Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Movimentação Manual de Cargas/Doentes

No description
by

Filipa Santos

on 16 July 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Movimentação Manual de Cargas/Doentes

Movimentação Manual de Cargas/Doentes
O que é MMC?
Inclui operações:
Empurrar e Puxar
Transportar e Segurar
Elevar e Baixar
!
A Tarefa
O risco de lesões lombares aumenta se as tarefas forem:
Os indivíduos
A carga
O Ambiente de Trabalho
O que é uma carga segura?
Movimentação Manual de Cargas
pode ser definida como qualquer operação de
transporte
ou
sustentação de uma carga
, por um ou mais trabalhadores, que, devido às suas características ou
condições ergonómicas desfavoráveis
,
comporte riscos
para os mesmos, nomeadamente na região dorso-lombar.
Podendo a carga ser
animada
ou
inanimada
Apesar de muitas das lesões derivadas da movimentação manual de uma carga ocorrerem devido a um único acidente/incidente, muitas são cumulativas e resultam da realização das mesmas atividades repetidamente com más posturas.
Sabiam que...

O individuo passa cerca de 2/3 da sua vida no local de trabalho.

Na Europa, diariamente, 24% dos trabalhadores queixam-se de dores de costas e 22% de dores musculares.

Cerca de 15% das causas de incapacidade para o trabalho são relacionadas com lesões da coluna vertebral.

50% das reformas antecipadas na Europa resultam de perturbações graves da coluna vertebral
De acordo com a Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho
A taxa de trabalhadores da UE que afirma transportar ou deslocar cargas pesadas é ainda elevada (34, 5%).
10% dos trabalhadores da UE desempenham a sua atividade profissional no sector da Saúde e da Protecção Social
proporção significativa nos Hospitais.
77% dos trabalhadores do Sector da Saúde são do
sexo feminino.
O sector da Saúde apresenta uma
elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos
relacionados com o trabalho, apenas precedido do sector da construção.
A movimentação manual de cargas é considerada uma das principais causas de lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho (IGT, 2007)
Provoca sofrimento

Incapacidade profissional

Perda de remunerações ao trabalhador

Elevados custos para os empregadores e para a economia nacional

O que torna a movimentação manual de cargas perigosa?
Existem vários fatores de risco que tornam a movimentação manual de cargas perigosa e aumentam o risco de lesões. As lesões lombares, nomeadamente, estão relacionadas com quatro aspetos de movimentação manual de cargas.
A CARGA
A TAREFA
OS INDIVÍDUOS
O AMBIENTE DE TRABALHO
Alguns fatores individuais podem afectar o risco de lesões lombares:
Falta de experiência
, de formação ou de familiaridade com a tarefa;
Idade
- o risco de lesões sacro-lombares aumenta com a idade e com o número de anos de trabalho;
Características e a capacidade físicas, como a
altura, o peso e a força
;
Antecedentes de lesões lombares
;
Gravidez.
O risco de lesões lombares aumenta se as cargas forem:
Demasiado pesadas:
não há um limite exacto de peso que seja seguro -
um peso de 20kg a 25kg é pesado para ser sustentado pela maior parte das pessoas.
Demasiado grandes:
se as cargas forem muito grandes, nã
o é possível observar as regras básicas de elevação e transporte,
nomeadamente
manter a carga tão próxima do corpo quanto possível
, pelo que os músculos se cansam mais rapidamente.
Difíceis de agarrar:
pode fazer com que o objecto
escorregue e provoque um acidente
;
cargas com extremidades aguçadas ou com materiais perigosos podem
causar lesões aos trabalhadores.
Desequilibradas/instáveis:
causam a distribuição irregular da carga pelos músculos e cansaço, devido ao facto de o centro de gravidade do objecto estar distante do centro do corpo do trabalhador.
Difíceis de alcançar:
se para alcançar a carga for necessário esticar os braços, dobrar ou torcer o tronco, é necessário uma maior força muscular.
As seguintes características do ambiente de trabalho podem aumentar o risco de lesões lombares:
Espaço insuficiente
para a movimentação manual de cargas pode conduzir à adopção de posturas inadequadas e à deslocação de cargas de forma não segura;
Pavimento irregular
,
instável
ou
escorregadio
pode aumentar o risco de acidentes;
Calor
provoca cansaço nos trabalhadores e o suor dificulta a manipulação de ferramentas, exigindo um esforço maior;
O
frio
pode diminuir a sensibilidade das mãos tornando mais difícil agarrar objectos;
Insuficiente iluminação
pode aumentar o risco de acidentes ou obrigar os trabalhadores a colocarem-se em posições inadequadas para conseguirem ver o que estão a fazer.
Mulher
Homem
Lei n.º102/2009, de 10 de Setembro (art.57.º)
Actividades condicionadas a Grávidas:
art.3º, DL N.º 330/93 de 25 de Setembro
Prevenção
Prescrições mínimas de segurança e de saúde na
movimentação manual de cargas.
MMC
De acordo com Organização Internacional do Trabalho
A
movimentação manual de cargas
é uma das causas mais frequentes de
acidentes de trabalho
, ou seja,
20-25%
do total de acidentes.
Técnicas de
mobilização de doentes
para prevenir
lesões músculo-esqueléticas
na prestação de cuidados de saúde
Em que medida podem as atividades de mobilização de doentes ser perigosas?
Riscos associados à TAREFA
Diferentes técnicas de mobilização de doentes
Força
O
esforço físico
necessário para executar a tarefa (como
levantar corpos pesados
,
puxar
e
empurrar)
ou para assegurar o controlo de equipamentos e ferramentas.
Repetição
Executar o
mesmo movimento
ou série de movimentos de
forma contínua
ou frequente
ao longo do dia de trabalho
.
Posições incorrectas
Assumir
posições
que exercem
tensão sobre o corpo,
tais como
inclinar-se sobre uma cama
,
ajoelhar
ou
rodar o tronco
ao
mesmo tempo
que se efectuam
movimentos de elevação
.
Riscos associados ao Doente
Os
doentes não podem ser levantados como cargas,
pelo que as "regras" de elevação segura nem sempre são aplicáveis.
Os doentes não podem ser seguros junto ao corpo
Os doentes não possuem pegas
Não é possível prever o que acontecerá ao mobilizar um doente
Os doentes são volumosos
Riscos associados ao AMBIENTE
Riscos de escorregar, tropeçar e cair
Superfícies de trabalho desniveladas
Limitações de espaço (salas pequenas, presença de muitos equipamentos)
Outros Riscos
Nenhuma ajuda disponível
Equipamento inadequado
Calçado e vestuário inadequados
Falta de conhecimentos ou formação
Os
métodos aplicáveis à mobilização de doentes
podem ser divididos em
três categorias
, de acordo com as
diferentes formas de execução:
1. Métodos de transferência manual
São executados por
um ou mais prestadores
de cuidados que
utilizam a sua força muscular
e, sempre que possível, a eventual
capacidade residual de mobilização do doente envolvido.
2.Métodos de transferência, utilizando pequenos meios auxiliares de mobilização de doentes
São
técnicas de mobilização de doentes
executadas através de
meios auxiliares específicos
, tais como
lençóis deslizantes em tecido de baixa fricção
,
cintos ergonómicos
,
estribos rotativos
, uma
barra
de
trapézio fixada por cima da cama
, etc.
3. Métodos de transferência, utilizando grandes meios auxiliares de mobilização de doentes
Estas técnicas de mobilização são executadas através de
equipamentos de elevação electromecânicos.
Escolher a Técnica de Mobilização de Doentes Adequada
Avaliação das
necessidades
e
capacidades
do doente envolvido
A avaliação do doente deve incluir o exame de factores como:
O nível de assistência exigido pelo doente.
O tamanho e o peso do doente.
A capacidade e a vontade do doente em compreender e cooperar.
Condições clínicas que possam influenciar a escolha dos métodos de levante ou posicionamento.
Mobilização manual de doentes aumenta o
Risco de LME
para os Assistentes Operacionais:
Os corpos dos doentes possuem uma
distribuição assimétrica do peso
e não possuem áreas estáveis para agarrar. Por conseguinte, torna-se dificil para o profissional sustentar o peso do doente junto do seu próprio corpo.
Em algumas situações, os doentes podem estar num
estado de agitação
, rebeldia, não reacção ou podem oferecer graus de cooperação limitados, aumentando o risco de lesão.
O a
mbiente físico e/ou estrutural
dos cuidados pode exigir posições e
posturas incorrectas
que aumentam a susceptibilidade de desenvolver uma lesão músculo-esquelética.
Em conjunto, estes factores conjugam-se de modo a criar uma carga insegura que os AO não conseguem gerir adequadamente. Mesmo com a ajuda de outros funcionarios, é importante notar que a exposição ao risco persiste.

Por conseguinte,
o levante manual de doentes dever minimizado em todos os casos e evitado quando possível. A utilização de grandes meios auxiliares de mobilização de doentes deve ser sempre incentivada.
Princípios básicos aplicáveis às técnicas de
MMD
1. Procurar sempre a ajuda de assistentes quando necessário
As operações de mobilização que envolvem doentes imobilizados devem ser executadas por
vários prestadores de cuidados
(
no mínimo dois
) e, se necessário, com recurso a um lençol colocado por baixo do doente ou, melhor ainda,
utilizando meios auxiliares específicos
, tais como lençóis deslizantes.
2. Antes de Iniciar qualquer tipo de actividade de mobilização, o prestador de cuidados deve posicionar-se o mais perto possível do doente, colocando o joelho na cama deste, se necessário.
Deste modo, não será necessário inclinar-se ou estender-se sobre a cama durante a operação de levante e transferência do doente, nem fazer esforços físicos necessários enquanto as costas estiverem flectidas ou torcidas.
Esta atitude é
vantajosa
para ambos: para o
doente
, porque poderá melhorar o seu tropismo muscular; para o
prestador de cuidados
, uma vez que o doente, sendo capaz de se movimentar, mesmo que ligeiramente, poderá executar ele próprio algumas operações, bastando ao prestador de cuidados
orientar os seus movimentos
.
3. Antes de iniciar qualquer tipo de operação de mobilização, explique o procedimento ao doente e incentive-o a cooperar o máximo possível no decurso da actividade de mobilização.
Vamos virá-lo de lado
Atenção! Pronto? Upa!
4. Manter uma postura correcta durante as operações de mobilização de doentes
Mais especificamente, antes de iniciar o levante ou a transferência do doente, o prestador de cuidados deve posicionar-se com as
pernas ligeiramente afastadas
e um pé c
olocado ligeiramente à frente
a fim de assegurar uma base de apoio mais ampla.

Durante o levante do doente, devem ser utilizados preferencialmente os
músculos das pernas e das ancas em vez dos músculos da parte superior do corpo
, primeiro flectindo e depois
estendendo lentamente os joelhos ao levantar o doente.
A coluna vertebral deve ser mantida numa posição de acordo com a sua curva natural, tendo o cuidado de evitar sobrecargas ao alongar ou flectir. Além disso, o
prestador de cuidados deve sempre tentar deslocar o seu peso de acordo com o movimento que está executar.
5. Segurar firmemente durante as operações de mobilização de doentes
Nunca agarre um doente apenas com os dedos; utilize toda a mão e tente identificar as zonas que permitem segurar firmemente. Agarre o doente envolvendo a
zona pélvica, a cintura
ou as
omoplatas
;
nunca agarre o doente pelos braços ou pelas pernas.
Para segurar com mais firmeza, alguns prestadores de cuidados poderão necessitar de agarrar as calças de pijama do doente ou, melhor ainda, utilizar meios auxiliares específicos, por exemplo, cintos com pegas.
6. Usar calçado e vestuário adequado
É importante usar calçado com
boa aderência
; assim, não se recomenda o uso de sapatos de salto alto, socas ou chinelos. O vestuário não deve restringir os movimentos do prestador de cuidados.

Os profissionais devem ter em atenção os seguintes princípios:
Observação:
No entanto, se houver necessidade de inclinar o tronco deve-se garantir que a coluna não fique arqueada.
Manter as costas erectas.
Isso é conseguido dobrando-se os joelhos e pela acção voluntária da musculatura estriada, que firma o dorso. Assim, assegura-se que as pressões nos discos intervertebrais sejam uniformemente distribuídas.
Evitar torções do tronco
, pois causam tensões indesejáveis e cargas assimétricas nas vértebras;

Os
músculos
devem estar sempre
ligeiramente contraídos.
Deve-se preparar os músculos para a acção antes da actividade, a fim de proteger os ligamentos e os músculos de lesões. Para levantar peso deve-se contrair os músculos do abdómen e glúteos.
Pressão uniforme nos discos intervertebrais
Carga assimétrica nos discos intervertebrais.
Assumir uma
postura de base ampla
e
dobrar o joelho.
A estabilidade é maior quando os pés estão distanciados um do outro cerca de 25 a 30 cm;

Usar o próprio peso
para contrabalançar o peso do doente requer menor energia do movimento;
A força necessária para manter o equilíbrio do corpo é maior quando a linha da gravidade está mais afastada do centro da base de sustentação.


A pessoa que segura um peso junto ao seu corpo faz menos esforço que aquela que segura o peso com braços estendidos.
A
altura da cama deve ser regulada
tendo por base o nível de menor risco para os profissionais, ou seja deverá ser regulado o mais próximo possível da altura da cintura dos profissionais "POWER ZONE"
Exemplos de Técnicas de mobilização de doentes adequadas para TRANSFERÊNCIAS diferentes.
1. Transferências que envolvem

posições sentadas
Transferência Cama- Cadeira (de rodas)
...
2. Posicionamento
Mover um doente de um lado para o outro na cama
..
Mover um doente para cima na cama
..
Levantar um doente na cadeira
..
3. Mover um doente que caiu no chão
Mover para a cadeira um doente que caiu no chão
.
Transferência Cama- Cadeira (de rodas)
Método de transferência manual
Um prestador de cuidados
Peça ao doente que olhe para os pés.
Desta forma, aumenta a tensão muscular abdominal do doente, permitindo maior cooperação.
Ajuste adequadamente a altura da cama em função da sua própria altura.
Peça ao doente que se incline para a frente e faça força nas pernas durante a transferência.
Este procedimento facilita o levante do doente da posição sentada para a posição de pé.
Utilize preferencialmente os músculos das pernas e das ancas em vez dos músculos da parte superior do corpo durante o levante do doente.
Primeiro flicta e depois estenda lentamente os joelhos ao levantar o doente.
Contrabalance o peso do doente com o seu próprio peso.
Se necessário, sustente o joelho do doente entre os seus próprios joelhos/pernas para orientar o movimento.
Transferência Cama- Cadeira (de rodas)
Método de transferência manual
Dois prestador de cuidados
Os movimentos dos prestadores de cuidados devem estar sincronizados ao executar a transferência do doente. A comunicação entre ambos os prestadores de cuidados é muito importante.
Transferência Cama- Cadeira (de rodas)
Utilização de pequenos meios auxiliares de mobilização de doentes
Na execução dos métodos abordados anteriormente, podem ser utilizados pequenos meios auxiliares de mobilização de doentes:
Barra de trapézio
Cinto ergonómico
Prancha ou lençol deslizante
Estribos rotativos
Elevadores
Existem vários tipos de meios auxiliares de mobilização de doentes.
Cada fabricante tem instruções de operação específicas para a utilização dos meios auxiliares.
Mover um doente de um lado para o outro na cama
Método de transferência manual
Um prestador de cuidados
Divida o processo de transferência em três partes:
- pernas
- cintura
- ombros
Arraste o peso do doente utilizando o seu próprio peso. Utilize preferencialmente os músculos das pernas e das ancas em vez dos músculos da parte superior do corpo.
Peça ao doente que olhe para os pés. Desta forma, aumenta a tensão muscular abdominal do doente, permitindo maior cooperação.
Ajuste adequadamente a altura da cama em função da sua própria altura.
Mover um doente de um lado para o outro na cama
Método de transferência manual
Dois prestadores de cuidados
Contrabalançar o peso do doente com o vosso próprio peso.
Os movimentos dos prestadores de cuidados devem estar sincronizados ao executar a transferência do doente. A comunicação entre ambos os prestadores de cuidados é muito importante.
Mover um doente para cima da cama
Método de transferência manual
Um prestador de cuidados
Ajuste a altura da cama em função da sua própria altura.
Peça ao doente que flicta o joelho, olhe para os pés, e por fim, que faça força sobre o pé.
Durante a Transferência, desloque o seu próprio peso de um lado para o outro, mantendo as costas direitas.
Mover um doente para cima da cama
Método de transferência manual
Dois prestadores de cuidados
Peçam ao doente que coloque as
mãos na cabeceira da cama
e a
empurre durante a transferência
, ao mesmo tempo que faz força com o pé.
Durante o levante do doente, utilizem preferencialmente os
músculos das pernas e das ancas
e não os músculos da parte superior do corpo,
primeiro flectindo e depois estendo lentamente os joelhos
ao levantar o doente.
Os movimentos dos prestadores de cuidados devem estar
sincronizados
ao executar a transferência do doente.
A comunicação é muito importante.
Levantar um doente na cadeira
Método de transferência manual
Um prestador de cuidados
Antes de começar, certifique-se de que os
pés do doente
estão o
mais perto possível da cadeira.
Peça ao doente para se
inclinar para a frente
o máximo possível e ajude-o colocando os
braços dele em torno do seu tronco.
Peça ao doente para se inclinar para a frente e fazer
força nas pernas durante a transferência
. Desta forma, o levante será mais fácil.
Utilizar preferencialmente os
músculos das pernas
e das
ancas
em vez dos músculos da parte superior do corpo.
Levantar um doente na cadeira
Método de transferência manual
Dois prestadores de cuidados
Durante o levante do doente, utilizem preferencialmente os
músculos das pernas e das ancas
e não os músculos da parte superior do corpo,
primeiro flectindo
e depois
estendendo lentamente os joelhos ao levantar o doente.
Durante a transferência, desloquem o vosso próprio peso de um lado para o outro, mantendo as costas direitas.
Os movimentos dos prestadores de cuidados devem estar sincronizados ao executar a transferência do doente. A comunicação entre ambos os prestadores de cuidados é muito importante.
Mover para a cadeira um doente que caiu no chão
Método de transferência manual
Dois prestadores de cuidados
Nota: É sempre necessário um número par de operadores para este tipo de técnica de mobilização
Primeiro coloquem o doente numa
posição sentada
.


Utilizem preferencialmente os músculos das pernas e das ancas em vez dos músculos da parte superior do corpo durante o levante do doente.
Durante a transferência do chão para a cadeira, desloquem o vosso próprio peso de um lado para o outro, mantendo as costas direitas.
Peçam ao doente que faça força com os pés. Deste modo, a cooperação será maior.
Os movimentos dos prestadores de cuidados devem estar sincronizados ao executar a transferência do doente. A comunicação entre ambos os prestadores de cuidados é muito importante.
Bibliografia
Movimentação Manual de Doentes
Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho
E-facts 28: Técnicas de mobilização de doentes para prevenir lesões músculo-esqueléticas na prestação de cuidados de saúde (2008);
Demasiado
extenuantes
, por exemplo, se forem realizadas com muita frequência ou durante demasiado tempo;
Exigirem
posturas ou movimentos difíceis
, por exemplo o tronco dobrado e/ou torcido, os braços levantados, os punhos dobrados ou uma forte extensão;
Exigirem
movimentos repetitivos
.
1. Procurar sempre a ajuda de assistentes quando necessário
2. Antes de Iniciar qualquer tipo de actividade de mobilização, o prestador de cuidados deve posicionar-se o mais perto possível do doente, colocando o joelho na cama deste, se necessário.
3. Antes de iniciar qualquer tipo de operação de mobilização, explique o procedimento ao doente e incentive-o a cooperar o máximo possível no decurso da actividade de mobilização.
4. Manter uma postura correcta durante as operações de mobilização de doentes.
5. Segurar firmemente durante as operações de mobilização de doentes
6. Usar calçado e vestuário adequado.
Facts 10: Disturbios sacrolombares relacionados com o trabalho (2000).
Facts 73: Perigos e riscos associados à movimentação manual de cargas no local de trabalho
Occupacional Safety and Health Administration (OSHA)
Guidelines for Nursing Homes; Ergonomics for the Prevention of Musculoskeletal Disosders (2009)
Artigo 4.º
Medidas gerais de prevenção
1- O
empregador
deve
adoptar medidas de organização do trabalho
adequadas ou
utilizar os meios apropriados
, nomeadamente
equipamentos mecânicos
, de modo a
evitar a movimentação manual
de cargas pelos trabalhadores.
2-
Sempre que não seja possível evitar
a
movimentação manual de cargas,
o
empregador deve adoptar
as
medidas
apropriadas de organização do trabalho,
utilizar
ou
fornecer aos trabalhadores
os
meios adequado
s, a fim de que essa
movimentação seja o mais segura possível.
Artigo 5.º
Avaliação de referência de risco
1 - O
empregador
deve proceder à
avaliação dos elementos
de referência do
risco da movimentação manual de cargas
e das c
ondições de segurança
e de
saúde
daquele tipo de trabalho, considerando, nomeadamente:
a) As características da carga:
Carga demasiado pesada
- superior a 30Kg em operações ocasionais e superior a 20Kg em operações frequente;
Carga muito volumosa
ou difícil de agarrar;
Carga em equilíbrio instável
ou com conteúdo sujeito a deslocações;
Carga
colocada de tal modo que deve ser mantida ou
manipulada à distância do tronco
, ou com flexão ou torção do tronco;
Carga suceptível
, devido ao seu aspecto exterior e à sua consistência, de
provocar lesões no trabalhador,
nomeadamente em caso de choque;

b)
O esforço físico exigido:
Quando seja
excessivo para o trabalhador;
Quando
apenas possa ser realizado
mediante um
movimento de torção do tronco
;
Quando possa
implicar um movimento brusco
da carga;
Quando seja efectuado com o
corpo em posição instável.
2- O
empregador deve tomar as medidas apropriadas
para
evitar ou reduzir os riscos,
nomeadamente para a região dorso-lombar, nas seguintes situações:
Espaço livre,
nomeadamente vertical, insuficiente para o exercício da actividade em causa;
Pavimento irregular
que implique riscos de tropeçar ou seja escorregadio;
Pavimento ou plano de trabalho com desníveis
que impliquem movimentação manual de cargas em diversos níveis;
Local ou condições de trabalho
que
não permitam
ao trabalhador
movimentar manualmente as cargas
a uma
altura segura
ou numa
postura correcta
;
Pavimento
ou
ponto de apoio instávei
s;
Temperatura, humidad
e ou
circulação de ar inadequadas
.
3 - O
empregador
deve tomar, ainda,
medidas apropriada
s quando a actividade implique:
Esforços físicos
que solicitem, nomeadamente, a
coluna vertebral
e sejam
frequentes
ou
prolongados
;
Período insuficiente de descanso fisiológico
ou de recuperação;
Grandes distâncias de elevação
,
abaixamento
ou
transporte
;
Cadência que não possa ser controlada
pelo trabalhador.
Artigo 8.º
Informação e formação dos trabalhadores
1- O
empregador
deve
facultar aos trabalhadores expostos
, assim como aos seus representantes na empresa ou no estabelecimento,
informação
sobre:
a) Os
riscos potenciais para a saúde
derivados da incorrecta movimentação manual de cargas;
b) O
peso máximo
e outras
características da carga
;
c) O
centro de gravidade da carga
e o
lado mais pesado
da mesma, quando o conteúdo de uma embalagem tiver uma
distribuição não uniforme de peso
.

2 - O
empregador
deve providenciar no sentido de os
trabalhadores receberem formação adequada
e
informações precisas sobre a movimentação correcta de cargas
.
Técnicas de mobilização de doentes para prevenir lesões
No meu posto de trabalho a
movimentação manual de cargas/doente
é feita
utilizando técnicas adequadas
?

!!!Não esquecer:
Prevenir é agir corretacmente, em tempo útil.
Estatística
Acidentes de Trabalho, EE, HPH
2014
Posição Correta
Posições
Incorretas
Postura Correta
Posturas
Incorretas
Postura Correta
Postura Incorreta
Transporte de carros/macas
Preferencialmente EMPURRAR, usando sempre as duas mãos.
Deve manter os cotovelos junto ao corpo.
Ao EMPURRAR a carga:
Manter o corpo próximo dela.
Não se inclinar sobre ela.
Usar a força dos dois braços para desloca-la.
Manter os músculos do abdómen contraídos.
Se tiver de PUXAR a carga:
Manter-se atrás da carga e posicionar um pé diante do outro, pelo menos, 30 cm entre eles.
Manter as costas erectas.
Curvar ligeiramente as pernas.
Recuar com passos uniformes.
No transporte de cargas, deve-se, sempre,
manter a cabeça e as costas em linha recta.
Posturas corretas no transporte
Exemplos - Vídeos

Operações que
comportem riscos,
nomeadamente
dorso-lombares
, tais como,
levantar, puxar, empurrar e transportar
uma carga.
Avaliar o Trabalho
Reduzir os Riscos
Adaptar o Posto de Trabalho
Informar, formar e consultar os trabalhadores
Organizar um exame médico regular
Full transcript