Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Carlos Drummond de Andrade

Carolina Macedo
by

Carolina Macedo

on 14 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade
1902
1928
Drummond nasce em Itabira, cidade produtora de minério de ferro. Era filho de fazendeiros em decadência
Estuda em Belo Horizonte (é expulso de um colégio por se desentender com o professor de português).
Estuda na Escola de Odontologia e Farmácia.

Casa-se.

Torna-se redator-chefe do Diário de Minas
Perde seu primeiro filho.
Nasce Maria Julieta (filha)
Publicação do polêmico poema "No meio do caminho" na Revista de Antropofagia.
Publica seu 1º livro: Alguma Poesia

Inicia uma carreira burocrática como Oficial de Gabinete de Gustavo Capanema
1930
1934
Muda-se para o Rio de Janeiro, Gustavo Capanema se torna ministro da Educação Pública
1962
Se aposenta do funcionalismo público.
1987
Falece 12 dias após a morte de sua filha, Maria Julieta
Junto com Murilo Mendes, Jorge de Lima, Cecília Meireles e Vinícius de Morais, Carlos Drummond de Andrade integra a 2ª Fase Modernista na Poesia.
2ª Fase modernista
Consolidação do Modernismo e recuo.
Pessimismo filosófico, ironia existencial, espiritualidade, misticismo (neossimbolistas).
Verso livre e branco (menos intenso)
Plano Histórico
Efeitos da Crise econômica (crack da bolsa de 1929);
Radicalização política (Esquerda/Comunismo; Direita/Nazi-fascismo);
Estado Novo (Getúlio Vargas);
Segunda Guerra Mundial.
Temas mais comuns:

o indivíduo;
a terra natal;
a família;
amigos;
o choque social;
o conhecimento amoroso;
a própria poesia;
exercícios lúdicos;
uma visão (ou tentativa de) existência.
A obra de Drummond costuma ser dividida em 4 fases
1
Poesia irônica
eu > mundo
Poemas curtos
versos livres
irreverência formal e temática
humor
antilirismo
pessimismo
individualismo
QUADRILHA
João amava Teresa

que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.
POEMA DE SETE FACES

Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhosnão perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é serio, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer
mas essa luamas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.
2
Poesia do impasse
eu < mundo
Inquietação temática
problemas sociais e individuais
crises (2ª Guerra Mundial e Estado Novo)
Congresso internacional do medo

Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que estereliza os abraços,
não cantaremos o ódio, porque este não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte.
Depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.
3
Poesia reflexiva
eu = mundo
Inquietudes existenciais e metafísicas
Surgimento da poesia erótica
4
Poesia lúdica
eu = mundo
Poemas curtos e humorísticos
concretismo
síntese
(novas vanguardas)
Confissão
Carlos Drummond de Andrade

Não amei bastante meu semelhante,
não catei o verme nem curei a sarna.
Só proferi algumas palavras,
melodiosas, tarde , ao voltar da festa.

Dei sem dar e beijei sem beijo.
(Cego é talvez quem esconde os olhos
embaixo do catre.) E na meia-luz
tesouros fanam-se, os mais excelentes.

Do que restou, como compor um homem
e tudo o que ele implica de suave,
de concordâncias vegetais, múrmurios
de riso, entrega, amor e piedade?

Não amei bastante sequer a mim mesmo,
contudo próximo. Não amei ninguém.
Salvo aquele pássaro -vinha azul e doido-
que se esfacelou na asa do avião.
Isto é aquilo

O fácil o fóssil
o míssil o físsil
a arte o infarte
o ocre o canopo
a urna o farniente
a foice o fascículo
a lex o judex
o maiô o avô
a ave o mocotó
o só o sambaqui
(...)
Full transcript