Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A ABORDAGEM SINTÁTICO-SEMÂNTICA DA MATEMÁTICA: PRODUTIVIDADE

No description
by

Leizer Fernandes

on 11 December 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A ABORDAGEM SINTÁTICO-SEMÂNTICA DA MATEMÁTICA: PRODUTIVIDADE

Percepções como
educador
Dificuldades dos alunos em associar conceitos matemáticos ao seu cotidiano

Percepção da resistência dos alunos à Matemática

Matemática como uma das principais causas de evasão escolar

Dificuldade dos jovens e adultos da EJA em fazer uma leitura crítica do mundo e internalizar conceitos matemáticos

Motivação para a pesquisa
Redes Sociais
Campos discursivos
Pressupostos

As tecnologias a favor da educação;

O “mundo líquido” – Fluido. (cf. BAUMAN);

Principais Aportes Teóricos do Trabalho
Objetivo

Verificar a contribuição da abordagem do ensino da matemática numa perspectiva sintático-semântica para o processo significativo de aprendizagem desta disciplina no PROEJA de Secretariado do IFG/Câmpus Jataí.


Objetivos e justificativa
A ABORDAGEM SINTÁTICO-SEMÂNTICA DA MATEMÁTICA: PRODUTIVIDADE DA FERRAMENTA SEQUÊNCIA DIDÁTICA EM TURMAS DE PROEJA

Linha de pesquisa: Organização escolar, formação docente e Educação para Ciências e Matemática.
Sublinha de pesquisa: Linguagem, Cultura e Sociedade.

Mestrando: Leizer Fernandes Moraes
Orientadora: Prof.ª Drª Mara Rúbia de Souza Rodrigues Morais

A abordagem sintático-semântica (Cf. GÓMEZ-GRANELL, 2003) dos conteúdos matemáticos, tal como eles circulam nas redes sociais, transpostos para a linguagem cotidiana, contribui para a aprendizagem desses conteúdos e para a formação integral dos alunos do Proeja?
Questão de Pesquisa
Desafio deste estudo
Diferentes áreas do conhecimento
Estabelecer uma interface entre as áreas de conhecimento mobilizadas nesta pesquisa:

Matemática
Estudos socioculturais
Linguística

Mobilizamos esses 3 campos a fim de cumprir o objetivo deste trabalho, visto que os conteúdos matemáticos aparecem no ciberespaço relacionados a sentidos identitários, sociais e ideológicos.

Esquema de sequência didática para o oral e para a escrita
Fonte: Dolz, Noverraz & Schneuwly (2004)
SUJEITOS ENVOLVIDOS E PERCURSO METODOLÓGICO
Mestrado Profissional em Educação Para Ciências e Matemática
Contato com o texto sobre a abordagem sintático-semântica da matemática (Gómez-Granell, 2003)
Oportunidade de, a partir de uma abordagem sintático-semântica da matemática (cf. GÓMEZ-GRANELL), desenvolver nos alunos suas capacidades de apropriação de conceitos matemáticos e de realização de uma leitura crítica do mundo, traduzida no reconhecimento de sentidos sociais ideologicamente assinalados.
O desafio da pesquisa em Educação numa perspectiva do Mestrado Profissional;
A construção do conhecimento como um processo social;
Justificativa
As dificuldades no ensino-aprendizagem de matemática, sobretudo na educação de jovens e adultos, exigem que se analise a produtividade do ensino de matemática numa abordagem sintático-semântica para a apreensão de conteúdos matemáticos, trabalhados numa perspectiva interdisciplinar, crítica e omnilateral.
Matemática
Gómez-Granell (2003)
Roque (2012)
Sociologia
Bauman (2001;2005)
Identidades
"Mundo Líquido"
Linguística
Dolz, Noverraz e Schneuwly (2004)
Teorizações relacionadas
ao Sociointeracionismo.
Vygotsky:
Campo Educacional


Tecnologias na Educação
Teorização sobre tecnologias e escola
Lévy (2010)
Utilizamos instrumentos quantitativos colocados a serviço da organização e apresentação dos dados que foram analisados qualitativamente.
Organização dos dados
Por seu caráter interdisciplinar, que contempla a linguagem algorítmica da matemática e a sua incidência em produções culturais da pós-modernidade,
o trabalho com a sequência didática, a nosso ver, possibilita a integração das dimensões sintática e semântica no processo de ensino da matemática

e de formação omnilateral
dos alunos da turma Educação de Jovens e Adultos.
Considerações Finais
APRESENTAÇÃO
DA
SITUAÇÃO
PRODUÇÃO
INICIAL
Módulo 1
Módulo 2
Módulo n
Produção Final

Cartuns utilizados na etapa de produção final da SD
Fonte: Rede social
Facebook
ANÁLISE E ORGANIZAÇÃO DOS DADOS PRODUZIDOS NO PROCESSO DA SEQUÊNCIA DIDÁTICA
Eixos de análise para cada aspecto:
Leitura do
cartum
Escrita do Gênero "Comentário Para Redes Sociais"
Critérios de análise para o Eixo Escrita
Análise dos dados [Produção (Inicial e Final) dos Alunos] levando-se em consideração os aspectos:
Matemáticos
Sociológicos
Linguísticos
Critérios de análise para o Eixo Leitura
Critérios utilizados para a análise Qualitativa das produções Inicial e Final de cada aluno
Critérios utilizados para a análise Qualitativa das produções Inicial e Final de cada aluno
Dados obtidos por meio de análise da
PRODUÇÃO INICIAL dos sujeitos
Eixo Leitura
Eixo Escrita
Dados obtidos por meio de análise da
PRODUÇÃO FINAL dos sujeitos
Eixo Leitura
Eixo Escrita
Resultados encontrados (Eixo Escrita)
Sujeitos Envolvidos
Alunos(a) Jovens e Adultos da EJA - Secretariado / IFG - Jataí
16 Discentes (15 Mulheres e 1 Homem) - Início da Pesquisa
15 Discentes (14 Mulheres e 1 Homem) - Término da Pesquisa

2 Docentes
Matemática
Língua Portuguesa

Módulos
Docentes participaram como colaboradores envolvendo suas disciplinas em uma Sequência Didática elaborada em conjunto com o Pesquisador e os discentes participaram das 4 etapas da SD utilizada como base para este estudo.
Sequência Didática

Aplicada ao longo do quarto bimestre do ano de 2013;


Contemplada em 21 encontros envolvendo as disciplinas Matemática e Língua Portuguesa;


Organizada em 9 módulos.

Desenvolvida em sala de aula e Laboratório de Informática (Especialmente as aulas dos módulos que envolveu-se o Software ProejaSocial)
A sequência didática
contribuiu para ampliar as capacidades de leitura e escrita dos gêneros trabalhados, bem como a aquisição da linguagem matemática, numa transposição dessa linguagem para a linguagem cotidiana.
Assim sendo, vislumbramos, na SD, uma possibilidade a ser explorada pelos professores para minimizar as dificuldades dos alunos em relação à linguagem algorítmica da matemática, considerada difícil e inacessível às pessoas (cf. GÓMEZ-GRANELL, 2003).
Da pesquisa, emergiram dados relevantes que nos auxiliaram a comprovar que os alunos apresentaram um desenvolvimento considerável ao compararmos as suas produções iniciais e finais.
Tais dados nos permitiram considerar que houve desenvolvimento dos três aspectos analisados, envolvendo os dois eixos analíticos: leitura e escrita.
Consideramos que
a SD foi capaz de ampliar a visão crítica dos alunos
com relação aos preconceitos que circulam em forma de cartum nas redes sociais e são reiterados/reproduzidos por meio de comentários. Ainda neste contexto, acreditamos que essa abordagem
contribuiu para ampliar as suas capacidades de leitura e escrita matemática.
Percebemos, por meio da entrevista realizada com os alunos, que eles enxergaram a
SD como uma forma de ampliar as suas capacidades de relacionar sentidos – dar significado – à matemática no seu cotidiano.
Além disso, os alunos atribuíram aos elementos utilizados durante a SD, como os cartuns, o computador, o site “ProejaSocial” e a internet a possibilidade de aprender matemática de forma mais consistente e acessível.
Esses dados nos apontam para a
conclusão de que a abordagem sintático-semântica da matemática em uma turma de PROEJA pode ser utilizada como metodologia pedagógica para o desenvolvimento de seus conceitos.

Concluímos, também, que
o uso das tecnologias da informação e comunicação, bem como os
cartuns
e comentários que circulam nas redes sociais, podem ser utilizados como objetos de aprendizagem potencialmente capazes de estabelecer um diálogo entre várias áreas do conhecimento
, o que contribui para o ensino da matemática de forma interdisciplinar.
Produto desenvolvido e utilizado neste estudo
ProejaSocial (www.proejasocial.com.br)
Utilizado em módulos da Sequência Didática;
Em aulas de Matemática e Língua Portuguesa

Consiste em um site (RedeSocial) que possibilita a integração dos alunos e dos professores envolvidos na SD;

Elaborado durante a SD levando-se em consideração a necessidade dos professores e alunos.

Demonstração do ProejaSocial
Referências Bibliográficas
ALTHUSSER, Louis. A favor de Marx. Tradução de: Dirceu Lindoso. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

ARAÚJO, Júlio César Rosa de. Transmutação de Gêneros na web: a emergência do chat. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (Org.). Hipertextos e gêneros digitais: novas formas de construção de sentidos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Marxismo e filosofia da linguagem. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

________. Estética da Criação Verbal. 6. ed. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2011. 476 p. Tradução de: Paulo Bezerra.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: Entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. 110 p. Tradução de: Carlos Alberto Medeiros.

________. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001. 258 p. Tradução de: Plínio Dentzien.

CICILLINI, Graça Aparecida; Conhecimento científico e conhecimento escolar: Aproximações e distanciamentos. In: CICILLINI, Graça Aparecida;

NOGUEIRA, Sandra Vidal (Org.). Educação escolar: políticas, saberes e práticas pedagógicas. Uberlândia: EDUFU, 2002.

DAVIS, Cláudia; OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. Psicologia na Educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2004. 125 p.

DOLZ J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEULWY, B; DOLZ, J. et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004, p. 95-128.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação. 6. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982.

_______. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 23. ed. São Paulo: Cortez, 1989.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação omnilateral. In: Caldart, Roseli. PEREIRA, Isabel Brasil. ALENTEJANO, Paulo. FRIGOTTO, Gaudêncio. (Orgs.). Dicionário da Educação do campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.





Referências Bibliográficas
GÓMEZ-GRANELL, Carmem. A aquisição da linguagem matemática: símbolo e significado. In: TEBEROSKY, Ana; TOLCHINSKY, Ana. Além da alfabetização: a aprendizagem fonológica, ortográfica, textual e matemática. São Paulo: Ática, 2003. p.257-282.

KOCH, Ingedore; ELIAS, Vanda Maria. Escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2010.

___________. TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A coerência textual. 15ª ed. São Paulo: Contexto, 2003.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Mariana de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LÉVY, Pierre. CIBERCULTURA. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2010. 272 p. Tradução de: Carlos Irineu da Costa.

______. O que é o virtual? 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2011. 160 p.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, Gênero e Sexualidade. Porto: Porto Editora, 2000. 111 p.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (Org.). Hipertextos e gêneros digitais: novas formas de construção de sentidos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MOITA LOPES, Luiz Paulo. A transdisciplinaridade é possível em Lingüística Aplicada? In: SIGNORINI, I. & M. Cavalcanti (Orgs.) Lingüística Aplicada e transdisciplinaridade. Campinas: Mercado de Letras, 1998. pp. 113-128.

MOREIRA, Marco Antonio. Teorias de Aprendizagem. São Paulo: Epu, 1999. 195 p.

NOGUEIRA, Sandra Vidal; CORREIA, Wilson Francisco. Reflexões epistemológicas sobre os desafios curriculares emergentes. in: CICILLINI, Graça Aparecida; NOGUEIRA, Sandra Vidal (Org.). Educação escolar: políticas, saberes e práticas pedagógicas. Uberlândia: EDUFU, 2002.

OLIVEIRA, Marta Kohl de; Pensar a Educação: Contribuições de Vygotsky in: CASTORINA, José Antonio et al. PIAGET-VYGOTSKY: Novas contribuições para o debate. 6. ed. São Paulo: Ática, 2008. 175 p.

Referências Bibliográficas
PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma critica a afirmação do obvio. São Paulo: UNICAMP, 1988.

_________. Papel da Memória. tradução e introdução José Horta Nunes. – Campinas: Pontes, 1999.

PEDRALLI, Rosângela ; CERUTTI-RIZZATTI, Mary Elizabeth. Evasão escolar na educação de jovens e adultos: problematizando o fenômeno com enfoque na cultura escrita. Rev. bras. linguist. apl.[online]. 2013, vol.13, n.3, pp. 771-788. Epub Sep 03, 2013. ISSN 1984-6398.

ROJO, Roxane Helena Rodrigues. Letramento e capacidades de leitura para cidadania. São Paulo: Rede do Saber/Cenpec/SEE-SP, 2004. Texto de circulação restrita.

_______. Alfabetização e letramentos múltiplos. In: BRASIL. RANGEL, Egon de Oliveira; ROJO, Roxane Helena Rodrigues (Orgs.). Língua Portuguesa: Ensino Fundamental. Coleção Explorando o Ensino. V. 19. Brasília: Ministério da Educação, 2010, p. 15-36.

ROQUE, Tatiana. História da Matemática: Uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas. Rio de Janeiro: Zahar, 2012. 512 p.

SIBILIA, Paula. O Show do eu: A intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008. 286 p.

SILVA, Bento Duarte da. A inserção das tecnologias de informação e comunicação no currículo: Repercussões e exigências na profissionalidade docente In: MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa et al (Org.). Currículo, Práticas Pedagógicas e Identidades. Porto: Porto Editora, 2002. 160 p. Revisão: Maria Cecília Gomes Barbosa Moreira.

SILVA, Silvio Ribeiro da. Leitura em Língua Materna na Escola: por uma abordagem sócio-interacional. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas/SP, v. 1, n. 43, p. 69-81, 2004.

______. Capacidades de leitura em uso no ensino médio: o papel do material didático apostilado em rede privada In: Aparício, Ana Sílvia Moço; SILVA, Sílvio Ribeiro da. Ensino de Língua Materna e Formação Docente: Teoria, Didática e Prática. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013. 327 p.

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Obrigado!
Dados coletados em entrevista
Realizada com todos os discentes, após a aplicação da SD
Filosofia da Linguagem
Bakhtin (2011)
Resultados encontrados (Eixo Leitura)
Full transcript