Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A

No description
by

gregory olegario

on 19 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A

ESTUDO COMPARATIVO DE POEMAS DE DRUMMOND E CABRAL DE MELO NETO
Os ombros suportam o mundo
Nível Lexical
• Vocabulário coloquial;
• Verbos de ligação – és, está, é;
• Verbos de ação – batem, diz, chega/chegou, para, suportam.
• Substantivos concretos – Deus, coração, espetáculo, mulher guerra, tempo; Substantivos abstratos – amor, velhice, fome, vida.
Tempos verbais: presente do indicativo – chega, diz, pesa, choram, tecem, está, batem, resplandecem, és, sabes, provam;
• Futuro do presente – abrirás;
• Pretérito perfeito – ficaste, libertaram.

polissíndeto

anástrofe
metáfora
anáfora
"E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco."

"Em vão mulheres batem à porta, não abrirás."
"Teu ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança."

"Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem."

Nível Fonológico
O poema não se utiliza de rimas, porém, observamos a repetição de palavras.
“Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.”

Reflexões
Não há guarda-chuva
contra o poema
subindo de regiões onde tudo é surpresa
como uma flor mesmo num canteiro.

A Carlos Drummond de Andrade
Não há guarda-chuva
contra o amor
que mastiga e cospe como qualquer boca,
que tritura como um desastre.

Não há guarda-chuva
contra o tédio:
o tédio das quatro paredes, das quatro
estações, dos quatro pontos cardeais.

Não há guarda-chuva
contra o mundo
cada dia devorado nos jornais
sob as espécies de papel e tinta.


Não há guarda-chuva
contra o tempo,
rio fluindo sob a casa, correnteza
carregando os dias, os cabelos.

Nível Lexical
• Vocabulário coloquial;
• Verbos de ligação – há, é;
• Verbos de ação – subindo, mastiga, cospe, tritura, devorado, fluindo, carregando;
• Substantivos concretos – guarda-chuva, poema, mundo, desastre, tempo;
Substantivos abstratos – amor, tédio;
• Tempos verbais: presente do indicativo – há, é, mastiga, cospe, tritura;
• Gerúndio – subindo, fluindo, carregando;
• Particípio – devorado.

Nível Sintático
anáfora (“não há guarda-chuva”)
zeugma (“o tédio das quatro paredes, das quatro estações, dos quatro pontos cardeais”).
Períodos curtos e longos;
Nível Semântico

“subindo de regiões onde tudo é surpresa” (prosopopeia)
“como uma flor mesmo num canteiro” (símile)
“que mastiga e cospe como qualquer boca” (prosopopeia)
“que tritura como um desastre” (comparação)
“correnteza carregando os dias, os cabelos” (metáfora)

Nível Fonológico
Assonância
“Não há guarda-chuva
contra (o poema)”

Rima
“(...) o tédio das quatro paredes, das quatro
estações, dos quatro pontos cardeais.

(....) cada dia devorado nos jornais
sob as espécies de papel e tinta.”

Reflexões
Conclusão
Full transcript