Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Sistemática dos Seres Vivos 11º ano

No description
by

Joana Ferreira

on 24 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Sistemática dos Seres Vivos 11º ano

Obrigada !
Sistemas de Classificação: Da Antiguidade à Atualidade
Sistemática dos Seres Vivos
"As primeiras tentativas de organizar o mundo vivo, categorizando-o, deram-se na Antiguidade. As Ciências que se constituíram com este objectivo são actualmente ferramentas indispensáveis para compreender o equilíbrio da Biosfera."
adaptado de www.naturlink.pt
O Que É a ?
Refere-se à
variedade
dos organismos no Mundo e às
relações
complexas entre os seres vivos e, entre estes e o ambiente;
Suporta o
ambiente
em que vivemos e do qual as nossas vidas e as de outros seres vivos dependem;
É uma das maiores riquezas do planeta e, no entanto, a menos reconhecida como tal!
Estima-se que exista, aproximadamente, um total de
8,7 milhões de espécies!

6,5 milhões das quais são terrestres e 2,2 milhões vivem nos oceanos.
No entanto, 86% das espécies terrestres e 91% das espécies oceânicas permanecem por descobrir...
Ou seja, 1,32 milhões de espécies já foram descobertas, descritas e catalogadas! Mas ainda muitas mais estão por descobrir...
UNIDADE: Sistemática dos Seres Vivos
Sistemas de Classificação de Whittaker
Sistemas de Classificação
Questões-Problema a serem resolvidas ...
Qual a necessidade de classificar os seres vivos ?
Por que é que os sistemas de classificação têm sofrido modificações ao longo dos tempos ?
Que critérios foram utilizados para sustentar os diferentes sistemas de classificação ?
Como se distinguem os diferentes sistemas de classificação ?
Como contribui a Ciência e a Tecnologia para a Evolução ?
Que grupos taxonómicos existem ?
Como se procede à classificação de um ser vivo ?
CLASSIFICAR ? PARA QUÊ ?
Desde a Pré-História até à Atualidade, que o Homem sente necessidade de:
Observar
Descrever
Classificar
Objeto(s) de interesse/estudo
CLASSIFICAÇÃO
Reunir o(s) objeto(s) e deferenciá-lo(s), dividí-lo(s), agrupá-lo(s) consoante apresentem determinadas características e/ou propriedades semelhantes ou não entre si.
Processo mental constantemente executado de forma
consciente e inconsciente
por qualquer ser humano;
A mente humana classifica objetos consciente ou inconscientemente para todos os tipos de propósito.
SISTEMÁTICA

Ciência que se dedica ao estudo científico da biodiversidade (seres vivos), das relações evolutivas/filogenéticas entre os organismos vivos, e ainda, desenvolve
sistemas de classificação
que refletem essas mesmas relações.
Com tamanha diversidade de organismos vivos que existe no mundo natural, os biólogos
têm necessidade de
classificar
, isto é, de organizar, agrupando os seres vivos de acordo com determinadas características, e atribuindo um nome a cada um dos grupos formados.
Sistematas
Conceitos a saber e a mobilizar ...
Sistemática
Taxonomia
Nomenclatura
A Sistemática funciona num sistema comparativo que engloba dados da Taxonomia e da Biologia Evolutiva, para tentar
compreender a história evolutiva dos organismos e a suas relações de parentesco
.
Sistemática (cont.)

As relações entre os seres vivos podem ser visualizadas através de

árvores evolutivas/filogenéticas.
A Sistemática engloba estudos de populações, espécies e taxa superiores.
A Sistemática investiga histórias evolutivas e considera as

adaptações ao meio dos organismos
.
A Sistemática

utiliza a Taxonomia
como uma ferramenta para melhor compreender os organismos.
Unicidade
: cada nome de um determinado organismo deve ser único permitindo identificar de imediato o taxon a que se refere;
Universalidade:
os nomes utilizados têm de ser compreendidos e aceites internacionalmente;
Estabilidade:
quaisquer alterações devem ser bem justificadas, analisadas e aprovadas pelas entidades competentes para evitar equívocos.
Ramo da Sistemática que estuda a

classificação dos seres vivos e a nomenclatura dos grupos formados
.
É a
unidade taxonómica
associada à classificação científica dos seres vivos.
"O Taxon inclui todos os Taxa de níveis inferiores e todos os organismos individuais."
TAXONOMIA
TAXON
Exemplo: Reino ou Ordem ou Espécie, etc.
Taxa
(plural de Taxon) - conjunto de duas ou mais unidades taxonómicas.
segundo glossário do Código Internacional de Nomenclatura Zoológica
NOMENCLATURA
É o
sistema organizado de nomes
dados aos organismos biológicos bem como dos
princípios/regras
que presidem a essa categorização;
Através da nomenclatura impõem-se uma série de
regras
que facilitam a atribuição de nomes aos organismos permitindo a
comunicação entre os cientistas
;
A atribuição de nomenclatura no sistema atual pressupõe alguns requisitos, sendo os mais importantes:
... Antiguidade
Atualidade ...
a.C. - Aristóteles
XVIII - Lineu
XIX - Darwin
... ANTIGUIDADE
Primeiras classificações feitas pelo Homem teriam um
carácter prático
, utilizando critérios de utilidade na sua vida quotidiana;
Exemplos - Homem primitivo distinguia:
animais venosos ou não venosos, comestíveis ou não comestíveis;
plantas com ou sem interesse económico;

Classificaões primitivas, de uso imediato, ligadas a propriedades dos organismos com interesse para o ser humano - satisfação das necessidades básicas como a alimentção e a defesa
CLASSIFICAÇÕES PRÁTICAS
ARISTÓTELES (384-322 a.C.)
Pensador grego e um dos primeiros a desenvolver um sistema de classificação
Observou, Descreveu e Agrupou os seres vivos conhecidos em
2 Reinos
: um Móvel (o dos Animais) e outro Imóvel (o das Plantas) - usando
critérios morfológicos e fisiológicos (características estruturais)
.
LINEU (1707-1778 XVIII)
Botânico sueco, naturalista, e fixista, é considerado o
Pai da Taxonomia Moderna
;
Seguindo o
mesmo sistema de classificação de Aristóteles
(2 Reinos - Animal e Vegetal);
Apresentou as bases das classificações atuais colocando os organismos numa
hierarquia
.
Classificações Racionais
São os sistemas de classificação de Aristóteles e de Lineu
Utilizam uma base racional através de inferências que observam na natureza;
Recorrem a caraterísticas estruturais dos organismos vivos em estudo.
Classificações Artificiais
Utilizam um
pequeníssimo número de caracteres
escolhidos arbitraiamente (cor do sangue, estrutura do coração, presença de antenas tipo de reprodução...) dos organismos em estudo;
Resultado
: Grupos discriminativos incluem organismos muito diferentes entre si, ou seja, que estabelecem
pouca ou nenhuma relação entre si
.
Que relação estes seres vivos estabelecem entre si ?
Caractere a considerar -
Presença ou Ausência de Patas
Caracterizaram o
período Pré-Lineano
das classificações;
Lineu
, apesar de ser fixita, acreditava que as espécies foram criadas por Deus;
preocupou-se com uma
classificação que refletisse relações e afinidades naturais entre os organismos em estudo
;
sabia que certas espécies apresentavam mais semelhanças entre si do que relativamente a outras.
Classificações Naturais
Época dos Descobrimentos - exploradores europeus trazem para a Europa espécies exóticas;
Naturalistas da época sentiram necessidade de melhorar as suas classificações;
Organização dos Grupos baseada no
maior número possível de caracteres
.
Caracterizaram o período

Pós-Lineano e Pré-Darwiniano
;
Transmitem maior quantidade de informação;
Grupos formados reúnem maior grau de semelhança;
Organismos estão mais relacionados filogeneticamente entre si.
Até ao séc. XVIII - imperavam as
ideias fixistas
;
Prevaleciam as classificações estáticas que priviligiavam as
características estruturais
;
Se considerar o fator Tempo -
Princípio da Imutabilidade das Espécies.
Classificações Horizontais
Classificações Artificiais
Classificações Naturais
Classificações Evolutivas ou Filogenéticas
Diversificação das espécies ao longo do tempo;
Seres vivos

relacionados por laços de parentesco
mais ou menos próximos;
Caracterizam o
período Pós-Darwiniano;
Tentam reproduzir a
história evolutiva dos organismos
(filogenia);
Consideram o fator
Tempo
, logo designam-se
Classifcações Verticais
Classificações Evolutivas/Filogenéticas (cont.)
As relações de parentesco entre as espécies podem representar-se por árvores de evolução/filognéticas;
Classificações Evolutivas/Filogenéticas (cont.)
As semelhanças entre os organismos surgem de existência de um
ancestral comum
;
O
grau de semelhança
entre os grupos reflete o tempo em que a divergência ocorreu - divergência tanto maior quanto maior for o tempo que decorreu.
Em Biologia, crê-se que todos os organismos vivos da Terra descendem de um ancestral comum. Investigações indicam que o mais antigo ancestral comum - LUCA - tenha surgido há cerca de 3,8 biliões de anos!
ATUALIDADE ...
Consideram-se 2 tipos principais de classificação biológica:
Fenética
Filogenética
Fenética
Objetivos e Evidências:
Identificação rápida de um ser vivo;
Grau máximo de semelhança entre organismos, tendo em conta a presença ou ausência de caracteres fenotípicos;
Caracteres facilmente descritos e objetivos.
Desvantagem:
Nem todas a características fenotípicas semelhantes correspondem a uma proximidade evolutiva.
Filogenética
Objetivo:
Traduzir com rigor as relações entre os organismos, tendo em conta a história evolutiva dos seres vivos.
Existem 2 tipos de características para classificar os organismos numa perspetiva filogenética:
Características primitivas/ancestrais/pleisiomórficas

- presentes em todos os organismos de um determinado grupo como resultado de um ancestral comum que já teria essa característica;
Características evoluídas/derivadas/apomórficas
- presentes nos indivíduos de um determinado grupo mas ausentes do ancestral comum, indicativo de uma separação de um novo ramo.
Características primitivas/ancestrais/plesiomórficas
Características evoluídas/derivadas/apomórficas
Exemplo: Poiquilotermia
Exemplo: Penas e Glândulas Mamárias
Que Critérios foram utilizados para sustentar os diferentes Sistemas de Classificação ?
MORFOLOGIA
Exemplo: Presença de
órgãos análogos
pode resultar de uma
evolução convergente
, de adaptação a pressões semelhantes, e o facto de alguns organismos sofrerem metamorfoses faz com que evidenciem características muito diferentes ao longo dos diferentes estádios da sua vida, podendo levar a uma classificação errada!
Morfologia externa corresponde às características (fenótipo) do organismo, que pode variar ao longo da sua vida;
Baseada nas semelhanças anatómicas dos seres vivos;
Existem seres com aspetos morfológicos semelhantes que são colocados em grupos taxonómicos diferentes, mas também existem seres com aspeto morfológico diferente incluídos no mesmo grupo taxonómico;
ATENÇÃO !
Casos de Metamorfoses, Polimorfismo, Fenómenos de Divergência e Convergência Evolutiva.
SIMETRIA CORPORAL
Organismos
Assimétricos
(ex. Esponjas);
Organismos com
Simetria Bilateral
(ex. Homem) - com um único plano de simetria;
Organismos com
Simetria Radial
(ex. Ouriço-do-mar) - com vários planos de simetria que se intersetam num eixo.
TIPO DE NUTRIÇÃO
Atendendo à
fonte de energia
que utilizam , os organismos podem ser:
Seres Fototróficos
ou
Seres Quimiotróficos
Utilizam a Luz Solar
Utilizam a Energia de Compostos Químicos
Atendendo à
fonte de carbono
que os seres vivos utilizam, consideram-se:
Seres Autotróficos
ou
Seres Heterotróficos
Utilizam Monóxido ou Dióxido de Carbono
Utilizam Compostos Orgânicos
TIPO DE NUTRIÇÃO
Associando a
fonte de energia com a fonte de carbono
:
Seres Fotoautotróficos
- Plantas e algumas Bactérias;
Seres Fotoeterotróficos
- algumas Bactérias;
Seres Quimioautotróficos
- algumas Bactérias;
Seres Quimioeterotróficos
- a maioria das Bactérias, Animais e Fungos.
CITOLOGIA
Este critério estuda:
o
nível de organização estrutural das células
(procarióticas ou eucarióticas) constituintes dos organismos;
o
número
(unicelular ou multicelular);
o
grau de especialização
(indiferenciado ou diferenciado).
ETOLOGIA
Estuda o
comportamento animal
;
Alguns comportamentos como a emissão de som por insetos ou anfíbios anuros (rãs e sapos) servem para estabelecer relações entre organismos e distinguir entre espécies diferentes.
BIOQUÍMICA
Análise comparativa das biomoléculas
como as proteínas, o DNA, o RNA;
A comparação de sequências de aminoácidos de proteínas tem-se revelado muito importante, por exemplo, na identificação de espécies próximas, e em relações de parentesco.
CARIOLOGIA
Estuda o
número (cariótipo) e a estrutura dos cromosssomas dos seres vivos
;
Todos os organismos de uma mesma espécie têm igual número de cromossomas, à execeção dos casos de mutação numérica, mas espécies diferentes podem ou não ter o mesmo número de cromossomas.
EMBRIOLOGIA
Estudo do desenvolvimento embrionário dos organismos.
Tem-se revelado um critério importante na classificação de muitos animais que apresentam semelhanças em alguns estádios de desenvolvimento;
ESTRATÉGIA REPRODUTIVA
Os organismos podem-se reproduzir de forma assexuada ou sexuada, obrigatória ou não.
Hierarquia das Categorias Taxonómicas
Lineu

Pai da Taxonomia Moderna;
ordenação dos seres vivos numa série ascendente a partir da Espécie -
Sistema Hierárquico de Classificação
.
ESPÉCIE -
unidade básica de classificação;
conjunto de indivíduos morfologicamente semelhantes, que partilham o mesmo fundo genético e podem cruzar-se entre si, originando descendência fértil.
A formação de grupos taxonómicos dependo do julgamento humano pois não existe nenhuma característica biológica que os delimite objetivamente!
Atenta na seguinte afirmação ...
"Dois seres vivos são tanto mais próximos quanto maior for o número de taxa comuns a que pertencem."
Único grupo taxonómico natural, uma vez que os organismos da mesma espécie se encontram isolados reprodutivamente dos indivíduos de espécies diferentes.
Os restantes taxa são agrupamentos artificiais criados pelo Homem.
NOMENCLATURA
NOMENCLATURA POLINOMINAL -
descrição pouco prática era utilizada (até 1753) constituída por doze palavras;
Exemplo - Abelha (nome comum ou popular):
Apis, pubescens, thorace subgriseo, abdomine fusco, pedibus,posticis glabris utrinque margine ciliatis.
NOMENCLATURA BINOMINAL -
sistema de descrição mais simples de apenas duas palavras (a partir de 1758 e aplicado a todas as espécies).
As regras da nomenclatura científica biológica são da responsabilidade do Congresso Internacional de Botânica e, no caso da Zoologia, existe uma comissão que assegura que independentemente do local onde se encontre o ser vivo terá um único nome que será válido.
Exemplo - Chimpanzé (nome comum ou popular):
Pan troglodytes
.
Regras de Nomenclatura Binominal
Na designação científica os nomes são sempre em
latim ou latinizados
;
O latim é uma lígua morta que não sofre alterações
, ao contrário de, por exemplo, o português que adquire e perde termos aos longo do tempo e altera a ortografia das palavras, para que os cientistas de todas as nacionalidades pudessem comunicar sem ocorrerem erros.
O nome da espécie consta sempre de
duas palavras
- a primeira é um substantivo escrito com inicial maiúscula e corresponde ao nome do
género
a que a espécie pertence; a segunda palavra escrita com inicial minúscula corresponde ao
restritivo específico ou epíteto específico
, sendo geralmente um adjetivo e só é válido quando acompanhado do nome do género.
Os nomes científicos escrevem-se em
itálico
ou se for num texto manuscrito deverão ser
sublinhados
;
Após o nome da espécie, vem o nome do autor e a data em que pela primeira vez o organismo foi descrito;
Quando uma espécie tem subespécies, para designar cada uma delas, utiliza-se uma
nomenclatura trinominal
, acrescentando-se um terceiro termo em latim correspondente ao restritivo subespecífico;
Todos os taxa superiores à espécie têm
nomenclatura uninominal
;

Em
Zoologia
, o nome da família é construído a partir do nome do género mais representativo acrescentando o sufixo –

idae
;
Em
Botânica
, o nome da família é construído a partir do nome do género mais representativo acrescentando o sufixo –
aceae
.
Como se procede à classificação de um ser vivo ?
Chaves de Identificação
ou
Chaves Dicotómicas
Permitem a identificação de um organismo;
Têm duas alternativas possíveis, ou seja, dupla entrada - deve escolher-se a alternativa que está de acordo com as características do organismo em estudo;
A identificação dos grupos taxonómicos deve processar-se segundo o sentido descendente da hierarquia - Reino Espécie
Existem chaves que possibilitam a identificação até à Espécie.
Os Reinos da Vida
Sistema de Classificação em Dois Reinos
Reino Plantae e Reino Animalia
Reino Plantae
abrange uma diversidade de organismos - seres vivos fotossintéticos, sem locomoção e sem ingestão;
Bactérias e Fungos
.
Reino Animalia
abrange seres não fotossintéticos, com locomoção e que obtêm os alimentos por ingestão;
Seres Unicelulares
(Protozoários) e
Seres Multicelulares
(Metazoários).
Sistema de Classificação em Três Reinos
Reino Plantae, Reino Animalia e Reino Protista
Ernest Haeckel
(1834-1919) - propôs um terceiro reino, o Reino Protista;
Reino Protista
Aristóteles e Lineu
Forma mais primitivas e ambíguas, como
bactérias, protozoários e fungos
, cujas características não se assemelham às dos animais nem às das plantas.
Sistema de Classificação em Quatro Reinos
Reino Plantae, Reino Animalia, Reino Protista e Reino Monera
Herbert Copeland
(1902-1968) - introduziu o Reino Monera;
Reino Protista
Seres Eucariontes Unicelulares e Fungos
Reino Monera
Seres Procariontes
Sistema de Classificação em Cinco Reinos
Reino Plantae, Reino Animalia, Reino Protista, Reino Monera e Reino Fungi
Robert Whittaker
(1924-1980) - propôs em 1969 um reino independente para os fungos, Reino Fungi;
O sistema de classificação em cinco reinos era coerente tanto com o registo fóssil como com os dados moleculares mais recentes.
Sistema de Classificação de Whittaker
Questões-Problema a serem resolvidas ...
Em que difere a classificação de Whittaker com as classificações já existentes ?
Quais os critérios básicos que sustentam a classificação de Whittaker ?
Sistema de Classificação de Whittaker
São 3 os critérios que fundamentam a classificação em cinco reinos:
Níveis de Organização Celular
- tipo de estrutura celular procariótica ou eucariótica; e diferenciação entre unicelularidade ou multicelularidade.
Tipos de Nutrição
- processo de obtenção do alimento.
Interações nos Ecossistemas
- tipos de nutrição relacionados com as interações alimentares que os organismos estabelecem nos ecossistemas.
Níveis de Organização Celular
Estrutura Celular Procariótica - Reino Monera
Estrutura Celular Eucariótica - Reinos Plantae, Animalia, Protista e Fungi
Tipos de Nutrição
Reino Monera
- Fotoautotróficas, Quimiotróficas e Heterotróficas;
Não existe ingestão nas espécies deste reino.
Reino Protista
- Espécies que obtêm o alimento por absorção, por ingestão ou por fotossíntese;
Reino Plantae
- Seres Fotossintéticos.
Reino Fungi
- Espécies que obtêm o alimento por absorção.
Reino Animalia
- Espécies que obtêm o alimento por ingestão.
Interações nos Ecossistemas
Produtores
: Seres Autotróficos - Plantas, Algas e algumas Bactérias;
Macroconsumidores
: Seres Heterotróficos que ingerem os alimentos - Animais e alguns Protistas;
Microconsumidores
: Seres Heterotróficos que decompõem a matéria orgânica, abosorvem alguns produtos resultantes da decomposição e libertam substâncias inorgânicas para o meio (decompositores ou saprófitos) - Bactérias e Fungos.
Os Cinco Reinos da Vida segundo os Três Critérios Básicos de Classificação de Whittaker
Assim, conclui-se que:
Plantas e Animais são os organismos com impacte mais visível nos ecossistemas;
Protistas, Fungos e Procariontes são indispensáveis à manutenção dos ecossistemas - decomposição da matéria orgânica;
Num ecossistema a produção de matéria orgânica a partir de matéria mineral é assegurada pelos produtores;
Macroconsumidores e Microconsumidores consomem a matéria orgânica !
Sistemas de Classificação na Atualidade ...
Carl Woese (Biólogo, 1970) e seus colaboradores - propuseram a exisência de 2 grupos distintos nos Procariontes
Arquebactérias e Eubactérias
devido a critérios moleculares, essencialmente sequências nucleotídicas de RNA ribossómico
Atualmente, a maioria dos sistematas usam um nível de classificação superior ao Reino, designado
DOMÍNIO
- baseados em diferenças moleculares entre Eubactéria, Arquebactéria e Eucariontes;
Sistema de Classificação em 3 Domínios - BACTERIA, ARCHAEA E EUKARYA
Sistema de Classificação em 3 Domínios
As duas linhagens de procariontes terão divergido muito cedo na história evolutiva;
2 domínios incluem organismos procariontes e 1 domínio inclui apenas organismos eucariontes;
Linhagem do Domínio Eukarya diverge do Domínio Archaea, seguidamente aos Reinos Archaebacteria e Eubacteria terem divergido;
Sequências genéticas indicam:
Archaea tem combinação de genes semelhantes a Bacteria e Eukarya, mas está mais relacionado com Eukarya do que com Bacteria.
Domínio Bacteria
- corresponde o Reino Eubacteria;
Domínio Archaea
- corresponde o Reino Archaebacteria;
Domínio Eukarya
- correspondem os Reinos Protista, Fungi, Plantae e Animalia.
Em resumo ...
A evolução dos sistemas reflete a
CRIATIVIDADE
e a
DINÂMICA
dos processos da Ciência, bem como das tecnologias utilizadas;
A constante atualização dos dados e métodos utilizados leva a que a reformulação da árvore da vida seja uma permanente ocupação e um desafio para os sistematas;
Deveremos ter sempre presente que grupos taxonómicos e árvores filogenéticas são meras "HIPÓTESES", nas quais são usados dados e inferências disponíveis para traçar a ÁRVORE DA VIDA !
Professora Joana Carolina Ferreira
Janeiro de 2015 - Aulas de Biologia e Geologia 11º ano
Full transcript