Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Daniely Niina

on 23 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

A mulher na sociedade
A necessidade do Mercado e as Mulheres
Enfermagem
Secretariado
Professora
Operária Industrial
Operária Bélica
Bibliotecária
E outras
Conclusão
Direitos Igualitários (políticos, trabalhistas, econômico, na moda e no dia-a-dia)
Inserção no Mercado de trabalho em profissões "masculinas" e consequente reconhecimento profissional e abertura de mercado.
Movimento feminista
Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo
Biblioteconomia e Ciência da Informação - 4º Sem. Matutino

Camila Santos Coppola, Daniely Kussaba, Eulália Moreno Chaves, Jéssica de Oliveira, Ricardo Medeiros.

Crise econômica (Grande Depressão 1929), Boom populacional, Boom informacional, Desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação.
Introdução
O recorte: ambiente pós II Guerra Mundial (1940 - 1960)
Foco: Estados Unidos
Paciente
Senso de organização e ordem
Cuidadosa
Atenciosa
Detalhista
Obediente às ordens (submissa)
Mão de obra barata
“Rosie, the Riveter” foi criada como um personagem de campanha para convencer as mulheres a dar a sua contribuição à guerra. Teve como modelo Geraldine Doyle, uma operária de 19 anos, de uma fábrica de Michigan, em 1942 e virou símbolo do movimento feminista em todo mundo!
Aqui, jovens alemãs em treinamento com os homens da Luftwaffe, em algum lugar na Alemanha, em 07 de dezembro de 1944.(AP Photo).
Trabalhadoras durante horário de almoço na fábrica de trens Chicago and North Western Railway, Iowa, Estados Unidos – Abril de 1943. (Jack Delano/OWI/Libray of Congress)
Irma Lee McElroy pinta insígnia americana sobre a asa de um avião no Texas, Estados Unidos – Agosto de 1942. (Howard R. Hollem/OWI/Libray of Congress)
Funcionária da empresa de locomotivas C. & N.W. R.R., Iowa, Estados Unidos – Abril de 1943. (Jack Delano/OWI/Libray of Congress)
Publicidade: atriz americana Veronica Lake, ilustra o que pode acontecer com as mulheres trabalhadoras de guerra que usam cabelos compridos. 09 de novembro de 1943. (AP Photo)
Mulheres trabalhadoras inspecionam um balão de barragem parcialmente inflado em New Bedford, Massachusetts em 11 de maio de 1943. Cada parte do balão deve ser carimbado pelo trabalhador, também pelo inspetor do trabalho da divisão e, finalmente, pela “G” inspetor, que dá a aprovação final.(AP Photo)
SMIT (apud GIACOMETTI , VELLOSO, 1987, p.15) constata que no início da profissão no Brasil somente moças de boa família ou pessoas com amor à arte dedicavam-se a esta atividade: “nesta época as moças de boa família, se quisessem trabalhar, tinham duas opções: a escola normal ou então a biblioteconomia”. (MARTUCCI, 1996)
“... o motivo que nos levou a ela, para além das circunstâncias, foi o de termos escolhido uma profissão adequada “à nossa natureza” feminina, considerando que as (os) profissionais somos uma maioria de mulheres. Assim, enquanto mulheres, de acordo com nossa formação, seríamos levadas a prestar serviços ou cuidados e se não bibliotecárias, seríamos enfermeiras, assistentes sociais, ou exerceríamos profissões “úteis” à sociedade, de “natureza feminina”. (BOTASSI, 1984)
Bibliotecárias - Histórico
Relação entre o nascimento da Biblioteca Pública pela população e o desenvolvimento da escola (relação bibliotecária e professora)
Profissão para ambos os sexos: a biblioteconomia tem sido, tradicionalmente, “um trabalho que as mulheres realizam com perfeição e a profissão é geralmente exercida por elas”. Por outro lado, um número cada vez maior de homens se dedica à profissão, alcançando as mais altas posições, em proporção inversa à sua força numérica. (MARTUCCI, 1996)
Referências
MARTUCCI, Elisabete Márcia. A feminização e a profissionalização do magistério e da biblioteconomia: uma aproximação. Perspec. da info., Belo Horizonte, v1, n2., jul. 1996. p. 225-254. http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/642/430

Sites
http://chicomiranda.wordpress.com/tag/mulheres-na-segunda-guerra/
http://segundaguerra.net/
http://fido.palermo.edu/servicios_dyc/publicacionesdc/vista/detalle_articulo.php?id_articulo=5510&id_libro=11
http://veja.abril.com.br/blog/sobre-imagens/mulheres/a-mao-de-obra-feminina/
http://www.statisticbrain.com/world-war-ii-statistics/
http://en.wikipedia.org/wiki/World_War_II_casualties#Charts_and_graphs
http://en.wikipedia.org/wiki/United_States_military_casualties_of_war
http://www.dgz.org.br/out08/Art_04.htm
O boom da informação gerado no período contribuiu para o avanço das T.I.C.s. (principalmente a internet)
As bibliotecárias foram conseguindo dominância na área, através da possibilidade de formação dada pelas escolas de biblioteconomia.
Full transcript