Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Professor - quem é esse

No description
by

MARIA CLAUDIA MARTINS

on 24 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Professor - quem é esse

Usar as novas tecnologias
Atualizar-se nas novas didáticas
Coloque um comentário
Coloque um comentário
Características:
De acordo com a linha da escola, será pedido um perfil do professor. Se a escola for católica, escolherá o professor que dá importância a valores como a solidariedade. Se for tradicional, escolherá um professor de postura mais rígida.
Porém, há características gerais valorizadas, como a criatividade, o dinamismo, a flexibilidade e a capacidade de adaptar-se a mudanças.
Quais são as melhores características?
Teste: De Olho no seu Futuro Profissional
Hoje em dia a coisa mais importante na vida de um professor(a), é a sua qualificação profissional e versatilidade. É o seu diferencial no mercado de trabalho, e por isso, precisa ser verificado todo o tempo.
O teste , apesar de não ter caráter científico oficial, serve de base para uma auto-avaliação dos profissionais da área educacional.
Ele foi elaborado por pesquisadores da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.
Vá até o endereço abaixo e responda cada uma das questões, e veja sua situação no final.
Planejar e avaliar sempre
Ter uma boa formação
Quando assumi uma sala de aula pela primeira vez, senti dificuldade por não
ter um grande domínio das didáticas.
Na faculdade, procurei aprender o máximo sobre isso e, como leciono nas primeiras séries do Ensino Fundamental, tenho de me preparar em todas as áreas. (...) Faz toda a diferença no dia a dia na sala de aula ter contato com as obras de autores consagrados e se aprofundar nas didáticas específicas.
Para resolver outra demanda essencial - ensinar alunos com deficiência - fiz um curso de pós-graduação em Psicopedagogia. Com as aulas, aprendi formas de interagir com eles e a identificar que atividade é mais eficaz para cada tipo de dificuldade.
... os bons educadores, aqueles
que realmente fazem a turma
aprender, são os que não param
de estudar. Comecei procurando
textos para ler por conta própria.
Levava esse material para a escola
e discutia sobre ele com a equipe.
Isso não só me ajudou a dominar cada vez mais o conteúdo curricular como também me deu ferramentas para pensar em novas formas de abordá-lo durante as aulas. Para me aperfeiçoar ainda mais, senti que precisava voltar à universidade. Optei por cursar um mestrado em Língua Portuguesa na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). (...) A integração entre o mestrado e a experiência em sala de aula leva a reflexões sistemáticas que eliminam barreiras entre a teoria e a prática.
Ter atitude e postura profissionais
Meu primeiro trabalho na rede pública foi com turmas de 6º, 7º e 9º anos e, no início, me senti desanimado. Os alunos eram indisciplinados, não tratavam bem uns aos outros e discutiam bastante. O contexto social em que viviam era difícil e cheguei a questionar se seria mesmo possível ensinar diante dessas circunstâncias. Mas, em vez de desistir, resolvi investigar melhor o porquê da indisciplina - e isso fez toda a diferença no meu trabalho. (...) se surgia alguma briga, eu deixava claro que, como qualquer outro lugar, a sala de aula também tem normas de convivência. Em vez de impor regras, coloquei o tema em discussão e os atritos diminuíram. O que me fez mudar a postura foi a crença de que todos, ndependentemente de seu histórico e comportamento, têm a capacidade e o direito de aprender e, por isso, devemos sempre esperar o melhor de cada um. Todo docente deve analisar cada caso, olhar para as dificuldades de convivência, pensar em estratégias para sanar os problemas e criar o melhor ambiente para a aprendizagem. Envolver os pais nesse processo ajuda. Deixo claro para eles que é essencial mostrar aos filhos como se importam com a vida escolar deles.
Trabalhar bem em equipe
Professor - quem é esse
profissional ?

Mariléa Giacomini Arruda , 57 anos, professora de Língua Portuguesa na EMEF Antonio Sampaio Dória, em São Paulo, SP
"Leciono Matemática há 12 anos e sempre acreditei que a tecnologia pode facilitar o ensino. (...) Aprendi a importância de analisar quais conteúdos podem ser ensinados com o auxílio da tecnologia. (...) O mestrado em uso das tecnologias, que fiz na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), me deu meios para trabalhar com mais qualidade alguns conceitos matemáticos.
Na escola em que atuo, há professores de Língua Portuguesa que conjugam o ensino de novos gêneros, como blogs e fotologs, à produção de texto. O fato é que nossos alunos são formados dentro da cultura digital e profundamente influenciados por ela. Com a democratização do uso da internet, o barateamento dos computadores e mesmo a implantação de programas de governo destinados à informatização das escolas, não há por que trabalhar usando somente o quadro e o giz. Cabe a nós entender como se dá esse processo e nos atualizar de forma a desafiar os estudantes."
Flaviana Meneguelli, 32 anos, professora na Escola Básica Municipal Intendente Aricomedes da Silva, em Florianópolis, SC
Sandra de Amorim Silva Cavalcanti, 29 anos, professora na EM Professor Aderbal Galvão e coordenadora de projetos da rede municipal do Recife, PE
Sou professora há mais de 17 anos e hoje tenho total clareza de que, conversando com os demais professores e com a orientadora pedagógica, é possível descobrir formas mais eficazes de ensinar. Na minha escola, o trabalho em equipe realmente funciona. (...) juntos, planejamos as atividades, analisamos o que funcionou ou não e pensamos no que é preciso fazer para melhorá-las. Além disso, semanalmente, me reúno com a orientadora pedagógica, que me ajuda a ver problemas nas estratégias que estou usando e me faz refletir sobre pontos importantes do desenvolvimento das crianças. O relacionamento também ocorre com os colegas que lecionam em outros níveis. (...)
Nas reuniões de pais, que são periódicas, explicamos nossa concepção de trabalho para que entendam como diferentes atividades favorecem o ensino da leitura, entre outras habilidades. Quando todos - família, professores e gestores - se envolvem, a criança sempre ganha.
Patrícia Lemes Mullin, 39 anos, professora na EMEI Profª Marianita de Oliveira Pereira Santos, em São José dos Campos, a 91 quilômetros de São Paulo
Greicy Silva, 28 anos, professora de Matemática no Ciep Municipal Alexandre Bacchi, em Guaporé, a 200 quilômetros de Porto Alegre
Leandro Pereira Matos, 26 anos, professor de História na EM União da Betânia, em Juiz de Fora, a 276 quilômetros de Belo Horizonte
Apresentação: Maria Cláudia Volgari Martins

Adaptação do texto da Revista Nova Escola em:
http://revistaescola.abril.com.br/formacao/formacao-continuada/seis-caracteristicas-professor-seculo-21-602329.shtml?page=5

Música: Menestrel das Alagoas - Milton Nascimento

Filme: Oração do Professor - adaptação de Mª Cláudia V. Martins
Foi na licenciatura em Matemática que entendi a importância de usar meios avaliativos para checar o que de verdade os alunos aprenderam e, com isso, verificar a qualidade e a consistência das estratégias de ensino para reorientar o trabalho em sala. (...) Começo sempre com uma sondagem e, com base nesse levantamento, programo maneiras de retomar o que não foi aprendido. Na hora de introduzir um conteúdo, proponho situações diversas antes de entrar na teoria propriamente dita, definindo estratégias e fórmulas e sistematizando o que vimos na prática. Durante todo o ano, vão se alternando os momentos de planejamento, as aulas e a avaliação - que não se baseia apenas em provas. Observo e registro as estratégias usadas pelos alunos, as dificuldades e os avanços deles, além de olhar os cadernos. Assim, procuro não deixar as dúvidas se acumularem e logo intervenho. Quando identifico alunos com dificuldades, me concentro em ajudá-los, enquanto quem está em dia com a matéria se ocupa de outras atividades. Trabalhos em grupo, durante as quais os colegas se ajudam, também são essenciais. Algumas vezes, como lição de casa, proponho desafios complexos para a garotada. Isso me ajuda a ver até que ponto todos entenderam o que foi visto e se conseguem usar um conhecimento em diferentes contextos.
http://sitededicas.ne10.uol.com.br/este_futprof.htm

Boa Sorte!
Full transcript