Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Seminário sobre Parto UFCSPA

No description
by

Fernando Weissheimer

on 14 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Seminário sobre Parto UFCSPA

Parto
Fecundação
Formação do Embrião
Desenvolvimento embrionário e fetal
Simone Scherer
Patrícia Dias
Nadine Pacheco
Fernando Weissheimer
Século XVIII
1822
Anos 90
700 a.c
Introdução na
Prática Obstétrica
Só teve início a partir do século XVIII. Tinha uma alta mortalidade fetal e materna e só era praticada em casos muito especiais.
1ª Cesárea do Brasil
No Brasil, a primeira operação cesariana é creditada ao dr. José Correia Picanço, barão de Goiana, tendo sido realizada em Pernambuco no ano de 1822.
Torna-se operação rotineira
Cesárea para retirada do feto
A operação cesariana na Antiguidade só era praticada após a morte da parturiente, com a finalidade de salvar o feto ainda com vida.
1ª Cesárea com vida
Foi realizada em Sigershaufen, pequena cidade da Suíça, por Jacob Nufer, em sua própria esposa. Jacob Nufer não era médico e nem sequer cirurgião-barbeiro. Era um homem simples do povo, habituado a castrar porcas.
História da Cesárea
Fontes: Cad. Saúde Pública vol.7 no.2 Rio de Janeiro Apr./June 1991; REZENDE, JM. À sombra do plátano: crônicas de história da medicina [online]. São Paulo: Editora Unifesp, 2009. A primeira operação cesariana em parturiente viva. pp. 171-172. ISBN 978-85-61673-63-5; http://www.ans.gov.br/parto-e-normal
Profissionais
Envolvidos no parto
Biomédico
Parteira ou Aparadeira
Doula
Enfermeiro e técnico em enfermagem
Definição de Parto
1500
Década de 70
1974
Anos 2000
Polêmica sobre o excesso
de Cesáreas
Paraíba
O que é a Cesariana?
Boneca didática Japão Séc XIX
Modelo de estudo
Séc XIX
Ilustraçao de 1920
Livro Alemao de Medicina
Curiosidades
Riscos da Cesárea
Parto cesáreo: "É o procedimento cirúrgico que inclui incisão abdominal para extração do concepto do útero materno durante o trabalho de parto".
Fonte: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/qualificacao_saude_sup/pdf/Atenc_saude2fase.pdf
Médico e Obstetriz

Fisiologia do Parto
Fonte: http://awebic.com/cultura/medicina-passado-fotos-historicas/
Modelo de madeira e couro
Itália 1700 - 1800
Fonte: https://www.etsy.com/listing/66706486/pregnancychildbirth-vintage-german
Extrato de Ergot
Inglaterra, 1891-1950
Fonte: http://www.sciencemuseum.org.uk/broughttolife/objects/display.aspx?id=92469
Cadeiras de nascimento
1600 - 1800

Bolsa com instrumentos obstetricos
Reino Unido, 1866-1900
Alunos

Processo no qual o feto, a placenta
e as membranas fetais são expelidos
do trato reprodutor feminino.

Segundo o dicionário Aurélio:

O ato de parir.
O feto saído à luz.
Fonte: Dicionário Aurélio
Antiga idade da pedra 500.000 A 30.000 aC
Paleolítico Superior: (Quarta glaciação, 30.000 a 18.000 aC)
Neolítico: (Idade da Pedra - 18.000 a 5.000 aC)
Por edital de Dom João VI, é incluído nas disciplinas que inauguram as escolas de medicina e cirurgia, na Bahia e Rio de Janeiro, em 1808.
Era do Gelo. Aparece o homus erectus, Neanderthal. Matriarcado (as mulheres pertenciam à comunidade, desconhecendo o verdadeiro pai das crianças). Por este motivo o nascimento era isolado e sem nenhum tipo de ajuda. Similar ao que acontece na atualidade em algumas tribos da África e Amazonas, no Brasil.
Cócoras
O parto começa a ser assistido por magos, familiares ou parteiras.
Diversos grupos dispersos na Turquia e Irá. Os nascimentos começaram a ser atendidos por parteira ou pelo marido.
Peça arqueológica encontrada na Turquia
Idade dos Metais: (5.000 a 4.000 aC)
Nascimentos atendidos por parteiras nas cidades e na zona rural pelo marido, que tinha experiência em atender partos nos animais. Alguns métodos alternativos para atender partos e facilitar o nascimento na posição vertical.
ANTIGA: (4.000 aC a século V)
Os nascimentos eram realizados por parteiras empíricas com a parturiente em posição vertical, apoiada em tijolos, ou mesmo no colo do marido ou de pessoas da comunidade treinadas para isto (boas de colo), em domicilio.
MEDIEVAL: (século V a século XV)
Os nascimentos eram realizados por parteiras regulamentadas, com a parturiente em posição vertical e colocada em cadeiras previamente fabricadas e em domicilio.
MODERNA: (século XV a século XVIII)
Os nascimentos eram realizados por parteiras com instrução, e por médicos (sendo que a mulher atendida por homem perdia cinco virtudes: pudor, pureza, fidelidade, bom exemplo e espírito de sacrifício). Aparecem os primeiros livros de obstetrícia. As parturientes sempre em posição vertical ou de cócoras, apoiadas em bancos, tamboretes e cadeiras sofisticadas em domicílio.
CONTEMPORÂNEA: (século XVIII até nossos dias)
Os nascimentos começam a ser atendidos por médicos obstetras em Instituições denominadas de Maternidades, para diminuir as mortes ocorridas no período puerperal.
Fonte: http://www.immf.med.br/index.php/2014-10-07-18-37-40/historia-do-parto
500.000 a.c
30.000 a.c
18.000 a.c
5.000 a.c
4.000 a.c
Século V
Século XV
Século XVIII
1808
História do Parto
Parteiras
Obstetrícia na Escola de Medicina
Implantação
Hora do Parto
Momento do nascimento
Parto de Cócoras
Parto com Fórceps
Parto Humanizado
Parto Leboyer
Parto Normal
Parto Cesáreo
Tipos de Parto
Como é feita?
Vídeo Cesariana
É um parto cirúrgico, que deve ser utilizado somente se houver necessidade.
O Parto de cócoras só é indicado para mulheres que tiveram gravidez saudável e sem problemas de pressão, e se o feto estiver na posição cefálica (com a cabeça para baixo)
É usado em caso de emergência, ou sofrimento fetal, onde o obstreta utiliza um instrumento parecido com uma colher que é encaixado do lado da cabeça do bebê para ajudá-lo a sair do canal de parto.
Foi criado por um médico francês, que criou umas técnicas para que o nascimento do bebê seja o menos agressivo, e dentro dessa proposta o ambiente teria que ter pouca luz, haver silêncio após o nascimento da criança, o banho poderia ser dado pelo pai.
Vaginal. É um parto onde o médico apenas acompanha o nascimento do bebê, respeitando o ritmo e o tempo do bebê e da mulher.
É um parto que respeita à fisiologia do parto e à mulher. Usado nos nascimentos de baixo riscos.
Parto na Água
O parto na água, é realizado com a mulher numa banheira, onde o pai também poderá entrar para ajuda-la, a água deve estar na temperatura de 37ºC cobrindo toda a barriga da gestante que esta em trabalho de parto.
Parto sem Dor
O período de dilatação é aliviado pela anestesia peridual, mas as contrações se mantêm. O parto sem dor deve ser orientado no pré-natal, assim como reconhecer as contrações verdadeiras, o momento de ir para o hospital e o que vai acontecer lá.
Embriologia Básica – Keith L.Moore/ T.V.N.Persaud
Trabalho de Parto
Sequencia de contrações uterinas
que resultam na dilatação do colo
e saída do feto e da placenta.

Embriologia Básica – Keith L.Moore/ T.V.N.Persaud
Disciplina de Embriologia
Profª Drª Monica Fernandes Rosa de Lima
Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre
Normas de condutas em Medicina Preventiva para acompanhar a mulher durante a gestação, cujo principal objetivo é acolhê-la desde o início da gravidez, assegurando, no fim da gestação, o nascimento de uma criança saudável e a garantia do bem-estar materno e neonatal.

Periodicidade:

Mensal: até 32 semanas.
Quinzenal: entre 32 e 36 semanas.
Semanal: após 36 semanas
Pré-Natal
Fonte: Biblioteca Virtual em Saúde - MINISTÉRIO DA SAÚDE
Primeira consulta


Identificação da paciente
Doenças cronicas
Histórico familiar
História Obstétrica
Hábitos e Vícios
Gestação atual
DUM, peso e altura, sinais e sintomas na gestação, medicamentos
Determinação do Risco Gestacional
Avaliação Nutricional

Anamnese
Geral
Ausculta cardíaca e pulmonar.
Palpação abdominal e delimitação da altura do fundo uterino.
Exame especular, mamário e toque vaginal.
Exame físico:
Manobras de Leopold-Zweifel
Verificar a situação e a apresentação fetal a partir da 36a semana de idade gestacional.
Exames Complementares
Exames Ultrassonográficos
1 º trimestre:
• Tem como principal objetivo a determinação da idade gestacional (IG) e a avaliação da transnucência nucal (TN), osso nasal, duto venoso.
• Pode ser feito pela via abdominal ou transvaginal.

- 2 º trimestre:
• Avaliação do crescimento e morfologia fetal.
• Avaliação placentária e de líquido amniótico.
• US morfológico se indicação.

- 3 º trimestre:
• Avaliação da vitalidade e crescimento fetal.
• Avaliação placentária e de líquido amniótico.
• Doppler obstétrico se indicação
Vacinação
Obstetrícia
É a ciência que estuda a reprodução humana. Investiga a gestação, o parto e o pós-parto nos seus aspectos fisiológicos e patológicos. O termo "obstetrícia" vem da palavra latina "obstetrix", que é derivada do verbo "obstare" (ficar ao lado). Para alguns, seria relativo à "mulher assistindo à parturiente" ou "mulher que presta auxílio".
Existem no Brasil 3 carreiras distintas na Obstetrícia:

Medicina

Enfermagem

Obstetrícia


É o momento em que ocorrem intensas modificações físicas e psicológicas nas mulheres num curto espaço de tempo.

Esclarecimento das mães sobre questões como o registro civil, consultas do bebê no hospital, aleitamento materno, carteira de vacinação, entre outras informações essenciais para o desenvolvimento da criança.


Fonte: http://www.blog.saude.gov.br/promocao-da-saude/50212-puerperio-periodo-pos-parto-requer-cuidados-especiais
Puerpério: período pós-parto
Infecção
Hemorragia
Risco do ato anestésico
Riscos em longo prazo de acretismo placentário
Placenta prévia
Endometriose
Risco aumentado para o próximo parto
Problemas com a fertilidade.

Diminuição do vínculo inicial mãe e bebê, dificultando a descida do leite, o contato pele a pele e a amamentação.
http://www.brasil.gov.br/saude/2015/03/conheca-os-riscos-de-uma-cesariana-desnecessaria
Alguns Problemas
Classificação
Emergência:
Ameaça imediata de vida da mãe ou feto;

Urgência:
Comprometimento materno ou fetal sem risco de vida imediato;

Programada:
Necessidade do parto mais cedo, porém sem comprometimento materno ou fetal;

Perimortem:
Grave estado materno, após ressuscitação, com o intuito de salvar o feto ou a mãe.

Posmortem:
Realizada após a morte materna, com a finalidade de salvar o feto.

Fonte:http://www1.saude.ba.gov.br/iperba/admin/db/userfiles/file/Protocolo-OBS-013-Parto_Ces%C3%A1rea%5B1%5DCorrigido.pdf

Anexos e membranas fetais
Cordão Umbilical
Placenta
Saco amniótico
(Córion)
Algumas semanas antes:

O bebê se posiciona mais para baixo na barriga da mãe
Pressão na parte de baixo da barriga
Dor nas costas
A barriga fica dura mais vezes
Contrações mais fortes;
Secreções vaginais em maior quantidade, de cor mais rosada pelo rompimento de veias.


Minutos antes:

Ruptura da bolsa
O líquido pode sair lentamente, ou repentinamente.
Normalmente, o líquido é claro e transparente.

Nesta situação, a mãe deve ir ao hospital
mais próximo ou à maternidade a que está
vinculada desde o pré-natal;

Pré Parto
http://www.pastoraldacrianca.org.br/outrosassuntos/146-gestante/3607-direitos-e-cuidados-no-pre-parto-parto-e-pos-parto
Complicações com a parturiente
As principais causas de óbito no parto:
Hemorragia:
Ruptura uterina
Descolamento prematuro da placenta da parede uterina
Depois de um aborto em condições de risco
Sepse:

Infecções de origem não-obstétricas ou obstétricas.

Origem obstétrica: corioamnionite, tromboflebite pélvica séptica, aborto infectado, endometrite pós-parto,
infecção de episiotomia, infecção de parede ou uterina pós-cesárea) e à realização de procedimentos invasivos.


http://www.bibliomed.com.br/bibliomed/journals/population/seriel_n10/tab02-01.htm
Hipertensão induzida pela gravidez:

Pré-eclâmpsia, toxemia ou doença hipertensiva específica da gravidez (DHEG)
Eclâmpsia



Parto obstaculizado:

Maturidade física da mulher; à distorção pélvica; Anormalidades no colo uterino.

Principais Complicações com o nascituro
Icterícia:
Um dos problemas mais frequentes do período neonatal.
Sepse:
Está entre as principais causas de mortalidade.
Sífilis congênita:
Causada pela bactéria Treponema pallidum.

Toxoplasmose congênita:
No Brasil, a prevalência de toxoplasmose é considerada alta.
HIV:
Quando não praticado o aleitamento materno, em 1/3 dos casos a transmissão vertical do HIV pode ocorrer durante a gestação e em 2/3 dos casos durante o trabalho de parto.

Testes pós nascimento
Células Tronco

Coleta e Armazenamento por 01 ano:

Sangue:
Aproximadamente R$ 3.000,00

Sangue + Tecido:
Aproximadamente R$ 5.000,00

Anuidade:

Sangue:
Aproximadamente R$650,00

Sangue + Tecido:
Aproximadamente R$1.200,00


Cordão Umbilical: alta concentração de células tronco mesenquimais
Autorrenovação e diferenciação
Podem ser programadas para desenvolver funções específicas
Auto-replicação, ou seja, podem se duplicar, gerando outras células-tronco.
Transformação em outros tipos de células.
http://celulastroncors.org.br/celulas-tronco-2/
fenilcetonúria
hipotireoidismo congênito
fibrose cística
hemoglobinopatias.
Mais de 30 doenças, desde problemas genéticos e metabólicos até doenças infecciosas como a toxoplasmose
Teste do pezinho ampliado:
Teste do pezinho básico:

Tipagem Sanguínea:
Determina o tipo sanguíneo para o caso de emergências médicas
Teste da Orelhinha:
Diagnostica surdez
Teste do olhinho:
Diagnostica alterações oculares, como a catarata, que podem levar à cegueira
Teste do coraçãozinho:
Diagnostica doenças cardíacas, como defeitos nas válvulas do coração
Teste do quadril:
Diagnostica problemas no quadril, como encurtamento do membro e osteartrose precoce, que destrói a cartilagem que reveste o osso
ACTH
Cortisol
Prostaglandinas
Estrógeno
Progesterona
Relaxina
Ocitocina
Atuaçao do Biomédico
Acupuntura
Biomedicina Estética
Fisiologia Humana
Genética
Hematologia
Imunologia
Imagenologia
Análises Clínicas

Ovocitação
Desenvolvimento Fetal
http://www.each.usp.br/obstetricia/obstetricia.htm
http://www2.famema.br/disc/material/introducaodesenvembrionario.pdf
http://www.saude.go.gov.br/index.php?idMateria=198325
http://adeledoula.blogspot.com.br/2012/01/quem-sao-os-profissionais-do-parto-como.html
http://crbm5.gov.br/site/habilitacoes/
http://www.brasil.gov.br/saude/2011/10/partos-podem-ser-realizados-em-qualquer-hospital-ou-maternidade-do-sistema-unico-de-saude
Fonte: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/qualificacao_saude_sup/pdf/Atenc_saude2fase.pdf
http://www.brasil.gov.br/saude/2015/03/conheca-os-riscos-de-uma-cesariana-desnecessaria
Revisão desenvolvimento embriológico e fetal durante a gestação
Definição de parto e trabalho de parto
Definição de Obstetrícia
Profissionais envolvidos no parto
Tipos de parto
Cesariana
História da cesárea e História geral do parto
Curiosidades
Pré-natal
Pré-parto
Parto (Fisiologia do parto)
Anexos e membranas Fetais
Complicações com a parturiente e o nascituro
Puerpério
Exames pós-parto
Células Tronco e cordão umbilical
Atuação do Biomédico no Pré parto, Parto e Pós Parto.
Temas abordados
Embriologia Básica – Keith L.Moore/ T.V.N.Persaud

http://www.ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Morfologia/placenta-e-membranas-fetais-med.pdf
http://www.einstein.br/Hospital/maternidade/o-parto/Paginas/exames-do-bebe-quando-nasce.aspx
http://crbm5.gov.br/site/habilitacoes/
Obrigado!
Banco de Células-Tronco
Full transcript