Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

FARMÁCIA

No description
by

Beatriz Garrido

on 25 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of FARMÁCIA

62
ECG
bpm
Estoques de medicamentos;
O QUE É?
Prática bastante difundida no Brasil;
ESTATÍSTICAS BRASILEIRAS
EFEITOS E RISCOS
AUTOMEDICAÇÃO
UMA CAIXA DE SURPRESAS!
FARMACIA
DOMICILIAR

Farmácia Domiciliar
OS DOIS LADOS DA
FARMACINHA DOMICILIAR
MOTIVOS
POLIFARMÁCIA
PESQUISA
METODOLOGIA
RESULTADOS
COMPONENTES
Barbara Camila
Beatriz Garrido
Diego Bastos
Jaqueline Santana
Viviane Resende
MÍDIA
Super lotação de unidades de saúde.
Propagandas Farmacêuticas midiáticas
Dosagem Inadequada
Interação Medicamentosa
Efeitos colaterais adversos
Tempo e dinheiro de Consultas
Dependencia
Reações alérgicas
Disfarce de sintomas
Armazenamento e Validade
Indicação de Terceiros
Armazenamento e validade dos medicamentos.
Estoque pode vir a induzir a automedicação.
Uso abusivo;
Primeira opção para resolver tal sintoma;
Precariedade e dificuldade na assistência à saúde;
Facilidade de acesso aos medicamentos;
Propaganda desenfreada.
É a administração de 5 ou mais medicamentos simultaneamente;
Aspectos que contribuem positivamente para o surgimento
Reações adversas a medicamentos(RAM)
As interações medicamentosas
Profissionais de saúde devem contribuir para a promoção do uso racional dos medicamentos.
Foi realizada uma pesquisa na qual o instrumento de coleta dos dados foi um questionário, disponibilizado online através da ferramenta Google Docs.
ESTATÍSTICAS
BRASILEIRAS
Na história da propaganda no Brasil, os primeiros anunciantes potencialmente conhecidos foram os medicamentos;
Os slogans publicitários, desde então, tratam os medicamentos como mercadorias comuns;
O medicamento tem uma fiscalização mínima e quase nenhum controle por parte dos órgãos ligados ao controle de Defesa ao Consumidor e Regulamentação Publicitária;
A crença ingênua e excessiva da sociedade atual no poder desses medicamentos
No Brasil pelo menos 35% dos medicamentos adquiridos são feitos através de automedicação (AQUINO, 2008).
Pesquisa do Instituto de Pós-Graduação para Farmacêuticos em relação a automedicação:
96,2% - Salvador
96% - Recife
92% - Manaus
Média Nacional: 76,4%
32% aumentam a dose do medicamento sem consultar um médico ou farmacêutico. (ICTQ)
O questionário consta de 20 questões para serem respondidas, inicialmente informações dos usuários, como sexo, idade e ocupação. E as demais à farmácia domiciliar: (Automedicação sem prescrição medica/ armazenamento/ validade/Leitura da Bula entre outros.) Foram computados 119 registros. Sendo respondidos 84 do sexo Feminino e 35 do sexo masculino
Com relação à ocupação a maioria dos indivíduos se encontra no ensino superior e boa parte na área de saúde. Em relação à faixa etária a maioria foi de 21-30 anos.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Este trabalho demonstrou a prática predominante na sociedade de se fazer uma farmácia domiciliar juntamente do ato de se automedicar. Ressalvou também dados que comprovam estas práticas, os riscos e até mesmo a importância dos indivíduos de se ter uma farmácia domiciliar. No entanto o consumidor não possui conhecimentos suficientes, para escolher ou indicar qualquer tipo de recurso terapêutico.

“Ter acesso à assistência médica e a medicamentos não implica necessariamente em melhores condições de saúde ou qualidade de vida, pois os maus hábitos prescritivos, as falhas na dispensação, a automedicação inadequada podem levar a tratamentos ineficazes e pouco seguros.” (ARRAIS et. al, 2005).
REFERÊNCIAS
ARRAIS, Paulo Sérgio D. et al. Perfil da automedicação no Brasil. Rev. Saúde Pública [online]. 1997.
Automedicação. Rev. Assoc. Med. Bras. vol.47 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2001
BECKHAUSER, Gabriela Colonetti; VALGAS, Cleidson; GALATO, Dayani. Perfil do estoque domiciliar de medicamentos em residências com crianças. Ver. Ciênc. Farm. Básica Apl., 2012;33(4):583-589
JESUS. Paula Renata Camargo. Qual o papel das palavras na propaganda de medicamentos?. Revista Academica do Grupo Comunicacional de São Bernado. Ano 1- nº 2. 2004.
NASCIMENTO, C.N.; SAYD, J.D. "Ao persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado". Isto é regulação? Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 15, nº 2, 2005
TOURINHO, F. S. V.; BUCARETCHI, F.; Et al. Farmácias domiciliares e sua relação com a automedicação em crianças e adolescentes. Jornal de Pediatria - Vol. 84, Nº 5, 2008.
Vendendo Saúde A História da Propaganda de Medicamentos no Brasil. Eduardo BuEno E Paula TaiTElBaum :
http://www.anvisa.gov.br/propaganda/vendendo_saude.pdf

LENHARO, M. 76,4% dos brasileiros têm o habito de se automedicar. Mai.2014. Disponível em: <http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2014/05/764-dos-brasileiros-tem-habito-de-se-automedicar-segundo-pesquisa.html> Acesso em: 26.05.2014.
Uine Santos
Full transcript