Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

FATORES DE RISCO E DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS ATÉ O TERC

No description
by

Carla Suzana Oliveira e Silva

on 23 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of FATORES DE RISCO E DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS ATÉ O TERC

FATORES DE RISCO E DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS ATÉ O TERCEIRO MÊS DE VIDA
Avaliação do
desenvolvimento,
neuromotor e em paralisia cerebral,
GMFC (Gross Motor Function Classification System);
GMFM (Gross Motor Function Measure);
PEDI (Pediatric Evaluation of Disability Inventory);
Peabody Developmental Motor Scale (Escala PDMS II)
Gráfico do Desenvolvimento Motor de Zdanska Brincken
Desde o momento em
que os pais são informados
sobre a gestação surgem dúvidas,
preocupações e expectativas quanto ao desenvolvimento do bebê, as quais seguem após o seu nascimento. Tais questões vêm sendo alvo de pesquisa por pesquisadores em todo o mundo, buscando o desenvolvimento de técnicas que propiciem o desenvolvimento do bebê, meios de identificação precoce de doenças, a fim de ser tratadas o
quanto antes, assim como meios
para a estimulação
precoce.
Dentro destas questões
vem sendo desenvolvidos inúmeros
testes, inventários e escalas que tem oferecido resultados satisfatórios para a questão. Para a mensuração do desenvolvimento do bebê faz-se importante a utilização de um bom instrumento, o qual mensura adequadamente diversas áreas do desenvolvimento como o desenvolvimento motor, cognitivo, socialização, linguagem e autocuidado.
Por fim, pode-se identificar o TIMP (Test of Infant Motor Performance), teste com a função motora do comportamento utilizado por profissionais da saúde que trabalham na intervenção precoce de RN
Além da importância
dos testes para avaliação
do desenvolvimento do bebê
autores apontam outros fatores
de risco, tais como filhos de
mães adolescentes, filhos de mães
com idade superior a 35 anos, nascimento prematuro, bebês
expostos a agentes químicos, escolaridade dos pais,
pobreza, desnutrição e
violência doméstica.

Desenvolvimento do comportamento da criança no primeiro ano de vida - Escala com mais recente padronização no Brasil
Avaliação Geral do Desenvolvimento
Inventário Portage Operacionalizado (IPO)
Teste Denver,
Escala de Avaliação do Desenvolvimento Psicomotor Infantil (EADP)
Escalas Bayley
Teste de Gesell
foi o mais antigo teste
publicado, a saber, em 1947.
Identificação de Atraso Motor
Movement Assesment Infant (MAI)
Alberta Infant Motor Scale (AIMS)
O presente estudo buscou caracterizar o perfil sócio demográfico dos pais atendidos e correlacioná-lo com o desenvolvimento de bebês até o terceiro mês de vida, através da avaliação do desenvolvimento motor, por este abarcar outras questões do desenvolvimento
Materiais e Métodos
Aprovado pelo Comitê de Ética da UFGD (CONEP, 2012);
Participantes: 57 mães e bebê;
Questionário semi-dirigido objetivando identificar a história gestacional e dados da saúde da mãe e do bebê, no período pré e pós-natal;
Inventário Portage Operacionalizado – IPO (WILLIANS; AIELLO, 2001);
Os dados foram tabulados, organizados em tabela e analisados a partir do SPSS para análise estatística, a partir de análise de estatística descritiva e correlacional, com
o teste de Spearma’s rho.
A correlação idade e desenvolvimento motor foi positiva e significante (p= O,046) quando considerado o segundo mês de vida do bebê. O dado correlacional aponta para quanto maior a idade melhor o desempenho do bebê
Resultados
e Discussão
Referências
BATISTA E. O bebê prematuro e o desenvolvimento do comportamento no primeiro ano de vida. Psicologia: Reflexão e Crítica/Psychology, v.22, n.1. p 76 - 85, 2009.

RUGOLO, L.M.S.S. Crescimento e desenvolvimento a longo prazo do prematuro extremo. Jornal de Pediatria, v.81, n.1 (Supl.) p.101 -110, 2005.

LINHARES, Maria Beatriz Martins et al . Suporte psicológico ao desenvolvimento de bebês pré-termo com peso de nascimento < 1500 g: na UTI- neonatal e no seguimento longitudinal. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 7, n. 3, 1999.

MADASCHI, Vanessa. PAULA, Cristiane Silvestre. Medidas de avaliação do desenvolvimento infantil: uma revisão da literatura nos últimos cinco anos. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, v.11, n.1, p. 52-56, 2011.

MÉLO, Tainá Ribas. Escalas de Avaliação do Desenvolvimento e Habilidades Motoras; AIMS, PEDI, GMFM E GMFCS. In: CASTILHO-WEINERT, Luciana Vieira. FORTI-BELLANI, Cláudia Diehl. Fisioterapia em Neuropediatria (Ed.), Curitiba, PR: Omnipax, 2011, p. 23-42.
RODRIGUES, Olga Maria Piazentin Rolim. Escalas de desenvolvimento infantil e o uso com bebês. Educar em Revista, Curitiba, n. 43, Mar. 2012.

SILVA, Naíme Diane Sauaia Holanda et al . Instrumentos de avaliação do desenvolvimento infantil de recém-nascidos prematuros. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 21, n. 1, 2011.


VIEIRA, Martina E. B. RIBEIRO, Fabiane V. FORMIGA, Cibelle K. M. R. Principais Instrumentos de Avaliação do Desenvolvimento da Criança de Zero a Dois Anos de Idade. Revista Movimenta, São Paulo, v. 2, n. 1, 2009.

Resultados
Resultados
A correlação prematuridade e desenvolvimento motor até o terceiro mês de vida não
apontou significância, estando os
mesmos atendidos em suas
necessidades de estimulação e
atenção nesta área.
Entre as mães convidadas, 26% tem participado do projeto.
Baixo o índice de bebês
prematuros (10,8%) e pós-termo (1,8%)
Entre as intercorrências no parto a mais grave referiu-se à queda de bebê durante o parto natural, chamando atenção para o cuidado em relação a partos que se desenvolvem extremamente rápidos.
O fator de risco mais preocupante da
população atendida seria a atenção à
mãe adolescente e os cuidados
para estimulação e
desenvolvimento motor
Carla Suzana Oliveira e Silva, Verônica Aparecida Pereira;
Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues, Vanessa Faria Mendes, Taís Chiodelli
Full transcript