Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Gírias dos Estados Brasileiros

No description
by

Tácita Machado

on 24 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Gírias dos Estados Brasileiros

Gírias das Regiões Brasileiras
Região Norte
A região norte brasileira é constituída dos seguintes estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima
e Tocantins.
O QUE É GÍRIA?
De acordo com o Saraiva Jovem: dicionário da língua portuguesa ilustrado/organização da Editora. - São Paulo : Saraiva 2010, gíria é a linguagem informal caracterizada por um vocabulário metafórico e pela abundância de expressões idiomáticas, estrangeirismo etc., geralmente de uso não tão duradouro quanto a linguagem formal.
Região Nordeste
A região nordeste brasileira é constituída dos seguintes estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe.
Chegamos a conclusão de que como as pessoas tem suas diferenças, nas regiões e seus respectivos estados não seria diferente, cada uma tem uma forma de vida, cultura, sotaques e gírias que divergem em formas e significados. Esse fator não menospreza ou almeja ninguém, logo, é de extrema importância manter o respeito e conservar essas diferenças pois são parte da cultura histórica regional de cada local.
Amapá
Piema: Maré de azar;
Papagaio no leso: Confuso, desorientado;
Caba: Marimbondo de fogo;
Buiado: Endinheirado
Porrudo: Grande, gigante;
Pegar o beco: Fugir;
Alvará: Imagina
Malaco: Arruaceiro, ladrão;
Pissica da braba: Mandinga, macumba;
Xarlando: Se exibir
Pará
Levou o farelo: Se deu mal;
Pitiú: Cheiro característico do peixe;
Tuíra: Pó da pele de quem não toma banho direito;
Coque: Leve soco com a falange dos dedos na cabeça;
Esbandalhar: Quebrar;
Osga: Lagartixa;
Diacho: Expressão de desapontamento;
Carapanã: Mosquito;
Olha que o pau te acha: Toma cuidado;
Putistanga: Poxa vida.
Amazônia
Abacabeiro: Mentiroso;
Aguapé: Vinho ralo;
Bodado: Com muito sono;
Cascaviar: Procurar a fundo;
Do trista: Sensível;
Embuá: Piolho de cobra;
Fechicler: Zíper;
Gueguete: Mulher;
Jogar no mato: Jogar fora;
Quebranto: Mau olhado.
Acre
Ixi: exclamação;
Moscô: Foi flagrado;
Borogodó: Pessoa que entende de determinado assunto;
Arengueira: Pessoa que gosta de causar ou criar brigas;
Peia: Dar uma surra;
Bossal: Legal;
Ripada: Bordoada, cacetada.
Rondônia
Bamburrado: Endinheirado;
Cabra de peia: Homem frouxo;
Pegou na veia: Chute certeiro;
Fim da rosca: Chega no limite;
Nóia: Qualquer tipo de droga;
Pisero: Bagunça
Pocar: Sair de perto;
Cambirar: Trocar;
Amansebado: Casal.
Roraima
Broca: Fome;
Grelho: Pegação;
Ciscado: Desconfiado;
Mangar: Zombar;
Nem com nojo: De jeito nenhum;
Theca: Nojo;
Tocantins
Brocoió: Caipira;
Botar pau na estrada: Atrapalhar projetos;
Cacaio: Saco de viagem;
Dar maçada: Fazer alguém esperar;
Emendar os bigotes: Fazer acordos;
Frege: confusão.
Alagoas
Avexado: Apressado;
Abestalhado: Bobo;
Maloqueiro: Desocupado;
Massa: Legal;
Pirangueira: Mão de vaca;
Frouxo: Medroso;
A toa: Sem destino;
Liso: Sem dinheiro;
Aperreado: Preocupado;
Mangar: Rir dos outros.
Bahia
Retado: Ficar chateado;
Aff!: Puxa vida!;
A toa: Parado;
Arerê: Confusão;
Bocó: Otário;
Camarão: Pessoa que fica vermelha em momento incomodo;
Foi mal: Desculpe;
Mais eu: Comigo;
Oxente: Qual é?;
Rei da cocada preta: Metido a besta.
Ceará
Mangar: Ridicularizar;
Vixe Maria: Virgem Maria;
Sustança: Energia dos alimentos;
Pitel: Algo muito bom;
Melado: Bêbado;
Inhaca: Mal cheiro do sovaco;
Empazinado: Comeu além da conta;
Encarnado: Cor vermelha;
Cuma?: Como?;
Bó: Vamos embora.
Paraíba
Beiço: Lábio;
Alumiar: Iluminar;
Arre égua: Pode significar alegria ou até mesmo irritação;
Cabra da peste: Provocador ou valentão;
Dar fé de=: Perceber;
Enricar: Enriquecer;
Fastio: Ealta de apetite;
Maldar: Interpretar no mau sentido;
Lenga lenga: Insistência;
Pegar o caminho da roça: Ir embora.
Rio Grande do Sul
Tchê: Expressão de tratamento;
Bagual: Menino;
Bá: Expressão de surpresa, admiração, espanto;
Barbaridade: Que coisa;
Guri: Menino;
Cabresto: "Conduzido pelo cabresto" - Submetido;
Tu: Você;
Cusco: Cachorro;
Cacetinho: Pão francês;
Negrinho: Brigadeiro.
Santa Catarina
Ouvisse: Verbo "Ver" + "Ouvir";
Manezinho da Ilha: Rapaz típico de Florianópolis;
Jisus-Maria-José: Expressão de espanto;
Visse: Verbo "Ver" - Entendeu;
Toda vida: "Segue toda vida, toda vida." - Continue caminhando;
Bobiça: Bobeira;
Tanso: Pessoa pouco inteligente
Dipé: A pé
Se afinou: Morreu de rir.
Paraná
Alemoa: Loira;
Briquiá: Passar de mão em mão;
Garrão: Calcanhar;
Baita: Grande;
Garrei: Comecei;
Chineque: Pão doce;
Fuque: Fusca;
Entendida: Parteira.
Sul
A região sul do país é constituída dos seguintes estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.
Sudeste
Na região sudeste tem-se quatro estados brasileiros, são eles: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo.
Rio de Janeiro
Bolado: Incompreensão.
Bonde: Galera, turma.
Irado: Qualificação positiva relacionada a um fato.
Lance: Parada.
Maluco: Cara, sujeito.
Mané: Vacilão, sujeito que pisa na bola.
Mermão: Aglutinação de meu irmão.
Sangue–bom: Pessoa legal, agradável.
Zero–bala: Pronto pra outra.
Ficou na pista: Passou vergonha, deu mole em alguma coisa.
Queimou meu filme: Fizeram fofoca a respeito de você.
Fica na moral: Fica quieto, calado.
Style: Que anda sempre na moda.
Chegado: Amigo

São Paulo
Né: não é;
Sacaram: entender, perceber;
Gente fina: pessoa agradável, de boa índole;
Mano: Fulano, amigo, forma carinhosa de dizer irmão;
Putz Grila: espanto, surpresa, desapontamento;
Meu: Para referir–se a alguém;
Tá embaçado: Está difícil;
Abraça: Desista;
Trampo: Trabalho;
Dar um mix: Dar uma volta.
Espirito Santo
Poca: Estourar;
Palha: Sem graça;
Transcol: Pegar o ônibus;
Poca fora: Vai embora;
Cata: Rouba;
Salta: Desembarca do ônibus ;
Taruira: Lagartixa;
Ia: Se espanta;
Injuriado: Estressa;
Sente: Agonia;
Dar seta: Pisca.


Minas Gerais
Agaravios: Apetrechos, coisas, armas e implementos destinados ao seu porte;
Bacurim: O leitão que ainda amamenta;
Barango: Fora de moda, cafona;
Bonserá: Casa de cômodos, cortiço;
Chá–de–caldeirão: Festinha que amigos íntimos do noivo lhe oferecem poucos dias antes do casamento;
Comporta: Atenção que se dá a alguém;
Divulgar: Enxergar pouco;
Entrufado: Aborrecido, mal–humorado;
Estriziado: Magro, desbarrigado;
Franga: Recusa para dançar ou namorar;
Negrinha: Suporte para coador de café.
Centro-Oeste
A constituição desta região se dá pela presença de 4 estados: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal.
Goiás
Achar certidão: encontrar roteiro, rumo, caminho;
Armar malquerença: contrair inimizades, provocar aversões;
Casar atrás da porta: amigar-se, amancebar-se;
Clarear um caso: resolver um assunto, deixar tudo esclarecido;
Comer na gaveta: ser avarento, pão-duro;
Correr à coxia: ir de um extremo a outro e enfrentar a labuta;
Dar na quarta: dar a luz;
Dar o dito pelo não dito: desfazer um acordo.
Mato Grosso e Mato Grosso do Sul
Baguá: Touro desgarrado da fazenda;
Pampero: confusão
Muxiba: Pelanca;
Canivete: Rapaz muito jovem;
Chambalé: Camisola;
Trens: Objetos;
Sapear: Assistir do lado de fora;
Aloito: Luta corporal.

Distrito Federal
De rocha: Papo sério ou de verdade;
Chegado: Amigo;
Colado: Mais que amigo;
Careta: Cigarro;
Baú: Ônibus;
Curtir um peso: Ouvir rap;
Camelo: Bicicleta;
Serrote: Quem pede cigarro;
Maranhão
Banhar: tomar banho;
Peteca: bolinha de gude;
Bucho cheio: satisfeito;
Fuleiro=: não vale a pena;
Lascado: a sem dinheiro;
Tanja: bergamota;
Piqueno: garoto;
Ralado: chato;
Marocar: dar uma espiadinha;
Jussara: açaí.
Pernambuco
A boleu: Em grande quantidade, sem limite;
Barroquinha: O mesmo que covinha da bochecha;
Cafuçú: Trabalhador braçal;
Vôte: Sinal de espanto;
Estilar: Não gostar de uma brincadeira, aceitar mal;
Gréia: Azoação;
Mugunza: Canjica;
Relar: Arranhar;
Tareco: Biscoito de massa de pão-de-ló.
Piauí
Leche: Porrada;
Passar o pano: Colocar a camisa pra dentro da calça;
Mobral: Analfabeto;
Cantarera: Clavícula;
Moiado: Fraco de feição, feio;
Ter o vento: Ter dinheiro;
Troncho: aquilo que está mal feito, que não presta;
Infarento: pessoa chata, que insisti em ser chato;
Raiar: Passear.
Rio Grande do Norte
Ariado: Perdido;
Abestalhado: Estupido;
Roioço/Resenha: Festa/balada;
Aluado: Bêbado/fora de si;
Sergipe
A morte é cega!: Expressão usada para referir-se a alguém muito feio;
Bexiguento: Pessoa que não presta;
Fi/Fio ou Filho do Cabrunco: Coisa ou pessoa ruim;
Pão Jacó: Pão francês;
Se lenhar: Lanhar-se, machucar-se, dar-se mal;
Canso: Câncer, coisa ruim;
Punga: Ato de pegar um veículo em movimento, muito perigoso.
Mostraremos, a seguir, diferentes palavras do vocabulário cotidiano de cada região do Brasil. Com base neste, será possível conhecer o significado das palavras e gírias utilizadas por pessoas em diversos lugares do país. Sendo, também, um  recurso de divulgação aos turistas para se comunicarem.

Neste trabalho meu grupo está se aprofundado em como cada região do Brasil utiliza suas expressões e suas gírias. Meu grupo usou computadores, dicionários, conhecimento e cultura para fazer o trabalho. A regionalidade no Brasil é muito diferenciada. As principais culturas são as várias culturas europeias, a cultura africana e a cultura indígena, ou até a mistura delas.

Devido ao fato de a povoação do Brasil ter ocorrido em regiões distintas e distantes entre si, o traço cultural de cada região influenciou o próprio desenvolvimento idiomático do português, ao longo da história. Em outras palavras, em cada região brasileira a língua portuguesa sofreu diferentes influências culturais, e por isto incorporou diferentes formas de expressão, o que aos poucos deu origem a diferentes dialetos, diferentes modos de expressar ou representar uma mesma idéia ou história, um mesmo sentimento ou conceito.

Bibliografia
http://alcinea-cavalcante.blogspot.com.br/2009/05/girias-amapaenses-ou-dicionario-tucuju.html
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-dicionario-de-expressoes-do-amapa
http://eltonvaletavares.blogspot.com.br/2013/01/girias-e-expressoes-do-amapa-texto-que.html
http://portaldasgirias.blogspot.com.br/2010/08/dicionario-paraense.html
http://www.sergiofreire.com.br/Amazones.htm
http://dicionariopopular.blogspot.com.br/
http://www.filologia.org.br/monografias/caderno_de_pos_graduacao_ufac/neologismos_girias_e_emprestimos.htm
http://www.recantodasletras.com.br/cordel/4288181
http://www.dno.com.br/(liberato%20povoa)DICIONARIO%20TOCANTINENSE.pdf
Bibliografia
http://blogduclone.blogspot.com.br/2009/07/expressoes-catarinenses.html
http://hoteiscostanorte.com.br/girias-de-florianopolis-e-santa-catarina/
http://portaldasgirias.blogspot.com.br/2010/08/girias-paranaenses.html
http://desciclopedia.org/wiki/Piaui%C3%AAs
http://tudof5.blogspot.com.br/2012/03/no-piaui-e-assim-girias-piauienses.html
http://www.jangadabrasil.com.br/revista/marco64/especial6409.asp
http://lembrancasdeumcaminho.blogspot.com.br/2010/01/dicionario-alagoano.html
http://forum.priston.com.br/showthread.php?tid=55238
Bibliografia
http://forum.priston.com.br/showthread.php?tid=55238
http://www.valerie.com.br/raimunda/dicionario.html
http://dariobarbosa.blogspot.com.br/2010/02/dicionario-maranhense-ou-quase.html
http://www.jessierquirino.com.br/2006/dados/dicionario.pdf
https://www.facebook.com/note.php?note_id=274479499265733
http://portaldasgirias.blogspot.com.br/2010/09/linguagem-popular-goias.html
http://portaldasgirias.blogspot.com.br/2010/09/girias-de-brasilia.html
Um pouquinho mais sobre...

Contando com uma área de 1.606.371,505 km², a Região Centro-Oeste possui uma população e 14.423.932 hab. O seu relevo é composto por: Planalto Central, Planalto Meridional e Planície do Pantanal e o clima característico da região é o Tropical.
As danças folclóricas da região centro - oeste são: caninha - verde, catira, siriri, tambor evilão.
A culinária desta região é bastante variada pois em Goiás os pratos mais populares são: arroz com pequi, guariroba, leitão assado, empadão goiano, galinhada, tutu com lingüiça, couve, torresmo, quiabo refogado, biscoito de polvilho, manjar branco com calda de ameixa. Já em Mato Grosso temos a presença marcante da mojica, que é feita com o pintado e de peixes que são muito consumidos, podemos citar o pacu, pacupeba, piabucu, piraputanga e dourado acompanhados, geralmente, de banana da terra. Em Mato Grosso do Sul os pratos mais populares são: arroz de carreteiro com charque, moqueca de peixe, pacu assado, caldo de piranha, doces de abóbora, mamão, cajú, licor de pequi. No Distrito Federal a população já é apaixonada por pato no tucupi, feijoada, churrasco, galinha ao molho pardo.

Mais sobre...
A região Sul do Brasil é a menor das regiões do país tendo como área terrestre 576 409,6 km² e tendo a população de 27 665 289 hab. Apresentando, também, o maior índice percentual de alfabetização: 94,8%. Essa região é a única dominada pelo clima subtropical. Única região que neva no inverno. Sua história é marcada pela grande imigração europeia, pela Guerra dos Farrapos, e mais recentemente pela Revolução Federalista.
A culinária é diferente em cada estado da região sul. O barreado é o prato caboclo típico do litoral paranaense, preparado com carne bovina, toucinho e temperos. O Boi no Rolete, o Porco no Rolete e o Carneiro no Buraco também são pratos típicos do Paraná. Em Santa Catarina são tradicionais o pirão de peixe no sul e a marrecada no norte. Na capital, o destaque é a sequência de camarão. No Rio Grande do Sul, como é de nosso conhecimento, o churrasco com sal grosso e o chimarrão são os mais comuns.
As danças típicas da região sul são: pau - de - fitas, fandango, chimarrita, milonga, vaneirão, chula, pezinho, boi de mamão, balainha, dança do vilão.

Algumas curiosidades...
A Região Norte do Brasil apresenta uma área de 3.869.637 km², o que corresponde a 42,27% do território brasileiro. Tem uma população, de acordo com o IBGE, de 16,3 milhões de habitantes. É a região mais extensa, porém a menos povoada, com um índice de 4,77 hab./km².
O clima predominante na região é o equatorial, pois no estado de Rondônia, no sul do Amazonas e no norte do Pará, o clima é o tropical. Essa região conta com um Importante ecossistema para o planeta: a Amazônia e se desconsiderarmos a devastação, mais de 90% da área da Região Norte é ocupada pela Floresta Amazônica ou equatorial. A Região Norte uma área bastante úmida, sendo comum a ocorrência de fortes chuvas.
A economia da região baseia-se nas atividades industriais, de extrativismo vegetal e mineral, inclusive de petróleo e gás natural, agricultura e pecuária, além das atividades turístico. Com folclore próprio, as grandes atrações são o Festival Folclórico de Parintins, o Círio de Nazaré, em Belém/PA, o Çairé, em Santarém/PA e as danças típicas, Marujada, Carimbó e Cirandas, como Samba lelê e outros.

Vem mais informações....
A área do Nordeste brasileiro é de aproximadamente 1 558 196 km², equivalente a 18% do território nacional e é a região que possui a maior costa litorânea e possui quase 30% da população brasileira, cerca de 49 milhões de habitantes.
A região Nordeste foi o berço da colonização portuguesa no país, de 1500 até 1532 e abrigou a primeira capital do Brasil, Salvador.
Uma das características do relevo nordestino é a existência de dois antigos e extensos planaltos, o Borborema e a bacia do rio Parnaíba e de algumas áreas altas e planas, o sertão. É uma região de vários climas, bem como: semi-árido, clima equatorial úmido, clima litorâneo úmido, clima tropical e apresenta média de anual de temperaturas altas, que variam entre 20° e 28° C. A vegetação nordestina vai desde a Mata Atlântica no litoral até a Mata dos Cocais no Meio Norte, com ecossistemas como os manguezais, a caatinga, o cerrado, as restingas.
Em relação a danças e ritmos, apresentam-se como principais: coco, xaxado, martelo agalopado, samba de roda, baião, xote, forró, axé e frevo e maracatu. E algumas comidas típicas da região são: o baião-de-dois, a carne-de-sol, o queijo de coalho, o vatapá, o acarajé, a panelada e a buchada, a canjica, o feijão e arroz de coco, o feijão verde e o sururu, assim como vários doces feitos de mamão, abóbora, laranja, coco, etc.


A região Sudeste do Brasil é a segunda menor região do país, sendo maior apenas que a região Sul. A área real é de aproximadamente 924 510 km² e possui uma população de 84,4 milhões de habitantes, o que a torna a região mais povoada do Brasil.
A região Sudeste apresenta os climas tropical, tropical de altitude, subtropical e litorâneo úmido.
A culinária do Sudeste é muito rica e diversa, variando de estado para estado. No Rio de Janeiro a comida típica é a feijoada. Em Minas Gerais temos uma das cozinhas mais expressivas do país, incluindo pratos como o pão de queijo, tutu de feijão, feijão tropeiro, bolo de fubá, angu, feijoada etc. Enquanto isso, no Espírito Santo, o prato típico é a moqueca. São Paulo possui o virado à paulista, a carne de panela, o afogado, o cuscuz paulista, a mousse de café e o quentão, mas o prato mais consumido em São Paulo é a pizza.
As festas típicas da região são marcadas pela influência africana, como as congadas, a festa do Divino Espírito Santo, reisados, lundus, sambas etc. Além disso, a cultura caipira é muito presente no interior dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo.

QUER
SABER
MAIS
?
Full transcript