Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

psicologia ocupacional patologias 1

No description
by

Warlley Müller

on 14 March 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of psicologia ocupacional patologias 1

A identificação de riscos físicos, químicos, biológicos, mecânicos, estressantes e outros;
O depoimento e a experiência dos trabalhadores;
Os conhecimentos e as práticas de outras disciplinas e de seus profissionais, sejam ou não da área de saúde. (artigo 2º da resolução CFM 1488/98).
Acrescentamos: Duração e repetitividade da exposição dos trabalhadores a situações de humilhação.

Pessoas com maior capacidade empática:
Sensíveis e atentos a necessidade dos outros;
Comprometido com o desenvolvimento humano e bem-estar dos demais.

Pessoas com situações positivas e satisfatórias: seu sucesso pessoal é inadmissível aos olhos do agressor (assediador).
(Piñuel & Zabala, não paginado – 2001)

Pessoas autônomas:
Não se adaptam ao mais conveniente;
Não fogem das responsabilidades;
Não dependem psicologicamente de figuras de autoridade que por vezes cerceiam suas próprias opiniões, sendo capazes de questionar os conceitos da organização;
Respeito a hierarquia sem servilismo.

Trabalhar em local mal iluminado, mal instalado não constitui um ato de assédio em si, salvo se um único funcionário for tratado assim ou se tais condições destinarem-se a desmerecê-lo.
O mesmo se aplica a sobrecarga de trabalho, que não significa assédio, a não ser quando é exagerada ou objetiva prejudicar o empregado.

Más condições de trabalho

Neste caso os administradores lidam com seus subordinados de forma desrespeitosa e bruta.
O que diferencia a gestão por injúria do assédio é que esta é notada por todos.
Todos os empregados são maltratados sem distinção.

Gestão por injúria

Dar instruções confusas, transferir de setor;
Atribuir erros imaginários, não lhe atribuir tarefas;
Ignorar a presença na frente dos colegas
Fazer criticas em público;
Impor horários injustificados;
Circular boatos maldosos sobre a pessoa, etc.
Situações comuns de assédio moral

isolar
ignorar
desmoralizar
degradar as condições de trabalho
forçar a pedir demissão ou desistir do emprego
Táticas que se repetem no Assédio Moral

Ijime é um substantivo que se derivou do verbo ijimeru, que significa: atormentar, perseguir.
É conhecido como assédio (ou assédio moral), em japonês; ele se desenvolve através de uma diversidade de agressões físicas ou morais, geralmente de forma continuada, de caráter comumente grupal ou coletivo .
(Calazans & Carneiro, p. 116 – 2007)

Ijime

Heinz Leymann, foi quem estudou e definiu o comportamento mobbing entre os humanos: quando um indivíduo é marcado como um alvo de violência psicológica por parte de uma chefia ou de todo um grupo. Consiste em submeter a pessoa a uma desconsideração sistemática, de modo que a mesma perca qualquer possibilidade de reconhecimento. A vítima é excluída do fluxo de informação.

Mobbing

O termo mobbing vem de estudos da Biologia: Konrad Lorenz percebeu que os animais de menores portes físicos, em maior número, em situações de confronto acabavam por se tornar agressivos e com ‘atitudes grupistas’, vindo a intimidar e a expulsar o invasor.

Terror psicológico e assassinato psíquico

Início das seduções,ordens, determinações, de forma a “obrigar” o trabalhador a fazer o que o assediador quer.
Fixa atividades por imposições; impõe tarefas não comuns, obriga a cumprir coisas que ele não gosta de fazer, engana, subjuga, e submete aos seus interesses ou caprichos pessoais.
(Calazans & Carneiro, p.72 – 2009)

Injunção

O estudo do local de trabalho;
O estudo da organização do trabalho;
Os dados epidemiológicos;
A literatura atualizada;
A ocorrência de quadro clínico ou subclínico em trabalhador exposto a condições agressivas;

Quando necessário deve o médico considerar:

Uma das maiores dificuldades encontradas em relação ao assédio moral no trabalho é sua invisibilidade, desta forma, acaba por se criar um grande entrave quando é necessária uma resolução para o caso, tanto para o assediado, que permanecerá no trauma e na doença, quanto para a empresa , para o médico do trabalho e para a justiça.
A Invisibilidade

Segundo Barreto o Assédio Moral no Trabalho se dá quando um trabalhador fica exposto a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho, sendo mais comum em relações hierárquicas autoritárias, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho e a organização de trabalho.
(Calazans & Carneiro, p. 28 – 2009)

Definição de Assédio Moral
A vítima é interrompida constantemente; superiores hierárquicos ou colegas não dialogam com ela; a comunicação é unicamente feita por escrito; recusam todo o contato mesmo o visual; ela é posta separada dos outros; proíbem os colegas de lhe falar; já não a deixam falar com ninguém e a direção recusa qualquer pedido de entrevista.
(Calazans & Carneiro, p.68 – 2009)

Tratando o isolamento e a recusa de comunicação enquanto um método de assédio moral
O desafio está presente em certos comportamentos sintomáticos dos obsessivos e percebe-se por isso mesmo que qualquer possibilidade de transgressão é quase impossível a não ser na perspectiva de um combate regular.
O obsessivo é preocupado com as regras do combate e com a desobediência à regra.
Quanto mais ele defende a legalidade, mais luta contra seu desejo de transgressão.
Ele tem necessidade de criar para si uma situação imaginária de adversidade para se engajar no desafio.
(Dor, p.44 - 1997)
Diagnóstico diferencial entre as perversões e as neuroses

Em razão de sua economia psíquica particular o perverso permanece imperativamente fixado em uma gestão cega na qual não cessará de procurar demonstrar que a única lei do desejo é a sua e não a do outro.
A pista desta rivalidade aparece sob a forma de um traço estrutural: o desafio e a transgressão. Ambos constituem as duas únicas saídas para o desejo perverso. (Dor, p.39 - 1997)

Estrutura Perversa

Os atos são geralmente inerentes aos perversos estruturais, um processo perverso pode ser ocasionalmente utilizado por todos nós. Ele só se torna destrutivo quando usado com frequência e com a sua repetição no tempo. Todo indivíduo “normalmente neurótico” apresenta, em determinados momentos, comportamentos perversos, por exemplo, em um momento de raiva.


Oferecem ajuda sem nenhum interesse aos demais colegas;
Compartilha dos meios, ferramentas e da informação para com todos;
Estimula todos em seu trabalho.



Pessoas com boa capacidade de trabalho:
Possuem grandes conhecimentos;
Elevada qualidade profissional.
Rigorosas, rápidas, eficazes.

Pessoas populares na organização:
Lideram informalmente grupos, constituindo ponto de referência;
Sua empatia e sociabilidade são capazes de reunir e mobilizar grupos;






As não suscetíveis a qualquer tipo de propina;
As que defendem outras vítimas de injustiças, humilhação e maus tratos;
As que buscam a verdade dos fatos, mesmo que prejudique sua carreira.

Demonstrar habilidade no trato com pessoas dentro e fora da área de atuação, enciumando o chefe;
Não concordar com decisões ou ações que ferem a ética profissional e se tornar ameaça a determinados negócios escusos;
Pela personalidade doentia do chefe;
Ter melhores condições sociais e ser mais bem-sucedido afetivamente;
Pela própria natureza passiva da vítima.
(Peli, não paginado - 2006)

Despertar o medo no superior ao demonstrarem um nível de competência e desempenho que ameace o cargo do mesmo;
Demonstrar competência na solução de determinadas situações perante pessoas de outros setores ou áreas da empresa;


Razões para a escolha das vítimas

Nas organizações, a violência e o assédio nascem do encontro da inveja do poder do outro e da perversidade. Esse poder pode ser real ou imaginário.
O agressor vai minando aos poucos o ambiente da vítima sem que ela se dê conta.
A forma como a empresa é estruturada pode colaborar para que sujeitos inescrupulosos alcancem cargos de chefia e poder.

Assédio Moral no trabalho

Ao longo da vida há encontros estimulantes, que nos incitam a dar o melhor de nós mesmos, mas há igualmente encontros que nos minam e podem terminar nos aniquilando.
Um indivíduo pode conseguir destruir outro por um processo de contínuo e atormentante assédio moral .


Assédio Moral

Trabalho transformado em tortura


“Para aumentar a produção, basta puxar a rédea do sofrimento psíquico, mas respeitando-se, também, os limites e as capacidades de cada um, senão arrisca-se fazer descompensar uma outra, através de, por exemplo, crises de nervos”.
(Dejours, p. 103)

“Assédio Moral no Trabalho” e suas implicações na saúde do trabalhador

Estudou diferentes grupos profissionais e qualificou o processo encontrado de “psicoterror”.
Introduziu o conceito de Mobbing para descrever formas de assédio ocorridas dentro das organizações.
Trata-se de um fenômeno de grupo que corresponde a perseguições coletivas e violência.

Heinz Leymann

Considera os aspectos subjetivos e comportamentais que caracterizam vítima e agressor e prioriza o sofrimento das vítimas.
Na abordagem de Hirigoyen (2003) o assédio moral nasce de forma silenciosa, sorrateira e traiçoeira.

Marie-France Hirigoyen enfoca a perversidade das relações

Assédio Moral no Trabalho
Parte IV

Decisões legítimas que dizem respeito a organização do trabalho, como transferências e mudanças de função de acordo com o contrato de trabalho.
Críticas construtivas e avaliações sobre o trabalho executado sem um propósito de represália não constituem assédio.

Imposições profissionais
O assédio moral caracteriza-se antes de tudo pela repetição.
Uma agressão pontual verbal é um ato de violência, mas não é assédio moral, enquanto que reprimendas constantes o são, sobretudo se acompanhadas de outras injúrias para desqualificar o indivíduo.

Agressões pontuais

O assédio não é um conflito. O conflito é algo simétrico, ou seja há igualdade entre os protagonistas. As recriminações são faladas.

No assédio não há espaço para argumentação, por trás de todo o procedimento existe o não falado e o escondido. A relação é dominante/dominado.

Conflito

Conflito
Gestão por injúria
Agressões pontuais
Más condições de trabalho
Imposições profissionais

Situações que podem confundir-se com assédio moral

Repetitividade
Persistência da ação
Intencionalidade
Direcionalidade
Temporalidade

Em todos os casos de assédio moral encontramos

Efeitos psicossomáticos
Mudanças sócio-comportamentais
Alcoolismo
Apatia, ansiedade
Conflitos intrapessoais e interpessoais
Depressão, estresse
Transtorno de adaptação
Insônia, e outros.


Possíveis consequências do Assédio Moral no trabalho

O trabalho humano, enquanto parte dos valores da dignidade da pessoa humana, só se torna lei na Constituição de 1988: o trabalho torna-se um fundamento da ordem econômica (a ordem econômica funda-se na valorização do trabalho).
Nos tempos atuais a legislação que incide sobre a honra e a moral humana, principalmente sobre o assédio moral, ainda é muito falha e incipiente.
O Assédio Moral e as Leis

Os wistleblowers (os denunciantes) comumente ficam marcados, enfrentam represálias, vindo a sofrer uma diversidade de retaliações nos seus trabalhos e em suas vidas pessoais, incluindo família. Geralmente acabam por serem vítimas de assédio moral, e nessa esfera, geralmente, são os que correm um maior risco de serem assassinados.
(Calazans & Carneiro, p.113 – 2009)
Wistleblowers

Harassement - alguém que busca esgotar o inimigo através de ataques repetidos e mantê-lo sob constrangimento. Hoje, na França, o termo é conhecido como harcèlement (assédio); e harcèlement moral (assédio moral).

Harassement

Termo mais conhecido na Inglaterra e que se refere a uma espécie de tirania (no sentido de ações mais verticais - aplicadas por superiores hierárquicos), destaca aqueles ‘mais fortes’ que atacam os considerados ‘mais fracos’.
Bullying

O trabalhador enredado vai aos poucos se despersonalizando, e sendo cada vez mais dominada pelo assediador, percebe que suas forças, vontades e desejos estão aos poucos sendo quebrados, minados, frustrados, e de forma continuada. Acaba por se tornar uma tortura que enfraquece, sem tréguas, a psique e a dignidade humana.

Manipulações

Os perversos absorvem a energia positiva daqueles que os cercam, dela se alimentam e com ela se regeneram, pois despejam sobre eles toda a sua energia negativa .
(Calazans & Carneiro, p. 75 – 2009)

Vampirização

Os dois protagonistas adotam, a contragosto, uma atitude de cessão mútua, para evitar o conflito: o assediador ataca com pequenos toques indiretos o outro sem provocar abertamente o conflito; o trabalhador submete-se, temendo um conflito que levaria a uma ruptura. Ele sente que não há negociação possível, que este não desistirá, e prefere o acordo a arriscar-se a essa separação.
(Calazans & Carneiro, p.72 – 2009)

Enredamento

O enredamento
As injunções
As manipulações
A vampirização

As fases e táticas do assédio

Segundo a Resolução 1488/98 do CFM para o estabelecimento do nexo causal entre os transtornos de saúde e as atividades do trabalhador, além do exame clínico (físico e mental) e dos exames complementares o médico deverá considerar a história clínica e ocupacional.

É possível estabelecer o nexo causal?

Vertical descendente, onde o assediador é um superior hierárquico.
Vertical ascendente, quando o assédio parte de subordinado(s).
Horizontal, quando os abusos morais partem de colegas no mesmo nível hierárquico.
Mista quando há combinação de mais de um nível hierárquico.

(Calazans & Carneiro, p.28 -2009)

Formas de assédio moral no trabalho

Os não-ditos; a dificultação e a recusa de comunicação; a recusa ao outro e a negação da existência do outro nos ambientes de trabalho; as deformações na comunicação e a linguagem paradoxal com o objetivo de confundir.
(Calazans& Carneiro, p. 62 – 2009)

Comunicação perversa

As principais características dessas personalidades narcísicas são um sentimento de grandeza, um egocentrismo extremado e uma total falta de empatia pelos outros, embora sejam eles próprios ávidos de obter admiração e aprovação. Esses [...] sentem uma inveja intensa daqueles que parecem possuir coisas que eles não têm [...]
Características do perverso

As táticas da psique humana são praticadas com pessoas que se encontram em alguma posição de inferioridade e vem a dificultar a possibilidade de sua comprovação. Hirigoyen(2006) definirá que uma relação de assédio se estabelece em duas fases: uma de sedução perversa, outra de violência manifesta.
(Calazans & Carneiro, p. 25 – 2009)

Táticas do assediador

Pessoas com maior grau de retidão e senso de justiça:
As que fazem perguntas-chave, que incomodam e ninguém ousa formular;
As que denunciam injustiças, corrupção, desvio de verbas;
As que pensam de maneira livre e não se preocupam com o politicamente correto.
Perfil psicográfico da vitima de assédio

Pressões por produtividade
Distanciamento entre empregador e empregado
Falta de comunicação direta
Intensificação e banalização do trabalho
Individualismo x solidariedade
Novo perfil

O assédio moral no trabalho pode ser atribuído:

Do ponto de vista prático, principalmente pelo viés da subjetividade, o assédio moral é considerado uma espécie de assassinato psíquico (psicoterror), pois é uma violência que se dá, direta ou indiretamente, pela via psicológica.
(Calazans & Carneiro, p.22 – 2009)


Assédio Moral

Conserva o sentido de empenho, sacrifício, esforço físico e intelectual para atingir determinado objetivo.
Para Codo (1994) o trabalho é ao mesmo tempo criação e tédio, miséria e fortuna, felicidade e tragédia, realização e tortura dos homens.

Trabalho

No sentido etimológico, a palavra trabalho vem do latim tripaliare, que significa martirizar com um tripalium: que seria uma espécie de equipamento utilizado para torturas feito por de três paus. Assim, o local de trabalho, para muitos, ainda passa a visão de lugar de tortura.
(Calazans & Carneiro, p.20– 2009)


Trabalho

Assédio, entre outros significados, representa também algumas operações militares de guerra, simbolizando um estado de controle (estado de sítio) imputado em uma determinada região em tempos de guerra: é a ocupação ou tomada de um território; no caso do “assédio pessoal”, seria a tomada do território psíquico de uma vítima; consequentemente, “de seu corpo”.
(Calazans & Carneiro, p.19 – 2009)

Assédio

Caracteriza o processo do assédio pela intencionalidade de neutralizar certos indivíduos por meio de sua constante desqualificação.

Jose Roberto Heloani

Margarida Barreto

Heinz Leymann

Marie-France Hirigoyen

Margarida Barreto

José Roberto Heloani




Estudiosos do Assédio Moral no Trabalho

Assédio moral tem estreita ligação com o conceito de humilhação que segundo o Dicionário Aurélio significa “rebaixamento moral, vexame, afronta, oprimir, abater, referir-se com menosprezo, tratar desdenhosamente, com soberba, submeter, sujeitar (...)”

Assédio Moral

Heinz Leymann

Marie-France Hirigoyen

Para a autora assediar alguém significa estabelecer um cerco e não dar trégua ao outro, humilhando, inferiorizando e desqualificando de forma sistemática e repetitiva por meio de ataques verbais, gestuais, perseguições e ameaças veladas ou explícitas que vão desestabilizando emocionalmente a vida do outro.

Roberto Heloani

Margarida Barreto

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO E SUAS DIVERSAS NOMENCLATURAS MUNDIAIS’
Pessoas cooperativas com bom trabalho em equipe:
Dr. leonardo barros.
OBRIGADO!!!
Full transcript