varia de 40% a 60% do total de acometimentos por IRA.
Renal
É a lesão que atinge o rim seja por:


tóxicos (químico ou medicamentoso),
inflamações (nefrites),
morte de células do rim (necrose do glomérulo ou do túbulo renal).


Pós-renal
É a que ocorre por obstrução das vias urinárias, impedindo a passagem da urina pela via urinária. A obstrução pode ocorrer em qualquer parte da via urinária: pelve renal, ureter, bexiga ou uretra.


É menos frequente, em torno de 2 a 4% entre todas as causas de IRA.
A evolução da IRA ocorre em três fases:


Fase inicial
Pode passar desapercebida pelo paciente e pelo médico, que preocupados com a doença causadora, esquecem de observar a produção de urina.


O principal achado médico na IRA é a pequena produção de urina.
Segunda fase
Urina
Toxinas
(uréia, potássio, acidose)
Quando os tóxicos se acumulam no sangue causam transtornos clínicos importantes conhecidos por uremia.

Terceira fase
É a da recuperação, com o paciente voltando ao normal se houver melhora progressiva da função renal. O volume urinário e a eliminação das toxinas acumuladas vão aumentando e começa a ocorrer recuperação da função renal.


DRC (Doença renal crônica)
Marcadores de danos renais
Proteinúria (ou albuminúria);
Alterações na urina (hematúria glomerular);
Imagens ultrassonográficas anormais;
Alterações histopatológicas vistas em biópsias renais
TFG (Taxa de filtração glomerular)
É componente no diagnóstico e classificação da DRC.
Ela é definida como a capacidade dos rins de eliminar uma substância do sangue e é expressa como o volume de sangue que é completamente depurado em uma unidade de tempo.

O rim filtra o sangue e elimina os produtos finais do metabolismo protéico, enquanto preserva solutos específicos, proteínas (particularmente albumina) e componentes celulares.
N° de néfrons
Alterações fisiologicas
TFG
Doenças renais progressivas
A TGF é avaliada por meio da mensuração de níveis de substâncias que são normalmente produzidas pelo corpo:
Uréia;
Creatinina;
Cistatina C
(No momento, o papel clínico para a mensuração da cistatina C ainda não foi elucidado, mas ainda existe a
possibilidade de que ela venha a ser um marcador útil
de disfunção renal precoce).
A probabilidade de progressão da DRC é determinada por:
Idade
Sexo
Diabetes
Hipertensão
Proteinúria
Anemia
Complicações metabólicas
Obesidade
Tabagismo
Dislipidemia
(o grau de proteinúria correlaciona-se
com a magnitude do dano renal).
(pode determinar aumento no tamanho glomerular
e anormalidades na função glomerular).
O tabagismo está associado com progressão acelerada da doença renal. O fumo tem efeitos vasoconstritores, tromboembólicos e diretos no endotélio vascular e é um fator de risco independente para insuficiência renal em homens com doenças renais.
Fumo + hipertensão arterial + doença vascular =
Creatinina
Sinais e sintomas de disfunção renal:

• alteração na cor da urina (torna-se parecida com coca-cola ou sanguinolenta);
• dor ou ardor quando estiver urinando;
• passar a urinar toda hora;
• levantar mais de uma vez à noite para urinar;
• inchaço dos tornozelos ou ao redor dos olhos;
• dor lombar;
• pressão sanguínea elevada;
• anemia (palidez anormal);
• fraqueza e desânimo constante;
• náuseas e vômitos frequentes pela manhã;



Uma reação inflamatória aguda do néfron.

A existência dessa inflamação, irá provocar uma lesão no glomérulo, diminuindo-lhe a sua capacidade
de filtração do sangue.


As glomerulonefrites podem ser primárias ou secundarias.



As primarias, são causadas por alteração imunológica resultante de infecções por vírus ou bactérias.
A principal doença é a Nefropatia por IgA, ou Doença de Berge.









Síndrome Nefrítica ou Glomerulonefrite

Síndrome Nefrítica ou Glomerulonefrite

 As secundárias, não têm origem no glomérulo, esta relacionada com outras doenças que
poderão afetar o funcionamento do glomérulo.

As principais doenças associadas são: hipertensão arterial, diabetes, lúpus eritematoso, hepatites B e C, infecção pelo HIV.





As glomerulonefrites primárias: perda de sangue (hematúria) e de proteína (proteinúria) pela urina, cansaço, indisposição, fraqueza e anemia


Nas glomerulonefrites secundárias: urina espumosa (em consequência da proteinúria) e edema são os sitomas mais comuns.
Sintomas:
Controlar periodicamente os níveis da pressão arterial e as taxas de açúcar no sangue.

Hipertensão e diabetes são causas importantes das glomerulonefrites secundárias;

Siga rigorosamente o tratamento das doenças de base que podem ser a causa das glomerulonefrites;

Evite a ingestão exagerada de sal e o consumo de bebidas alcoólicas;

Dê a merecida atenção às infecções de garganta por estreptococos, um microrganismo que pode causar lesões nos rins.


Recomendações

É o aumento da permeabilidade da membrana basal dos capilares glomerulares.


Na síndrome nefrótica, não existe uma inflamação evidente, havendo contudo um mau
funcionamento da membrana glomerular,


neste caso, o glomérulo filtra mais do que deveria, causando a proteinúria (saída de proteínas pelo sangue) que é um sinal da síndrome nefrótica.





Síndrome Nefrótica


A síndrome nefrótica pode ser causada por diversas doenças que acometem os rins.

É caracterizada por proteinúria maciça (superior a 3,5g/ 24 horas), com tendência a edema, hipoalbuminemia (albumina sérica inferior a 3,4g/dl) e hiperlipidemia.











Síndrome Nefrótica

Nefropatia Diabética
É doença renal que resulta das lesões provocadas pela
Diabetes Mellitus
Acomete :

30 á 40% dos pacientes com diabetes mellitus tipo 1

20% dos pacientes com diabetes mellitus tipo 2

Como se manifesta?
O trabalho aumentado pelo excesso de glicose faz o rim crescer de tamanho, sendo este o primeiro sinal de alteração encontrado nos exames de imagem.
Estágios da Nefropatia diabética:
Estágio 1
Nefropatia incipiente

Estágio 2
Nefropatia clínica com proteinúria
Estágio 3
Insuficiência Renal
Presença de albumina na urina de 24h entre 30 á 300mg ( Microalbuminúria)
Programas de hemodiálise e transplante renal
Seu curso é lento e silencioso e os primeiros sinais laboratoriais costumam aparecer entre 10 e 15 anos após o início do estado hiperglicêmico.
Presença de albumina na urina de 24h > 300 mg (Macroalbuminúria)
O diagnóstico precoce da Nefropatia Diabética é realizado por meio de exame de urina, chamado Microalbuminúria.
Já nas fases mais avançadas da doença, pode-se identificar elevação nos níveis sanguíneos de creatinina e ureia, bem como a presença de proteína na urina.
Diagnóstico:
Prevenção
Controle rigoroso do diabetes mellitus.
- É a perda da função renal, de maneira súbita, independentemente da etiologia ou mecanismos, provocando acúmulo de substâncias nitrogenadas , acompanhada ou não da diminuição da diurese.
Principais causas:
Alguns Medicamentos :

Antiinflamatórios; Antibióticos;
Alguns quimioterápicos; Contraste à base de iodo para exames radiológicos.

Outros fatores de risco são:

Idade avançada,
doença hepática,
nefropatia pré-existente e
diabetes.
Três tipos de alterações agudas:
Pré- renal

Renal

Pós - renal

Ocorre antes dos rins, levando a insuficiência funcional ou lesão orgânica.
Causas:
insuficiência circulatória aguda
desidratação, hipovolemia, perda de sangue
- Queda da pressão arterial ( menos de 90mmhg)
Controlar a dieta: evitar o excesso de sal, carne vermelha e gorduras;
Evitar excesso de peso;
Fazer exercícios regularmente;
Não fumar;
Controlar a pressão arterial e o diabetes;
Fazer uso adequado de medicamentos;
Verificar periodicamente o níveis de proteinúria e dosagem de creatinina no sangue por meio de exames;

Prevenção
Etiologia e quadro clínico

As principais causas de DRC incluem:

Hipertensão arterial
Diabetes melitos
Glomerulonefrites

Síndrome Urêmica
A perda da função renal leva a uma série de distúrbios,resultandos da concentração inadequada de solutos,do acúmulo de substancias tóxicas não eliminadas pela urina e da deficiência na produção de hormônios específicos.

DRC é dividida em 5 estágios que dependem da taxa de filtração glomerular (TFG)
Estágio 0: grupos de risco para desenvolver DRC (hipertensão arterial, diabetes melitos e parentes de portadores de DRC

Estágio 1: Indivíduos com função renal normal,porém apresentam algum tipo de lesão renal (proteinúria)

Estágio 2: início da perda da função dos rins,níveis de ureia e creatina plasmática normais e não há alterações clínicas de insuficiência renal.


Estágio 3: a lesão renal é mais grave e há um déficit moderado da função renal,sintomas aparecem de forma discreta.

Estagio 4: o paciente apresenta sinais marcados e uremia, sendo os mais comuns anemia, hipertensão arterial,fraqueza,mal-estar.


Estagio 5: insuficiência renal avançada,é a fase de perda de controle do meio interno.Paciente altamente sintomático,necessitando de iniciar a terapia renal substitutiva,que pode hemodiálise, diálise peritoneal ou transplante

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA
DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO
Nefropatias
Docente: Raquel Cruz
Discentes: Adriana Silva, Fernanda Ribeiro, Laís Sousa, Juliana Lins, Mayara Isabelle, Patrícia Lima.
Dialises clínicas
Utilizadas na nefrologia para cumprir uma parte importante da função renal, a eliminação através da urina de componentes não utilizados pelo corpo, resultantes principalmente da alimentação.

Os métodos dialíticos tem a função de remover estes componentes, incluindo o excesso de líquido.

Hemodiálise
Consiste em promover uma circulação extracorporal do sangue do paciente, via máquina, no intuito de colocar o sangue em contato, via membrana semipermeável, com uma solução dialisadora.

Aproveita a cavidade peritoneal, revestida pela membrana peritoneal , que é bastante vascularizada.

Por meio de difusão, os componentes tóxicos se movem do interior dos vasos da membrana e dos tecidos adjacentes para a solução dialisadora, que é injetada na cavidade. Após algumas horas, a solução é então drenada e novo ciclo tem início.

Diálise Peritonial
Full transcript