Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PRÉ-ESCOLAR SOB O ENFOQUE DA CONSULTA DE ENFERMAGEM

No description
by

Lívia Pereira

on 18 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PRÉ-ESCOLAR SOB O ENFOQUE DA CONSULTA DE ENFERMAGEM

Introdução Objetivos Caminhos Metodologicos Aspectos Éticos Resultados e Discussão Caminhos Metodológicos Considerações Iniciais Objetivo Geral:

Analisar a situação de saúde com foco no processo de crescimento e desenvolvimento dos pré-escolares matriculados em uma Escola Municipal de Salvador – Bahia. CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PRÉ-ESCOLAR SOB O ENFOQUE DA CONSULTA DE ENFERMAGEM Para obtenção dos dados utilizamos a check list dos prontuários utilizados na consulta de enfermagem contendo dados relevantes para avaliação do crescimento e desenvolvimento das crianças;

A coleta de dados foi realizada entre outubro a novembro de 2012;

Os dados colhidos foram organizados, analisados e apresentados em forma de tabelas e inseridos nos programas Statistical Package for the Social Sciencies (SPSS), Windows, versão 12.0, e Epi Info WindowS; O anonimato de todas as crianças na análise dos dados foi garantido, trocando os seus nomes por iniciais. Além disso, a direção da escola consentiu o uso, coleta e publicação dos dados dos prontuários.

É importante salientar que o exame físico não se configurou de maneira completa, por conta de possíveis riscos/constrangimentos durante o exame da genitália (esta não foi examinada). Os procedimentos dessa pesquisa não resultou em qualquer risco à vida, a integridade e a saúde dos envolvidos. LISTAR AS CARACTERÍSTICAS DO DESENVOLVIMENTO AVALIADAS NESSES PRÉ-ESCOLARES

Das 50 crianças avaliadas, 32 eram crianças do sexo masculino e 18 do sexo feminino, regularmente matriculadas na escola. Critério de Inclusão :

Pré-escolares devidamente matriculados e que participaram da consulta de enfermagem realizada pela disciplina Atenção a Saúde da Criança e do Adolescente.
Prontuários disponíveis na escola.

Critérios de exclusão:
Pré-escolares que não participaram da consulta de enfermagem realizada pela disciplina Atenção a Saúde da Criança e do Adolescente;
Crianças fora da faixa etária de pré-escolar. Autora: Lívia Pereira
Orientadora: Prof Dr Ridalva Dias JUSTIFICATIVA O desenvolvimento humano consiste em mudanças físicas, sociais, cognitivas, psíquicas e morais que ocorrem ao longo do ciclo vital.

No caso da infância, o desenvolvimento deve ser visto com atenção porque é o alicerce para o restante da vida.

Crescimento X Desenvolvimento ;

A consulta de enfermagem é uma estratégia de atendimento direcionada ao acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento da criança por meio de consultas mensais, o que possibilita a diminuição da morbimortalidade em menores de 6 anos de idade (OLIVEIRA E CADETE, 2007).

A díade saúde-educação A grande maioria dos problemas de saúde e de comportamentos de risco, unidos ao ambiente e aos modos de vida, pode ser prevenida ou significativamente reduzida através de Programas de Saúde Escolar efetivos;


Importância e efetividade que um programa de saúde escolar pode impactar nos níveis de saúde e cuidado com as crianças e família;

Enfermagem no âmbito escolar;

Sabe-se que apesar do conhecimento sobre o assunto, “muitas crianças nos países em desenvolvimento ainda morrem antes de completar um ano de vida e aquelas que sobrevivem sofrem uma miríade de enfermidades facilmente previníveis” (UNICEF, 2005) OBJETIVOS ESPECÍFICOS
1- Proceder uma caracterização demográfica e vacinal dos pré-escolares;
2- Descrever as características do crescimento avaliadas nessas crianças;
3- Relatar achados do exame físico realizado nesses pré-escolares;
4- Listar as características do desenvolvimento avaliadas nessas crianças. Trata-se de um estudo descritivo exploratório com abordagem quantitativa, retrospectivo, realizado através da revisão dos prontuários dos pré-escolares;

A população do estudo foi delimitada conforme a definição de pré-escolar de (WHALEY ET AL,1989) que compreende o período que se estende dos três anos até o final do quinto ano de vida; DESCREVER AS CARACTERÍSTICAS DO CRESCIMENTO AVALIADAS NESSAS CRIANÇAS. Objetivo Especifico 1 PROCEDER UMA CARACTERIZAÇÃO DEMOGRÁFICA E VACINAL DOS PRÉ-ESCOLARES RESULTADOS E DISCUSSÃO REFERENTES AO OBJETIVO ESPECÍFICO 2: OBJETIVO ESPECÍFICO 3 RELATAR ACHADOS DO EXAME FÍSICO REALIZADO NESSES PRÉ-ESCOLARES. Resultados e Discussão referente ao Objetivo Especifico 3 RELATAR ACHADOS DO EXAME FÍSICO REALIZADO NESSES PRÉ-ESCOLARES. Resultados e Discussão referentes ao Objetivo Especifico 3 RELATAR ACHADOS DO EXAME FÍSICO REALIZADO NESSES PRÉ-ESCOLARES Resultados e Discussão referente ao Objetivo Especifico 4 LISTAR AS CARACTERÍSTICAS DO DESENVOLVIMENTO AVALIADAS NESSES PRÉ-ESCOLARES Resultados e Discussão referentes ao Objetivo Especifico 4 Resultados e Discussão referente ao Obejtivo Especifico 3 RELATAR ACHADOS DO EXAME FÍSICO REALIZADO NESSES PRÉ-ESCOLARES. Resultados e Discussão referente ao Objetivo Especifico 2 “Das cerca de 12 milhões de mortes em menores de cincos anos, registradas a cada ano nos países em desenvolvimento, cerca de 7 milhões podem ser atribuídas direta ou indiretamente à desnutrição.
No Brasil, nessa mesma faixa etária, em 2002, 7% das crianças estavam afetadas por desnutrição crônica e 2% por desnutrição aguda”.
(MACIEL et al, 2010). Todo indivíduo nasce com um potencial genético de crescimento, que poderá ou não ser atingido, dependendo das condições de vida a que esteja submetido desde a concepção até a idade adulta (BRASIL, 2006).


Com esses achados podemos refletir a cerca das disparidades sociais existentes no país, crianças que não possuem uma alimentação adequada e saudável não conseguirão avançar nos estudos e terão mau desempenho escolar, representando assim os altos níveis de evasão escolar. Resultados e Discussão - Obejtivo Especifico 3
Durante a consulta de enfermagem ou médica, o exame físico é uma das etapas fundamentais. No caso da pediatria, essa consulta se dá de maneira diferente dos adultos.

É indiscutível que o custo-benefício de educar em saúde para uma higiene corporal bem sucedida são medidas básicas que previnem significativamente o número de internações por escabiose e/ou doenças parasitarias por exemplo.

Dentre as alterações encontradas no exame físico, cabe mencionar que as lesões cutâneas também corroboram com diversos autores que trazem sobre as quedas na infância e na senilidade. Resultados e Discussão referente ao Obejtivo Especifico 4 Sabemos que o estímulo nessa fase da vida é essencial para um célere processo de desenvolvimento e que uma criança que aos 6 anos de idade ainda não denomina cores e não copia modelos está com um déficit em relação a outras crianças que possuem estímulos desde muito cedo.

Urge a necessidade de investimento e atenção diferenciada para o contexto escolar no que diz respeito à atenção à saúde dos pré-escolares. O desenvolvimento rápido do cérebro durante os primeiros meses e anos é crucial, e os recém-nascidos que recebem cuidados e os estímulos apropriados estarão prontos para ingressar na escola e aprender no momento certo (YOUNG, 2010). Os resultados revelam que os primeiros anos da vida de uma criança são baseais para o resto da vida como adolescente e adulto. Uma sociedade que cuida das crianças vive melhor e, consequentemente, constrói um mundo melhor. Educa-las na primeira infância é vital para investir contra os piores efeitos de pobreza.

Sabe-se que as principais doenças prevalentes da infância são as infeções, e que muitas dessas infecções são imunopreviníveis, então investir e garantir a imunização das crianças é também garantir um crescimento e nutrição saudável.

Como traz o Ministério da Saúde em 2002, quando diz que as infecções repetidas podem levar ao retardo do crescimento e à desnutrição que, por sua vez é responsável pela maior vulnerabilidade das crianças aos episódios infecciosos mais graves e de maior duração, caracterizando, assim, uma ação sinérgica. LISTAR AS CARACTERÍSTICAS DO DESENVOLVIMENTO AVALIADAS NESSES PRÉ-ESCOLARES Resultados e Discussão referentes ao Objetivo Especifico 3

RELATAR ACHADOS DO EXAME FÍSICO REALIZADO NESSES PRÉ-ESCOLARES. Considerações Finais Os dados levantados neste estudo permitiram concluir que a população dos pré-escolares é formada por crianças em sua maioria do sexo masculino, com um taxa de crescimento e nutricional não muito elevada.

Diante do exposto e do caminhar deste estudo, encontraram-se crianças com uma boa cobertura vacinal e dada de exames físicos sem alterações graves, porém com relevantes problemas de higiene corporal e bucal e no desenvolvimento neuro psico-motor.
Reforça-se que o olhar da enfermagem para os dados coletados dos pré-escolares no contexto escolar ao longo da investigação poderá possibilitar a criação de novos projetos e ações que futuramente possa se implementar e obter êxito nas escolas do Estado da Bahia REFERÊNCIAS BETELI, Vivian César. Acompanhamento do desenvolvimento infantil em creches. São Paulo, 2006, Tese (mestrado) – UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO.

BISCEGLI, Terezinha Soares ET AL. Avaliação do estado nutricional e do desenvolvimento neuropsicomotor em crianças freqüentadoras de creche. Revista Paulista de Pediatria, vol.25 n4 São Paulo, 2007.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.126p

BRASIL. Ministério da Saúde. Escolas promotoras de saúde : experiências do Brasil / Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 272 p. – (Série Promoção da Saúde; nº 6) 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Politicas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil / Ministério da Saúde. Secretária de Politicas de Saúde – Brasília. Ministério da Saúde 2002.

BROCK, Romy Schmidt; FALCÃO, Mario Silva. Avaliação nutricional do recém-nascido:
limitações dos métodos atuais e novas perspectivas. Rev Paul Pediatr 2008;26(1):70-76.

CARVALHO, Maria Eulina Pessoa. Relações entre família e escola e suas implicações de gênero. Cadernos de Pesquisa, nº 110, p. 143-155, julho/ 2000.

FERRIANI, Maria das Graças Carvalho. A inserção do enfermeiro na saúde escolar: Análise crítica de uma experiência. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1991(Coleção campi, v.3). REFERÊNCIAS FERRIANI, Maria das Graças Carvalho. Significado do fracasso escolar para os atores sociais que utilizam o programa de assistência primária de saúde escolar - proase no município de ribeirão preto. Rev. Latino-Am. Enfermagem v.6 n.5 Ribeirão Preto dez 1998.

FERRIANI, M.G.C.; UBEDA, E.M.L. Articulação: Educação e Saúde. A percepção dos atores sociais que utilizam o Programa de Assistência Primária de Saúde Escolar – PROASE – no município de Ribeirão Preto. Acta Paul.Enf., São Paulo, v.11, n.1, p.46-55, 1998.

FIGUEIREDO GLA, MELLO DF. A prática de enfermagem na atenção à saúde da criança em unidade básica de saúde. Rev LatinoamEnfermagem julho-agosto; 11(4):544-51 2003.

FILOCOMO, Fernanda Rocha Fodor; HARADA, Maria de Jesus C. Sousa; SILVA, Conceição Vieira e PEDREIRA, Mavilde da L.G. Estudo dos acidentes na infância em um pronto socorro pediátrico. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online], vol.10, n.1, pp. 41-47. 2002.

HEALTH for all. Disponível em < http://dbpedia.org/page/Health_For_All>. Acesso em 22 nov. 2012.

LEOPARDI, M. T. Metodologia da Pesquisa na Saúde. 2 ed. rev. e atual. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina – Pós-Graduação em Enfermagem, 2002

MACIEL ELN et al. Projeto Aprendendo Saúde na Escola:a experiência de repercussões positivas na qualidade de vida e determinantes da saúde de membros de uma comunidade escolar em Vitória, Espírito Santo. Ciência & Saúde Coletiva, 15(2):389-396, 2010

MARCONDES; Eduardo. ET AL. Pediatria Básica – Pediatria Geral e Neonatal. São Paulo, 2003. REFERÊNCIAS NOGUEIRA, Maria Alice. Relação família-escola: novo objeto na sociologia da educação. Paidéia, Universidade Federal de São Paulo 1998.

OLIVEIRA, V C, CADETE M M M. A consulta de enfermagem no acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. REME – Rev. Min. Enf.; 11(1): 77-80, jan/mar, 2007.

OLIVEIRA, V C, CADETE M M M. Anotações do enfermeiro no acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Acta Paul Enferm.22(3):301-6. 2009.

PORTUGAL. Ministério da Saúde. Direção Geral da Saúde. Divisão de Saúde Escolar. Programa Nacional de Saúde Escolar. Despacho nº 12.045/2006 (2ª série). Publicado no Diário da República nº 110 de 7 de junho 2006a.

SANTOS, Ermelinda Lana da Silva. Creche e pré-escola uma abordagem da saúde. São Paulo: artes médicas, 2004.

SISTON, A. N. O enfermeiro na escola: práticas educativas na promoção da saúde de escolares. Revista eletrônica Enfermería Global, 2007.

UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância. Situação mundial da infância - Excluídas e invisíveis. 2006

VIEIRA, Ana Carolina Reiff e et al. Desempenho de pontos de corte do índice de massa corporal de diferentes referências na predição de gordura corporal em adolescentes. Cad. Saúde Pública [online]. 2006, vol.22, n.8, pp. 1681-1690
YOUNG, M E. Do desenvolvimento da primeira infância ao desenvolvimento humano: investindo no futuro de nossas crianças. São Paulo: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, 2010.

WHALEY, L.F.; WONG, D.L. Enfermagem Pediátrica: elementos essenciais à intervenção efetiva. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara/Koogan, 1989 Agradecimentos

À todas as crianças do mundo, tesouro maior não há. Fonte: Marcondes (2003, p. 24)
Full transcript