Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Processos Cognitivos

No description
by

Ana Cláudia Marques

on 8 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Processos Cognitivos

PROCESSOS COGNITIVOS, EMOCIONAIS E MOTIVACIONAIS
Psicologia - Módulo 3
2015/ 2016

No comportamento humano estão envolvidos diferentes tipos de processos que estão intimamente ligados.
1. PERCEPÇÃO
PROCESSOS
COGNITIVOS

(Estão relacionados com o saber, com o conhecimento)
PROCESSOS
EMOCIONAIS
(Estão relacionados com o sentir)
PROCESSOS
MOTIVACIONAIS
O QUÊ?
Memória
Inteligência
Pensamento
COMO?
Atenção
Percepção
Afectos
Sentimentos
Emoções
Inteligência Emocional
(Estão relacionados com o agir)
PORQUÊ?
Motivações
Impulsos
Sensação
Percepção
Informações que recebemos através dos orgãos dos sentidos:

VISÃO
OLFACTO
AUDIÇÃO
TACTO
PALADAR
Interpretação e organização da informação sensorial.

A percepção atribui à sensação um sentido/significado.

A percepção é uma construção do sujeito.
versus
Processo Perceptivo
Estímulo
físico
Orgão
receptor
Impulsos
nervosos
Percepção
Percepção
A percepção é uma actividade cognitiva que não se limita ao registo da informação sensorial.

Sem interpretação, as sensações não teriam qualquer significado.

A percepção está intimamente relacionada com os conhecimentos, experiências e interesses do sujeito.
Percepção Visual
Constância de tamanho
Ilusão
Ponzo
:
As duas barras são iguais, no entanto, como a barra superior cobre uma área aparentemente maior, parece-nos também maior, para além de estar mais distante.
Constância da forma
Percepcionamos a porta como sendo rectangular quando, ao abri-la, ela perde essa forma.
2. MEMÓRIA
Constância do brilho e da cor
A percepção visual é o exemplo do modo como o cérebro organiza os dados que recebe através dos sentidos.

A constância do tamanho, da forma, da cor e do brilho dos objectos que percepcionamos são um exemplo dessa organização.
3. INTELIGÊNCIA
Profª. Ana Cláudia Marques
Processo cognitivo que nos permite reter as ideias, as informações, as pessoas e os acontecimentos.

É graças à memória que estruturamos o presente e que é possível pensarmos e projectarmos o futuro.
Processo de Memorização
1.
Aquisição/ codificação da informação sensorial
2.
Armazenamento da informação
3.
Recuperação e utilização da informação
Tipos de Memória
Existem dois tipos de memória, que se distinguem pelas funções e tempo de retenção do material:
Memória a curto prazo
Memória imediata

Memória de trabalho
Memória a longo prazo
Memória não declarativa

Memória declarativa
808222003
808 222 003
Ao agruparmos um número de telefone em conjuntos de três algarismos memorizamos mais números.
Memória e Esquecimento
Podemos definir esquecimento como a incapacidade para recordar, recuperar dados, informações, experiências que foram memorizadas. Esta incapacidade pode ser temporária ou definitiva.
"A persistência da memória"
de Salvador Dali.
CONFLITO!
O lado direito do cérebro tenta dizer a cor enquanto o lado esquerdo insiste em ler a palavra.
A percepção é um processo cognitivo que nos permite estabelecer relação com o mundo.

É através dos orgãos dos sentidos que o sujeito recebe as informações do meio ambiente.

A informação proveniente dos orgãos sensoriais é tratada pelo cérebro, e é aí que ganha sentido e significado.


PROPOSTA DE TRABALHO 1:
Completa as afirmações, escolhendo a opção correcta:

1. O processo cognitivo que detecta os estímulos recebidos pelos orgãos dos sentidos é a ____________. (
sensação
/
percepção
)

2. A percepção é uma __________ do real. (
reprodução
/
interpretação
)

3. A percepção depende de factores ____________. (
orgânicos e biológicos
/ o
rgânicos e experiências pessoais
)
Memória e Esquecimento
Facilmente atribuímos um valor negativo ao termo esquecimento ("falha", patologia da memória).

O esquecimento é a própria condição da memória: tem, assim, uma função selectiva e adaptativa.

Quando falamos em esquecimento estamos a referir-nos à memória a longo prazo.
Sem memória esvai-se o presente que simultaneamente já é passado morto. Perde-se a vida anterior. E a interior, bem entendido, porque sem referência do passado morrem os afectos e os laços sentimentais. E a noção do tempo que relaciona as imagens do passado e que lhes dá a luz e o tom que as datam e as tornam significantes, também isso. Verdade, também isso se perde, porque a memória, aprendi por mim, é indispensável para que o tempo não só possa ser medido como sentido.
Pires, J. Cardoso (1997).
De Profundis (p.25).
Valsa Lenta, Dom Quixote.
Constância do brilho e da cor
1. Aquisição/ codificação
Primeira fase do processo de memorização. Consiste na apreensão de novas informações sensoriais e da sua posterior codificação. Os dados são traduzidos num código, que pode ser acústico, visual ou semântico.
2. Armazenamento
Segunda fase do processo de memorização. Corresponde ao armazenamento/ retenção da informação adquirida e codificada. A informação é armazenada durante um período variável de tempo.
3. Recuperação
Nesta etapa, recupera-se a informação, isto é, lembramo-nos, recordamos, evocamos uma informação. Sem recordação não há memória propriamente dita.
A
memória a curto prazo
é uma memória que retém a informação durante um período limitado de tempo, podendo ser esquecida ou passar para a memória a longo prazo.
A
memória a longo prazo
é capaz de guardar informações durante um longo período de tempo, durante horas, meses ou toda a vida.
O material recebido fica retido durante uma fracção de tempo (aprox. 30 segundos). Podemos conservar entre 5-9 elementos/ unidades de informação (dígito, letra ou palavra).
O tempo em que o material recebido fica retido pode alongar-se, se repetirmos mentalmente a informação. Mantemos a informação enquanto ela nos é útil.
É também designada por memória implícita ou sem registo.
Memória automática, que mantém as informações subjacentes à questão "Como?" (e.g. como andar de bicicleta, como lavar os dentes, como conduzir um carro, etc.).
É também designada por memória explícita ou com registo, uma vez que, implica a consciência do passado, do tempo, reportando-se a acontecimentos, factos, pessoas.
Distinguem-se, neste tipo de memória, dois subsistemas: a memória episódica e a memória semântica.
PROPOSTA DE TRABALHO 2:
A partir do texto de José Cardoso Pires, elabora um texto onde demonstres a importância da memória no comportamento humano.
Ocorre quando surgem dificuldades em reter novos materiais e em recordar conhecimentos, factos e nomes aprendidos recentemente. Tipo de esquecimento sentido sobretudo por pessoas de certa idade e pode ser devido à degeneração dos tecidos cerebrais.
Conceito que mais polémica suscita no seio da psicologia.

Não existe uma definição universal sendo o termo usado com diferentes significados e apresentando várias definições.

Diferentes épocas e culturas valorizam diferentes aspectos da inteligência.

É possível apresentar como consensual um conceito de
INTELIGÊNCIA
que integra as seguintes dimensões:

1.
Capacidade de enfrentar situações novas e de resolver problemas de forma rápida e eficaz.

2.
Capacidade de utilizar, com eficácia, conceitos abstractos.

3.
Capacidade de aprender rapidamente com a experiência e de adquirir conceitos novos.
Conceito de Inteligência
Alguns autores distinguem três tipos de inteligência:
Inteligência Prática
Capacidade para resolver problemas através da manipulação de objectos. Está na base de respostas concretas aos problemas do quotidiano.
Inteligência Teórica ou Conceptual
Designada igualmente por inteligência racional e abstracta, envolve o recurso da linguagem e de outros sistemas simbólicos. Manifesta-se na capacidade de compreensão, raciocínio, resolução de problemas e tomadas de decisão. Está relacionada com a instrução e as aprendizagens escolares.
Inteligência Social
É um tipo de inteligência que se manifesta na vida em sociedade e na resolução de problemas interpessoais.
A Origem da Inteligência
Teorias
Inatistas
Ambientalistas
Conceito de inteligência
Papel da hereditariedade
A inteligência é um dom.
A inteligência é determinada geneticamente.
Papel do meio
A influência do meio é reduzida.
A inteligência é adquirida.
O papel da hereditariedade é irrelevante.
O meio determina a inteligência.
Na revista Nature de Julho de 1997 relatam-se os resultados de pesquisas levadas a cabo pela equipa de Bernie Devlin (Pensilvânia, EUA). Segundo os investigadores, os cuidados maternos teriam uma forte influência no desenvolvimento intelectual. O ambiente vivenciado no útero materno exerce, segundo os investigadores, uma grande influência no desenvolvimento cognitivo do ser humano. A passagem de certas substâncias para o feto, como, por exemplo, o alcóol, alguns aditivos alimentares, drogas e tabaco, podem diminuir o QI.

Estas investigações vêm acentuar o papel do ambiente no nível da inteligência.
Monteiro, M. Matos (2011). Psicologia - Ensino Profissional - Nível 3 - Módulos 3 e 4
(p.170).
Porto: Porto Editora.
O desenvolvimento das investigações e os conhecimentos entretanto adquiridos deram lugar às
teorias interaccionistas
:


A Origem da Inteligência
A inteligência resulta da interacção entre o contributo da hereditariedade com o meio, factores sociais.
Inteligência e Instrumentos de Medida
Medidor de Inteligência
Interesse na criação de testes que pudessem ter aplicação prática na medição da inteligência.

Desvalorização das questões teóricas acerca da natureza da inteligência.

"
Inteligência é aquilo que o meu teste mede
" (Alfred Binet).
Escala Métrica de Inteligência
Alfred Binet e Theodore Simon criaram a
Escala Métrica de Inteligência
, com o objectivo de medir as capacidades mentais.

A escala era constituída por diferente subtestes - memória, imaginação, atenção, compreensão e outras funções mentais - em ordem crescente de dificuldade e variavam de acordo com a idade.

O resultado obtido nos testes indicava a idade mental.

O objectivo inicial era fazer um prognóstico do rendimento escolar.
Quociente de Inteligência (QI)
Visa determinar a relação entre a
idade mental
(IM) e a
idade cronológica
(IC).

O QI é expresso numericamente e resulta da aplicação da seguinte fórmula:
QI =
IM
IC
X 100
Uma criança de 10 anos com idade mental de 12 tem um QI de 12x100=120. Neste caso a criança apresenta um desenvolvimento considerado acima da média, dado que o QI de 100 é considerado o valor médio.
QI - Categorias
80 - 89 Lentidão

90 - 109 Inteligência média

110 -119 Inteligência superior

120 - 140 Inteligência muito superior
PROPOSTA DE TRABALHO 3:
Completa as afirmações, escolhendo a opção correcta:

1. O processo mnésico envolve as seguintes etapas: codificação, armazenamento e _____________. (
retenção
/
recuperação
)

2. Na memória a curto prazo há duas componentes: memória imediata e memória ____________. (
de trabalho
/
declarativa
)

3. No esquecimento motivado o material que não se recorda encontra-se ___________. (
no inconsciente
/
na retenção
)

4. A codificação permite _____________ da informação. (
a retenção
/
o armazenamento
)
Esquecimento por Interferência
Esquecimento Motivado
Esquecimento Regressivo
Esquecemos o que inconscientemente nos convém esquecer. Assim, conteúdos traumatizantes, penosos e recordações angustiantes são esquecidos para evitar a angústia e a ansiedade, permitindo o equilíbrio psicológico.
1.
Induzem a pensar que o valor do Q.I. é sinónimo de inteligência;
2.
Avaliam apenas as aptidões relacionadas com o sucesso escolar;
3.
Não avaliam as capacidades para lidar com problemas práticos da vida social;
4.
Não avaliam as capacidades criativas;
5.
Estigmatizam os sujeitos de baixo Q.I.;
6.
Prejudicam as pessoas social e culturalmente já desfavorecidas;
7.
Prejudicam os que têm boas capacidades que não as académicas;
8.
Determinam, em larga medida, o futuro escolar e profissional das crianças e dos jovens.
Críticas ao Uso dos Testes de Inteligência
Perspectivas sobre a Inteligência
Será a inteligência uma capacidade única, geral, ou é constituída por capacidades que correspondem a aptidões específicas?
Spearman e o
Factor G
A partir da aplicação de testes de memória, percepção, fluência verbal e de lógica, aplicou um método estatístico designado por análise factorial, estabelecendo correlações entre as aptidões avaliadas pela aplicação dos testes.

Concluiu que a inteligência é uma capacidade geral que está na base de todas as funções intelectuais, dos factores (aptidões) específicos.

A inteligência geral - fundamentalmente hereditária - estaria na base de todos os actos intelectuais, determinado a capacidade da pessoa.
Gardner e a Teoria das Inteligências Múltiplas
1.

Inteligência lógico-matemática
Aptidão para raciocinar, formular e validar hipóteses. Prevalece nos matemáticos e cientistas e utiliza-se nas tarefas que requerem lógica.
2.
Inteligência linguística
Aptidão verbal, as subtilezas de significado. Utiliza-se na compreensão das palavras e no uso da linguagem. Prevalece nos poetas, escritores e linguistas.
Permite o domínio e compreensão do espaço, bem como o cálculo de volumes (pilotos, arquitectos, escultores, pintores, decoradores, etc.)
3.

Inteligência espacial
Gardner e a Teoria das Inteligências Múltiplas
4.

Inteligência Musical
Aptidão para cantar, tocar um instrumento, compor música. Percepção do som e do tempo. Inteligência presente nos compositores, maestros, músicos e cantores.
5.
Inteligência corporal-cinestésica
Permite o domínio do próprio corpo e é própria de desportistas, bailarinos, actores.
6.
Inteligência interpessoal
Aptidão para compreender e responder adequadamente aos outros.
7. Inteligência
intrapessoal
Capacidade para se compreender a si próprio. É propria de pessoas preocupadas com o seu desenvolvimento espiritual.
Gardner e a Teoria das Inteligências Múltiplas
8.

Inteligência naturalista
Capacidade para reconhecer e compreeder o ambiente natural. Possuem-na os investigadores da área da biologia.
9.
Inteligência existencial
Capacidade para colocar questões sobre os grandes problemas da existência: quem somos, de onde vimos, para que existimos, o que é o infinito. É própria de filósofos e de religiosos.
PROPOSTA DE TRABALHO 4:
Completa as afirmações, escolhendo a opção correcta:

1.

A inteligência é a capacidade de __________ através da resolução de problemas. (
racionar logicamente
/
adaptação ao meio
)

2. As teorias __________ defendem que a inteligência depende exclusivamente da hereditariedade. (
interaccionistas
/
inatistas
)

3. O Q.I. estabelece a relação entre a idade __________, avaliada por testes, e a idade cronológica. (
mental
/
real
)

4. Actualmente, a perspectiva dominante sobre a composição da inteligência é a teoria que defende __________. (
inteligências múltiplas
/
inteligência geral
)
Tipos de Esquecimento
As novas memórias interferem com a recuperação das memórias mais antigas. Os materiais que não conseguimos recordar sofrem modificações, por efeito de transferência de aprendizagens e experiências posteriores.
Impõe-se uma nova forma de ser inteligente que tem em conta novos critérios e não só a capacidade intelectual ou a destreza técnica do sujeito.
Posteriormente, em 1998, Gardner volta a modificar a sua teoria acrescentando um novo tipo:
No ano 1995 Gardner acrescentou um novo tipo de inteligência:
Full transcript