Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Aula 16 - Infância e Juventude do Messias

No description
by

Marcelo Corradini

on 17 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Aula 16 - Infância e Juventude do Messias

Bibliografia:

O Redentor - Cap. 7 a 10 - Edgard Armond - Ed. Aliança
Boa Nova - Cap. 2 - Humberto de Campos / Chico Xavier - FEB
O Sublime Peregrino - Cap. 11, 12 e 20 - Ramatis / Hercílio Maes - Ed. Freitas Bastos
Maria - Parte II cap. 6 a 16, parte III cap. 1 a 3 - Scholem Asch - Ed. Nacional
Médico de Homens e Almas - Taylor Caldwell - FEB
Filosofia Cósmica do Evangelho - Huberto Rohden - Ed. Alvorada
Jesus Nazareno - Parte I pág. 54 a 58 - Huberto Rohden - Ed. Alvorada
Evangelização Infantil - Cap. 4 - Mariluz Valadão Vieira - Ed. Aliança
Palavras do Coração - Meimei / Chico Xavier - CEU
Um Dia em Jerusalém - Pág. 13 - Emídio S. F. Brasileiro
E a Bíblia Tinha Razão - Werner Keller - Círculo do Livro
A Gênese - Cap. 17 – Allan Kardec - FEB
A Vida Cotidiana na Palestina no tempo de Jesus - Daniel Pops - Ed. Liv. Bras.-Lisboa
Ave Luz - Miramez / João Nunes Maia - Ed. Fonte Viva
Maria de Nazaré – Cap. 9 a 20 – Roque Jacinto – Ed. Luz no Lar
“Deus, o supremo criador, lhes havia dado como primeira lei o amor por Ele sobre todas as coisas e que agora, pelo Messias, dar-lhes-ia a mesma lei, porém levada à suprema altura do amor por todas as criaturas e por todas as coisas.

As Escrituras não diziam que Elias, o profeta deveria vir primeiro para preparar-lhe o caminho?

Israel não estava há tanto sofrendo a desgraça da escravidão?
Foi nestas condições, diz o Evangelho, "que ao regressar a caravana, no primeiro pouso (Beeroth, a 15 quilômetros da cidade), deram pela falta do menino e voltaram à cidade para procurá-lo; e que o encontraram, ao fim de três dias, em um dos pátios do Templo, discutindo com os doutores".
Agitavam então palmas, arrancadas do arvoredo rasteiro e entoavam o "Cântico dos Degraus", de Davi: "Hallel! Hallel! Haleluia! Nossos passos se detêm às tuas portas, oh! Jerusalém!".


Esse canto bem representava a alegria intensa da chegada.
A caminho de Nazaré a Jerusalém, após a cidade de Siquém, tornava-se perigosa por causa dos bandos de malfeitores romanos, herodianos e mesmo judeus, que infestavam os ermos.
Pela Páscoa do ano 12, tendo atingido idade legal, que lhe permitia certa independência, Jesus, pela primeira vez, acompanhou sua família na peregrinação de costume, no mês do Nizan. Março.

Eis os meses do calendário hebreu, na mesma ordem do nosso: Shebat - Adar - Nizan -Zif- Sivan - Tammuz - Ab - Elul - Tishri - Bul - Kislev - Tebeth.
Jesus no Templo
Fortaleza Antonia = Torre com 36 metros de altura de onde as guardas romanos vigiavam o que se passava no templo.

Todas as portas e partes internas do Templo eram vigiadas pela Guarda do Templo (Esbirros do Sinédrio).
Pátio dos Gentios = 140.000 pessoas, nenhum estrangeiro podia ultrapassar este pátio sob pena de morte.

Pátio dos Israelitas = 50.000 pessoas, cerimônias de rituais e holocaustos maiores.

Pátio das Mulheres = 14.000 pessoas.

Pátio dos Homens = 10.000 pessoas.
O Templo
Jerusalém era a capital nacional, famosa em todo o mundo antigo, centro da vida religiosa, sede do governo nacional, situada sobre um altiplano de quase mil metros de altitude, defendida por cinco quilômetros de muralhas e profundos vales e montes, num dos quais estava localizado o Grande Templo.

Possuía três bairros:

Cidade Alta (ricos)

Cidade Baixa (pobres)

Bairro do Templo.
Jerusalém
Certas vezes, Maria e José mortificavam-se dolorosamente, ao encontra Jesus conversando animadamente com as aves e os animais, que, em verdade, pareciam entendê-lo.

Advertia, censurava e aconselhava patos, cães, marrecos, galinhas, cordeiros e cabritos, apontando-lhes as imprudências e os perigos do mundo...

Curtiu noites de insônia, depois que viu, estarrecido, os bois tombarem um atrás do outro pela goela vomitando sangue e feridos mortalmente pela lança dos magarefes.

Ramatís: - A fim de poderdes avaliar o verdadeiro temperamento, as virtudes e os contrates do menino Jesus com os demais garotos de sua época, dar-vos-emos um quadro de algumas minúcias de sua vida, e que servirá para o mais claro entendimento de vossa pergunta.
NAZARETH
Aula 16

Infância e Juventude do Messias
Localização em Israel
Jerusalém
Belem
Objetivos
Como era a cidade de Nazaré, a mentalidade da época.
Como foi a infância de Jesus.
A proteção que teve.
Como Jesus foi criado e seu temperamento
Um breve relato de:


Filipe achou Natanael e disse-lhe: Havemos achado aquele a quem Moisés escreveu na Lei e de quem escreveram os Profetas: Jesus de Nazaré, filho de José. Disse-lhe Natanael: Pode vir alguma coisa boa de Nazaré? Disse-lhe Filipe: Vem e vê. (Jo 1: 45, 46)

Na Galileia predominavam os homens da terra, os impuros, mas era ela a região mais bela da Palestina.
Na cidadezinha todos se dedicavam ao trabalho, sol a sol, pois eram pobres, quase que sem exceção.

Aliás, todo israelita que se presava aprendia um ofício.

Havia um refrão dizendo: “Aquele que não ensina um ofício a seu filho, prepara-o para salteador de estrada”.
Em resumo; era um menino que jamais guardava ressentimento de alguém, mostrando-se absolutamente imune às ofensas e aos insultos alheios.

Imparcial e sincero em suas amizades, ele não diferenciava nenhum companheiro, por mais deserdado ou subversivo; não traia, não intrigava, não zombava nem humilhava.

Ninguém o viu usar qualquer meio para ferir um pássaro, destruir um réptil, inseto ou batráquio.
Curvava-se para o solo e colhia o verme repelente na folha do vegetal, pondo-o fora do alcance das pisaduras humanas.

Sob o espanto dos próprios adultos, ele deliciava-se com a carreira de formigas supercarregadas de partículas de alimentos ou folhas tenras; com os retalhos de madeira da carpintaria de José, construía túneis para livrá-las de serem esmagadas pelas criaturas que ali cruzassem os caminhos...
Mesmo depois de adulto, ele custava a se dominar diante dos quadros lúgubres do Templo de Jerusalém, onde os sacerdotes oficiavam a Jeová respingados pelo sangue dos animais e das aves inocentes.

Em conseqüência, Jesus não era um menino mórbido, excêntrico ou propriamente rebelde; porém, manifestava uma linha de conduta Angélica prematura entre os demais seres, e por isso semeava constrangimentos nos hipócritas, atemorizava os cruéis, que o censuravam, zombando das suas comiserações pelos insetos, vermes ou répteis.
Como foi a infância de Jesus.
A proteção que teve.
Como Jesus foi criado e seu temperamento
A seguir, algumas perguntas feitas ao espírito de Ramatis, sobre a infância de Jesus.
“O Sublime Peregrino” - Hercílio Maes
Ramatis
Pergunta: - De acordo com as vossas próprias mensagens, em que o espírito sublime só atrai bons fluídos, como se explica a necessidade de tantos cuidados e proteções ao menino Jesus, quando ele era um anjo exilado na Terra?
Ramatís: - O Menino Jesus era um ser angélico, uma flor radiosa dos céus a vicejar na água poluída do mundo humano, sofrendo a opressão da carne que lhe servia de instrumento imprescindível para cumprir sua missão heróica, em favor do próprio homem que o hostilizava.


Normalmente, era de 65 a 70 mil habitantes a população da cidade, número este permanentemente multiplicado pelo movimento intenso de forasteiros e peregrino.

A Rota de Nazareth a Jerusalém tinha 140 quilômetros e era percorrida em 3 dias.

A Páscoa em Jerusalém

As caravanas contavam uma multidão, à sua frente iam os varões cantando e tocando seus instrumentos, a seguir vinham as mulheres e os velhos, com seus bordões, e finalmente as crianças iam de um lado para o outro, livremente.


Pátio dos Levitas = 80 metros de largura, Altar dos Sacrifícios onde ardia dia e noite um braseiro sagrado onde consumia a carne das vítimas do sacrifício.

Santuário = 45 metros de largura divido em três partes: dos Levitas, o Santo (onde ficava o Altar dos Perfumes) e o Santo-Santorum (Completamente escuro onde somente entrava o sumo sacerdote uma vez por ano)

Nessa época, de todos os pontos da Palestina e de países vizinhos, anuíam à Capital judaica caravanas inumeráveis de peregrinos que se reuniam segundo as procedências, interesses, amizades, laços de família, etc.

Ao passar uma caravana por determinado lugar, iam-se-lhe agregando todos aqueles que o desejassem, após o devido entendimento com o guia que a comandava
Além disso, Siquém ficava na Samaria, região detestada e proibida.

Por isso todos viajavam em bandos ou caravanas que possuíam guardas armados para defender os viajantes e preteriam esta rota mais extensa, porém mais segura, com 140 quilômetros, passando sucessivamente por Scytopolis, Sebaste, Antipatris e Nicopolis.
Por esta rota, ao terceiro dia, os peregrinos atingiam a Capital, passando, ao chegar, pela via das rochas vermelhas que chamavam de Caminho de Sangue.

Por fim subiam ao Monte das Oliveiras, do cimo do qual avistavam as cúpulas douradas do Grande Templo.
Em Jerusalém, os pais de Jesus se hospedavam em casa de Lia, parenta de Maria, onde também se juntavam outros parentes e conhecidos, tomando conta dos cômodos interiores e dos pátios.
Naquele dia Jesus se aproximara de uma reunião onde os Rabinos debatiam os problemas apaixonantes relacionados com a vinda do Messias nacional.

Doze anos já se haviam passado desde quando se dera a conjunção planetária indicial e ainda nada sucedera e nada se sabia a respeito de seu nascimento tão aguardado.
Que a lei do Pai criador e supremo doador da vida, jamais se exerce pela cólera, mas pela justiça, que vigora invariavelmente em todos os mundos do imenso universo.
Pelo amor estareis em mim, diz o Pai e estarei em vós, pois que sois uma emanação do meu supremo ser.

Messias que esperais já está entre vós e será meu verbo, para que vos ameis uns aos outros e possais vos integrar na unidade divina que é Luz, Energia e Amor eterno”.
Duvidas ??
Duvidas ??
Duvidas ??
Duvidas ??
Duvidas ??
Marcelo Corradini
marcelo@corradini.com.br
19 9794-2908
População de aproximadamente 5.000 habitantes.

Pouso obrigatório das caravanas que vinham de Damasco ou de Jerusalém.

Região desprezada pelos Judeus por ser habitada por homens rústicos, poucos fiéis as leis e aos ritos judaicos.
Pergunta: - Quais outros detalhes que ainda nos podeis oferecer sobre a vida do menino Jesus, pois tem sido tão contraditória a narrativa de sua infância?
As trevas vigiavam-no incessantemente para desfechar o ataque perigoso à sua delicadíssima rede neurocerebral, a fim de lesá-lo no contato sadio com a matéria, e isto só era impedido graças aos seus fiéis amigos desencarnados.

Jamais alguém, no Espaço ou na Terra, poderia ofender ou lesar a contextura espiritual de Jesus, tal a sua integridade sideral, mas não seria impossível atingir o seu equipo carnal.

In “O Sublime Peregrino” Ramatís – Hercílio Maes – Cap. 12
Full transcript