Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

dermatoses na criança

No description
by

Amanda Silva

on 15 September 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of dermatoses na criança

Dermatoses na Criança

Dermatite da área de fraldas
Incluem-se na dermatite da área das fraldas :
Doenças causadas diretamente pelo uso da fralda, como dermatite irritativa primária da área das fraldas e a dermatite de contato alérgica ao material plástico da fralda;
Dermatites intensificadas pelo uso da fralda ;
E aquelas que ocorrem nessa localização, mas que não estão relacionadas com seu uso .
Dermatite da área das fraldas irritativa primária
As pregas geralmente são poupadas, e os locais mais acometidos são superfícies convexas das nádegas, coxas, parte inferior do abdômen, púbis, grandes lábios e escroto.
(FERNANDES; MACHADO; OLIVEIRA, 2009)
(FERNANDES; MACHADO; OLIVEIRA, 2009)
Obrigado!
CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIBH

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
Adriana Laborne
Amanda Silva
Carolina Lanza
Gabriel Rosa
Gilmária Dias
Manifestações Clínicas
Fonte:http://www.mdsaude.com/2014/01/assadura-dermatite-da-fralda.html
Fonte: www.saudecominteligencia.com.br/imagens/fraldas-02.jpg
Referências
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Dermatologia na Atenção Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde.- 1ª edição. -Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

FERNANDES, J; MACHADO, M; OLIVEIRA, Z. Quadro clínico e tratamento da dermatite da área das fraldas . Disponível em : http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0365-05962009000100007 &script=sci_arttext. Acesso em 03 de setembro de 2015.

FLORÊNCIO, M. Dermatite de Fraldas ou assadura. Disponível em: http://enfermagem-sae.blogspot. com.br/2010/06/dermatite-de-fraudas-ou-assadura.html. Acesso em 03 de setembro de 2015.

PEREIRA, L. B. Impetigo, revisão bibliográfica. Serviço de Dermatologia de Minas Gerais, Universidade Federal de Belo Horizonte UFMG. Disponível em: http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962014000200293. Acesso em 08 de setembro de 2015.

PINHEIRO, P. Assadura| Dermatite da fralda. Disponível em: http://www.mdsaude.com/2014 /01/assadura-dermatite-da-fralda.html. Acesso em 03 de setembro de 2015.

ROCHA, N; SELORES; M. Dermatite das Fraldas. Disponível em: http://www.hmariapia.min-saude. pt/revista/vol1303/Dermatite%20das%20fraldas.pdf . Acesso em 03 de setembro de 2015.

Associação de Apoio a Dermatite Atópica.Disponível em :http://www.aada.org.br/. Acesso em 09 de Setembro de 2015.

CASTRO, A. M.; SOLÉ, D.; FILHO, N. A. R.; JACOB, C. M. S.; RIZZO,M. C. F. V.;FERNANDERS, M. F. M.; VALE,S. O. R. .Guia Prático para o Manejo da Dermatite Atópica. Disponível em: http://www.sbai.org.br/revistas/Vol296/ART_6_06_Guia_Pratico.pdf.Acesso em 09 de Setembro de 2015.

SIMÃO, H. M. .Atualização em Dermatite Atópica.Disponível em:http://www.sbp.com.br/pdfs/dermatite_atopica.pdf. Acesso em 09 de Setembro de 2015.
Referências Imagens
http://www.mdsaude.com/2014/01/assadura-dermatite-da-fralda.html
http://www.bebesaude.com.br/doencas/assadura-ou-dermatite-de-fralda-prevencao-e-tratamento
http://www.zun.com.br/fotos-engracadas-de-bebes-lindos/
www.saudecominteligencia.com.br/imagens/fraldas-02.jpg
www.ebah.com.br
http://www.tuasaude.com/curativo-para-queimadura/
http://www.alunosonline.com.br/biologia/impetigo-causas-sintomas
http://www.cram.com/flashcards/bolognia-reviews-867361
http://www.dermis.net/dermisroot/pt/52961/image.htm
http://www.omelhordomundo.org/#!varicela/c1nax
https://www.fapes.com.br/portal/main.jsp?lumPageId=48161FF7343F
http://dermatites.blogspot.com.br/2005/07/manifestaes-clnicas-dermatite-atpica.html
http://www.fotosantesedepois.com/dermatite-atopica/
http://blogdalergia.blogspot.com.br/2007/02/dermatite-atpica-acoceira-que-d-eczema.html
http://sites.unicentro.br/jornalagora/dermatite-atopica-o-que-e-e-como-tratar/
http://www.drajulianamachado.com.br/clinica_nova.php
http://www.mundoeducacao.com/doencas/dermatite-atopica.htm
http://m.eucerin.pt/indicacoes-da-pele/dermatite-atopica/dermatite-atopica-no-rosto
Dermatite Atópica ou Eczema Atópico
É uma doença crônica, não contagiosa, de caráter recidivante que causa inflamações na pele, levando a coceira e a lesões da epiderme.
Costuma afetar pessoas com histórico familiar de asma, rinite alérgica ou dermatite atópica (doenças que compõem a Triade Atópica).
É mais prevalente em bebês e crianças e aparece antes dos 5 anos entre 70 a 90% dos casos.
Impetigo
É uma infecção cutânea comum que é especialmente prevalente em crianças. Historicamente, impetigo é causado por qualquer grupo de
Streptococcus
ou
Staphylococcus aureus
. Essas bactérias são comumente encontradas na derme, trato gastrointestinal e mucosas, vivendo como comensais.
É de distribuição global, com maior incidência em àreas de precárias condições de higiene pessoal. É mais frequente no verão, de forma esporádica ou em epidemias familiares.
Manifestações Clínicas

S. Aureus
;
vesículas-> bolhas flácidas;
até 2 cm de diâmetro;
preencidas por liquido claro-> purulento;
regiões de atrito, fraldas, axilas e pescoço;
crianças de 2 a 5 anos;
pode ocorrer após 2 semanas de vida.
Streptococcus
+
S. aureus
;
+ou- 70% dos casos;
5 anos;
vesícula-> úlcera-> secreção purulenta-> crosta;
1 a 2 cm de diâmetro;
após dermatites atopica e de contato, picadas de inseto, pediculose e escabiose.
Fonte: alunosonline.com.br
Fonte: alunosonline.com.br
(PEREIRA, 2014)
Pois 20 a 30% da população geral é portadora de estafilococos coagulase positiva e a fonte mais comum de propagação são as lesões supurativas. O período de incubação varia de 4 a 10 dias e a pessoa transmite a bactéria mesmo assintomática e enquanto houver lesões .
Transmissão
O meio de transmissão mais comum é a
É clínico e epidemiológico, atentando para iododerma e bromoderma, varicela, queimadura e herpes simples.
Consiste na remoção das bolhas, secreções e crostas. As lesões devem ser mantidas limpas, lavadas com água e sabão, permanganato de potássio ou água boricada. Pomadas de antibióticos como neomicina, mupirocina ou gentamicina são indicadas após a limpeza das lesões.
(BRASIL, 2002)
Tratamento
Fonte: cram.com
fonte: dermis.net
Bromoderma
Iododerma
fonte: omelhordomundo.net
Varicela
fonte: tuasaude.com
Queimadura
Herpes simples
Fonte: fapes.com.br
Também podem ser usados antissépticos contendo triclosano, clorexidina ou iodopovidona. Medicamentos sistêmicos são indicados apenas quando estruturas mais profundas são afetadas, como tecido subcutâneo e fáscia muscular, e na presença de febre, linfadenopatia, faringite, infecções próximas à cavidade oral e couro cabeludo .
Os métodos de prevenção são a otimização da higiene pessoal, com foco na lavagem das mãos e tratamento dos casos na forma inicial.
Enfermagem
Capitação
busca ativa
formas de contágio
demanda espontânea
lavagem das mãos
Orientação
Prevenção
puericultura
medicações
encaminhamento
Lesão eritematosa confluente, brilhante, que varia de intensidade. Pode manifestar-se através de pápulas eritematosas associadas a edema e leve descamação. Quando o eritema começa a melhorar, a pele torna-se enrugada, com aspecto apergaminhado.
(FERNANDES; MACHADO; OLIVEIRA, 2009)
Fonte: http://www.bebesaude.com.br/doencas/assadura-ou-dermatite-de-fralda-prevencao-e-tratamento/
Sintomatologia
O bebê pode se mostrar irritadiço ao longo do dia e com dificuldade de dormir à noite. As trocas de fraldas tornam-se mais difíceis, pois a limpeza da pele costuma provocar dor.
(PINHEIRO, 2014)
Frequência da troca de fraldas;
Capacidade de absorção das fraldas;
Controle de infecções;
Higiene diária
E preparações que devem ser evitadas.


Fonte: http://www.zun.com.br/fotos-engracadas-de-bebes-lindos/
Prevenção
(Associação de apoio a Derpatite Atópica,1997)
(PEREIRA, 2014)
(BRASIL, 2002)
(PEREIRA, 2014)
(BRASIL, 2002)
Diagnóstico
Tratamento
(PEREIRA, 2014)
Prevenção
(BRASIL, 2002)
(ROCHA; SELORES, 2004)
Tratamento
Cuidados de Enfermagem
Na consulta de enfermagem em puericultura o enfermeiro deve fornecer orientações com o objetivo de prevenir a ocorrência da dermatite irritativa das fraldas. Algumas dessas orientações são:
Lave as mãos antes e depois de trocar a fralda do bebê.
Troque a fralda sempre que perceber que a criança urinou ou defecou.
Faça a higiene com água corrente ou com algodão embebido em água morna. O uso de lencinhos umedecidos deve ser orientado apenas para casos que a mãe precisar de sair.

(FLORÊNCIO, 2010)
Use sabonetes neutros .
Sempre que possível, deixe a criança sem fralda durante o dia. É interessante expor a área acometida ao sol, por alguns minutos, pela manhã.
Comunique se a criança está com o ritmo intestinal aumentado ou com diarréia.
Não use pós ou preparações caseiras.

(FLORÊNCIO, 2010)
Manifestações Clínicas
Sintomatologia
Fatores desencadeadores da D.A
Abordagem Individual e Comunitária
Cuidados de Enfermagem
Pele seca;
Descamada;
Coceira;
Vermelhidão.
Caracteriza-se por lesões eczematosas, papulas vesiculares, pruriginosas e descamativas que possuem distribuição clínica específica e variável de acordo com a idade do paciente.

Fonte:www.ebah.com.br
(CASTRO, 2000)
Pele seca;
Poeira doméstica:
Pelo de animais ;
Exposição aos aeroalérgenos;
Exposição a alérgenos alimentares;
Fumo;
Produtos de limpeza;
Baixa umidade e frio intenso;
Estresse emocional;
Roupas de lã e tecido sintético;
Infecções;
Calor e transpiração.

Classificação das Lesões
Leve:
Pele seca, discretamente avermelhada e pouca coceira;
Moderada:
Pele mais avermelhada, com lesões mais espalhadas, coceira com maior intensidade;
Grave:
Pele bastante inflamada, aparecimento de feridas espalhadas e coceira intensa.
(FERNANDES; MACHADO; OLIVEIRA, 2009)
(SIMÃO, 2010)
(SIMÃO, 2010)
(CASTRO; SOLÉ; JACOB, 2006)
Alimentação:
CASTRO, F. F. M. Dermatite atópica em crianças.Disponível em : http://www.medicinaatual.com.br/doencas/dermatite-atopica-em-criancas.html. Acesso em 09 de Setembro de 2015.

VIANA, A. Dermatite Atópica tem cura?.Disponível em: http://www.tuasaude.com/dermatite-atopica-tem-cura/.Acesso em 10 de Setembro de 2015.

ZANIN, T. Alimentação para melhorar a dermatite. Disponível em:http://www.tuasaude.com/alimentacao-para-melhorar-a-dermatite/. Acesso em 10 de Setembro de 2015.

SANTOS, F.M.. Dermatite Atópica e alergia alimentar: práticas do cuidado de Enfermagem. Disponível em: https://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/artigos/59854/dermatite-atopica-e-alergia-alimentar-praticas-do-cuidado-em-enfermagem. Acesso em 10 de Setembro de 2015.

BARBOSA, J.V; PINTO,Z.T..Pediculose (piolho). Disponível em: http://www.fiocruz.br/bibmang/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=90&sid=106. Acesso em 07 de Setembro de 2015.

ANDRADE, C.A. ; SANTOS, L.U.; CECÍLIA, A.T.B.. Controle da Pediculose. Disponível em: http://www.piolho.org.br/artigos/apostila.pdf. Acesso em 07 de Setembro de 2015.

VITÓRIA, N.; PEREIRA, D. Saúde: Pediculose e Piolho.Disponível em: http://dividindociencia.blogspot.com.br/2012/05/saude-pediculose-e-piolhos.html.Acesso em 07 de Setembro de 2015.

Sociedade Braseileira de Dermatologia. Dermatite Seborreica. Disponível em: http://www.sbd.org.br/. Acesso em 10 de Setembro de 2015.

FORMARIZ, T.P.; SPERA, L. J; URBAN, M.C.C.; CINTO, P. O.; GREMIÃO, M.P.D.. Dermatite Seborreica: Causas, diagnóstico e tratamento. Disponível em : http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/72/i06-infdermatite.pdf. Acesso em 10 de Setembro de 2015.

PINHEIRO, P. .Dermatite Seborreica: sintomas e tratamento .Disponível em :http://www.mdsaude.com/2013/10/dermatite-seborreica.html. Acesso em 10 de Setembro de 2015
Pediculose
Dermatite Seborreica
Manifestações Clínicas
Sintomatologia
Prevenção
Tratamento
Manifestações Clínicas
Sintomatologia
Prevenção
Tratamento
Deve evitar o consumo de :
Leite de vaca;
Leite de cabra;
Ovo;
Peixe;
Crustáceos;
Milho;
Amendoim.
Cerca de 30% dos pacientes com dermatite atópica apresentam intolerância alimentar.
Prevenção:
Hidratação
Restaura a função de barreira da pele
Reduz a sensação de coceira e irritação
Diminui o risco de superinfecção

Corticoesteróides
Classe 1: Fraco
Classe 2: Moderado
Classe 3: Potente
Classe 4: Muito potente


Anti-histamínicos
São utilizados para controlar o prurido, principalmente durante a noite.

Imunomoduladores tópicos
São utilizados para substituir o uso de corticoides, por conta de seus efeitos colaterais.
(VIANA,2007)
(VIANA,2007)
(ZANIN, 2007)
Ambiente favorável;

Alimentação;

Higiene;

Roupas.

(Associação de apoio a Dermatite Atópica, 1997)
É importante orientar para os familiares sobre o mecanismo da doença;

Como ela se manifesta;

Quais são seus principais sintoma;

Os fatores que podem desencadear um agravo da doença;

Quais são os cuidados necessários para que a criança tenha uma melhor qualidade de vida;

Explicar para a família sobre o tratamento, que deve ser seguido rigorosamente.

(SANTOS, 2015)
Coceira intensa no couro cabeludo;

Feridas causadas pelo ato de coçar;

Marcas visíveis deixadas pelas picadas de inseto;

Aparecimento de ínguas e infecções secundárias nos casos mais graves de infestação.

(ANDRADE; SANTOS; CECÍLIA, 2000)
É caracterizada pela coceira intensa no couro cabeludo, que prevalece na parte de trás da cabeça e no pescoço podendo ir para a região do tronco.
Fonte: dermatites.blogspot.com.br
Fonte: www.fotosantesedepois.com
Fonte:blogdalergia.blogspot.com.br
Fonte: sites.unicentro.br
Foto: www.drajulianamachado.com.br
Fonte: www.mundoeducacao.com
Fonte: m.eucerin.pt
http://www.tuasaude.com/alimentacao-para-melhorar-a-dermatite/
http://dradestravet.blogspot.com.br/2011_06_01_archive.html
http://felipechapolin.blogspot.com.br/2010/05/feliz-dia-da-enfermeira.html
http://www.examiner.com/article/what-you-must-know-to-effectively-manage-food-allergies
http://marta-omeucanto.blogs.sapo.pt/2011/11/?page=3
http://medifoco.com.br/piolho-pediculose-causas-sintomas-tratamento-prevencao/
http://dividindociencia.blogspot.com.br/2012/05/saude-pediculose-e-piolhos.html
http://www.naoelogico.blog.br/tag/video/
http://www.pontoxp.com/mitos-e-verdades-sobre-tratamento-para-piolhos/
http://pt-br.infomedica.wikia.com/wiki/Pediculose
http://www.hsweetsecret.blogspot.com
http://pdg.estiga.com/reducao-do-risco-de-morte-no-berco
http://janrosebrilhodefelicidade.blogspot.com.br/2011/04/bio-ativador-capilar.html
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0365-05962005001000017&script=sci_arttext
https://twitter.com/nostressoficial
http://eportuguese.blogspot.com.br/2015/05/15-passos-para-deixar-de-fumar-nunca-e.html
http://www.lucianafranca.com.br/materias/obesidade-infantil/2
http://www.draregina.blogspot.com
http://pt.wikinoticia.com/estilo%20de%20vida/Maternidade/109968-dermatite-da-fralda--remedios-caseiros
http://pediatrio.blogspot.com.br/2012/04/dermatite-atopica.html
http://dicasdepediatria.blogspot.com.br/2005/05/dermatite-seborreica_30.html
http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?pid=S0872-07542012000200008&script=sci_arttext
http://c-est-quoi.com/fr/definition/p%C3%A9diculose
Fonte: www.tuasaude.com
Fonte: dradestravet.blogspot.com.br
Fonte: felipechapolin.blogspot.com.br
Fonte: www.examiner.com
Doença parasitaria causada pelo Pediculus humanus capitis;

Atinge todas as classes sociais, afetando em sua grande maioria crianças em idade escolar;

Transmitida por contato direto.
As lesões causadas pela coceira podem se transformar em infecção;
Ocorre a deposição de lêndeas no couro cabeludo do indivíduo.
(BARBOSA; PINTO,)
(ANDRADE; SANTOS; CECÍLIA, 2000)
(BARBOSA; PINTO, 1999)
Abordagem individual e comunitária:
Cuidados de Enfermagem:
(VITÓRIA; PEREIRA, 2012)
(VITÓRIA; PEREIRA, 2012)
Reunir o material e levá-lo a unidade do paciente;
Explicar o paciente o que será feito;
Colocar a touca, calçar as luvas;
Proteger os ouvidos do paciente com bolas de algodão;
Diluir a medicação na cuba rim;
Dividir o cabelo em mechas e aplicar a solução friccionando o couro cabeludo com gaze;
Deixar o medicamento agir conforme prescrição médica;
Recolher o material e destacar em local apropriado.
As situações estruturais, sócio-econômicas e sanitárias são fundamentais para que haja uma maior assistência ao cliente ;

Exige dos enfermeiros habilidades técnicas extra-acadêmicas de humanização modificando as abordagens da sistematização da assistência nas orientações profiláticas prestadas aos clientes portadores dessas doenças parasitárias.
Fonte: marta-omeucanto.blogs.sapo.pt
Fonte: medifoco.com.br
Fonte: dividindociencia.blogspot.com
Fonte: naoelogico.blog
Fonte: dermainforma.com.br
Fonte: www.pontoxp.com
Fonte: pt-br.infomedica.wikia.com
Fonte: hsweetsecret.blogspot.com
Aplicação local de medicação específica para o extermínio dos parasitas;
Muitas vezes são utilizados comprimidos;
Em casos de difícil tratamento, é fundamental associar os tratamentos oral e local;
É importante a utilização de pente fino para a retirada de piolhos e lêndeas.
Doença de caráter crônico , que apresenta momentos de melhora e piora dos sintomas ;

Não é contagiosa e nem é causada por falta de higiene;

A forma infantil observa-se, durante os primeiros meses de vida, mais precisamente entre a segunda semana e o sexto mês.

( Sociedade Brasileira de Dermatologia, 1912)
Fonte: pdg.estiga.com
(FORMARIZ et al., 2005)
Caracteriza-se por placas eritemato-descamativas arredondadas, ovaladas;

Localiza-se em áreas mais oleosas como couro cabeludo, face, sobrancelhas, colo e dorso;

Outras áreas como virilha, axilas, região mamária e nádegas também podem ser acometidas.

Fonte: janrosebrilhodefelicidade.blogspot.com-
Fonte: www.scielo.br
Oleosidade na pele e no couro cabeludo;

Escamas brancas que descamam – caspa;

Escamas amareladas que são oleosas e ardem;

Coceira, que pode piorar caso a área seja infectada pelo ato de “cutucar” a pele;

Leve vermelhidão na área e possível perda de cabelo.

(PINHEIRO, 2014)
Fonte: www.apkmodgame.net
Fonte: www.apkmodgame.net
Fonte: eportuguese.blogspot.com.br
Fonte: www.lucianafranca.com.br
Fonte: www.canstockphoto.com.br-
Fonte: draregina.blogspot.com
São indicadas medicações de uso tópico na forma de shampus, loções capilares ou cremes;

Em alguns casos, são utilizadas medicações por via oral.

O tratamento se baseia na melhora dos sintomas;
(FORMARIZ et al., 2005)
Cuidados de Enfermagem
É papel do enfermeiro alertar sobre os cuidados com a higiene, alimentação, preparo do banho com tempera adequada;
Explicar aos familiares, que é comum a dermatite nos primeiros meses de vida da criança;

Mostrar a importância de se seguir corretamente o tratamento, para que seja possível acabar com os sintomas.
Identifique as dermatoses:
a)
b)
c)
d)
Fonte: pt.wikinoticia.com
Fonte: pediatrio.blogspot.com
Fonte: dicasdepediatria.blogspot.com
Fonte: www.scielo.gpeari.mctes.pt
e)
Fonte: c-est-quoi.com
2)
Cite uma prevenção e um tratamento de cada dermatose:

a)
Dermatite da área de fralda

b)
Dermatite Atópica

c)
Pediculose

d)
Dermatite Seborreica

e)
Impetigo

Mitos ou verdades sobre piolho:
O Piolho pode pular de uma pessoa para outra:
O pente fino é a forma mais correta de se eliminar o piolho:
Lêndea é o piolho morto:
O cabelo sujo é ideal para a proliferação do piolho:
O verão favorece a infestação por piolho:
Para matar o piolho é necessário esmagar com a unha:

1.
3.
a)
b)
c)
d)
e)
f)
g)
É preciso afastar as crianças da escola quando estiverem com piolho:
Existem três tipos de piolho:
Compartilhar pentes, bonés, capacetes e travesseiros facilita a transmissão:
As pessoas mais pobres são as mais afetadas pelo inseto:
As meninas têm maior incidência de piolhos que os meninos:
A anemia pode ser um sintoma da pediculose:
Qualquer pessoa pode pegar piolho:
Os sintomas são mais comuns em países pobres:


h)
i)
j)
k)
l)
m)
n)
Full transcript