Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Desenho-Estória e Desenho de Família com Estória

No description
by

Jessica Veiga

on 22 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Desenho-Estória e Desenho de Família com Estória

Procedimentos de desenhos-estórias D-E
Aplicação:
1. O examinador senta-se a frente do sujeito. É dada a tarefa após a verificação de um bom rapport.
2. Espalham-se os lápis sobre a mesa
3. Coloca-se uma folha na posição horizontal com o lado maior próximo ao sujeito.
4. Solicita-se que o sujeito faça um desenho livre.
5. Quando estiver concluido o mesmo não e retirado, solicitando que o mesmo conte uma estória associada ao desenho.

Procedimentos de desenhos-estórias D-E
Procedimentos de desenhos-estórias D-E
Procedimentos de desenhos-estórias D-E
Ele consiste de cinco unidades de produção, que são realizadas pelo examinando, sendo cada qual composta de desenho livre, estória “inquérito” e título. A ordem sequencial composta de desenho livre, não se modifica ao longo do exame ate que se obtenha as cinco unidades de produção.

Procedimentos de desenhos-estórias D-E
Condições de aplicação:

As condições do sujeito são aquelas normalmente exigidas para o exame psicológico, com especial refêrencia á verificação de saúde, disposição psíquica para o exame, ausência de fadiga etc.

Procedimentos de desenhos-estórias D-E
Foi introduzido em 1972, como meio auxiliar de ampliação do conhecimento da dinâmica psíquica no diagnóstico psicológico.

“ o desenho livre, associado a estórias em que ele figura como estímulo para essas estórias, constitui instrumento com características próprias para obtenção de informações sobre a personalidade em aspectos que não são facilmente detectáveis pela entrevista psicológica direta” ( Trinca, 1972, p. 28)

Desenho-Estória e Desenho de Família com Estória
Procedimentos de desenhos-estórias D-E
A técnica de aplicação é bastante simples, solicita ao participante que ele realize seguidamente uma série de cinco desenhos livres ( cromáticos ou acromáticos), cada qual sendo estimulo para que conte estória, associada livremente, logo após a realização de cada desenho.

Procedimentos de desenhos-estórias D-E

Material necessário:
1. Folhas de papel em branco, sem pauta, de tamanho ofício
2. Lápis preto ( ponta de grafite), entre macio e duro (n°2)
3. Caixa de lápis de cor de doze unidades

Inquérito:
Esta fase destina-se á obtenção de esclarecimentos e novas associações destinados á ampliação do exame como um todo. Se baseando em associações livres. Sendo necessário o máximo de penetração onírica possível.

Profª: Camila Martins
Fabiana de Sousa Batista
Jéssica Tavares Rodrigues Alencastro Veiga
Valdemar Moura de Carvalho Júnior

Procedimento de Desenho de Família com Estórias (DF-E)
Técnica de investigação clinica da personalidade. Não se trata de teste psicológico, e sim de um instrumento para uso clinico e pesquisa.
O examinando realiza uma série de quatro desenhos de família, tendo concluído o desenho e a respectiva estória, o sujeito segue fornecendo esclarecimento (fase de “inquérito”) e o titulo da produção.

Procedimento de Desenho de Família com Estórias (DF-E)
Cada desenho de família tem uma instrução definida e uma ordem regular no processo de aplicação, que são as seguintes:
A)”Desenhe uma família qualquer”;
B)”Desenhe uma família que você gostaria de ter”;
C)”Desenhe uma família em que alguém não está bem’’;
D)’’Desenhe a sua família”;

Aplicação
Individual, Podendo ser usado para crianças, adolescentes ou adultos de ambos os sexos que conseguem desenhar e verbalizar.

Fundamentação
Assim, espera-se que o DF-E facilite a comunicação de conflitos profundos vividos no meio familiar, de fantasias inconscientes a respeito das figuras significativas e do jogo de forças emocionais existente no seio da família
Utilização
Recomenda-se sua aplicação nos casos em que o profissional intua que as perturbações emocionais se devem predominantemente a conflitos e fatores familiares.

Avaliação
A avaliação é feita com base em conhecimentos provenientes de várias fontes. São fontes imediatas as teorias psicanalíticas, as técnicas de interpretação de desenhos projetivos , os testes de apercepção temática e os conhecimentos sobre a dinâmica da família.

Referencial Inicial
Com fundamentação psicanalítica , Trinca (1987, pg. 36) propôs um referencial de análise composto por dez áreas ou categorias:
I. Atitude Básica.
II. Figuras significativas.
III. Sentimentos expressos.
IV. Tendências e desejos.
V. Impulsos.
VI. Ansiedades.
VII. Mecanismos de defesa.
IX. Simbolismos apresentados.
X. Outras áreas da experiência.
Concluída a parte de contar uma estória do primeiro desenho, passa-se ao inquérito. Solicitando ao sujeito quaisquer esclarecimento nescessario á compreensão e interpretação do material.
Após a conclusão da estória, e ainda com o desenho diante do sujeito pede-se-lhe o título da produção.
Pretende-se conseguir uma serie de cinco unidades de produção. Assim concluída a primeira unidade, repete-se os mesmos procedimentos para as demais unidades.
O DF-E inclui-se dentro do diagnóstico compreensivo (Trinca, 1984), que enfatiza o valor das técnicas clínicas fundamentadas na associação livre.
Origem do DF-E
A técnica foi inicialmente difundida na Europa por Porot (1952). O Procedimento de Desenhos de Família com Estórias foi originalmente proposto por Trinca em 1978 numa ordem diferente da atual.
A vida familiar é geradora de confusão entre o dentro e o fora familiar e intrapessoal, entre o passado e o presente, entre o mundo da percepção e o mundo do significado.
Finalidade
Detectar conteúdos inconsciente e conscientes que se referem à relações do sujeito com objetos internos e externos pertencentes a seu mundo familiar. Identificação de conflitos decorrentes das relações familiares e suas implicações. Permite observar pontos expressivos da dinâmica familiar, tanto no plano da fantasia como no mundo real.
Empregos sob diferentes teorias
A forma de analisar o DF-E emprega o substrato teórico da Psicanálise. Outros enfoques podem concorrer para a análise entre eles o gestáltico, a análise transacional, o junguiano, o fenomenológico e a análise do comportamento
Usos clínicos
O Procedimento de Desenhos de Famílias com Estórias pode ser utilizado tanto no diagnóstico como na terapia familiar e de casal.
1. Família Feliz
2. Família Bonita
3. Família Triste
4. Família Normal
Obrigado a todos!!
A família, qualquer que seja sua constituição, é o núcleo primordial que recebe e contém a criança, o lugar onde ela realiza a experiência de existir como um ser em si mesmo.
Full transcript