Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Rios e processos aluviais

No description
by

Samara Souza

on 8 September 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Rios e processos aluviais

bacias de drenagem
Bacia de drenagem, também chamada de Bacia Hidrográfica, é um conjunto de rios, formado pelo seu rio principal, os seus afluentes e os seus subafluentes, drenando águas e demais sedimentos para um ponto de saída. Formando o que podemos chamar de sistema fluvial, ou rede de drenagem
Toda bacia carrega o nome do seu Rio principal.

Tipos de Drenagem
Criptorreica (Gruta)
Exorreica (oceano)
Endorreica (lagos)
Arreica (Infiltração)
História
A história do homem sempre esteve muito ligada às bacias hidrográficas: A bacia do rio Nilo foi o berço da civilização egípcia; os mesopotâmicos se abrigaram no vale dos rios Tigre e Eufrates; os hebreus, na bacia do rio Jordão; os hindus, na planície dos rios Indo e Ganges.
Poluição dos Rios
Causas e Conseqüências
Soluções para não provocar a poluição dos rios.

Introdução
Um dos principais problemas ambientais da atualidade é a poluição dos rios. Enquanto alguns países da Europa desenvolveram planos eficientes de despoluição dos rios, o Brasil continua com uma grande quantidade de rios poluídos.

Causas e Conseqüências
Sistema sanitário é precário
Falta adequada de planejamento urbano
Esgoto doméstico é jogado diretamente nos rios sem receber o devido tratamento
Desmatamento da Mata Ciliar
Morte de peixes
Causa o mau cheiro
Desenvolvimento de microrganismos nos rios, facilitando a proliferação de doenças em casos de enchentes.
Soluções para não provocar a poluição dos rios
Pessoas e empresas não devem jogar lixo dentro dos rios;

Investimentos do setor público no tratamento de esgoto;

Os governos devem punir rigorosamente pessoas e empresas que poluem os rios.

Os governos não devem permitir a ocupação irregular próxima às margens dos rios.
Os rios mais poluídos do Brasil
Rio Tietê (principalmente na região da cidade de São Paulo)
Rio Iguaçu (Paraná)
Rio Ipojuca (Pernambuco)
Rio dos Sinos (Rio Grande do Sul)
Rio Gravataí (Rio Grande do Sul)
Rio das Velhas (Minas Gerais)
Rio Capibaribe (Pernambuco)
Rio Caí (Rio Grande do Sul)
Rio Paraíba do Sul (Rio de Janeiro)
Rio Doce (Minas Gerais)
Rio Tamanduateí (principalmente na região da cidade de São Paulo)
Rio Pinheiros (principalmente na região da cidade de São Paulo)

Exemplos de rios que foram despoluídos
Rio Tâmisa (Londres, Inglaterra)
Rio Neiva (Portugal)
Rio Sena (Paris, França)
Sistema de leques
São depósitos em forma de leque ou cones compostos de sedimentos mal classificados, ocorrentes principalmente no sopé de montanhas ou de cadeias de montanhas.
Leques aluviais
Leques deltaicos
Leque Aluvial
Depósito sedimentar clástico em forma de cone, acumulado na base de regiões montanhosas onde a corrente confinada em vales estreitos, emerge em uma região baixa adjacente.
Nomalmente formados em regiões de clima áridos e semi-áridos, mais raramente em regiões úmidas.
Vegetação escassa
Alta energia
Leque aluvial (árido)
Leque aluvial (úmido)
EXEMPLOS DE LEQUES NO BRASIL
-> Leques aluviais

Cabo – Bacia de Pernambuco
Poção – Bacia Alagoas
Rio Pitanga – Bacia Sergipe
-> Leques deltaicos:

Salvador – Bacia do Recôncavo
Resende - Bacia de Resende
Rio das Conta/Morro do Barro – Bacia de Camamu
Maceió – Bacia Alagoas

Leque Deltaico
Os leques deltaicos são casos particulares de leques aluviais que se progradam em um corpo aquoso (lago ou oceano)

Leque deltaicos
Rios e processos aluviais
O Brasil tem 12 grandes bacias Hidrográfica, incluindo a maior bacia do planeta: A bacia Amazônica.
Bacias de Drenagem
Ele tem a maior reserva de água doce do planeta
Ele esta localizado em uma faixa tropical do planeta e tem boa parte das suas terras dentro dessa faixa.
Ele tem a maior floresta equatorial do planeta ( Que pelo seu intenso processo de evapotranspiração ,se forma grande rios voadores ,levando água para o Brasil e boa parte da América do sul
O tamanho do Brasil
Por que o Brasil tem tantas Bacias Hidrográfica?
Os depósitos aluviais no registro geológico
Os depósitos aluviais constituem um dos mais importantes componentes do registro geológico. Seu estudo, baseado em modelos estabelecidos a partir da observação de depósitos recentes, permite a caracterização dos processos hidrodinâmicos e a compreensão da evolução sedimentar dos depósitos antigos, fundamentais na distribuição dos recursos e na reconstituição da evolução tectono-sedimentar de uma bacia.
rios
a nascente dos rios
regime dos rios
Pluvial


Nival


Misto
Curso dos rios
Superior


Intermediario


Inferior
a foz dos rios
configuração de canal
Retilíneo


Meandrante


Entrelaçado


Anastomosado
Depósitos de rios entrelaçados proximais
Os depósitos proximais de rios entrelaçados são normalmente cascalhentos e dominados por litofácies de ortoconglomerados maciços ou grosseiramente estratificados neste último caso formam barras longitudinais.
Depósitos de rios entrelaçados intermediários
Os rios entrelaçados em posição intermediária podem incluir depósitos cíclicos granodecrescentes desenvolvidos em canais ativos e bem definidos, cuja carga de fundo é essencialmente constituída por areia e cas calho.
Depósitos de rios entreleçados distais
As porções distais de sistemas fluviais correspondem a rios normalmente largos e rasos, sem diferenciação topográfica clara entre as porções ativas e inativas



Sistema fluvial meandrante

O sistema fluvial meandrante caracteriza-se pela presença de canais com alta sinuosidade e razão largura/profundidade do canal menor, onde predomina o transporte de carga em suspensão.
Depósitos de canais
Os depósitos de canais englobam os sedimentos mais grossos de um sistema fluvial meandrante, situados na parte mais profunda do leito.

Depositos de barras de pontal

Os depósitos de barras de pontal de composição arenosa a conglomerática, com decrescência ascendente de granulométria, formam-se pela erosão dos sedimentos das margens côncavas, os quais são depositados pelo processo de acrescentamento lateral nas margens convexas dos meandros seguintes.
Depósitos de diques marginais
Os corpos elevados, alongados em faixas sinuosas junto às bordas do canal, denominados diques marginais, formam-se em períodos de inundação.

Depósitos de rompimento de diques marginais
Durante enchentes de grande porte, a energia do fluxo do rio pode romper o dique marginal, formando canais efêmeros e pouco definidos que se espalham sobre depósitos de planície de inundação.

Depósitos de planície de inundação
A planície de inundação é a área relativamente plana adjacente a um rio, coberta por águas nas épocas de enchente.O termo bacia de inundação é reservado às partes mais baixas desta planície, constantemente inundadas.
Sistema fluvial anastomosado
Os sistemas fluviais anastomosados consistem num complexo de canais de baixa energia, interconectados, desenvolvidos sobretudo em regiões úmidas e alongadas recoberta por vegetação.


Depósitos relacionados ao canal fluvial
Os depósitos de canal compreendem cascalhos e areias grossas, os quais podem ser diferenciados dos depósitos de rompimento de diques marginais por apresentarem bases côncavas erosivas.



Depósitos de transbordamento do canal fluvial
Os depósitos de rompimento de diques marginais constituem camadas pouco espessas, centimétricas a dessimétrica, de areias, grânulos e pequenos seixos.
Modelos deposicionais
Dada a grande variabilidade dos fatores que controlam os diferentes tipos de rios e leques aluviais, é possível elaborar uma infinidade de modelos deposicionais.

Leques Aluviais (climas áridos e úmidos)
Rios entrelaçados
Rios meandrantes
Rios anastomosados

Sistema de leques aluviais
Sistema fluvial entrelaçado
Full transcript