Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Mensagem Poema Bandarra

No description
by

on 16 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Mensagem Poema Bandarra

8
Mensagem
Gonçalo Annes
"O Bandarra"
Sonhava, anonymo e disperso,
o Império por Deus mesmo visto,
confuso como o Universo
e plebeu como Jesus Christo.

Não foi nem santo nem heroe,
mas Deus sagrou com Seu signal
este, cujo coração foi
não portuguez mas Portugal.

1ª. estrofe
Sonhava, anonymo e disperso,
o Império por Deus mesmo visto,
confuso como o Universo
e plebeu como Jesus Christo.
2ª. estrofe
Não foi nem santo nem heroe,
mas Deus sagrou com Seu signal
este, cujo coração foi
não portuguez mas Portugal.
Conclusão
O verdadeiro patrono do nosso País é esse sapateiro Bandarra. Abandonemos Fátima por Trancoso. Esse humilde sapateiro de Trancoso é um dos mestres da nossa alma nacional, uma das razões de ser da nossa independência, um dos impulsionadores do nosso sentido imperial.
Esse Bandarra é a voz do povo Português, gritando por cima da defeção dos nobres e dos clérigos, por cima da indiferença dos cautos e dos incautos, a existência sagrada de Portugal.
Quando António Vieira quis basear em qualquer coisa a sua fé natural nos destinos superiores da Pátria, que coisa foi a que encontrou? As profecias desse sapateiro de Trancoso. Amou-as e comentou o maior artista da nossa terra, o Grão-mestre, que foi, da ordem templária de Portugal.
O Bandarra, símbolo eterno do que o povo pensa de Portugal.
Fernando Pessoa
Poema «O Bandarra»
Bandarra
sapateiro
poeta
1500-1556
trovas Messianicas
Messias
Redentor prometido no Antigo Testamento, anunciado pelos profetas e que os cristãos reconhecem em Jesus Cristo;

pessoa esperada ansiosamente;

reformador social;

salvador, redentor, libertador

escrituras do Antigo Testamento
"Trovas"

vinda do Encoberto e o futuro de Portugal como reino universal
sucesso
acusado e processado pela Inquisição de Lisboa
marcas de Judaísmo
condenado a
participar na procissão do auto-de-fé de 1541
nunca mais interpretar a Bíblia
não escrever sobre assuntos de teologia
As Trovas circularam em diversas cópias manuscritas, apesar da interdição do Santo Ofício.
Trovas
interpretadas como uma profecia ao regresso do Rei D. Sebastião
após o seu desaparecimento na Batalha de Alcácer-Quibir em Agosto de 1578
• As Trovas do Bandarra influenciaram o pensamento sebastianista e messiânico de D. João de Castro, Padre António Vieira, de
Fernando Pessoa
, entre outros.
Previsão do período de domínio filipino, da Restauração e de uma posterior
expansão imperial
origem da convicção do Padre António Vieira quanto ao advento de um
Quinto Império português
"por Deus mesmo visto"
teria sido destinado por Deus
Figuras de estilo
Adjetivação expressiva
"anonymo e disperso(...) confuso(...) plebeu(...)"
Caracterizar o modo de vida de Gonçalo Annes, o Bandarra
Comparação
"confuso como o Universo
e plebeu como Jesus Christo.
O Bandarra tinha o Dom da Profecia, logo previa o futuro, o desconhecido (Universo), que era confuso
Pensa-se que tenha nascido num "berço de ouro", mas que tenha gasto a sua fortuna, tornando-se sapateiro e deixando de ser nobre
Comparação com Jesus Cristo: Messias
Este que "Deus sagrou com seu sinal"
Este, a quem Deus deu o dom da profecia.
Não foi nem santo nem heroe,
mas(...)
este, cujo coração foi
não portuguez mas Portugal.
Respeitado por representar a coragem de desafiar a autoridade
Referência ao Santo Ofício
contar o futuro de Portugal
Conseguiu ver a potencialidade de Portugal, onde nenhum outro português a via
Figuras de estilo
Anáfora
"Não foi nem santo nem heroe"
[Não](...)nem(...)nem(...): reforçar a negação
Repetição (mas)
"Não foi nem santo nem heroe, mas(...)Portugal"
Os Avisos
Poema primeiro
2 quadras
Esquema rimático
ABAB;CDCD
(rima cruzada)
Métrica: octossílabos
O oito é o número das pontas da Cruz da Ordem de Cristo (cruz que as caravelas ostentavam). Oito letras tem Portugal e oito letras tem Mensagem.
Simbolismo do número
8
"Sonhava, anonymo e disperso(...)"
Sonhava: via o futuro em "sonhos" proféticos
Anonymo
: sem nome nobre, desconhecido
Diperso: com vários ofícios de modo a sustentar a sua pobreza
"(...)o Império por Deus mesmo visto(...)"
Hipálage
"Sonhava, anonymo e disperso,
o Império por Deus mesmo visto(...)"
Podiamos considerar que era o Quinto Império que era ainda anónimo (desconhecido) e disperso (dividido)
Não foi protagonista de nenhum feito religioso ou bélico, mas foi um visionário, prevendo o Quinto Império Português, a hegemonia da Pátria
Aliteração em s
"(...)santo(...)mas Deus sagrou com Seu signal"
Musicalidade; Ligar a palavra "santo" ao resto da oração: apesar de Bandarra não ser considerado um santo, tinha o dom da profecia, concedido por Deus (crítica ao Santo Ofício)
Fernando Pessoa, Obra Poética e em Prosa, Vol.III, Lello e Irmão Editores, Porto, 1986
Catarina Góis
12ºA1
Português
Bibliografia

http://pt.wikipedia.org/wiki/GonC3%A7alo_Annes_Bandarra
http://www.prof2000.pt/users/secjeste/recortes/historia/Bandarra1.htm
http://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/
http://www.prof2000.pt/users/jsafonso/port/mensagem.htm
MARTINS, Filomena,
Página Seguinte,
1ªed., Texto Editores, Lisboa (Portugal), 2013
http://www.tabacaria.com.pt/Mensagem/Encoberto/Bandarra.htm
http://p-leituraseopinioes.blogspot.com/2008/09/profecias-do-bandarra.htm
Full transcript