Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

o negro e a desigualdade social

No description
by

Gabriela Liberato Alves

on 19 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of o negro e a desigualdade social

Gabriela Liberato
Iglê Cardoso
Lara Alves
Luisa Fernandes

O Que é Raça?
A atuação do psicólogo deve contemplar todo o ser biopsicossocial, respeitando sua singularidade. Portanto, não deve haver distinção nas formas de tratamento entre brancos, amarelos e negros, visto que há o propósito de tratar o ser humano independente de sua raça.
Problema
O que o negro pensa sobre a desigualdade social?
Como negro se posiciona diante a desigualdade social?

O Negro e a Desigualdade Social
Fundamentação Teórica
Cognição social;
Juízo social;
Esquemas;
Cultura;
Percepção social;
Auto conceito;
Auto consciência;
Visão do eu independente;
Teoria da auto consciência;
Mudança de atitude gerada por razões.
WQQA
Qual a relação deste tema com a Psicologia Social?
Recorte Escolhido
O negro e a desigualdade social
Justificativa
Público alvo de fácil acesso para aplicação dos questionários;
Compreensão da cultura negra brasileira, por parte das pesquisadoras, sem desconsiderar outras;
Verificar se há a presença do racismo velado na sociedade brasileira.
Hipótese
O grupo acredita que grande parte dos negros têm consciência da desigualdade social.
Objetivo
Verificar a visão do negro acerca da desigualdade social e as consequências que esta traz para sua individualidade e posicionamento no mundo.
Questionário

Negrxs;
Qualquer grau de escolaridade;
De todas as classes sociais;
De 18 a 55 anos.
Público Alvo
Aplicação
Os questionários foram aplicados pessoalmente: em ambiente universitário, colégios públicos e entre amigos e familiares das pesquisadoras; e virtualmente: via Google Drive e E-mail;
Foram aplicados 50 questionários.


Resultados e discussão
Erros e acertos
Conclusões
Linha do Tempo
A Resolução n° 018/2002 do Conselho Federal de Psicologia

Ao estabelecer em seu artigo 2°, "que os psicólogos não exercerão qualquer ação que favoreça a discriminação ou preconceito de raça ou etnia."
Erros
Os questionários deveriam ter sido aplicados em mesma quantidade nas variáveis gênero, escolaridade e renda familiar;
O termo "maquiado" utilizado no questionário gerou dúvidas por parte dos participantes;
A linguagem utilizada no questionário deveria ser mais acessível para compreensão de todo o público alvo.
Questões Abordadas
Identificação dos Participantes
Gráfico 1 - Renda Familiar dos participantes
Gráfico 2 - Grau de Escolaridade dos Participantes
Resultados Gerais
Gráfico 3 - Relação entre percepção do racismo e a aplicação da justiça
Gráfico 4 - Questionamento da raça por parte dos participantes
Acertos
Referências
Gráfico 5 - Grau de escolaridade e percepção de tratamento diferenciado
No latim medieval, o termo passou a designar a descendência e linhagem.
O seu primeiro uso foi na Zoologia e Botânica para classificar as espécies animais e vegetais;
Para a terminologia científica a espécie humana é dividida em três raças : branca, negra e amarela;
O conceito de raça tem seu campo semântico e uma dimensão temporal e espacial;
O termo “raça”, como um conceito, serve para operacionalizar o conhecimento. Porém, ao longo da história desembocou numa operação de hierarquização, poder e dominação.
Grande parte das perguntas presentes no questionário contribuíram para a investigação da hipótese;
As questões abertas possibilitaram o melhor entendimento acerca da desigualdade social , com o auxílio de experiências pessoais apresentadas pelos participantes.
O racismo velado e a desigualdade social estabelecidos em consequência da escravidão, perduram na sociedade brasileira ainda atualmente. Através do questionário pôde-se perceber que o negro tem se empoderado com o intuito de buscar a equidade entre as raças. Ao concluir a pesquisa nota-se que a hipótese foi confirmada.
Rosemberg, F., & Andrade, L. F. (2008). Ação afirmativa no ensino superior brasileiro.
cadernos pagu, 31
, 419-437.
Heringer, Rosana. (2002). Desigualdades raciais no Brasil: síntese de indicadores e desafios no campo das políticas públicas.
Cadernos de Saúde Pública, 18
(Suppl. ), S57-S65.
MUNANGA, K. (2010). Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia, 2006.
www. geledes. org. br/.../por-kabengele-munanga-uma-abordagem-conceitual-das-nocoes-de-raca-racismo-identidade-e-etnia. htm>. Acesso, 9
, 1-2.
Linha do tempo "história da desigualdade"
Definição do conceito "raça"
Relação do tema com a Psicologia Social
Recorte escolhido dentro conceito
Apresentação da charge de Xêidiarte
Justificativa do recorte escolhido
Objetivo em relação ao trabalho
Fundamentação teórica
Trecho do documentário "What Happened, Miss Simone?"
Problema
Hipótese
Apresentação do questionário e sua aplicação
Resultados e discussão
Vídeo de campanha do Conapred
Erros e acertos
Conclusões
Referências
Mapa Geral
Resultados Gerais
Gráfico 6 - A visão do negro diante a justiça aplicada entre raças
Gráfico 7 - A visão do negro diante as oportunidade no mercado de trabalho
Respostas Transcritas - Gráfico 4
"Sim. Muitas vezes, os negros brasileiros são treinados desde pequeno a ter vergonha de sua cor ,dos seus traços ,do seu cabelo. Já me falaram que eu era "mulato" ou moreno por ser um pouco mais claro e ter os traços mais finos. Não existe etinia parda ou morena. Eu sou é negro !!!"

"Sim. Já me declarei pardo porque meus pais falaram que eu era dessa cor."

"Sim. Pois a sociedade possui um "padrão" e por muito tempo quis me adequar a esse padrão."
Full transcript