Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Karl Marx: capitalismo e sociologia

No description
by

Caio Lara

on 28 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Karl Marx: capitalismo e sociologia

Trabalho
Galeria de Charges
Música
O Funeral - Palavras de Engels
like comment share
Marx era, antes de tudo, um revolucionário. Sua verdadeira missão na vida era contribuir, de um modo ou de outro, para a derrubada da sociedade capitalista e das instituições estatais por esta suscitadas, contribuir para a libertação do proletariado moderno, que ele foi o primeiro a tornar consciente de sua posição e de suas necessidades, consciente das condições de sua emancipação. A luta era seu elemento. E ele lutou com uma tenacidade e um sucesso com quem poucos puderam rivalizar. (…) Como consequência, Marx foi o homem mais odiado e mais caluniado de seu tempo. Governos, tanto absolutistas como republicanos, deportaram-no de seus territórios. Burgueses, quer conservadores ou ultrademocráticos, porfiavam entre si ao lançar difamações contra ele.
Graduou-se em Direito em Berlim e tornou-se doutor em Filosofia (Diferenças da filosofia da natureza em Demócrito e Epicuro). Tornou-se redator-chefe da Gazeta Renana, fechada pelos sensores prussianos. Em Paris (1843), assume a direção do Anais Franco-Alemães. Devido a um artigo sobre uma greve na Silésia, foi expulso da França. Mudou-se, então, para Bruxelas, onde escreveu o primeiro trabalho em parceria com Engels: A sagrada família. Expulso de Bruxelas em 1848, muda-se para Colônia, onde fundam o jornal Nova Gazeta Renana. Após fazer ataques às autoridades locais, é expulso de Colônia. Após campanha de arrecadação de donativos promovida por Ferdinand Lassalle na Alemanha, Marx e família conseguem migrar para Londres (1849). Redige "Trabalho assalariado e capital". Dedicou-se intensamente aos estudos de Economia na biblioteca do Museu Britânico. Recebeu e aceitou proposta de trabalho como redator para o jornal New York Daily Tribune. Propõe a criação de uma Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT) e escreve sua obra prima: "O Capital".
A mais-valia em Marx
like comment share
Capitão de Indústria - Paralamas do Sucesso
Principais Obras
O Manifesto Comunista (1848)
Check In
Karl
Heinrich
Marx
(Tréveris, 5 de maio de 1818 — Londres, 14 de março de 1883), foi o segundo de nove filhos de uma família de origem judaica de classe média. Viveu na Alemanha (Tréveris, Bonn, Berlim, Colônia), França (Paris), Países Baixos (Bruxelas) e Inglaterra (Londres). Casou-se com Jenny von Westphalen, com a qual teve cinco filhos. Está sepultado no Cemitério de Highgate, em Londres. Em uma pesquisa realizada pela Radio 4, da BBC, em 2005, foi eleito o maior filósofo de todos os tempos.
Imagem compartilhada
Mais-valia é o termo empregado por Karl Marx à diferença entre o valor final da mercadoria produzida e a soma do valor dos meios de produção e do valor do trabalho, que seria a base do lucro no sistema capitalista.

Eu às vezes fico a pensar // Em outra vida ou lugar // Estou cansado demais // Eu não tenho tempo de ter // Tempo livre de ser // De nada ter que fazer // É quando eu me encontro perdido // Nas coisas que eu criei // E eu não sei // Eu não vejo além da fumaça // O amor e as coisas livres, coloridas // Nada poluídas // Eu acordo pra trabalhar // Eu durmo pra trabalhar // Eu corro pra trabalhar // Eu não tenho tempo de ter // Tempo livre de ser // De nada ter que fazer // Eu não vejo além da fumaça que passa e polui o ar // Eu nada sei // Eu não vejo além disso tudo // O amor e as coisas livres, coloridas // Nada poluídas.
#Música & Letra: Marcos & Paulo Sérgio Valle
#Faixa 05 do Álbum:
#Nove Luas (1998).
Tudo isso ele punha de lado, como se fossem teias de aranha, não tomando conhecimento, só respondendo quando necessidade extrema o compelia a tal. E morreu amado, reverenciado e pranteado por milhões de colegas trabalhadores revolucionários - das minas da Sibéria até a Califórnia, de todas as partes da Europa e da América - e atrevo-me a dizer que, embora, muito embora, possa ter tido muitos adversários, não teve nenhum inimigo pessoal.
A Pirâmide do Sistema Capitalista:
A exploração dos trabalhadores operários

O Capital - Conjunto de livros (1867 - 1905)
Mais valia absoluta e relativa
Karl Marx chamou a atenção para o fato de que os capitalistas, uma vez pago o salário de mercado pelo uso da força de trabalho, podem lançar mão de duas estratégias para ampliar sua taxa de lucro: estender a duração da jornada de trabalho mantendo o salário constante - o que ele chama de
mais-valia absoluta
; ou ampliar a produtividade física do trabalho pela via da mecanização - o que ele chama de
mais-valia relativa
. Em fazendo esta distinção, Marx rompe com a ideia de David Ricardo do lucro como "resíduo" e percebe a possibilidade de os capitalistas ampliarem autonomamente suas taxas de lucro sem dependerem dos custos de simples reprodução física da mão-de-obra. Produção de mais-valia relativa é um modo de incrementar a produção do excedente a ser apropriado pelo capitalista. Já a mais-valia absoluta consiste na intensificação do ritmo de trabalho, através de uma série de controles impostos aos operários, que incluem da mais severa vigilância a todos os seus atos na unidade produtiva até a cronometragem e determinação dos movimentos necessários à realização das suas tarefas. O capitalista obriga o trabalhador a trabalhar a um ritmo tal que, sem alterar a duração da jornada, produzem mais mercadorias e mais valor que sem esses controles.
O Capital, Volume I, Parte III, Capítulo VII, Processo de Trabalho e Processo de Produção de Mais Valia, Secção 2, O Processo de Produção de Mais Valia
Full transcript