Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

CUBISMO - PABLO PICASSO

Leonardo da Vinci - 3ª série - Ensino Médio
by

Wagner Bôa Morte

on 23 September 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of CUBISMO - PABLO PICASSO

P
a
b
l
o

P
I
C
A
S
S
O

CUBISMO
1907/1914
Historicamente, o Cubismo originou-se na obra de Cézanne, pois para ele, a pintura deveria tratar as formas da natureza como se fossem cones, esferas e cilindros.
Paul CÉZANNE preocupa-se com a estrutura da composição e simplifica a natureza em formas geométricas. Preconiza assim, o Cubismo.
foram mais longe do que Cézanne e passaram a representar os objetos com todas as suas partes num mesmo plano. (É como se eles estivessem abertos e apresentassem todos os seus lados no plano frontal em relação ao espectador. Essa atitude de decompor os objetos não tinha nenhum compromisso de fidelidade com a aparência real das coisas).

não representam, mas sugeriam a estrutura dos corpos ou objetos em três dimensões, numa superfície plana, sob formas geométricas e com o predomínio de linhas retas.

os artistas representavam os objetos como se movimentassem em torno deles, vendo-os sob todos os ângulos visuais, por cima e por baixo, percebendo todos os planos e todos os volumes.

Os cubistas . . .
Garota com mandolin, de Picasso
Principais características do Cubismo
Geometrização das formas e dos volumes;
Os artistas procuravam situar a forma no espaço sem empregar a ilusão da perspectiva (profundidade conseguida pela superposição dos planos);
O claro-escuro perde sua função;
RETRATO DE AMBROISE VOLLARD, Pablo PICASSO – 1910
Pushkin State Museum of Fine Arts, Moscou
Representação do volume colorido sobre superfícies planas;
Sensação de "pintura escultórica";
Cores que vão do branco ao negro, passando pelo cinza, por um ocre apagado ou um castanho suave.
O cubismo dividiu-se em dois focos de pesquisa:
Caracterizado pela desestruturação da obra em todos os seus elementos.
Decompondo a obra em partes, o artista registra todos os seus elementos em planos sucessivos e superpostos, procurando a visão total da figura, examinado-a em todos os ângulos no mesmo instante, através da fragmentação dela.
Coloca na pintura a representação do tempo – a quarta dimensão – é como se o espectador girasse ao redor dela.
As cores predominantes eram pobres e fortes: preto, cinza, marrom e ocre.
Cubismo Analítico (1907-1911)
Pablo-Picasso - "Ma Jolie" (Woman with a Zither or Guitar), 1911
Pablo Picasso - Accordionist, 1911
Violin and Pitcher – Georges Braque
Reação à excessiva fragmentação dos objetos e à destruição de sua estrutura.
Picasso e Braque passaram a introduzir colagens de letras, tecidos, jornais, envelopes, selos, baralhos, embalagens de cigarro e outros elementos da vida diária (precursora da Pop Art).
Os artistas procuravam, com isto, colocar símbolos da vida em uma obra que se afastava da figura humana.
A decomposição da forma era menos fragmentada. Reunidas, as partes formavam uma síntese de elementos, embora a figura continuasse geometrizada e vista de um só ângulo.
Era uma tentativa de tornar as figuras novamente reconhecíveis.
Cubismo Sintético (1911)
Picasso
Braque
A garrafa de Bordeux -Gris
Natureza Morta com Cadeira de Palha, Picasso
A fragmentação dos seres foi tão grande, que se tornou impossível o reconhecimento de qualquer figura nas pinturas cubistas. A cor se reduz aos tons de castanho, cinza e bege.
Nu descendo escada, Duchamp
The Mandola, Braque
Picasso, Braque, Juan Gris, Léger, Lhote, Severini, Picabia, Fresnay, Villon, Marcel Duchamp, dentre outros.
“Comecei a pintar em azul, quando percebi que Casagemas havia morrido”, escreveu Picasso. Casagemas era amigo de Picasso e cometeu suicidio em 1901, após ter sido rejeitado por uma mulher por quem estava apaixonado.
FASE ROSA (1904-1907)
O amor por Fernande  origina muitos desenhos sensuais e eróticos;
Com a paixão de Picasso pelo circo, iniciam-se os ciclos dos saltimbancos e do arlequim.
FASE AZUL (1901-1904)
Composições monocromáticas.
Principais artistas cubistas
Cubismo (conceitos e imagens (4:24)
(Youtube c/adaptações)
TV Cultura - Cubismo (24:55)
Cubism
O artista mais famoso e versátil do século XX , nasceu em Málaga, no Sul da Espanha, em 25 de outubro de 1881.
Antes de completar 15 anos, Picasso pintou seu primeiro quadro acadêmico a óleo -
Primeira Comunhão
(1896).
Intimamente machucado com o suicídio do amigo e pintor Casagemas, em 1901, o artista enche suas telas de dor, trabalhando temas como cegos e estropiados - início da
FASE AZUL
(abandona as cores quentes e aperfeiçoa a graduação de tons frios e severos).
Em 1904 mudou-se para Paris e teve contato com obras de Cézanne, que o marca profundamente.
Inicia logo a
FASE ROSA
, caracterizada pela leveza da técnica, pela tenacidade de linha e pela sutileza das deformações. Saltimbancos e arlequins substituíram mendigos, cegos, aleijados, a poblera e a tristeza.
A linha divisória foi a obra
Les demoiselles d'Avignon
.
Calcula-se que tenha produzido mais de 60 mil obras.
O ARTISTA
O velho guitarrista cego (1903)
Refeição do homem cego
A bebedora adormecida
Sopa
A tragédia
Menino com cachimbo
(US$ 104.000.000,00)
FASE NEGRA (1908 e 1909)
Uma visão mágica, lírica e sobrenatural do mundo.
A GUERRA
. . .
no trabalho.
A guerra chegava e com ela a crítica de Picasso, que em 1944, filia-se ao Partido Comunista. Guernica (1937), uma de suas obras mais conhecidas, foi uma protesto contra o sangue derramado no bombardeio à cidade basca.
(4:04)
O contexto da obra
Encomendada pelo Governo Republicano Espanhol para traduzir o drama da pátria arrasada pelo fascismo durante a Guerra Civil Espanhola.
Exilada por mais de 40 anos em Nova York, só voltou para Barcelona em 1981.
GUERNICA (1937)
(2:57)
O que você acha que significa?
Homem de braços levantados
Mulher que sai da escuridão
Rosto boquiaberto
Mão disforme segura um candeeiro
Lâmpada (candeeiro elétrico)
Cavalo em agonia
Touro
Mãe que carrega uma criança no colo
Figura mutilada e Espada partida
Homem de braços levantados
     No lado direito superior, destaca-se a figura de um homem com os braços levantados e boca aberta.
Esta figura pode simbolizar duas coisas: o homem está apavorado e parece tentar deter as bombas que são lançadas sobre a cidade; ou faz uma analogia a figura principal da obra "Os fuzilamentos de 03 de maio de 1808", de Goya.
Mulher que sai da escuridão
A direita, pode-se ver a figura de uma mulher que parece sair da escuridão para dentro de um cone de luz. Sua expressão é de completo esgotamento, como se carregasse um grande fardo, e seu rosto erguido na direção da luz pode ter uma certa semelhança com as imagens de Jesus Cristo a carregar a cruz. Essa imagem pode ser uma tentativa de expressar o sofrimento humano, mas sem simbolizar explicitamente o cristianismo.
Na parte direita superior e ao centro, aparece uma figura que parece surgir por debaixo das telhas. Essa figura, de rosto dominador, olha horrorizada para o cavalo ferido e parece não acreditar no que estava a ver.
Rosto Boquiaberto
No centro superior da tela, próximo à cabeça do cavalo, existe um braço que se parece com uma nuvem. A mão disforme segura um candeeiro, muito comum nas casas dos camponeses. Esse candeeiro liberta uma luz suave, que poderia simbolizar a luz da consciência.
Mão disforme segura um candeeiro
No centro superior da tela, próximo à cabeça do cavalo, existe um braço, que parece uma nuvem. Na mão disforme segura um candeeiro, muito comum nas casas dos camponeses. Esse candeeiro liberta uma luz suave, que poderia simbolizar a luz da consciência.
Lâmpada (candeeiro elétrico)
Na parte central do quadro, vemos um cavalo em agonia, este está caído de joelhos, como se estivesse a sentir as dores provocadas por uma enorme ferida aberta. A cabeça do cavalo está voltada para o touro. Da boca do cavalo parece sair um rugido feroz, de ira e dor. Esse rugido parece estar direcionado para a figura do touro, ao lado. O cavalo pode representar a angústia do povo espanhol. No entanto, alguns críticos de arte, defendem que devido aos traços rígidos, quase patéticos, representam o general Franco.
Cavalo em Agonia
No lado esquerdo da tela encontra-se o touro. Outra figura ambígua, pois pode estar representada a resistência do povo espanhol, mas o touro, que representa brutalidade, pode simbolizar o general Franco.
Repare que o touro está parado, a abanar a cauda, como se, após um ataque bem-sucedido, recuasse para ver os "estragos feitos no adversário" e se preparasse para o próximo ataque. A presença do touro deve-se também ao fascínio que Picasso sempre teve por touradas, e que aparece frequentemente nas suas obras.
Touro
Mãe que carrega uma criança morta nos braços
A mãe, que carrega uma criança morta nos braços, talvez seja a de mais fácil interpretação. Nessa imagem percebe-se claramente a dor que sente uma mãe quando perde um filho.
Figura mutilada e Espada partida
Toda a lateral inferior esquerda é ocupada por uma figura totalmente mutilada, que pode ser um guerreiro. Repare que, apesar de ter a cabeça e os braços cortados, o guerreiro está agarrado a uma espada partida, simbolizando, assim, a resistência do povo espanhol. Próximo da sua mão, encontra-se uma flor, símbolo da esperança de uma nova era.
Bombardeio a Guernica (1:14)
Guernica em 3D (2:54)
Os fuzilamentos de 3 de maio de 1808
Primeira comunhão (1896)
Pablo Diego José Francisco de Paula Juan Nepomuceno Maria de los Remedios Cipriano de la Santissima Trinidad Ruiz y Picasso.
Ciência e Caridade (1897)
CURIOSIDADES SOBRE OBRAS DE ARTE
1. Os Jogadores de Carta, de Paul Cézanne (1892/93) - Quanto: 260 milhões de dólares (U$ 250 milhões, sem correção monetária) - Quem comprou: A família real do Qatar, em 2011. A compra milionária tornou quadro de Cézanne uma das obras de arte mais valiosas atualmente pertencentes a um acervo privado.
2. No. 5, 1948, de Jackson Pollock (1948) - Quanto: 160,8 milhões de dólares (U$ 140 milhões, sem correção) - Quem comprou: Não foi revelado o nome do comprador. É a venda mais alta de uma obra contemporânea.
3. La Rêve, de Pablo Picasso (1932) - Quanto: 155 milhões de dólares - Quem comprou: O famoso empresário de Wall Street, Steven A. Cohen, em março de 2013.
4. Woman III, de Willem de Kooning (1951/53) - Quanto: 154,5 milhões de dólares (U$ 135 milhões, sem correção) - Quem comprou: Steven A. Cohen novamente. O colecionador de arte, considerado o 106º homem mais rico do mundo pela Forbes, arrematou o quadro de Konning em 2006.
5. Retrato de Adele Bloch-Bauer I, de Gustav Klimt (1907) - Quanto: 135 milhões de dólares - Quem comprou: O empresário estadunidense Ronald Lauder, em 2006. Está em um museu em NY.
6. Retrato de Dr. Gachet, de Vincent van Gogh (1890) - Quanto: 148,3 milhões de dólares (U$ 82,5 milhões, sem correção) - Quem comprou: O empresário japonês Ryoei Saito, em 1990. Saito chocou o mundo ao pagar uma fortuna, muito acima do “preço de mercado”, pelo quadro do holandês. E não parou por aí: dois dias depois ele fez outra compra milionária (o próximo item dessa lista) e deu chá de sumiço nas duas importantes obras.
7. Le bal du moulin de la galette, de Pierre-Auguste Renoir (1876 - Quanto: 140,3 milhões de dólares (U$ 78,1 milhões, sem correção) - Quem comprou: Ryoei Saito, novamente. Além dos gastos extravagantes, o japonês causou revolta ao declarar que, quando morresse, queria que os quadros de van Gogh e Renoir fossem enterrados com ele.
8. Garçon à la Pipe, de Pablo Picasso (1905) - Quanto: 127.9 milhões de dólares (U$ 104,2 milhões, sem correção) - Quem comprou: Dizem por aí que o empresário Guido Barilla teria sido o responsável por arrematar, em 2004, a obra de Picasso. Mas, apesar dos rumores, nunca foi divulgado o nome real do comprador que investiu uma fortuna no trabalho concluído quando o pintor espanhol tinha 24 anos.
9. O Grito, de Edvard Munch (1895) - Quanto: 121,1 milhões de dólares (U$ 199,9 milhões, sem correção) - Quem comprou: O empresário estadunidense Leon Black, em 2012.
10. Nu, folhas e busto, de Pablo Picasso (1932) - Quanto: 113,3 milhões de dólares (U$ 106,5 milhões, sem correção) - Quem comprou: Um comprador desconhecido arrematou a obra de Picasso, em 2010. Assim como La Rêve, o quadro é um retrato de Marie-Thérèse Walter, amante do artista e mãe de sua filha Maya Widmaier-Picasso.

Fonte: Superinteressante - 19 de abril de 2013

(1)
(10)
VÍDEOS
Guerra Civil Espanhola
3ª SÉRIE – EXERCÍCIO DE REVISÃO

ARTE AFRICANA E CUBISMO – NO QUADRO

a) Características da arte africana
Carregada de significados
Sobrenatural e místico
Geometrização
Tons terrosos
Primitivismo – formas simplificadas
Distantes das regras e conceitos da História da Arte.

QUESTÕES

1) As influências da arte africana na arte de Picasso. Quais elementos presentes na obra Les demoiselles d'Avignon claramente advindos da arte africana?

2) Quais os dois focos do cubismo? Dê características? (PREZI)

3) Picasso e suas fases – Quais são? Dê características de cada uma delas. (PREZI)

É MUITO IMPORTANTE ESTUDAR, COM ATENÇÃO, OS ARQUIVOS (PREZI).
Full transcript