Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Tony Garnier

No description
by

Manuela Barros

on 4 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Tony Garnier

TONY GARNIER
Urbanismo Progressista Estudante na École de Beaux-Arts, em Lyon, em 1886 e em Paris em 1889;
Ganhou o 1º Premio em Roma em 1899;
Apresentação do Projeto da Cidade Industrial a academia, que foi recusado, em 1901;
Reapresentação do projeto da Cidade Industrial a academia, em 1904;
Publicação do projeto da Cidade Industrial em Paris, 1917;
Arquiteto-chefe da cidade de Lyon, em 1905;
Professor na escola Regional de Arquitetura, em 1909 a 1939;
Publicação dos projetos dos “Grands Travaux de la Ville de Lyon, em 1919; CREDENCIAIS ACADEMICAS MAPA DA CIDADE LYON Histórico e biográfico Nascido em Lyon em 1869, cresceu em um bairro de operários, viveu em defesa das causas sociais, até a sua morte em 1948.

A carreira profissional e a formação de Garnier foram ligadas diretamente com a cidade onde nasceu (Lyon), cidade com tantos avanços técnicos e industrial influenciou no seu projeto para a “Cité Industrielle”, apresentado de fato em 1904.

Começou a estudar na “La Martiniere aux Terreaux”, em 1883 a 1888, logo depois entrou na École de Beaux-Arts, primeiro em Lyon, em 1886, depois em Paris em 1889, em que neste período teve forte influência do seu professor Juilien Guadet.

Primeiro Prêmio de Roma em 1899 e hospede na Villa Medici até 1904, empreende, como complemento do trabalho requerido pela Academia, o seu projeto Cidade Industrial.

Em 1901, tem o seu projeto da Cidade recusado pela Academia, mas ele continua a trabalhar em seu projeto e em 1904 reenvia o projeto, que intitulou “ Uma Cidade Industrial”.

Garnier regressa a Lyon, onde abre sua própria agencia em 1905 e dá aulas na escola Regional de Arquitetura, de 1909 a 1939.

Em 1917 o projeto da Cidade Industrial é publicado com 164 desenhos e um curto texto explicativo.

Mais tarde, em 1920, Le Corbusier publica uma parte na revista L’ Esprit Noveau e refere-se a Garnier na sua obra programática Vers une archiecture, de 1923.

Entre 1904 e 1914, Garnier aplicou seu conceito arquitetônico à sua cidade de origem, construindo uma série de edifícios públicos e de bairros residenciais em um plano unitário. Nesta época Edouard Herriot tornou-se prefeito de Lyons encomendou seu primeiro edifício, uma modesta leiteria.

Tony Garnier morre em 1948 aos 79 anos de idades.
CIDADE INDUSTRIAL Projeto Escola
Centro Comercial Larguara das Ruas Exemplos teóricos e práticos Tony Garnier tinha uma visão à frente do seu tempo, para ele uma cidade deveria ter como princípio a análise e a separação das funções urbanas, acompanhadas por um zoneamento:

Habitação;
Tabalho;
Lazer;
Espaços verdes;
Funcionalismo;

Utilização de novos materiais, em particular do concreto armado;
Construções altas, afastadas umas das outras, isoladas no verde e na luz devido à preocupação com o saneamento e a circulação entre elas.
Principais Ideias O plano da cidade industrial feita por Tony Garnier, abrangendo 35 mil habitantes, antecipava, com seu zoneamento,os princípios da Carta de Atenas, que foi o primeiro manifesto do urbanismo progressista, criado pelos membros da CIAM ( Congresso Internacional de Arquitetura Moderna) que colocaram o urbanismo como primeiro plano de preocupações 1- Cidade antiga
2- Estação central
3- Bairros residenciais
4- Centro
5- Escolas primárias
6- Escolas profissionais
7- Hospital
8- Estação
9- Zona Industrial
10- Estação Industrial
11- Cemitério
12- Matadouro























Além da Cidade Industrial, Garnier aplicou seus conceitos arquitetônicos à sua cidade de origem, Lyon entre 1904 e 1914, construindo uma série de edifícios públicos e de bairros residenciais em um plano unitário.
Matadouro de La Mouche e do mercado de gado- interior.
FONTE: http://www.dboc.net/lyon/oc_mutg_en.php
Matadouro de La Mouche e do mercado de gado.
Fonte; http://ocapitao.wordpress.com/2009/12/05/rammstein/
Impacto e influência nas cidades brasileiras A cidade do séc. XX devia ser à frente do seu tempo e deveria afirmar sua contemporaneidade. A partir desse grande volume de realizações surgem algumas operações de prestígios, tendo como exemplo Brasília com os planos de Lúcio Costa e as obras de Oscar Niemeyer.
A cidade destaca-se por suas amplas avenidas que além de prédios públicos, encerram uma série de bairros denominados "super-quadras", com 11 prédios de 06 andares cada um, em uma área de 90.000 m². Este conjunto de vivendas e comércio chamado também Plano Piloto está estendido sobre 13 km de comprimento, que agrupam enormes conjuntos de edificações. A parte central do complexo é formada pela Praça dos Três Poderes, onde se localizam o Palácio do Planalto (sede do Poder Executivo), o Palácio do Congresso (sede do Legislativo), e o Palácio da Justiça (sede do Supremo Tribunal Federal) Entre as propostas que tentavam conciliar as exigências da era industrial-capitalista com as necessidades humanas e sociais.
O que se enfatiza é a concomitante perda incapacitante de precedentes formais que são assumidas como sendo ainda válida no mundo de hoje. Pouca atenção é dada à noção de que pode haver lições mais valiosas a serem derivadas das perspectivas conceituais em que estes precedentes foram concebidas - perspectivas que podem ser revelados por uma tipologia, em vez de um estudo formal da história.
CONCLUSÃO Referências GIEDION, Sigfried. Espaço, tempo e arquitetura: o desenvolvimento de uma nova tradição. Trad. Alvamar Lamparelli. São Paulo: Martins Fontes, 2004;

BENEVOLO, Leonardo. História da Arquitetura Moderna. Editora PERSPECTIVA. Brasil, 2001;

Frampton, Kenneth. Historia Critica da Arquitetura Moderna .São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1997 ;

Bardet, Gaston. O urbanismo.2. ed. Campinas: Papirus, 2001;

Cité Industrille.Online URL:http://www.museeurbaintonygarnier.com/. Acesso em 02/10/12.

Full transcript