Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: CONCEITOS, REFLEXÕES E LIMITES

No description
by

Wellington Nascimento

on 11 November 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: CONCEITOS, REFLEXÕES E LIMITES

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: CONCEITOS, REFLEXÕES E LIMITES
O meio ambiente funciona como um sistema aberto, o qual recebe constantes insumos, que são processados e transformados em produtos, de modo simples, é assim que funciona um sistema.
Os efeitos destas transformações no clima regional, na biodiversidade e na economia tendem a ser extremos. Estas transformações levarão alguns anos para ocorrer, mas tendem a ser irreversíveis sob as condições climáticas atuais.
A QUESTÃO DOS LIMITES E DA AUTO-ORGANIZAÇÃO
O SISTEMA TERMODINÂMICO DA NATUREZA
As questões socioambientais são aspectos inerentes ao funcionamento do sistema terrestre: 1º a compreensão de que a Terra e um sistema singular, esta aberta para a troca de energia e matéria;
2º atualmente as atividades econômicas e humanas sao capazes de promover profundas transformações no sistema global em uma escala complexa, interativa e evidentemente acelerada;
A DINÂMICA DOS SISTEMAS SOCIOAMBIENTAIS
ESTRUTURA DE AULA

1. INTRODUÇÃO;

2. O SISTEMA TERMODINÂMICO DA NATUREZA;

3. A DINÂMICA DOS SISTEMAS SOCIOAMBIENTAIS;

4. A QUESTÃO DOS LIMITES E DA AUTO-ORGANIZAÇÃO;

5. O EMERGENTE DESENVOLV IMENTO SUSTENTÁVEL: UM CONCEITO EM CONSTRUÇÃO;

6. DOS LIMITES DO CRESCIMENTO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL;

7. CONCEITOS E CRITÉRIOS DE DESENVOLV IMENTO SUSTENTÁVEL;

8. POR UMA NOVA CIVILIZAÇÃO: A EVOLUÇÃO RECENTE E OS DESAFIOS IMEDIATOS;

9. A VALORAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA BIODIVERSIDADE;

10. MÉTODOS BASEADOS NO MERCADO DE BENS SUBSTITUTOS;

11. A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA COM A CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE;

12. CONSIDERAÇÕES FINAIS;
A humanidade encontra-se em um período de grandes desafios. O aumento de bem-estar, proporcionado pelo vigoroso crescimento econômico mundial ocorrido no século XX, é ameaçado por alterações ambientais ocorridas, em grande parte, pelas externalidades das próprias ações humanas. O momento exige imediata atenção, pois são vigorosas as transformações a enfrentarem-se neste século.
Essas características são chamadas de funcionais, pois regulam o funcionamento de um sistema aberto, apresentado pelo seu fluxo com suas principais funções, em que os cinco elementos foram demonstrados.


DEGRADAÇÃO AMBIENTAL
AMAZÔNIA
ILHAS MENTAWAII
DOS LIMITES DO CRESCIMENTO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

A questão central em relação aos limites do crescimento consiste em seu crescimento exponencial, característica marcante desde o início da modernidade frente à impossibilidade de continuação ininterrupta.

Tal crescimento concerne aos alimentos, à produção industrial, ao consumo de energia, as emissões de gases poluentes, entre outros exemplos.

A consequência da continuidade destas praticas ocasionará incondicionalmente, a catástrofe, tornando-se esta então, necessária a adoção de ações conscientes para criar uma curva de acomodação dos recursos.

CONCEITOS E CRITÉRIOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

O Relatorio Brundtland, conhecido como "NOSSO FURO COMUM", reconheceu que para buscar soluções para o desenvolvimento sustentável seria imprescindível tomar consciência do fato de que, problemas sociais e ambientais são interconectados e reconhecer que as perturbações ambientais não são restritas a propriedades particulares ou limites geográficos.

Que catástrofes experimentadas em uma determinada região do mundo, consequentemente, afetam o bem-estar de pessoas em todas as localidades e que apenas abordagens sustentáveis do desenvolvimento podera proteger o frágil ecossistema do planeta e promover o desenvolvimento da humanidade.


POR UMA NOVA CIVILIZAÇÃO: A EVOLUÇÃO RECENTE E OS DESAFIOS IMEDIATOS

O desenvolvimento, distinto do crescimento econômico, cumpre esse requisito, na medida em que os objetivos do desenvolvimento vão bem além da mera multiplicação da riqueza material.


Sachs (1993, 1997, 2000a) defende que a sustentabilidade se constitui em um conceito dinâmico, no qual estão internalizadas as crescentes necessidades das populações humanas. Por isso, enfoca a questão por meio de oito dimensões, sendo algumas destacadas:
sustentabilidade social; econômica; ecológica; cultural; espacial; ambiental; política nacional e internacional;
A VALORAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA BIODIVERSIDADE

A contaminacão do meio ambiente acarreta perdas para os entes da natureza, para as atividades econômicas e para a manutenção ou melhoria do bem-estar humano, pois ocorrem modificações no processo produtivo, na saúde humana, no habitat natural, na vegetação, no clima, na qualidade do ar, na vida animal, nos monumentos históricos e nas demais belezas da biodiversidade.

Valoração dos ativos da natureza devem ser analisadas por meio dos seguintes aspectos:

Pela ótica da sustentabilidade biológica, a valoração subsidia a análise de como ocorrem os mecanismos de interação entre a matriz de suprimento do meio ambiente e as atividades econômicas e antrópicas;
Pelo enfoque da sustentabilidade ecológica, o conceito de capacidade de suporte internaliza vários aspectos, tais como padrão de vida, igualdade de distribuição, tecnologia e dimensão ecológica;
Pela dimensão estratégica, é entendida como suporte de defesa do capital natural. O uso de um ativo natural superior a sua capacidade, além de gerar conflito, não resguarda o direito de uso das futuras gerações;
Analisada pelo ângulo dos aspectos econômicos, a sustentabilidade da valoração é útil como subsídio a estimação de externalidades oriundas de projetos de investimento;


De acordo com (MOTA, 2005) esses pontos ajudam no sucesso/fracasso dos projetos de investimentos, pois a utilização dos recursos da natureza nos planos de investimentos que apresentam as seguintes restrições ambientais:

A primeira refere-se a incapacidade do mercado absorver degradação/exaustão dos ativos naturais;
A segunda de caráter da assimetria da informação. O consumidor toma decisão a fim de formar sua cesta de consumo, a qual e constituída a partir de um conjunto de informações fornecidos pelo mercado e pela sociedade.
A terceira enfoca o problema pela ausência de informação. Como se sabe, o argumento a favor dos mercados se torna insuficiente.


MÉTODOS BASEADOS NO MERCADO DE BENS SUBSTITUTOS

Esses bens são representados por aqueles que, havendo um aumento no preço de um bem, acarretam uma elevação da demanda de outro bem, dito substituto. A analogia com os mercados de bens substitutos facilita a estimação de forma simples e objetiva do preço do dano ambiental, pois se entende que, ao se consumir o bem substituto, o consumidor não perde o bem-estar em relação ao bem consumido anteriormente.

Métodos de preferência revelada
Baseiam-se na teoria do comportamento do consumidor, a qual fundamenta as escolhas dos consumidores nos mercados econômicos.

Métodos de preferência declarada
Baseiam-se nas preferências dos consumidores ou usuários de recursos naturais e utilizam mecanismos de aliciar escolhas por meio de técnicas de questionários.

Método de função efeito
Refere-se á estimação de uma função dose/resposta, a qual fornece uma relação de causa e efeito de fenômenos, especialmente os relacionados ao meio ambiente.




A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA COM A CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

Em recente trabalho publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE 2002, 2008), foi apresentado um rol de indicadores de desenvolvimento sustentável para o Brasil. O instituto selecionou 50 indicadores, distribuindo-os em quatro áreas temáticas:
i) social;
ii) ambiental;
iii) econômica;
iv) institucional;
Por outro lado, ainda não existe no Brasil nenhuma proposta sistematizada de produção de indicadores de sustentabilidade, calcada na cooperação interinstitucional entre os órgaos produtores de estatísticas, os responsáveis pela gestão da política ambiental, os institutos de pesquisa ambiental e a sociedade civil organizada, que forneça um retrato do desempenho do Brasil em termos do alcance do desenvolvimento sustentável.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O conceito de desenvolvimento sustentável. “O desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade das gerações futuras atenderem as suas próprias necessidades".

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Sustentabilidade ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem-estar humano/Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: Ipea, 2010. 640 p. gráfs., mapas, tabs. (Série Eixos Estratégicos do Desenvolvimento Brasileiro; Livro 7).
UNIGRAN - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA GRANDE DOURADOS
GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO
Prof. Me. Wellington Ferreira Nascimento
A MEDIDA DE IRREVERSIBILIDADE DO SISTMA
O EQUILIBRIO DO SISTEMA
A ENTRADA DE INSUMOS
A PRODUÇÃO DO SISTEMA COMO SAÍDA DO QUE FOI PROCESSADO
O MECANISMO
FEEDBACK
THOMAS MALTHUS
O EMERGENTE DESENVOLV IMENTO SUSTENTÁVEL: UM CONCEITO EM CONSTRUÇÃO

A teoria malthusiana sugere que o crescimento descontrolado da população e geométrico, enquanto a disponibilidade dos recursos necessários cresce aritmeticamente.

Malthus baseou sua teoria em termos de limites nos suprimentos de áreas agricultáveis de qualidade e do resultante decréscimo na taxa de retorno da produção agrícola. Dessa forma, ele apontou uma redução do suprimento per capita de alimentos.
Full transcript