Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Linha do Tempo

No description
by

Sanderson Lourenço

on 14 April 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Linha do Tempo

Linha do Tempo.
Geografia Econômica Regional.
Xenofontes
Aristóteles
Antiguidade Grega
Oikos Nomos
Cremastistica: (Chrema)
Antiguidade Romana
Política
XII Ac
Antiguidade Clássica
XI - XIV
Feudalismo
Mercantilismo
Fisiocracia
XVIII
1694
1774
Tableau Economique 64 anos
1758
1790
Smith 67 anos
1776
Smith;
Mill;
Say;
Malthus;
Ricardo;
Locke;
Voltaire;
Montesquieu;
Rousseau.
Escola Clássica
1760
1775
Linha do Tempo.
Geografia Econômica Regional.
A economia clássica foi elaborada e sistematizada nas obras dos economistas políticos Adam Smith e J.S. Mill. Além de Smith e Mill, os principais responsáveis pela formação da economia clássica foram o francês Jean-Baptiste Say (1767-1832), David Ricardo e Robert Malthus (1766-1834). A ideia central da economia clássica é a de concorrência. Embora os indivíduos ajam apenas em proveito próprio, os mercados em que vigora a concorrência funcionam espontaneamente, de modo a garantir (por um mecanismo abstracto designado por Smith como "a mão invisível" que ordena o mercado) a alocação mais eficiente dos recursos e da produção, sem que haja excesso de lucros. Por essa razão, o único papel económico do governo (além do básico, que é garantir a lei e a ordem) é a intervenção na economia quando o mercado não existe ou quando deixa de funcionar em condições satisfatórias, ou seja, quando não há livre concorrência. Segundo a teoria clássica, na economia concorrencial a oferta de cada bem e de cada factor de produção tende sempre a igualar a procura. Em todos os mercados, o elemento que determina esse equilíbrio entre oferta e procura são os preços (o preço do trabalho, nesse caso, seria o salário).



A escola neoclássica ou marginalista do pensamento económico caraterizou-se pelos contributos que deu para o conhecimento da utilidade de um bem e da sua escassez. Caracterizou-se igualmente pela abordagem microeconómica e pelo forte instrumentário matemático com que revestia a exposição e fundamentação das suas teorias visando o equilíbrio da economia.

Aos marginalistas se devem conceitos tão importantes como os da elastecidade-preço e o dos rendimentos decrescentes. .

Os principais vultos desta escola foram Alfred Marshall(1842-1924), Léon Walras(1834-1910), Carl Menger(1840-1921) e Willian Stanley Jevons(1835-1882).

http://www.prof2000.pt/users/afp/economia/eco02/04eco02.htm

Atualizado em 04/09/15.

Economia Clássica
A ciência econômica é consolidada com a escola clássica. O marco fundamental é a obra Uma Investigação sobre a Natureza e Causas da Riqueza das Nações (1776), do escocês Adam Smith (1723-1790). Após a morte de Smith, três nomes aperfeiçoam e ampliam suas idéias: o francês Jean-Baptiste Say (1767-1832) e os ingleses Thomas Malthus (1766-1834) e David Ricardo (1772-1823).
O pensamento clássico se desenvolve na segunda metade do século XVIII e no século XIX. Desse modo centra suas reflexões nas transformações do processo produtivo, trazidas pela Revolução Industrial. Os clássicos alteram mais uma vez a noção de riqueza. Adam Smith afirma que não é a prata ou o ouro que determinam a prosperidade de uma nação, mas, sim, o trabalho humano. Em conseqüência, qualquer mudança que aprimore as forças produtivas estará potencializando o enriquecimento de uma nação. A principal delas – além da mecanização – é a divisão social do trabalho, amplamente estudada por ele. A escola também aborda as causas das crises econômicas, as implicações do crescimento populacional e a acumulação de capital.

Os clássicos defendem o liberalismo e elaboram o conceito de racionalidade econômica, no qual cada indivíduo deve satisfazer suas necessidades da melhor forma possível sem se preocupar com o bem-estar da coletividade. Essa busca egoísta e competitiva, no entanto, estaria na origem de todo o bem público porque qualquer intervenção nessas leis naturais do comportamento humano bloquearia o desenvolvimento das forças produtivas. Usando a metáfora econômica de Smith, os homens, conduzidos por uma “mão invisível”, acabam promovendo um fim que não era intencional.
http://www.coladaweb.com/economia/economia-classica

Atualizado em 04/09/15.
1723
Quesnay 80 anos
A Riqueza das Nações 53 anos
Teoria dos Sentimentos Morais 36 anos
1759
1834
1766
1767
1832
Say 65 anos
1772
Malthus 68 anos
1823
Ricardo 51 anos
XV - XVI
Marxismo
Marx 65 anos
1818
1883
1801
Revolução Industrial
1789
1807
Revolução Francesa
Inglaterra proíbe a escravidão
Teoria Liberal
T6: A Indústria no Contexto Econômico
1841
1856
Malthus estava com 24 anos;
Say estava com 23 anos;
Ricardo estava com 18 anos.
XIX
Fayol 84 anos
1870
II Revolução Industrial
Taylor 59 anos
1880
Teoria Geral Emprego, dos Juros e da Moeda 53 anos
1888
Fridman;
Tobin;
Samuelson;
Robinson;
Minsky;
Davison.
XX
Marx estava com 52 anos na segunda revolução industrial.
Fase Pré Científica
Socialismo
Abolição da Escravatura (Lei Áurea) 13/05/88
Yale
Harvard e MIT
1947
Neoclássica
Declínio das
relações humanas.
1910
1930
1940
Função Dinâmica:
Capital mercatil
vs.
Agroindústria
1930
1945
Sumoc
Santa Catarina
Alemanha, Bélgica, França, Itália, Luxemburgo e, Países Baixos: Comunidade europeia do carvão e do aço, busca união econômica e política dos países europeus.
1950
T10: União Europeia e o Euro
T5: A Evolução e Atual Estrutura do Sistema Financeiro Brasileiro
1953
Petrobrás
Intervencionismo
Monetarista
Fiscalista
Pós Keynesiano
Governo Jânio Quadros
1961
Governo João Goulart
1964
Governo Mal Castello Branco
1964
Bacen - Antigo Sumoc
1967
Governo Mal Costa e Silva
1969
Governo Junta Militar
Governo Gal Médici
1974
Governo Gal Geisel
Dinamarca, Irlanda e UK: Adesão a UE.
Bipartidarismo 31/12/1964
Constituição
Jânio Quadros renunciou em 25/08/1961
Integração estadual
vs. investimento federal
1960
1974
Portugal: queda Salazar.
1975
Espanha: Morte Gal Franco. Fim das ditaduras da direita europeia.
1976
CVM 07/12/1976
1979
SELIC - Sistema Especial
de Liquidação e Custódia
1979
Governo Gal Figueiredo
Pluripartidarismo
1981
Grécia: Estado membro da União Europeia.
1984
1985
Governo Neves/Sarney
Período Recente
Movimento Diretas Já
1986
1986
Plano Cruzado
1988
Nova Constituição
1989
Plano Verão
1989
Ditadura Militar
1990
Governo Collor
Governo Getúlio Vargas
1946
1930
1950
1949
Revolução Keynesiana
1946
Governo Gal Dutra
1951
Governo Getúlio Vargas
1973
1954
Governo Café Filho
1956
Governo JK
1992
1992
1993
Nafta: EUA, Canadá e México; Alca: cúpula das Américas.
1994
1995
Governo FHC
Áustria, Finlândia e Suécia: Estados membros da UE.
1995
1998
11/09/2001
Atentados terroristas aos EUA.
2002
Euro: circulação.
2003
Governo Lula
2004
2007
2 Novos países aderem a UE.
Alca: segunda cúpula das Américas - negociações oficiais.
Governo Dilma
2011
1973
2013
Croácia: Estado membro da UE.
Comportamental & Sistêmica
1947 - 1950 Década de 50
III Revolução Industrial
1970
AI-5 13/12/1968
T8: Mercosul
1971
2014
28-29/01 Paraguai retorna.
1985
1986
1987
1988
1988
1989
Brasil e Paraguai: Assinatura acordo construção Usina de Itaipu.
1990
1992
1991
Federação da Produção, da Indústria e do Comércio
Programa de Integração e Cooperação Econômica
Convênio Argentino-Uruguaio de Cooperação Econômica
1995
Acordo de Transporte Fluvial da Hidrovia Paraguai-Paraná
1993
1994
1996
1996
1997
atividades ilegais na fronteira dos três países devem ser tratadas de forma coordenada.
1999
2003
Equador e Venezuela aceitos como associados.
2004
2006
2010
Fernando Lugo: retirado da presidência.
Plano Real
Plano Bresser
Copom: ligado ao BACEN.
Espanha e Portugal: Estados membros da UE. Assinatura do Acto Único Europeu. Criação do Mercado Único.
Tratado de Maastricht: união econômica e monetária.
Alemanha: queda no muro de Berlim
10 Novos países aderem a UE.
Conclusão do mercado único.
30/11 - Argentina e Brasil: Assinatura da declaração de Iguaçu.
22/02 - Argentina e Uruguai: Controle único de fronteiras. 29/07 - Argentina e Brasil: PICE.
Argentina e Uruguai: Assinatura da ata de Montevidéu, com o aperfeiçoamento CAUCE.
06/04 - Argentina, Brasil e Uruguai: Assinatura Decisão tripartite 1. 29/11 - Argentina e
26/04 - Argentina e Paraguai: obras hidrelétrica Yaciretá. 23/08 - Argentina e Brasil:
01/03 - Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Bolívia: subscrição Tratado de
Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai: Assinatura do Tratado de Assunção.
17/03 - Argentina e Paraguai: Feprinco protesta por aumento das taxas
17/01 - Bolívia: sócio observador. 08/06 - Chile: propõe associação.
13/12 - Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai: Acordo de
25/06 - Chile: adesão. Bolívia: pré-adesão. 14/08 - Chile:
15/12 - Chile: tem participação ampliada. 22/12 -
28/03 - Paraguai: presidente renuncia ao cargo,
Peru aceito como associado.
24/05 - Venezuela: protocolo adesão.
Conformação código aduaneiro e sistema de pagamentos em
28 - 29/06 - Paraguai: supensão. 12/08 - Venezuela:
Neoliberalismo brasileiro
Milagre Econômico
Conservadorismo brasileiro
Junta governativa: General Tasso Fragoso, Gen. João de Deus Mena Barreto e Almirante Isaías de Noronha
1926
Washington Luís
Escolas Administrativas
Clássica
1916
Humanística
1932
1927
Brasil: Industrializaçã com substituição de importação (Vargas)
1925
1915
Mayo 69 anos
Keynes 63 anos
1936
1922
1919
1918
Arthur Bernardes
Epitácio Pessoa
Delfim Moreira
Ampliação (6x)
exportação
interna em SC
1914
Wenceslau Brás
1910
Marechal Hermes da Fonseca
1909
1906
1902
1898
1894
1891
1889
Nilo Peçanha
Afonso Penna
Rodrigues Alves
Campos Sales
Prudente de Morais
Marechal Floriano Peixoto
Marechal Deodoro da Fonseca
1929
Crise na Bolsa de Nova York
1914 -1918
Primeira Guerra Mundial
1914
Início do direito econômico (Primeira Guerra Mundial)
1929
Crise na Bolsa de Nova York
Relação entre direito e economia.
1759
T4: Economia e Direito.
13/08 - Brasil e Uruguai: acordos e convênios comerciais e da ciência e tecnologia. 10/12 - Brasil e Argentina: Ampliação do PICE e novos protocolos.
Brasil: Assinatura Tratado com prazo 10 anos para remoção de entraves tarifários. 30/11 - Argentina, Brasil e Uruguai: Assinatura Decisão tripartite.
Tratado de Integração, Cooperação Econômica e Desenvolvimento. 28/11 - Argentina e Paraguai: porto para Paraguai.
Montevidéu. 06/07 - Argentina e Brasil: antecipação do Mercosul para 31/12/1994.
argentinas.
05/08 - Bolívia: propõe associação. 04/10 - Mercosul: proposta para Chile. 16-17/12 - Protocolo de Ouro Preto.
Santa Cruz de la Sierra. 18/09 - Chile: pede prioridade na integração. 07/12 - Bolívia: subscreverá seu ingresso até 30/06/1996.
deputados chilenos aprovam adesão para 01/10.
Argentina, Brasil e Paraguai: Ata de Foz do Iguaçu.
devido ao assassinato do vice-presidente.
moeda local.
adesão. 07/12 - Bolívia: adesão.
2012
26/03 Início efetivo do Mercosul.
T3: Economia e Meio Ambiente
1972
Conferência de Estocolmo (Suécia)
Full transcript