Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Karl Popper x Thomas Kuhn

Uma comparação
by

Filipe Almeida

on 10 December 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Karl Popper x Thomas Kuhn

Karl Popper
x
Thomas Kuhn MÉTODO CIENTÍFICO Conjunto de procedimentos que conduzem aos feitos da ciência, como pesquisas e estudos e fornecer resultados confiáveis. Toda a metodologia da ciência consiste no método científico Os passos do método científico consistem em:

• Problema: Toda experimentação científica recorre a enunciação de um problema, qual dele surge o foco da experimentação, a necessidade de provar, desaprovar ou descobrir algo.

• Observação: A análise feita através da experiência empírica do cientista com o experimento.

• Hipótese: A partir de uma observação primária, os cientistas elaboram uma solução possível para o problema que deve ser reavaliada para ser considerada ou não.

• Experimentação: A prática daquilo que se procura concluir, sem outras palavras, o fenômeno em estudo.

• Conclusão: A etapa final do método científico, consistindo em corrigir ou avaliar a veracidade de uma hipóteses. Ciência é toda forma de obter o conhecimento, através de métodos já pré-existentes. Uma busca incessante pela verdade, embora nunca tenha encontrado, mas uma aproximação da verdade, a realidade dos fatos, fenômenos e problemas propostos.

Lakatos, 1985.p.80 cita a definição de Trujillo Ferrari, expressa em seu livro Metodologia da Ciência, 1974. p.8, segundo ela a mais precisa: “Ciência é todo um conjunto de atitudes e atividades racionais, dirigidas ao sistemático conhecimento com objeto limitado, capaz de ser submetido à verificação”.

Para Koche, 1997. p.78, é uma investigação constante, em contínua construção e reconstrução, tanto das suas teorias quanto dos seus processos de investigação e tem como objetivo atingir um conhecimento sistemático e seguro de toda a realidade.

Galliano, 1986. p.22 defende que é um conhecimento racional, sistemático, exato e verificável da realidade, entretanto, está sempre limitado às condições de sua época. CIÊNCIA Karl Popper afirma que nem a verificação nem a indução servem para o método científico, pois os cientistas devem trabalhar com a falseabilidade, portanto, procurar não provar as hipóteses que estão corretas, e sim provar as que estão erradas. Thomas Kuhn percebeu a importância dos paradigmas para o método científico, e por fim, o Círculo de Viena, que acrescenta a necessidade do método indutivo e a verificação. Karl Popper
(1902-1994) - Popper defende que em ciência o método que vigora é o método falsificacionista.

- Quando uma teoria resiste aos testes da sua falsificação, não podemos dizer que ela é verdadeira, só podemos dizer que a teoria é verosímil e que foi corroborada, isto é, que deve aceitar-se enquanto sobreviver aos testes.

- Popper opõe-se ao método verificacionista e rejeita a indução, não aceitando que uma teoria científica possa ser verificada ou provada. A verdade absoluta de uma teoria nunca poderá estar garantida.

- Para Popper, a ciência não se apresenta como um conjunto de verdades irrefutáveis, mas sim como um esforço para eliminar o erro. - Um critério fundamental que permite distinguir uma teoria científica de uma teoria não científica é a sua testabilidade. Na visão popperiana, uma teoria para poder ser científica tem que se prestar a ser testável ou refutável. Só deste modo a teoria poderá ser submetida a testes e resistir-lhes. Caso isto aconteça, a teoria será corroborada. Se não resistir aos testes, a teoria será refutada.

- A ciência progride por conjecturas (hipóteses aceites provisoriamente) e refutações. De eliminação de erro em eliminação de erro, a ciência vai-se aproximando da verdade.

- Todas as hipóteses científicas apresentadas para solucionar problemas são conjecturas que, sendo obrigatoriamente testáveis, mais tarde ou mais cedo darão origem a novas dificuldades ou a novos problemas.

- Uma teoria que resiste à tentativa da sua refutação terá de ser aceite pela comunidade científica.

- Assim, pode dizer-se que o erro tem um papel importante na construção de novas teorias e que o desenvolvimento da ciência é uma evolução em direcção à verdade, mas não a sua posse definitiva. Thomas Kuhn
(1922-1996) - Kuhn defende que a ciência progride pela tradição intelectual, representada pelo paradigma.

- O paradigma é um modelo de visão de mundo comunicada por uma teoria ou um sistema científico. Com as revoluções científicas os paradigmas se renovam e os velhos são substituídos.

- Diferentemente de Popper, que usa o critério da falseabilidade, Kuhn usa o critério da validação de um cistema científico à aplicabilidade de um paradigma aceito na resolução dos problemas graves da ciência; e sua superação vai se dar numa revolução científica, quando outro paradigma se sobressai.

- Kuhn nega que o progresso ( do conhecimento epistemológico) tenha se dado a partir deste critério da refutação. Diz que a ciência progride pela tradição intelectual representada pelo paradigma. - Segundo Kuhn, em seu livro Estrutura das Revoluções Científicas, "um paradigma, é aquilo que os membros de uma comunidade partilham e, inversamente, uma comunidade científica consiste em homens que partilham um paradigma" e define "o estudo dos paradigmas como o que prepara basicamente o estudante para ser membro da comunidade científica na qual atuará mais tarde".

- Portanto, esta preparação do estudante, através dos estudos acerca dos paradigmas já definidos, a fim de tornar-se membro da comunidade científica, é definida por fase pré-paradigmática.

- Toda ciência madura atravessa dois estágios, um aparentemente estável e um outro completamente instável, imprevisível e revolucionário.

- A ciência normal é o período durante o qual se desenvolve uma atividade científica baseada num paradigma. Esta fase ocupa a maior parte da comunidade científica, consistindo em trabalhar para mostrar ou pôr a prova a solidez do paradigma no qual se baseia. Esta é a segunda fase da ciência, na qual atravessa um aparente estado estável.

- Porém, em determinadas ocasiões, o paradigma não é capaz de resolver todos os problemas, que podem persistir ao longo de anos ou séculos inclusive, e neste caso o paradigma gradualmente é posto em cheque, e começa-se a considerar se é o marco mais adequado para a resolução de problemas ou se deve ser abandonado. Então é quando se estabelece uma anomalia.

- Com um estágio estável, após aparecer a anomalia, a ciència cria novos paradigmas que competem entre si tentando impor-se como o enfoque mais adequado, isto produz uma revolução científica quando um dos novos paradigmas substitui ao paradigma tradicional. A cada revolução o ciclo inicia de novo e o paradigma que foi instaurado dá origem a um novo processo de ciência normal. Ambos admitem um desenvolvimento possível para o conhecimento epistemológico da realidade. PRINCIPAL SEMELHANÇA ENTRE OS AUTORES PRINCIPAL DIFERENÇA ENTRE OS AUTORES A grande diferença entre Kuhn e Popper reside no facto de a mudança de paradigma não ser obra de uma racionalidade crítica: ao mudar o paradigma, substituem-se teorias, meios, hábitos de trabalho e também os objectivos adoptam-se práticas distintas que não são alinháveis segundo o esquema da "aproximação à verdade" de Popper.
Full transcript