Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Bioestatistica1

Efeitos da suplementação oral de L-carnitina associada ao treinamento físico na tolerância ao exercício de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica
by

Evandro Bianchi

on 1 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Bioestatistica1

Efeitos da suplementação oral de L-carnitina associada ao treinamento físico na tolerância ao exercício de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica
O que é L-carnitina?
L-Carnitina é um nutriente sintetizado a partir de um aminoácido essencial, a lisina, estando presente em todas as mitocôndrias do corpo.

Desempenha um papel importante no metabolismo da gordura, transportando os ácidos gordos de cadeia longa, para a mitocôndria (fonte energética das células), contribuindo assim para a combustão da gordura.
O metabolismo das gorduras nas células musculares, pode ser melhorado com a ajuda adequada de Carnitina, desta forma a energia retida pelo músculo é também aumentada.

Doença pulmonar obstrutiva crônica (abreviada por DPOC) é uma doença crônica, progressiva e parcialmente reversível que acomete os pulmões e tem como principais características a destruição de seus alvéolos e o comprometimento dos restantes. Ocorre com mais frequência em homens mais velhos e fumantes.

Aproveitando: o que é DPOC?
Causas:
Fumo
Tabaco contém substâncias que inflamam as vias respiratórias.




Exposição a poluição
Carência de uma proteína
Chamada Alfa 1 antitripsina
**[casos raros de não fumantes]
Pessoas portadoras de DPOC
Apresentam redução da tolerância ao exercício físico, principalmente devido à limitação ventilatória.
Grupo 2 *(n=10)
Grupo 3 *(n=10)
Grupo 1 *(n=10)
Objetivo:
Avaliar influencia da suplementação de L-carnitina no periodo de 6 semanas
**Amostra de 30 pacientes 69 + ou - 7anos
Treinamento físico e suplementação
com 2g/dia de L-carnitina
Recebeu treinamento físico e *placebo
[coloração/gosto/embalagem idênticos]
Não foi submetido a treinamento físico
e recebeu 2g/dia de L-carnitina
Mensurações:
Espirometria
Após as medidas de altura e peso realizou-se a
espirometria com um espirômetro da marca
Vitalograph modelo Hand Held 2021
Teste de caminhada de seis minutos (TC6)
O TC6 foi realizado em um corredor plano de 28 metros de comprimento. Os pacientes foram monitorados durante
todo o teste através de um oxímetro de pulso portátil (Nonim8500A, Plymouth, Mn, EUA).
Os pacientes foram questionados quanto à dispnéia no início e no final do teste, através da escala de percepção de esforço de Borg
CR10 (Category Ratio 10), no qual zero foi considerado como nenhuma falta de ar e 10 como muito, muito intensa.
Análise da L-carnitina livre no plasma:
Foram coletadas amostras de 5ml de sangue no início e no término do experimento para a determinação da L-carnitina
livre no plasma. O sangue foi imediatamente centrifugado
a 2.500rpm e armazenado em freezer a –80°C.
As amostras foram estocadas e analisadas em duplicata
Treinamento físico
Os pacientes do G1 e G2
Foram submetidos a um programa de treinamento físico (TF) que
consistiu de sessões de 10 minutos de exercícios de alongamento de
tronco, membros superiores e inferiores, e exercícios de caminhada
de 30 minutos na esteira rolante, com velocidade de treinamento em 80%
da máxima obtida num teste de esforço em esteira, com incrementos
de 0,5km/h a cada dois minutos e inclinação constante em 3%,
até a exaustão
Análise estatística:
Para a análise dos dados foi utilizado o teste t pareado de Student, para comparar os dados obtidos de cada grupo do pré para o pós-tratamento.
Para análise da FC média, do delta de variação da FC e
da velocidade entre os grupos treinados, utilizou-se a análise de Mann-Withney. A ANOVA foi utilizada para detectar diferenças entre os grupos, pois os dados apresentaram distribuição normal e variância equivalentes
Resultados:
***Não foram constatadas variações estatisticamente significativas entre a *CVF, o *VEF1 e o *VVM do pré e do pós-tratamento (Tabela 2).
*CVF – Capacidade vital forçada
*VEF1 – Volume expiratório forçado no 1º segundo
*VVM – Ventilação voluntária máxima
*** Com relação à distância percorrida no TC6, não foram constatadas diferenças significativas entre os grupos quando comparados os valores obtidos nas avaliações iniciais.
No entanto, foram observados aumentos significativos (p < 0,05%) da distância percorrida pelos pacientes
do G1 (de 421 ± 100 para 508 ± 80,7 metros) e pelos pacientes do G2 (496 ± 78,7 para 526 ± 64,3 metros).
Os pacientes do G3 não apresentaram aumentos significativos da distância percorrida no TC6 na reavaliação
A Figura 1 ilustra o delta de variação da distância percorrida no TC6 entre a situação pré e pós-tratamento para os três grupos estudados. Observa-se maior ganho na distância percorrida pós-tratamento
(p < 0,05) no grupo 1, onde, pela ordenação dos dados (teste de Duncan), G1 < G2 = G3.
O delta de variação entre a FC inicial menos a final foi diferente entre os grupos treinados, demonstrando redução significativa da FC somente no G1, embora houvesse incremento de velocidade semanal similar em ambos os grupos (Figura 2). Não se constatou alteração significativa dos escores pela escala de o delta de variação entre a Borg e da *SaO2 durante o TC6 em nenhum dos grupos estudados, e tampouco na análise intragrupos dessas mesmas variáveis


*SaO2 – Saturação de oxigênio
***Quanto à variação das frações de L-carnitina no soro dos grupos estudados, somente nos pacientes do G3 observou-se aumento estatisticamente significante (p < 0,05)
Grupo 3 *(n=10)
Não foi submetido a treinamento físico
e recebeu 2g/dia de L-carnitina
Com relação aos testes de avaliação do estado funcional aplicados durante um programa de treinamento físico, o TC6 tem-se mostrado, em vários estudos, reprodutível, de fácil execução, podendo ser utilizado para avaliar a tolerância ao exercício físico em pacientes com DPOC) após um programa de TF supervisionado.
De acordo com nossos resultados, houve, nos grupos treinados, aumento significativo da distância percorrida (Tabela 2).
Entretanto, os pacientes que receberam o TF e suplementação com L-carnitina apresentaram maior ganho na distância percorrida, quando comparados com os demais (Figura 1).


Conclusão:


A L-carnitina associada ao treinamento físico pode proporcionar maior tolerância ao exercício em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica.
Componentes do Grupo
Full transcript