Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Processos Culturais: Endoculturação e Aculturação

No description
by

André Fernando

on 26 November 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Processos Culturais: Endoculturação e Aculturação

Iremos apresentar conceitos relativos aquilo que antropólogos designam como processos culturais, considerando o pressuposto de que todos os nossos gestos, valores e atitudes em busca da sobrevivência são aprendidos na sociedade que nos acolhe. Vamos enfocar neste seminário a endoculturação e a aculturação para entender o processo de construção do nosso modo de viver. (
modus vivendi
).
Afinal de contas, estudar cultura é uma forma de compreender melhor nossa vida e o lugar onde vivemos.

Introdução
Processos Culturais: Endoculturação e Aculturação
• Exemplo: Resultado do processo de endoculturação:
• Segundo Brandão, “tudo o que existe disponível e criado em uma cultura como conhecimento que se adquire através da experiência pessoal com o mundo ou com o outro; tudo o que se aprende de um modo ou de outro faz parte do processo de endoculturação, através do qual um grupo social aos poucos socializa, em sua cultura, os seus membros, como tipos de sujeitos sociais”. (BRANDÃO, 1991, p. 19, 20).
• “Vista em seu voo mais livre, a educação é uma fração da experiência endoculturativa. Ela aparece sempre que há relações entre pessoas e intenções de ensinar- e- aprender”. (BRANDÃO, 1991, p. 19).

Através do contato prolongado ou até mesmo permanente, duas ou mais culturas permutam entre si, valores, hábitos, costumes, e vários outros traços culturais. ““(…) A aculturação, embora desigual e diferencial é mútua. É preciso acompanhar o processo de passagem, transferências, integração de elementos culturais (…)” disse Luís Filipe Barreto.
A aculturação ocorre mediante a três possibilidades:
Endoculturação
O conceito de aculturação foi durante muito tempo utilizado para se avaliar o processo de contato entre duas diferentes culturas. Entretanto, a utilização desse tipo de categoria vem sendo cada vez mais criticada e combatida por antropólogos e outros especialistas das ciências humanas. Em geral, a crítica realizada a esse conceito combate a ideia de que uma cultura desaparece no momento em que entra em contato com os valores de outras culturas. No entanto, essa premissa se mostra completamente equivocada por compreender que a cultura consiste em um conjunto de valores, práticas e signos imutáveis no interior de uma sociedade.
Aculturação
• Exemplo
• O homem pouco possui de inato, todas as nossas características são adquiridas no meio em que vivemos: modo de andar, rir, falar, chorar, comer, nossas emoções, comportamentos e crenças, enfim, muito do que se tomava por natural é na verdade fruto de um processo de interiorização de um padrão cultural.
• Inato: Relativo à natureza, algo que é natural, que não está perpassada pelo aprendizado, pela cultura. Quando afirmamos que o homem pouco possui de inato queremos salientar que tudo no ser humano resulta de uma aquisição sociocultural e histórica.


• Segundo Laplantine, o que confere unidade ao homem “é a sua aptidão à variação cultural”. Ou seja, “aquilo que os seres humanos têm em comum é a capacidade para se diferenciar uns dos outros, para elaborar costumes, línguas, modos de conhecimento, instituições, jogos profundamente diversos”. (LAPLANTINE, 1994, p.22). Por tanto, ser capaz de se diferenciar é o que é natural mo homem.
• Por outro lado, podemos afirmar que a natureza humana resulta do aprendizado cultural e, por conseguinte é a responsável pela diversidade humana. Biologicamente somos todos iguais, com as devidas diferenças fenotípicas, ou seja, no tipo físico. Em síntese, nós nascemos homem e o que nos torna humanos é a cultura.
• O processo denominado pela Antropologia como endoculturação ou enculturação é aquele por meio do qual os indivíduos aprendem o modo de vida na sociedade na qual nascem, adquirem e internalizam um sistema de valores, normas, símbolos, crenças e conhecimentos. São por assim dizer, condicionados a um padrão cultural. Endoculturação significa interiorização assimilação, apropriação, absorção, aprendizagem. É um processo social que se inicia na infância mediado pela família, pelos amigos, posteriormente, a partir da escola, da religião, do clube, do trabalho, do partido político e de tantos outros grupos sociais.
• A endoculturação acontece de forma sistemática quando se dá através de mecanismos e instituições que se utilizam de metodologias formais para a transmissão do conhecimento e de forma assistemática, quando os indivíduos adquirem o conhecimento a partir da experiência do cotidiano, sem que haja uma demarcação formal dos ensinamentos.
A profissão de vaqueiro no Nordeste não resulta de nenhum processo de aprendizagem formal, é fruto da lida do cotidiano, transmitida de pai para filho
• Sem a cultura possuímos apenas nossa primeira natureza: a natureza biológica, somos “homem”, considerando a classificação das espécies animais, ou seja...
Gênero- Homo
Espécie- Sapiens
Segundo historiador francês Nathan Watchel, aculturação é todo fenômeno de integração social que resulta do contato entre duas culturas e não somente sobreposição de uma cultura na outra.
Estudos de natureza histórica e antropológica, principalmente a partir da segunda metade do século XX, demonstraram que as sociedades humanas estão constantemente reorganizando suas formas de compreender e lidar com o mundo. Dessa forma, a cultura não pode ser vista de uma forma estática.
Reinholdo Ullmann cita que nesse processo, uma cultura se caracteriza como doadora e a outra como receptora, o que não significa dizer que o processo é de “via única” por que ambas as culturas podem sofrer mudanças, pois ocorre aí um processo de influxo recíproco.
Livre
Forçada
Planejada
O processo de aculturação ocorre em todas as suas formas de representação, no entanto, é muito mais recorrente quando se trata do plano material da cultura.
A música a seguir é uma composição de Jackson Pinheiro chamada "chiclete com banana" e interpretada por vários artistas:
Só ponho bebop no meu samba
Quando o tio Sam pegar no tamborim
Quando ele pegar no pandeiro e no zabumba
Quando ele entender que o samba não é rumba
Aí eu vou misturar Miami com Copacabana
Chicletes eu misturo com banana
E o meu samba vai ficar assim

(Refrão)
Bebop, Bebop, Bebop
Bebop, Bebop, Bebop
Bebop, Bebop, Bebop
Quero ver a grande confusão
Bebop, Bebop, Bebop,
Bebop, Bebop, Bebop,
Bebop, Bebop, Bebop,
É o samba-rock, meu irmão

Mas em compensação
Quero ver o boogie-woogie de pandeiro e violão
Quero ver o tio Sam de frigideira
Numa batucada brasileira
Quero ver o tio Sam de frigideira
Numa batucada brasileira
Percebe-se que a música sugere uma fusão entre elementos próprios da cultura brasileira e elementos inerentes à cultura norte-americana.

• “Aí eu vou misturar Miami com Copacabana”...

• “Chiclete eu misturo com banana”...
Alguns exemplos de aculturação durante a história:
Expansão marítima européia no século XV e XVI
"Romanização" (expressão criada por Theodor Mommsen).
Guerra Fria
Nos tempos de hoje devido a globalização.
Referências

ASSIS, Cássia Lobão . Estudos contemporâneos de cultura / Cássia Lobão Assis, Cristiane Maria Nepomuceno. – Campina Grande: UEPB/UFRN, 2008.

BARRETO, Luis Filipe. A aculturação portuguesa na expansão e o luso-tropicalismo. Volume I. Raízes e Estruturas.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O Que é Educação. São Paulo: Círculo do Livro, 1991.

COELHO, Teixeira. A Cultura e seu contrário. Editora Iluminura, 2001.

COELHO, Teixeira. Dicionário crítico de política cultural. 3. Editora São Paulo: FAPESP/ Iluminuras, 2004.

LAPLANTINE, F. Aprender antropologia. Trad. Marie-Agnés Chauvel. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

MOMMSEN, Theodor. História de Roma. Editora Delta, 1902.

ULLMANN, Reinholdo Aloysio. Antropologia: o homem e a cultura. Petrópolis: Vozes, 1991.

WACHTEL, Nathan. Le Retour des Ancêtres. Editora Gallimard. Reimpressão: 1960
Full transcript