Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS

By www.prezmaker.com / Content by Jeremie Berrebi http://www.berrebi.org/2012/01/08/guide-pour-presenter-votre-business-plan-de-startup/
by

on 17 November 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of MBA EM GESTÃO DE PROJETOS

Apresentação
Os últimos anos foram muito intensos para a economia brasileira. Atualmente, diversos empreendimentos de grande porte estão em fase de execução, o que faz emergir a necessidade do advento de novas tecnologias de gestão para ter sucesso na condução desses projetos complexos.

Nesse contexto, o estudo e a compreensão das características dos projetos complexos são de suma importância para aumentar a produtividade e a qualidade da gestão e dos resultados dos projetos.

Sendo assim, esta disciplina tem como objetivos:
1. Conceituar os projetos complexos;
2. Definir e caracterizar os diversos modelos de gestão de projetos;
3. Conceituar as ferramentas de controle e avaliação de projetos.
Introdução
um projeto complexo deve atender uma ou mais das seguintes características: tecnológica, social, financeira, legal, organizacional e temporal.
"
"
Exercícios
Todos esses meios funcionam como ferramentas de apoio à construção do conhecimento!
IBM
Estudo
de Caso
A diversidade cultural entre os envolvidos no projeto
I
Um grande desafio na gerência de projetos complexos é conseguir criar uma atmosfera positiva que seja capaz de integrar uma grande gama de pessoas de diferentes culturas.

A cultura influencia fortemente para o sucesso ou fracasso no atingimento dos objetivos do projeto e devem ser criadas estratégias que busquem a sinergia das diferentes culturas criando um ambiente propício para extrair o que há de melhor nas pessoas tornando o ambiente de trabalho prazeroso e sem excessos de formalismos.

Equipes trabalham com mais eficácia quando há condição para uma robusta e respeitosa troca de ideias, em que todos possam ensinar e também aprender. O desafio do gestor do projeto é criar esta ambiência maximizando a produtividade não somente de maneira individual como também da equipe de projeto como um todo.


I
I
I
I
I
De acordo com o conceito difundido pelo PMI, através do PMBOK, projeto é definido como um conjunto de atividades executadas em um período de tempo, por um grupo de pessoas que tem como objetivo único o desenvolvimento de um produto, serviço ou qualquer bem de comum acordo, definido previamente.

A complexidade de um projeto surge da estrutura do projeto e da forma com que seus elementos se relacionam juntos a qual na maioria das vezes uma determinada mudança não pode se saber de forma clara e objetiva o que esta mudança vai influenciar nas outras partes, tarefas ou projetos.
Com o conhecimento adquirido em sala de aula, pesquise em sites especializados em gerenciamento de projeto artigos sobre definições de projetos complexos. Elabore um texto dissertativo com as principais definições encontradas bem como exemplos de casos práticos.
Atividade proposta
Classificação de projetos
Conteúdo
Os projetos podem ser classificados (categorizados) de várias maneiras, entre as quais existe o critério da complexidade.

A complexidade possui várias definições na literatura. No quadro abaixo, seguem algumas consideradas importantes:
I
Podemos citar os grandes projetos de infraestrutura (Trens, construções de fábricas, plataformas), desenvolvimento de medicamentos, entre outras. O ICB- International competence Baseline (2004) lista algumas características essenciais aos projetos complexos:

- Muitos subsistemas/subprojetos e elementos inter-relacionados devem ser levados em conta dentro das estruturas de um projeto complexo e as relações ao seu contexto;

- Muitas empresas envolvidas e/ou diferentes unidades organizacionais (Partes interessadas) são gerenciadas num projeto complexo;

- Grande diversidade (variedade) de disciplinas estão trabalhando para um projeto complexo;

- O gerenciamento de um projeto complexo é feito durante várias diferentes fases com uma duração mínima;
 Muitos dos métodos, técnicas e ferramentas conhecidas de gestão de projetos (mais do que cerca de 60 a 80%) são necessários e aplicados no gerenciamento de um projeto complexo.
Fonte: https://www.examtime.com/pt/blog/as-10-competencias-do-professor-moderno/
Exemplos de Projetos complexos
PROF RAFAEL MONTEIRO
“A complexidade de uma situação é medida pelo número de variáveis que contém e, assim, um projeto complexo é aquele que apresenta grande número de variáveis a serem administradas.”
Maximiano (2002)
“Define a complexidade como uma medida da dificuldade inerente de alcançar a compreensão desejada.”
Bar-Yam (1997)
“A complexidade em projeto, caracterizada pela necessidade de integração, pode manifestar-se de diversas formas, sendo as mais comuns a organizacional e a tecnológica.”
Baccarini (1996)
" Projetos complexos como aqueles que sua estrutura leva a um comportamento inerentemente imprevisível, sendo que este produz um risco emergente, o qual para ser resolvido necessita-se de desenvolver a flexibilidade e resiliência em todos os níveis, a fim de lidar com os desafios especiais relacionados à complexidade."
David Hillson (2014)
O seu modelo de quatro dimensões é explicitado logo abaixo:
Modelo de Hofstede
PDI (POWER DISTANCE)
Indicador que mede o quanto uma sociedade aceita as diferenças sociais entre seus membros.
IDV (Individualismo)
Indicador que mede o quanto uma sociedade aceita comportamentos individualistas entre seus membros.
UAI (Nível de tolerância com a incerteza)
Indicador que mede o quanto uma sociedade tolera incertezas.
MAS (Índice para equipe composta pelo sexo masculino)
Indicador que mede o comportamento de uma determinada população através do quantitativo de homens/mulheres.
LTO – Long Term Orientation
Indicador que mede como a sociedade reage frente às mudanças que fazem parte de todo e qualquer projeto.
Analisando o modelo citado na população brasileira são obtidos os seguintes resultados, de acordo com o professor Hofstede:
Figura 1 Modelo de Hofstede
Fonte: <http://geert-hofstede.com/brazil.html>.
O estudo demonstra que existe grande diversidade cultural nas equipes de projeto no Brasil com grande distanciamento social entre eles, existe também uma grande propensão ao trabalho em grupo e o brasileiro em geral reage bem às condições de incerteza, criando regras em demasia para evitá-las (dirimi-las) ao máximo e assim o famoso “jeitinho brasileiro” é uma grande mostra da perseverança em buscar atingir os resultados.
Alterações de escopo
A alteração de escopo é um dos maiores problemas enfrentados na gerência de projetos. Tal problema pode ser mais bem compreendido na figura abaixo, em pesquisa realizada pelo PMI BRASIL.
No caso de projetos complexos, esse problema se torna ainda mais crítico devido à envergadura do projeto, pois uma alteração de escopo, por menor que seja, pode ter o poder de inviabilizá-lo sob diversos aspectos, tais quais exequibilidade técnica ou até mesmo financeira.
Sendo assim, para um melhor gerenciamento do projeto complexo, é imperativa uma robusta declaração de escopo de forma a oficializá-lo o mais breve possível no início do projeto, de forma a reduzir a imprevisibilidade do mesmo
e garantir o sucesso do empreendimento.
Prazo longo
Gerenciar projetos de prazo muito longo é um desafio bastante intenso para o gerente de projetos, pois requer métricas de controle muito apuradas de forma a alocar as atividades e recursos de maneira ótima garantindo o fiel cumprimento do plano de execução do projeto.

Existem diversas técnicas de gerenciamento de projetos para garantir um amplo controle do projeto e maximizar sua eficiência. Para uma boa gestão do prazo, deve-se lançar mão de EAP (Estrutura Analítica de Projeto) bem estruturadas de forma a acompanhar o passo a passo do projeto de forma a quantificar os avanços e tomar as medidas corretivas (quando cabível).
Uma boa EAP é aquela que decompõe o escopo de projeto de tal forma a refletir as competências da equipe de projeto, buscando-se obter um documento que seja uma matriz de responsabilidades da equipe do projeto.
Elaboração de uma EAP
Riscos envolvidos
Projetos complexos envolvem grandes riscos os quais devem ser devidamente analisados para a obtenção de planos de ação que reduzam a probabilidade de ocorrência e assim maximizem as chances de sucesso do empreendimento.
A estrutura de gerenciamento dos riscos compreende quatro etapas:
Identificar o risco: Encontrar sistematicamente as fontes de risco no projeto;
Qualificar/ Quantificar o risco: Identificar cada em termos do dano possível e grau de probabilidade;
Desenvolver uma resposta aos riscos: Implementar as estratégias de respostas ao risco;
Controlar e monitorar os riscos: Monitorar os efeitos das estratégias no projeto.
Existem diversas técnicas de quantificação e qualificação do risco. A mais comumente utilizada é a avaliação de Impacto x Probabilidade. Nesta técnica, são avaliados não só o impacto de um risco, mas também as chances estimadas de ele ocorrer.

A relação entre ambos estabelece um ranking que é exibido em uma matriz de três cores: verde, amarelo e vermelho, que definem, cada uma, o grau de risco do evento.
Como é impossível anular as adversidades, devem-se desenvolver respostas para quando estas acontecerem. As respostas às adversidades podem ser quatro:

+ Mitigar  A mitigação procura reduzir a probabilidade e/ou a consequência de riscos adversos a limiares aceitáveis;

+Evitar  Evitar o risco é mudar o plano de projeto para eliminar o risco ou a condição ou para proteger os objetivos do projeto destes impactos;

+ Aceitar  A aceitação ativa de riscos pode incluir o desenvolvimento de um plano de contingência. A aceitação passiva de riscos faz com que a equipe do projeto trate de riscos à medida que ocorram;

+ Transferir  Consiste na transferência da consequência de um risco a um terceiro, bem como da incumbência da resposta.
A complexidade e a incerteza
A complexidade na gestão de projetos complexos está intimamente ligada com a incerteza. Ou seja, de um lado, um empreendimento pode ser estruturalmente complexo em função no número de elementos ou das inter-relações entre os mesmos e, por outro lado, a complexidade também se relaciona com as incertezas, quer seja nas metas estabelecidas quer seja nos métodos adotados. Deste modo, um projeto complexo pode assumir diferentes estruturas, considerando a combinação dessas características (Willians, 2002).
A complexidade e a incerteza
A relação entre a complexidade do projeto em função de sua incerteza pode ser visualizada
Sendo assim, são muitos os desafios no gerenciamento de projetos complexos, sendo que o sucesso desta gestão reside na compreensão inicial da envergadura do projeto para permitir a elaboração de um modelo de gestão que possibilite uma condução sem sustos.
GERENCIAMENTO DE PROJETOS COMPLEXOS
MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS
https://profrafaelribeiro.typeform.com/to/xaXXyh
https://drive.google.com/file/d/0B0Vuu9ZWyhdydFkyaXVlc0R5X2s/view?usp=sharing
Veja um vídeo em que Greg Sikes, diretor da IBM, fala sobre a complexidade dos projetos advindos das demandas e inovações tecnológicas.
Full transcript