Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Celso Castro

on 7 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

Obra Fernando Pessoa Fernando António Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa em 1888.
Após a morte do pai, causada por tuberculose, a família foi obrigada a leiloar parte dos seus bens e depois do segundo casamento da mãe, por procuração, com o comandante João Miguel Rosa,, Fernando Pessoa partiu com a mãe e um tio avô para a África do Sul (Durban).
Em 1894 criou o seu primeiro heterónimo, Chevalier de Pas. Frequentou várias escolas, recebendo uma educação inglesa, passando por um colégio de freiras irlandesas da West Street (1897), e pela Durban High School, onde criou o heterónimo Alexander Search (1899). A partir de 1901 escreveu os primeiros poemas em inglês. A familia retornou a Lisboa em 1902, mas Pessoa voltou sozinho para a África do Sul. (CONTINUAÇÃO)...FERNANDO PESSOA Em 1904 terminou seus estudos na África do Sul.
Regressou a Portugal em 1905 e fixou se em Lisboa, onde se matriculou no Curso Superior de Letras (que abandonou em 1907). Foi a partir desta data que começou a sua intensa actividade literária, continuando a escrever poemas em inglês.

Em 1910, escreveu poesia e prosa em português, inglês e francês. Em 1912, Pessoa estreou se como crítico literário, provocando polémicas junto à intelectualidade portuguesa.

Em 29 de Novembro de 1935, foi internado com o diagnóstico de cólica hepática. A sua última frase, escrita em inglês, dizia: "I know not what tomorrow will bring". Morreu no dia 30, com 47 anos, deixando grande parte da sua obra ainda inédita. Fernando Pessoa é considerado universalmente um dos maiores poetas de sempre. Poema
«Ó sino da minha aldeia»

Ó sino da minha aldeia, a
Dolente na tarde calma, b
Cada tua badalada c
Soa dentro da minha alma. b

E é tão lento o teu soar, d
Tão como triste da vida, e
Que já a primeira pancada c
Tem o som de repetida. e

Por mais que me tanjas perto, f
Quando passo, sempre errante, g
És para mim como um sonho, h
Soas-me na alma distante. g

A cada pancada tua, i
Vibrante no céu aberto, f
Sinto mais longe o passado, j
Sinto a saudade mais perto. f Análise do Poema O poema "O sino da minha aldeia", publicado na revista Renascença, no ano de 1914, diz muito dos sentimentos do poeta, relativamente à sua infância. Em 1913 (data em que o poema é escrito), Fernando tem 25 anos, uma idade em que é “normal” o surgimento de uma maturidade intelectual, que leva da adolescência à idade adulta. Mas o que o perturba são ainda as memórias de uma infância feliz, se bem que muito breve, face aos problemas que o assolavam na sua adulta juventude: a instabilidade das emoções, a investigação de temas “maiores do que ele próprio”, a sua “obra” e principalmente a sua “missão”. O sino no qual é referido por o autor é real , é o sino do largo de S.Carlos , onde Fernando Pessoa morou na sua infancia. Autor Fernando Pessoa Ó sino da minha aldeia Introdução Este trabalho foi proposto no âmbito da disciplina de Língua Portuguesa pela professora Carla Brandão a realização de uma análise de um texto poético á escolha .

O poema que vamos analisar tem como autor Fernando Pessoa e o seu título é «Ó sino da minha aldeia»

Vamos também abordar a vida do autor. Conclusão
"35 sonnets", 1918.
"Antinous", 1918.
"English Poems I II", 1921.
"English Poems III", 1921.
"Mensagem", 1934.
Obras publicadas após a sua morte:
"Obra poética Obras Completas de Fernando Pessoa"
"Poesias de Fernando Pessoa",1ªed. 1942
"Poesias de Álvaro de Campos", 1ªed. 1944
"Poemas de Alberto Caeiro", 1ªed. 1946
"Odes de Ricardo 1ªed.1946
"Poemas Dramáticos", 1ªed 1952
"Poesias Inéditas de Fernando Pessoa (1930 1935)", 1ªed. 1955
"Poesias inéditas de Fernando Pessoa (1919 1935)", 1ªed. 1956
"Quadras ao Gosto Popular de Fernando Pessoa", 1ªed. 1965
"Novas Poesias Inéditas", 1ªed.1973
"Poemas Ingleses publicados por Fernando Pessoa", 1ªed. 1974
"Obra Poética de Fernando Pessoa", 1986
"O Guardador de Rebanhos de Alberto Caeiro", 1986
"Primeiro Fausto", São Paulo, 1986. Reis", Obra em Prosa e Epsitolografia: "A Nova Poesia Portuguesa", 1944"Cartas de Amor de Fernando Pessoa", 1ªed., 1978"Cartas de Fernando Pessoa a Armando Cortes Rodrigue"s, 3ªed., 1985"Cartas de Fernando Pessoa a João Gaspar Simões", 2ªed., 1982"Da República", Lisboa, 1ªed. 1979"Fernando Pessoa O Comércio e a Publicidade", 1986."Livro do desassossego por Bernardo Soares", 1982, 2vol."Obra em Prosa", Rio de Janeiro, 1974."Obras em Prosa de Fernando Pessoa", 1987."Escritos Íntimos, Cartas e Páginas Auto Biográficas""Textos de Intervenção Social e Cultural A ficção dos Heterónimos""Ficção e Teatro O Banqueiro Anarquista, Novelas Policiárias, O Marinheiro e Outros""A Procura da Verdade Oculta Textos Filosóficos e Esotéricos""Portugal, Sebastianismo e Quinto Império""Páginas de Pensamento Político I" (1910 1919)"Páginas de Pensamento Político II" (1925 1935)"Páginas de Doutrina Estética", 1946"Páginas de Estética e de Teoria e Crítica Literárias""Páginas Íntimas e de Auto Interpretação", 1ªed.1966"Sobre Portugal",1ªed.1979"Textos Filosófico"s, 1ªed.1968, 2vol"Textos para Dirigentes de Empresas", 1969"Textos de Crítica e de Intervenção", 1ªed. 1980"Ultimatum e Páginas de Sociologia Política", 1ªed.1980. Livros e colectâneas de poesia publicadas em vida : (CONTINUAÇÃO)Livros e colectâneas de poesia publicadas em vida : 1. Um sino toca: o sino da aldeia do poeta. Mas cada badalada do sino "Soa dentro da minha alma". Que diferença pode existir entre um sino que toca fora da minha alma e um sino que toca dentro da minha alma?

2. O verso "Tão como triste da vida" tem uma construção pouco habitual. Explique o que se passa.

3. Na segunda quadra o poeta diz uma coisa muito estranha: este sino toca a primeira pancada, porque a primeira parece sempre a repetição de outra. Pode dizer-se que isso tem que ver com o fato de o sino soar dento da alma do poeta? Justifique a
resposta. EXERCICIOS 4. Poeta que passa "sempre errante"; que significa esse adjectivo? Que motivos levarão o poeta a considerar-se errante?

5. Na terceira quadra há dois me muito curiosos: "por mais que me tanjas" e "soas-me na alma". Que efeito produzem eles no texto?

6. Haverá diferença entre ouvir um sino na aldeia e ouvir um sino na cidade? Quais as palavras que dão esse ambiente tranquilo da aldeia? EXERCICIOS (CONTINUAÇÃO)... RESPOSTAS 1. Sino que toca dentro da alma, é um toque que lembra a Pessoa memórias de infância, portanto um toque que não o deixa indiferente, como qualquer outro toque de outra igreja.

2. "Tão como triste da vida": o poeta quer dizer "Tão lento como triste da vida", no entanto retira essa palavra. Parece-me o uso de uma figura de estilo chamada "elipse". Tira-se uma palavra, que no entanto se subentende.

3. Sim. Porque é um sino metafórico: representa outra coisa, as suas memórias de infância.

4. Errante é aqui "sem destino", sem futuro, sem esperança. Isto porque ele apenas na sua infância encontra conforto e sentido para a vida. RESPOSTAS (CONTINUAÇÃO)... 5. "Tanjas perto" e "tocas-me na alma distante" é uma contraposição, quase ironia. Pois que "tanjas" é um tocar de instrumento e "tocas-me" é um tocar quase fisico, de influência.

6. "aldeia" é no poema um eufemismo para o espaço onde Pessoa nasceu e cresceu, entre uma igreja e um teatro lírico. Pequena aldeia é no sentido de ter sido a sua aldeia dentro da grande cidade, o seu espaço dentro do espaço indefinido que era de todos. ABRIR MANUAL PAG 39 Alberto Caeiro
Nascido em Lisboa, e era o mais objectivo dos 3 heterónimos.
É o poeta que busca "as sensações com mais transparência , da forma mais real possível".

Ricardo Reis
Nascido no Porto, representa a vertente clássica de Fernando Pessoa;.
Usa uma linguagem muito cuidada e disciplinada.

Álvaro de Campos
Engenheiro inactivo e muito critico;.
É dos três heterónimos o que tem uma mente mais moderna". Heterónimos de Fernando Pessoa As características formais presentes em Fernando Pessoa são o uso frequente da quadra, manifestando o gosto pelo popular e da redondilha maior (versos de sete sílabas), como acontece neste poema. O esquema rimático mantém também uma certa regularidade (em todas as quadras o 2ºverso rima com o 4º, enquanto o 1º e o 3º são versos soltos ou brancos) o que permite a criação de ritmo, musicalidade. A linguagem é simples e espontânea. Análise do poema (continuação)... Versos– Octossílabos
Estrofes-Quadra
Rima-consoante
Rimático-Interpolada Celso Castro 11ºI
João Fernandes Com este trabalhos ficamos a conhecer melhor o poema de Fernando Pessoa como também um pouco mais sobre a vida do mesmo.

Aprendemos também que Fernando Pessoa consegue ter várias personalidades representado cada uma diferentemente.

Os seus poemas são intemporais.
Full transcript