Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A menina que roubava livros

No description
by

nois na rua

on 14 April 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A menina que roubava livros

A Menina que
Roubava Livros
"A menina que roubava livros" é um romance escrito por Markus Zusak de 2005. O livro acompanha a vida de uma garota alemã, Liesel Meminger, que anda jovem e forçada no contexto da Segunda Guerra Mundial. A narrativa é contada do ponto de vista da
Morte
, que no livro apresenta uma personificacao com interesses, gostos, e profundas reflexoes sobre os seres humanos, em especial aquele que lhe escapam. Este é o caso de Liesel.

"Vi tres vezes a menina que roubava livros."
Os personagens
Liesel Meminger
- nossa ladra de livros
Hans Hubberman
- acordeonista amador e amável
Rosa Hubberman
- é grossa e rude, mas com coração fragil.
Max Vanderburg
- o amigo quase invisível.
Rudy Steiner
- o melhor amigo e o namorado que Liesel nunca teve.
Ilsa Hermann, a mulher do prefeito
- sua melhor amiga que ela demorou a perceber como tal.
A Morte
- a nossa vivida narradora.
Por que a história e interessante
A história de Liesel não foi a primeira história ambientada na Alemanha da II Guerra Mundial, mas decididamente foi o mais sensível, ele não fala sobre soldados ou grandes homens, não é um romance com final açucarado. A história trata de
pessoas reais
que perdem e ganham, riem e choram, morrem e sobrevivem dia após dia em meio a guerra e tudo o que vem dela.
Liesel encontra conforto nas palavras, valorizando a literatura e ensinando o leitor a valorizar tambem;
a Morte é uma narradora cheia de observações e comentários os quais vale a pena escutar;
O livro aborda temas de difícil discussão, tais como a coragem e o sofrimento -principalmente em tempos de guerra- e mesmo assim consegue se manter numa narrativa leve e calma. Sempre mantendo um leve fio de esperança.

A história se passa na Alemanha Nazista, com Liesel e sua família biológica numa viagem de trem com destino a cidade alemã de Molching, na qual seu irmao acaba morrendo. No trajeto é feita uma parada para enterrar o menino, e é no cemitério onde nossa protagonista faz o primeiro de seus roubos: um dos coveiros, deixa cair à neve um livro intitulado “Manual do Coveiro”. Chegando a cidade de destino, Liesel descobre que seria entregue a uma família adotiva; reluta muito em partir dos braços da mãe . Nossa protagonista passa a viver com Hans e Rosa Hubermann, sua nova parentela.
Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a convivência do pai adotivo. Ele logo descobre que Liesel nao sabe ler, mas alimenta uma curiosidade rara pelos livros, e passa a lhe dar aulas de literatura.
Com o tempo, a menina começa a roubar livros com o intuito de ler posteriormente.
Liesel faz amizade com seu vizinho, Rudy Steiner, um garoto que idolatra o atleta afro-americano Jesse Owels (e sofre bullyng por isso) e ao longo da historia, é obrigado a integrar a Juventude Hitlerista.
A garota ainda ajuda o pai a esconder no porão um judeu. Max Vanderburg, que se torna amigo e companheiro de leitura de Liesel...
Um rápido resumo
Liesel Meminger
Liesel, desde o começo da narrativa, nos inspira um sentimento maternal. Ela parece ser muito jovem para passar pelo o que está passando.
Liesel não era alfabetizada, provavelmente porque seus pais eram perseguidos e não tinham como lhe proporcionar uma educação.
Sua falta de formação é confundida com falta de inteligência. A falta de educação nunca impediu Liesel de ter sede por livros.
Os livros tem um importante significado para ela, visto que foram estes que nortearam a vida de Liesel naquele tempo. O gosto de roubá-los deu à menina uma alcunha e uma ocupação; a sede de conhecimento deu-lhe um propósito. Ao mesmo tempo, o ato criminoso de roubá-los é encarado de modo romantizado no livro.

A Morte
Os Livros e seus Significados
Parte 1 -
O Manual do Coveiro
O primeiro livro que Liesel rouba é exatamente o que parece, mas seu significado e bem mais profundo. O livro é roubado durante o funeral de seu irmão, e sua única ligação com o irmão e da mãe. Então, para Liesel, o livro representa sua grande perda e sua solidão. Representa o fim de uma fase na vida e começo de outra.
Parte 2 -
O Dar de Ombros
O segundo livro que Liesel rouba tem um protagonista judeu. O livro tinha sido sentenciado a ser queimado durante a celebração do aniversário de Hitler quando Liesel o resgatou ainda chamuscando. É uma forma de rebeldia de Liesel, pois esta o resgata logo após descobrir a relação entre Hitler e sua separação da mae. O roubo do
O Dar de Ombros
também abre as portas de Liesel para o mundo dos livros. Se Ilsa, a mulher do prefeito, não tivesse visto Liesel roubar o livro, provávelmente nunca desenvolvia uma afeição por ela ou abriria as portas de sua biblioteca para a garota.
Parte 3 -
Mein Kampf
Mein Kampf
foi escrito por Adolf Hitler. Liesel nunca chegou a roubar ou ler este livro. O livro foi na verdade uma ajuda para Max conseguir chegar ate os Hubberman sem levantar suspeitas. O livro serviu de disfarce. Portanto o livro representa um escudo; uma ajuda involuntária de Hitler.
Há ainda um significado mais profundo: Max usa o livro para escrever um seu próprio, pintando as páginas de branco e escrevendo as suas palavras por cima. Com
O Vigiador ,
Liesel descobriu que palavras gentis poderiam ser usada para combater o ódio. Os livros falavam sobre amizade e o poder das palavras de fazer a diferença.
Estes três livros marcam o desenvolvimento da vida secreta de Liesel no porão da casa, atestando a coragem e a força da garota ao manter em segredo os livros bem como o judeu.
(Minha Luta)
Parte 4 -
O Vigiador
Parte 5 -
O Assobiador
É o terceiro livro que Liesel rouba. Ele fala sobre um assassino que esta fugindo da polícia. Num geral, o livro esta conectado com a relação de Rudy e Liesel, pois ela rouba o livro da biblioteca do prefeito com o intuito de dar para Rudy. O livro também faz parte de um incidente entre os dois, no qual a obra cai no rio, e Rudy vai atras para resgatá-lo, provando o seu amor por ela. Embora Liesel não esteja segura quanto a seus sentintos em relação ao menino.
O Assobiador
é também o livro que ela lê para os residente da rua Himmel durante os ataques de bombas. Estas leituras públicas ajudam a menina a notar que sua paixão por livros pode ajudar as pessoas.
Parte 6 -
O Carregador de Sonhos
E o quarto livro que Liesel rouba da biblioteca do prefeito. O livro esta ternamente ligado com Max, pois este e o livro que ela le para o judeu quando ele fica gravemente doente. Por motivos obvios, nenhum medico pode ser chamado, e Liesel procura ajudar da melhor forma que consegue - ela le o livro para Max todos os dias.
Parte 7 -
O Dicionário e Tesauro Duden Completo
O livro é um presente de Ilsa, a mulher do prefeito, que nota os furtos que anda sofrendo e deixa este livro estratégicamente apoiado na janela como uma mensagem e um convite. Ao mesmo tempo, o livro tem uma função para Liesel naquele momento: ela estava escrevendo seu livro quando Ilsa lhe entrega este livro. E o pior: está na parte mais triste da história. O livro então surge não só como um convite mas como um gesto de amizade de Ilsa para incentivar Liesel a escrever e usar o seu dom com as palavras.
Parte 8 -
O Último Forasteiro Humano
"Havia gente por toda parte, na rua da cidade, mas o forasteiro n
ã
o poderia sentir-se mais só se ela estivesse deserta."
Esta citação vem do próprio livro
O Último Forasteiro Humano
, o qual Liesel se indentifica na dada situação. Nesta parte do livro, Max havia deixado os Hubermann para protegê-los, e Hans estava a serviço do exército, deixando-a sozinha com Rosa. Ela esta se sentindo sozinha, confusa, frustrada, com fome e frio e perdendo as esperanças. Uma verdadeira forasteira, mesmo estando cercada de pessoas.
Parte 10 - A Menina que Roubava Livros
A Menina que Roubava Livros é o nome que Liesel da ao livro que estava escrevendo. E o livro que a Morte resgata do lixo e devolve para Liesel quando esta morre. E o livro que literalmente salva a sua vida, visto que se ela nao estivesse trabalhando na sua edicao quando houve o bombardeio na rua Himmel, teria morrido como todos os outros. Seu porao - que uma vez fora classificado como muito baixo e fragil, a protegeu das bombas.
Hans Hubermann
Hans é o pai adotivo de Liesel e uma das pessoas que ela mais preza na vida. É gentil e acolhedor.
A Morte o descreve como
não notável,
o que pode soar errado num primeiro instante considerando seu papel de herói no livro.
É um homem extremamente gentil e humilde, além de ter muita bravura. Ele se torna um modelo de pessoa para Liesel.
Seu acordeão e seu saber sobre como o tocar vieram do pai de Max que muito tempo atras havi salvado Hans, e por isso ele aceita ajudar o judeu Max em sua casa.
Rosa Hubermann
Rosa é a mãe adotiva de Liesel. É uma mulher turrona, grossa, crítica e nervosa. Porém, possui um coração fragil e carinhoso - percebe-se isto quando Max vai morar na Rua Himmel. Ela cuida com carinho dele, sempre muito atenciosa. É importante notar que ela não mostra hesitação quanto a esconder Max em sua casa, e acredita fielmente estar fazendo o correto.
Talvez este acontecimento tenha afetado Rosa de forma que ao final do livro, ela não é mais abusiva e grosseira para Liesel, embora não deixe de ser rígida.
Max Vandenburg
Max é um jovem judeu, filho de um antigo amigo de guerra de Hans, que procura abrigo na casa dos Hubermann durante a guerra. Ele mostra ser um grande amigo para Liesel ao acompanhá-la nas suas leituras e incentivá-la a tanto.
Max era conhecido como o lutador judeu na infancia, o que ganha certa ironia na história visto que elenao pode lutar contra o inimigo. Mesmo assim, Max não deixou de lutar: seja escrevendo sua própria história por cima da palavras pintadas de Hitler, seja por simplismente sobreviver.
Max também apresenta um complexo de culpa grande por ter deixado a família e fugido sozinho para a rua Himmel, agonia que só cresce quando este se ve pondo em risco as vidas de Hans, Rosa e Liesel, enquanto estes o mostram carinho e hospitalidade.
Rudy Steiner

Rudy é visto como estranho por ter uma admiração pelo corredor norte-americano negro
Jesse Owens
.
Isto gera uma certa contraversa no personagem: físicamente, Rudy parece ter nascido para ser nazista, mas mentalmente é totalmente o oposto. Para Rudy, diferença não deve ser temida ou punida.
Ilsa Hermann
Ilsa se torna uma personagem de extrema importância para Lisel. E Liesel para Ilsa.
Ilsa se isolou das pessoas desde a morte de seu filho, entao com 20 anos. Quando ela flagra Liesel roubando um livro da fogueira, se interessa pela menina. Logo, Ilsa convida a garota a sua biblioteca pessoal, a incentivando à leitura. Liesel dá uma razão para Ilsa se reaproximar de outras pessoas.
Narradora e guia na história, representando
uma personificação.

A Morte não narra as coisas de modo deprimente e tenebroso -do contrário, sua narração reflete um certo positivismo quanto a situação, sempre com profundas observações e algum humor seco.
A Morte não tem paciência para mistérios. Mas ela nos mostra que a antecipação pode ser ainda pior.
É também interessante notar como todas as mortes citadas no livro, por mais sangrentas que fossem, receberam um toque mais suave e romantizado pela narrativa da Morte. Talvez por conta dos vários anos trabalhando, ela tenha aprendido que as mortes não devem ser vistas com horror, mas como um fato inevitável e comum.

No fim...
Ao fim do livro, a cidade de Molching é bombardeada pelas forças Aliadas e, não em tempo as sirenes de alerta foram acionadas. Foi uma chacina. Liesel foi, quiçá, a única sobrevivente da Rua Himmel. Ela passara as noites no porão da humilde casa de número 33, escrevendo em seu livro – um diário que lhe fora presenteado por Ilsa Hermann alguns dias antes. Ora novamente órfã Liesel é adotada por Ilsa Hermann e seu marido. Ilsa perdera o único filho alguns anos antes - o rapaz lutava na guerra. Liesel Meminger cresce, vai morar em Sydney, constitui família e morre de velice.
Bibliografia
http://www.delfos.jor.br/conteudos/index_interna.php?id=6505&id_secao=3&id_subsecao=9

http://www.skoob.com.br/livro/resenhas/7

http://livredialogo.blogspot.com.br/2012/06/resenha-do-livro-menina-que-roubava.html

http://www.shmoop.com/book-thief/death.html

http://www.shmoop.com/book-thief/liesel-meminger.html

E o livro "A Menina que Roubava Livros"
Liz Coimbra n. 18
Gabrielle Catorze n. 31
Luca Caselli Benesi n. 20
Pedro Castro n. 25
Luigi Militello n. 22
Giovanni Rizzi n. 10
Amanda Paranho n. 02
Julio Cesar n. 17
Para alemanha nazista, Jesse desafiava a teoria de supremacia ariana, e portanto, a admiração de Rudy era um absurdo.
Rudy é o melhor amigo de Liesel e é apaixonado por ela, de ambas as formas fraternas e amorosas.
Mulher do prefeito da cidade.
Amante do atletismo e quase que de Liesel também.
O lutador e amigo secreto
A mulher de punhos de ferro
Simpatia à primeira vista
A ladra de livros
Full transcript