Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

alan vivian

on 5 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

•Condições estruturais
•Forma de colonização empreendida
•Atividade Econômica dominante
•Estabelecimento da pequena propriedade de base familiar
•Independência política da Metrópole
•Deferentes classes dominantes
•EUA como grande exportador de algodão
•Atuação estatal na construção de uma infraestrutura econômica e promoção de atividades básicas
•Por sua vez, no Brasil, mais do que a ausência do mercado interno, de base técnica e de uma classe dinâmica de dirigentes, faltavam aqueles externos. Os motivos estruturais para a conformação desse quadro se encontram em processos de formação de renda e acumulação de capital do sistema econômico escravista, da economia açucareira e, em seguida, na mineira. -Desenvolvimento econômico aconteceria com a liberação das forças do mercado
-Aparatos estatais deveriam ser minimizados, sua unica função seria a de mantes a segurança, justiça e a estabilidade monetária Celso Furtado
-fratura econômica e social,
-heterogeneidade no plano econômico das classes sociais
Serrano e Medeiros
-contribuição estruturalista sobre a restrição externa ao crescimento dos países periféricos
-subdesenvolvimento nas suas esferas econômicas e sociais •Dimensões de desenvolvimento
•Desenvolvimento e crescimento econômicos são conceitos distintos
•Processo de desenvolvimento-subdesenolvimento
•Transformação do modo de produção
•Divisão do trabalho inter-regional
•Crescente fluxo de excedente ao centro
•Emergência de grandes empresas
•À medida que o tempo passa é mais difícil, e improvável, adentrar o grupo dos países desenvolvidos •Nas economias que se desenvolveram o incremento de produtividade acompanhou o processo de acumulação e o avanço tecnológico
•Nas economias subdesenvolvidas o incremento de produtividade estavam principalmente associados à expansão das exportações
•Síndrome de tendência à concentração de renda
•Por que os EUA se industrializaram no século XIX enquanto o Brasil evoluía no século XX numa vasta região subdesenvolvida?
•Políticas protecionistas
•Desajustes na economia brasileira
•Matriz colonial
•Forte depreciação cambial A QUESTÃO DA LEI DE SAY E O RETORNO À TEORIA DO SUBDESENVOLVIMENTO DE CELSO FURTADO RESGATANDO A TEORIA DO SUBDESENVOLVIMENTO SEM A LEI DE SAY

Tendo em mente a formação histórica do capitalismo, a divisão internacional do trabalho e as diferenças entre centro e periferia, pode-se compreender a essência da teoria do subdesenvolvimento, e por que esta não possui qualquer relação com os postulados da Lei de Say.

Desenvolvimento do capitalismo

Economia desenvolvida

Avanços tecnológicos

Transformações da industria A utilização da oferta de trabalho é parte importante da reorientação tecnológica.
Argumento de Marx
O desenvolvimento tecnológico do capitalismo e das forças produtivas é orientado pela busca do mais-trabalho pelo capital.
Marx trata da relação entre o processo de acumulação capitalista e a composição orgânica do capital.
Entendendo o produto social composto por “capital constante” (C); “capital variável” (V); e pela “mais-valia” (M); a com-posição orgânica do capital é dada por C/V. Caso a taxa de mais-valia (M/V) seja constante, os salários reais tendem a subir concomitantemente a uma dotação de capital maior, ou a um aumento da produtividade do trabalho.
O aumento de salários seundo Marx não perdura por dois motivos.
Com a compreensão de que no capitalismo a acumulação aumenta a produtividade em correspondência a situações específicas da força de trabalho e da base produtiva, pode-se imaginar uma lógica.
– no centro do capitalismo
– em “contragolpe” no capital.
Tal processo, em sequência histórica, aliado às conquistas políticas da classe operária, engendrou grande avanço técnico e produtivo no centro, que carregava consigo padrões e hábitos de consumo específicos e seguia um grau de disponibilidade do fator trabalho. Na periferia a realidade é diversa, a industrialização foi induzida por um processo de substituições de importações orientado por uma demanda final, sendo que os hábitos desta procura foram consolidados previamente por elites que administravam o excedente da agricultura exportadora de acordo com os interesses do capital do centro.
A periferia adentra o mundo da “modernidade” orientada pelo consumo.
O subdesenvolvimento se consolida como uma formação em que o sistema produtivo se dissocia da própria sociedade: essa é a essência do subdesenvolvimento. No centro do capitalismo as inovações técnicas se deram paralelamente com a disponibilidade e utilização do fator trabalho, remunerações e desenvolvimentos sociais; ao passo que na periferia se inseriu um padrão produtivo alienado das estruturas econômicas e da sociedade.
O consumo de alto padrão tem papel fundamental na formação da periferia e é identificado como chave na consolidação do subdesenvolvimento, não como um resultado relacionado à Lei de Say. Contribuições de Say para a estruturação da economia:
•Se opôs a teoria do valor trabalho.
•Utilização do termo empreendedor.
•Teoria da superprodução. “A oferta cria sua própria demanda” Lewis (1969) -
“[como] a poupança nos interessa, devemos concentrar nossas atenções nos lucros e nas rendas” (LEWIS, 1969, p. 423).
professor Nurkse no ano de 1951,3 demonstra interesse pela ideia de que “países subdesenvolvidos” possuem “elevada propensão a consumir”.
“ao diminuir concomitantemente a propensão a poupar nos países pobres, [isso] também reduz o crescimento destes, o que tende a acentuar a disparidade entre as rendas reais de países ricos e pobres” (FURTADO, 1969, p. 328).
“o problema básico dos países subdesenvolvidos não estaria (...) do lado da escassez de poupança e sim na falta de estímulos às inversões, em razão da limitada capacidade de absorção do mercado” (FURTADO, 1969, p. 317). -Furtado acredita que o consumo não é o problema
-Furtado propos duas alternativas sobre o subdesenvolvimento
-Furtado compreendeu o principio de demanda efetiva.
-O consumo traz implicações
-Esgotabilidade
-O subdesenvolvimento não pode ser confundido com uma etapa que todos os paises passaram.
-É um problema do consumo?
-O que é o subdesenvolvimento então?
Full transcript