Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Precisamos falar sobre o Kevin

Psinema
by

Danilo Cruz

on 11 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Precisamos falar sobre o Kevin

Psinema
Prof. Danilo Cruz
Precisamos falar sobre o
KEVIN
Livro homônimo
Filme anglo-americano lançado em 2011, dirigido por Lynne Ramsay e estrelado por Tilda Swinton, John C. Reilly e Ezra Miller
“-Você matou onze pessoas. Meu marido. Minha filha. Olhe nos meus olhos e me diga o motivo.
-Eu achava que sabia.
Agora não tenho certeza.”
Psicopata?
Psicopatia
Sociopatia
Perversão
Transtorno de Personalidade amoral
Transtorno de Personalidade associal
Transtorno de Personalidade anti-social
Critérios Diagnósticos para F60.2 - 301.7 Transtorno da Personalidade Anti-Social
A. Um padrão invasivo de desrespeito e violação dos direitos dos outros, que ocorre desde os 15 anos, como indicado por pelo menos três dos seguintes critérios:
(1) fracasso em conformar-se às normas sociais com relação a comportamentos legais, indicado pela execução repetida de atos que constituem motivo de detenção
(2) propensão para enganar, indicada por mentir repetidamente, usar nomes falsos ou ludibriar os outros para obter vantagens pessoais ou prazer
(3) impulsividade ou fracasso em fazer planos para o futuro
(4) irritabilidade e agressividade, indicadas por repetidas lutas corporais ou agressões físicas
(5) desrespeito irresponsável pela segurança própria ou alheia
(6) irresponsabilidade consistente, indicada por um repetido fracasso em manter um comportamento laboral consistente ou honrar obrigações financeiras
(7) ausência de remorso, indicada por indiferença ou racionalização por ter ferido, maltratado ou roubado outra pessoa
B. O indivíduo tem no mínimo 18 anos de idade.
C. Existem evidências de Transtorno da Conduta com início antes dos 15 anos de idade.
D. A ocorrência do comportamento anti-social não se dá exclusivamente durante o curso de Esquizofrenia ou Episódio Maníaco.
Transtorno de Conduta
Critérios Diagnósticos para F91.8 - 312.8 Transtorno da Conduta
A. Um padrão repetitivo e persistente de comportamento no qual são violados os direitos básicos dos outros ou normas ou regras sociais importantes apropriadas à idade, manifestado pela presença de três (ou mais) dos seguintes critérios nos últimos 12 meses, com pelo menos um critério presente nos últimos 6 meses:
Agressão a pessoas e animais
(1) frequentemente provoca, ameaça ou intimida outros
(2) frequentemente inicia lutas corporais
(3) utilizou uma arma capaz de causar sério dano físico a outros (por ex., bastão, tijolo, garrafa quebrada, faca, arma de fogo)
(4) foi fisicamente cruel com pessoas
(5) foi fisicamente cruel com animais
(6) roubou com confronto com a vítima (por ex., bater carteira, arrancar bolsa, extorsão, assalto à mão armada)
(7) forçou alguém a ter atividade sexual consigo
Destruição de propriedade
(8) envolveu-se deliberadamente na provocação de incêndio com a intenção de causar sérios danos
(9) destruiu deliberadamente a propriedade alheia (diferente de provocação de incêndio)
Defraudação ou furto
(10) arrombou residência, prédio ou automóvel alheios
(11) mente com frequência para obter bens ou favores ou para evitar obrigações legais (isto é, ludibria outras pessoas)
(12) roubou objetos de valor sem confronto com a vítima (por ex., furto em lojas, mas sem arrombar e invadir; falsificação)
Sérias violações de regras
(13) frequentemente permanece na rua à noite, apesar de proibições dos pais, iniciando antes dos 13 anos de idade
(14) fugiu de casa à noite pelo menos duas vezes, enquanto vivia na casa dos pais ou lar adotivo (ou uma vez, sem retornar por um extenso período)
(15) frequentemente gazeteia à escola, iniciando antes dos 13 anos de idade
B. A perturbação no comportamento causa prejuízo clinicamente significativo no funcionamento social, acadêmico ou ocupacional.
C. Se o indivíduo tem 18 anos ou mais, não são satisfeitos os critérios para o Transtorno da Personalidade Anti-Social.
Especificar tipo com base na idade de início:
Tipo com Início na Infância: Início de pelo menos um critério característico de Transtorno da Conduta antes dos 10 anos de idade.
Tipo com Início na Adolescência: ausência de quaisquer critérios característicos de Transtorno da Conduta antes dos 10 anos de idade.
Especificar gravidade:
Leve: poucos problemas de conduta, se existem, além daqueles exigidos para fazer o diagnóstico e os problemas de conduta causam apenas um dano pequeno a outros.
Moderado: número de problemas de conduta e efeito sobre outros são intermediários, entre "leve" e "severo".
Severo: muitos problemas de conduta além daqueles exigidos para fazer o diagnóstico ou problemas de conduta que causam dano considerável a outros.
A prevalência de Transtorno da Conduta parece ter aumentado nas últimas décadas, podendo ser superior em contextos urbanos, em comparação com a área rural.
As taxas variam amplamente, dependendo na natureza da população amostrada e dos métodos de determinação: para os homens com menos de 18 anos, as taxas variam de 6 a 16%; para as mulheres, as taxas vão de 2 a 9%. O Transtorno da Conduta é uma das condições mais frequentemente diagnosticadas em instituições de saúde mental ambulatoriais e de internação para crianças.
Prevalência
Estimativas obtidas a partir de estudos de gêmeos e de adoções mostram que o Transtorno da Conduta tem componentes tanto genéticos quanto ambientais. O risco de Transtorno da Conduta é maior em crianças com um dos pais biológicos ou adotivos com Transtorno da Personalidade Anti-Social ou um irmão com Transtorno da Conduta.
O transtorno também parece ser mais comum em filhos de pais biológicos com Alcoolismo, Transtornos do Humor, Esquizofrenia, história de Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade ou Transtorno da Conduta.
Padrão Familial
Psicogênese?
Perversão
Psicopatia
Estrutura Psicopática

Basicamente, os psicopatas têm menos conexões entre o córtex pré-frontal ventromedial (vmPFC), uma parte do cérebro responsável por sentimentos como empatia e culpa, e a amígdala, relacionada ao medo e ansiedade.
Dois tipos de imagens cerebrais foram coletados. Imagens com tensor de difusão (DTI - um tipo de ressonância magnética que obtém imagens de tecidos biológicos a partir da difusão da água entre as células) mostraram uma redução da integridade estrutural das fibras de substância branca que ligam o vmPFC e a amígdala. Imagens feitas com ressonância magnética funcional (fMRI), por sua vez, mostraram menos atividade coordenada entre os dois.
Estrutura cerebral diferente
Psicanálise
"a neurose é o negativo da perversão"
Não há recalque (Polimorfia): "Per vertere" (Verter por inteiro/Por trás?)
Recusa/Negação (Verleugnung) da Castração Edipiana
Cisão/Clivagem (Spaltung) do ego
Narcisismo: Homoafetividade Psíquica
Certas tendências criminais estão presentes em crianças normais. Na primeira fase sádica que todos os indivíduos atravessam, normalmente a criança protege-se contra o medo que os objetos cruéis inspiram (interiorizados ou exteriores), desenvolvendo contra eles ataques imaginários. O seu objetivo ao livrar-se desses objetos é, em parte, fazer calar as ameaças intoleráveis do seu Superego. Estabelece-se assim, um ciclo vicioso, uma vez, que a angústia da criança a pressiona a destruir os objetos, o que provoca um aumento da angústia.
Melanie Klein
Winnicott
Recusa narcísica dos desejos e necessidades do outro, em proveito de suas próprias necessidades psíquicas, por uma insuficiente introjeção superegóica.
Desenvolvimento precário do "concern" pelo outro.
Mecanismo defensivo: apoio narcísico, frente a paranoia.
Identificação Projetiva Negativa: Antecipação do mal no outro
Luta para evitar a perda do contorno do eu.
A satisfação por ele experimentada será sempre superficial.
Sente que no fundo ele é uma pessoa ruim ou fadada ao fracasso, que precisa a todo custo esconder de si e dos outros esse núcleo mau, e que portanto é legítimo e necessário apoiar-se nos outros para sobreviver, tanto psiquicamente quanto materialmente.
Lacan
Recusa leva à fixação do gozo em um objeto imaginário em vez de centrá-lo na função simbólica que organiza o desejo a partir da castração. Para o neurótico, o interesse no objeto reside nos efeitos do desejo que a falta suscita; para o perverso o objeto fetiche serve para recuperar o gozo proscrito pela interdição do incesto. O fetiche cumpre, então, uma dupla função: recusar a castração e a garantir o gozo graças a um objeto concreto (um sapato, uma roupa... um ritual… um genocídio...).
Reich
Estrutura Psicopática:
Genitor veladamente sedutor do sexo oposto.
Triângulo com os pais
Dificuldade em obter apoio do genitor do mesmo sexo.
Sentimento de traído: compensação na manipulação.
Sexualidade hostil e repleta de fantasia.
Imagem ideal: sentimentos fortes de superioridade e desprezo, que encobrem sentimentos profundos de inferioridade.
A metade superior do corpo "estourada"; ausência de fluxo entre a metade superior e a inferior. Pelve fria e apertadamente segura. Tensão severa nos ombros, na base do crânio e nos olhos; pernas fracas e sem base sólida.
Resistência ao medo do fracasso e da derrota.
Prazer é secundário em relação à conquista.
Tenta não expressar suas necessidades, fazendo que os outros precisem dele.
Lowen: “A essência da atitude psicopática é a negação do sentimento"
Grande acúmulo de energia na própria imagem.
Masud Khan e Otto Kernberg
Relação Perversa (não pulsional)
Alienação de si mesmo e do objeto de desejo: retrato dos desejos inconscientes da mãe
Não deseja: Falso Self
Inveja: desejo do outro
Psicossomática:
Homem: Constantes feridas no pênis. Contagem baixa de esperma desde a adolescência. Desajustes hormonais que comprometem o crescimento de pelos em muitas partes do corpo como no toráx, sobrancelha, costas e genitais.
Mulher: Pequenas feridas ou manchas nos lábios genitais e vulvas. Problemas com o útero que comprometem seriamente a capacidade reprodutiva. Problemas hormonais que atrapalhem a ovulação. Possibilidade do surgimento de cistos. Os desajustes somáticos do aparelho reprodutor produzidos pela perversão podem, entre outras coisas, comprometer a saúde de um possível feto gerado.
- Você nunca desejou ter um amigo com quem pudesse brincar?
- Não.
- Você pode gostar.
- E se eu não gostar?
- Você vai ter que se acostumar.
- Só porque você se acostuma com algo, não significa que goste. Você se acostumou comigo.
Jung
Mãe narcisista: sem afeto
Regência Matriarcal: Sociossintônico (Camaleão)
Ausência de Imagem da Alteridade
Acting-out: Intenção e Passagem ao ato
Identificação com a Sombra (pais/individual/coletiva):
"O assassinato acontece, dessa forma, dentro de cada um e de todos. Seduzidos pela fascinação irresistível do mal, todos nós possibilitamos, em parte, a matança coletiva em nossas mentes e na razão direta de nossa proximidade e percepção."
Neurose: mantém a Sombra dominantemente inconsciente.
Psicopatia: a Sombra domina a Consciência no que concerne à atuação, mas permanece inconsciente na reflexão. O Consciente se corrompe e se torna delinquente para não perder o contato com a realidade e psicotizar.
Psicose: a Sombra invade e domina o Consciente, mantendo o controle da atuação e da reflexão. O Consciente perde a articulação adequada com a realidade para manter seu estado de articulação com uma realidade simbólica própria alienada.
Borderline: as funções estruturantes criativas se compõem com as funções estruturantes defensivas permitindo que estas operem setorizadamente, sem contudo dominar francamente centros operativos da Consciência, como ocorre na estratégia psicótica. O Consciente permite a operação de setores da personalidade fora da realidade por intermédio do desenvolvimento de funções estruturantes criativas que preservam sua ligação normal com a realidade.
Nomes: Mãe, Belo (Riacho), Cega, Solto (Dono de alódio)
Kevin e Eva: Simetrias
Vermelho e Azul
Édipo?: mata o pai e "casa" com a mãe (Não!)
Medusa: o olhar da mãe de monstros
Narciso e Liríope? Eco!
Trickster: Coringa, Loki, Hermes, Mercúrio... Platéia
Maternidade e Amor
12:00 12:01 (O arcano 12 simboliza os messias ou enviados; no plano humano exprime o holocausto, o sacrifício de si mesmo em benefício da coletividade.)
Cabelo (longo, curto e médio): Força e virilidade (Ísis, Shiva, Sansão, Apaches
"Meio flácido", "Que personalidade?", "Sabe com quem eu aprendi?", "Não tem nenhum ponto; esse é o ponto"
Solidão e Silêncio
Rogers
Incongruência:
Tomada de Consciência e Comunicação
Inaceitação: Desconfiança
Meio doente: Reação delinquente
Eva Katchadourian (Tilda Swinton) tenta retomar sua vida após uma tragédia familiar. Desprezada e oprimida pela vizinhança ela mora sozinha em uma casa precária e trabalha em uma agência de viagens. Até então uma bem sucedida escritora de livros turísticos, ela relembra sua vida desde o momento em que conheceu seu marido Franklin (John C. Reilly), um fotógrafo que trabalha com publicidade. Após anos desfrutando de viagens e prazeres do matrimônio, Eva é trazida à realidade pela gravidez tardia; o casal abandona um loft no centro da cidade e se mudam para uma confortável casa no subúrbio para criar os filhos.
Entretanto, como o nascimento do filho primogênito, Kevin, a vida de Eva muda drasticamente. Kevin, uma criança agressiva e cruel, nutre uma assustadora hostilidade pela sua mãe que se intensifica com o passar dos anos, destruindo a harmonia familiar e tornando Eva uma mulher infeliz, amargurada e tomada pelo terror.
Enredo
Full transcript